Telecurso 2000. Física Completo. - 09fis

Telecurso 2000. Física Completo. - 09fis

9 AULA

Como erguer um piano sem fazer força

Como vimos na aula sobre as leis de Newton, podemos olhar o movimento das coisas sob o ponto de vista da Dinâmica, ou melhor, olhando os “motivos” que levam um objeto a se mover. O que vamos fazer nesta aula Ø aplicar essas leis em diversas situaçıes.

Temos sempre problemas para levantar objetos muito pesados. Muitas vezes sªo tªo pesados que nªo conseguimos tirÆ-los do chªo. Outras vezes estamos com problemas nas costas, que nªo nos permitem nem levantar um pequeno peso.

Esse problema de levantar pesos Ø antigo. Os egípcios jÆ enfrentavam esse problema, quando tinham que levantar pedras imensas na construçªo das pirâmides. Mesmo de brincadeira, vemos a necessidade de levantar pesos. Nos filmes do Tarzan, o “rei da selvas” recrutava sempre um elefante para erguŒ-lo atØ sua casa na Ærvore. Nos portos, quando os navios trazem cargas enormes, Ø necessÆrio sugerir soluçıes que facilitem e agilizem a descarga do material.

Vamos usar nossos conhecimentos das leis de Newton para resolver e propor soluçıes para alguns problemas, que à primeira vista parecem simples, mas que sªo uma chave para problemas maiores, como por exemplo a descarga de material em um porto.

Vamos resolver esses problemas em alguns passos, para compreender melhor o que estÆ acontecendo em cada situaçªo.

Normalmente teremos trŒs passos, conforme descrito a seguir: a)a)a)a)a)isolamento dos corpos (diagrama de forças); b)b)b)b)b)construçªo das equaçıes dinâmicas; c)c)c)c)c)soluçªo das equaçıes dinâmicas.

Vamos analisar um exemplo bem simples para treinar o uso desses passos:

Passo-a-passo

Vamos supor que Gaspar queira colocar um pacote de feno no sótªo do celeiro de sua pequena fazenda. Esse pacote tem uma massa de 100 kg. Gaspar, que estava gordo nessa Øpoca, com uma massa de 80 kg, teve recomendaçªo mØdica para nªo carregar muito peso e ficou preocupado com o peso do pacote.

9 A U L A

9 AULA

Figura 1

PFeno T

PGaspar

Maristela sugeriu que Gaspar comprasse uma roldana, para facilitar o serviço. Disse que em sua viagem atØ o litoral tinha ido ao porto e visto muitas roldanas por lÆ e achava que, com elas, seria muito fÆcil carregar grandes pesos.

Antes de comprar a roldana, Gaspar resolveu fazer um esboço da situaçªo esboço da situaçªo esboço da situaçªo esboço da situaçªo esboço da situaçªo e calcular qual seria a força que teria de fazer para elevar o feno com uma roldana; e mais, queria saber qual seria a força que o teto teria que fazer para agüentar todo o sistema. Podemos ver na Figura 1 o esboço feito por Gaspar:

Gaspar seguiu entªo os trŒs passos para a utilizaçªo das leis de Newton. Vejamos ao primeiro passo :

1” passo - Isolamento dos corpos (diagrama de forças)

“Isolar” o corpo Ø separÆ-lo do ambiente que o cerca separÆ-lo do ambiente que o cerca separÆ-lo do ambiente que o cerca separÆ-lo do ambiente que o cerca separÆ-lo do ambiente que o cerca, ou seja, Gaspar estÆ interessado em estudar quais sªo as forças que estªo agindo sobre o feno e a roldana, quais sªo os motivos que levam o feno a ficar suspenso e a roldana parada.

Gaspar sabe que, quando o pacote estÆ suspenso, estÆ sob a açªo de duas forças.

A força peso (peso (peso (peso (peso ( →→→→→

PPPPPFFFFFenoenoenoenoeno), que Ø a força de atraçªoforça de atraçªoforça de atraçªoforça de atraçªoforça de atraçªo que a Terra que a corda faz sobre o pacote.

A roldana estÆ sob açªo da força de sustentaçªo (→ S), que o teto faz sobre ela, e sob a açªo da força que a corda faz (→ T). Como sua massa Ø muito pequena, nªo consideramos o seu peso.

E sobre ele próprio estªo agindo a força da gravidade (PGaspar) e a força que a corda faz nele (T).

Como podemos ver nas ilustraçıes do pacote, da roldana e de Gaspar, todos estªo isolados e as forças que agem sobre eles estªo indicadas (diagrama de forças).

fifi

AULAGaspar começou entªo o segundo passo:

2” passo - Construçªo das equaçıes dinâmicas

Aqui, usamos a segunda lei de Newton, ou seja, queremos saber sobre a resultante resultante resultante resultante resultante das forças (→ R), que age em cada corpo. Sabemos que a força resultante sobre um corpo Ø a soma de todas as forças que estªo agindo sobre ele. Fazendo a soma das forças, Gaspar pode verificar as condiçıes necessÆrias para que o feno fique, no mínimono mínimono mínimono mínimono mínimo, suspenso.

Aplicamos entªo a segunda lei de Newton para estudarmos o que ocorre com o pacote de feno. Como podemos ver na figura do isolamento, o pacote de feno estÆ sob a açªo de duas forças que agem em sentidos opostos. Devemos entªo definir um referencial, por exemplo, podemos dizer que "tudo que aponta para cima Ø positivo", com isso podemos escrever a equaçªo dinâmica para o pacote de feno:

Fresultante = Rfeno = T - Pfeno = m · afeno = 0

A força resultante Ø igual a zero, pois Gaspar estÆ interessado na situaçªo em que ele estÆ apenas sustentandoapenas sustentandoapenas sustentandoapenas sustentandoapenas sustentando o pacote sem que ele se mova; isso significa que a aceleraçªo do pacote de feno Ø zero. O valor da força peso Ø positivo devido ao vetor peso estar "apontando" para baixo, enquanto o vetor T estÆ "apontando" para cima, por isso o valor do vetor T Ø negativo. Obtemos, entªo, a equaçªo dinâmica do pacote de feno.

T - Pfeno = 0

A roldana, como podemos ver na figura do isolamento, estÆ sob a açªo da força de sustentaçªo (S), que o teto do celeiro exerce sobre ele e, sob a açªo da corda que a puxa por duas vezes.

Nesse caso Gaspar estÆ fazendo duas consideraçıes:

lQue o peso da roldana e da corda Ø desprezível perto do peso do pacote de feno. lE que a corda Ø ideal, ou seja, ela nªo se distende e transmite totalmente a força que Ø feita numa ponta para todos os seus pontos.

Assim, a equaçªo dinâmica para a roldana Ø, considerando o mesmo referencial que foi adotado para o feno:

Fresultante = Rroldana = mmoldana · a = 0 = S - T - T

S - 2T = 0

E, finalmente, a equaçªo dinâmica do próprio Gaspar. Neste caso, precisamos observar que se o feno sobe, Gaspar vai descer. Entªo se o sentido "positivo" para o feno Ø o de subida, para Gaspar o sentido "positivo" serÆ o de descida! Assim teremos a seguinte equaçªo dinâmica:

Fresultante = RGaspar = mGaspar · a = 0 = PGaspar - T

PGaspar - T = 0 Apesar de termos trŒs equaçıes simples, vamos realizar o terceiro passo.

AULA3” passo - Soluçªo das equaçıes dinâmicas

Usando a equaçªo do pacote de feno, temos T = Pfeno

T = mfeno · g = 100 kg · 10 m s2

= 1.0 N

Com a equaçªo da roldana: S = 2 T S = 2 · 1.0 N = 2 0 N

E com a equaçªo para Gaspar: T = PGaspar

Com isso, Gaspar pode prever que a força que o teto faria para sustentar o sistema Ø igual ao dobro do peso do feno (S = 2T).

Mas houve um problema: a força que Gaspar teria que fazer Ø, no mínimo, igual ao peso do feno.

Que vantagem houve em usar uma roldana (T = Pfeno )? Houve uma vantagem: agora basta que Gaspar se pendure na corda para que a feno fique suspenso, pois seu próprio peso pode servir como uma força para sustentar o feno (T = PGaspar ). Mais uma vez aparece um problema, pois a œltima equaçªo nos diz que, no mínimo, Gaspar precisa ter o mesmo peso que o pacote de feno:

Pfeno = T = PGaspar

Mas Gaspar tem uma massa de apenas 80 kg, o que significa um peso de 800 N. Ou seja, Gaspar nªo conseguiu resolver seu problema. Mas ele nªo desistiu, logo começou a pensar num jeito de nªo ter que fazer tanto esforço. Finalmente surgiu uma idØia!

Passo-a-passo

Gaspar resolve colocar mais uma roldana em jogo, e faz o seguinte desenho. Gaspar fica muito animado com sua idØia e rapidamente começa a trabalhar na previsªo da força que ele terÆ de fazer. Assim, começa o primeiro passo:

1” passo - Isolamento dos corpos (diagrama de forças)

Pelo desenho de Gaspar, Ø possível ver que o pacote de feno permanece na mesma situaçªo. O que temos de novo Ø a segunda roldana e mais um pedaço de corda, que prende a segunda roldana no teto do celeiro.Figura 3

9 AULA

Feito o desenho, ele rapidamente passa ao segundo passo.

2” passo - Construçªo das equaçıes dinâmicas

Gaspar, entªo, montou as equaçıes dinâmicas, usando a segunda lei de Newton:

Rfeno = mfeno · a = T1 - Pfeno = 0

Rroldana 1 = mroldana 1 · a = T + T - T1 = 0 Rroldana 2 = mroldana 2 · a = S - T - T = 0 RGaspar = mGaspar · a = PGaspar - T = 0

3” passo - Soluçªo das equaçıes dinâmicas

Temos, entªo, que T1 = Pfeno

T1 = mfeno · g = 100 kg · 10 m s2

= 1.0 N

T1 = 1.000N

2 T = T1

T = 500 N

S = 2 T S = 2.500

S = 1000 N

Gaspar, agora, começa a estudar seus resultados. O primeiro resultado Ø que a força que Gaspar terÆ que fazer na corda (T) Ø igual a 500 newtons, ou seja, Ø a metade da força no caso anterior.

PGaspar PFeno T1 T

T TTFigura 4

AULAA parede terÆ que resistir, na primeira roldana, a uma força de 500 newtons e, na segunda roldana, a uma força de 1.0 newtons.

Certamente, com seu peso de 80 kg, Gaspar poderÆ levantar o pacote de feno, basta que ele se pendure na corda, serÆ o suficiente para que o pacote suba!

Gaspar pôde, usando as leis de Newton, prever que força ele teria que fazer usando um sistema de roldanas. Certamente o valor encontrado nªo serÆ exatamente o que ele vai encontrar quando for construir o sistema real, pois foramforamforamforamforam feitas algumas aproximaçıesfeitas algumas aproximaçıesfeitas algumas aproximaçıesfeitas algumas aproximaçıesfeitas algumas aproximaçıes, como considerar a massa da corda e da roldana iguais a zero, e desprezar o atrito da roldana com seu eixo de rotaçªo, mas com todas essas aproximaçıes, Gaspar ainda farÆ uma força menor do que o peso do pacote de feno.

Que força Gaspar teria de fazer se tivesse montado o sistema com mais uma roldana (Figura 5)?

ObservaçªoObservaçªoObservaçªoObservaçªoObservaçªo

Na primeira situaçªo, Gaspar nªo conseguiria levantar o feno, pois, mesmo que ele se pendurasse na corda, seu peso era menor que o do pacote de feno. Na segunda situaçªo, com o auxílio de mais uma roldana, a força necessÆria para levantar o pacote era menor que o peso de Gaspar; com isso, se ele se pendurasse na corda, o feno iria se levantar. Quando hÆ um excesso de peso em um dos lados da corda, chamamos isso de contrapesocontrapesocontrapesocontrapesocontrapeso. Em vÆrias situaçıes em que temos uma só roldana, o contrapeso servirÆ como um grande auxiliar no levantamento de grandes pesos. Por exemplo, nos elevadores:

Normalmente podemos ver como funciona um elevador de um edifício em construçªo, pois sua estrutura estÆ à mostra. Observe a Figura 6: o elevador Ø sustentado por um cabo que vai atØ uma grande polia e volta, passando por um bloco de cimento; e vai direto a um motor de sustentaçªo, que se encontra no solo. Esse tipo de elevador carrega tanto material como pessoal de serviço e isso, de forma geral, exige muito do motor.

Nesse tipo de situaçªo, evita-se o uso de muitas roldanas, pois o espaço para colocÆ-las nem sempre estÆ disponível.

Para nªo exigir muito do motor, colocam-se os contrapesos, assim como estÆ indicado na Figura 6.

Passo-a-passo

Algumas vezes durante o período de construçªo de parede, período no qual as paredes nos andares superiores sªo levantadas, os elevadores tŒm que subir carregados de tijolos. Essa Ø a etapa de construçªo em que os elevadores sªo mais exigidos.

Figura 5

Motor de

Contr a-peso Cabine do sustentação

Figura 6

Cabine doelevador Elevador

AULAVamos calcular qual a força que um motor de sustentaçªo de um elevador de construçªo tem que fazer para suspender uma carga de 500 kg de tijolos, de

Temos que levar em consideraçªo a massa da cabina do elevador que Ø da ordem de 250 kg e a massa do contrapeso que Ø igual a 250 kg. Novamente estamos desprezando a massa do cabo e da roldana.

1” passo - Isolamento (diagrama de forças)

Como podemos ver na Figura 7, o conjunto da cabina de carga e de tijolos estÆ sob a açªo da força da gravidade (→

Pe + → Pc) e o cabo de sustentaçªo (→

A roldana estÆ sob a açªo do cabo de sustentaçªo (→T) e o teto do elevador (→ S).

O contra-peso esta sob a açªo do cabo de sustentaçªo (→ T), o seu próprio peso (→

Pcp) e a força que o motor faz sobre ele (→ Fm).

Podemos entªo passar ao segundo passo:

2” passo - Construçªo das equaçıes dinâmicas

Pela figura, podemos escrever que:

Relevador = (melevador + mcarga) · a = T - Pelevador - Pcarga Rcontrapeso = mcontrapeso · a = Fmotor + Pcontrapeso - T Rroldana = mroldana · a = S - T - T = 0

E essas sªo as trŒs equaçıes dinâmicas do sistema.

3” passo - Soluçªo do sistema dinâmico

Antes de mais nada, precisamos calcular o peso dos objetos que estªo envolvidos no processo:

Pelevador = melevador · g = 250 kg · 10 m s2

= 2.500 N

Pcarga = mcarga · g = 500 kg · 10 m s2

= 5.0 N

Pcontrapeso = mcontrapeso · g = 250 kg · 10 m s2

= 2.500 N

Pcontrapeso Pelevador PCarga

AULACom isso, podemos calcular as equaçıes dinâmicas. Temos, entªo, para a cabina e a carga, a 1“ equaçªo dinâmica:

T - 2.500 - 5.0 = (250 + 500) · 1 T = 7.500 + 750

T = 8.250 N Para o contrapeso:

Fmotor + 2.500 - 8.250 = 250 · 1 Fmotor = 250 + 5.750

Fmotor = 6.0 N

Isso mostra que o motor faz uma força menor menor menor menor menor do que o peso do elevador e da carga juntosjuntosjuntosjuntosjuntos (Pelevador + Pcarga = 7.500N). Para a roldana temos:

S = 2T = 2 · 8.250 = 16.500 N

S = 16.500 N

Ou seja, o teto do elevador sustenta todo o sistema: elevador, carga, contrapeso e mais a força que o motor faz na corda. Por isso, ele deve ser planejado e construído para suportar grandes cargas.

Nesta aula, vimos como usar as leis de Newton para planejar planejar planejar planejar planejar e prever prever prever prever prever o comportamento dinâmico de alguns sistemas, usando trŒs passos bÆsicos:

lisolamento (diagrama e forças); l equaçıes dinâmicas; lsoluçªo das equaçıes dinâmicas. Vimos tambØm como usar polias para diminuir o esforço no levantamento de grandes pesos.

TambØm vimos como usar contrapesos para diminuir a exigŒncia sobre um motor de sustentaçªo num elevador.

Exercício 1Exercício 1Exercício 1Exercício 1Exercício 1

Nos elevadores de prØdios comerciais, recomenda-se que a aceleraçªo mÆxima a que os passageiros podem ser submetidos Ø de 1 m/s2. Suponhamos que 10 passageiros, de 70 kg cada, entrem na cabina do elevador, que tem massa igual a 200 kg, e esta esteja sendo puxada pelo cabo com uma força de 9.100 N. Qual serÆ a aceleraçªo a que os passageiros estarªo submetidos?

Exercício 2Exercício 2Exercício 2Exercício 2Exercício 2

Vimos que, quando aumentamos o nœmero de roldanas, a força necessÆria para levantar um objeto diminui. Podemos ver que para cada roldana colocada a força necessÆria Ø dividida por dois. Mas as roldanas nªo sªo mÆgicas, isto Ø, existe um custo para que a força diminua. Qual Ø esse custo? (Lembre-se de qual Ø o outro material necessÆrio, alØm das novas roldanas, para que o sistema funcione!)

Exercício 3Exercício 3Exercício 3Exercício 3Exercício 3

Imagine que Gaspar queira descer uma caixa cheia de pratos de louça, no seu sistema com uma roldana. O peso da caixa Ø de 1.200 newtons (o que equivale ao peso de uma massa de 120 kg). Sabendo que Gaspar pesa 80 kg, o que ocorrerÆ com a caixa de pratos? Calcule a aceleraçªo que a caixa terÆ.

Comentários