(Parte 1 de 2)

KIT PARA TESTES DE SENSIBILIDADE CUTÂNEA

ESTESIÔMETRO SORRI Manual do usuário

instrumento

• Leia o manual do produto antes de tentar utilizar este

lido cuidadosamente todas as instruções

• Não tente efetuar qualquer procedimento sem ter

as recomendações do fabricante

• Respeite sempre as instruções para uso do produto e

• Caso surja alguma dúvida quanto ao modo de procedimento em qualquer situação, consulte o pessoal qualificado da SORRI-BAURU.

ASPECTOS GERAIS DO INSTRUMENTO APRESENTAÇÃO IMPORTÂNCIA PROTOCOLO de EXAME MONTAGEM e UTILIZAÇÃO dos MONOFILAMENTOS CUIDANDO dos SEUS FILAMENTOS EQUIVALÊNCIA COM OUTROS TESTES MAPEAMENTO dos LIMIARES ASSEPSIA dos MONOFILAMENTOS

INTRODUÇÃO: O Kit para testes de Sensibilidade da SORRI-BAURU é um “Estesiômetro de monofilamentos sintéticos”.

O senso tátil possibilitado pelo nosso sistema nervoso é um importante ponto de contato com o mundo em nosso redor. Possibilita o discernimento de objetos, ajuda a proteger a pele e tecidos subjacentes contra danos, fornecendo a percepção rápida de um toque leve ou de uma pressão profunda.

Alterações do limiar de percepção tátil cutânea podem prejudicar esta capacidade que temos de nos proteger contra objetos ou eventualidades perigosas ao nosso redor.

O Estesiômetro da SORRI serve para avaliar e monitorar o grau de sensibilidade cutânea à percepção de forças aplicadas como estímulos aos nervos sensíveis ao toque leve e à pressão. As forças são graduadas em passos refletindo os limiares funcionais considerados mais críticos para as mãos e os pés, (BELL-KROTOSKI, 1989) compreendidos em seis faixas entre 0,05gf (0,49mN) e 300gf (2,94N).

Assim, o instrumento permite detecção e monitoramento de alterações funcionais dos nervos periféricos do paciente. Em diabetes e na hanseníase, assim como em outras doenças que apresentam neuropatias debilitantes, é fundamental a percepção precoce de tais alterações para poder prevenir deficiências, evitar lesões e até amputações de membros e ou seg mentos.

• Um filamento de nylon tende a encurvar-se de maneira elástica quando a aplicação de uma força axial de compressão chegar a um valor crítico (LEVIN et al, 1978) 10 .

• Em condições típicas de laboratório ou clínica, tal força crítica depende do módulo elástico do nylon, do comprimento do monofilamento e de seu diâmetro.

• Nessas condições o módulo elástico é uma constante, enquanto o diâmetro e o comprimento são cuidadosamente controlados no processo de produção do instrumento.

• Assim, quando corretamente aplicado, um sinal claro (a curva do filamento) está emitido no momento em que uma força crítica, conhecida para cada filamento, for aplicada através do filamento.

• Mesmo se o filamento sofrer um pouco mais de compressão, ou leve vibração, a curvatura elástica do filamento ajuda a manter efetivamente constante a força aplicada. (BELL-KROTOKI, 1989)²

• Após diversas tentativas de introduzir e difundir no Brasil um método prático de avaliar alterações funcionais da sensibilidade cutânea de pessoas com hanseníase, profissionais da American Leprosy Missions trouxeram o problema para a SORRI-Bauru, instituição envolvida nos processos de reabilitação, em especial com os problemas da hanseníase, já com destacado programa de desenvolvimento de produtos especiais.

• O designer da SORRI-Bauru desenvolveu um instrumento portátil, robusto e fácil de utilizar na clínica ou em campo, mesmo em condições adversas, (LEHMAN

• O Kit, desenvolvido na SORRI-

Bauru, segue a proposta do Sidney Weinstein, de usar filamentos de nylon de comprimentos iguais, variando somente o diâmetro,

• Este, por sua vez, se fundamentou no trabalho experimental do fisiologista alemão Maximilian Von Frey, que utilizou fibras de origem animal ou vegetal, calibrados pra fornecer estímulos precisos, (Von

• O Kit da SORRI se apresenta em um estojo contendo filamentos calibrados, montados em suportes e protegidos dentro de tubos transparentes.

• Cada tubo acondiciona dois filamentos iguais, sendo um de uso imediato e o outro para reserva.

• No seu conjunto tradicional, seis destes tubos servem como hastes para segurar e manter o filamento na posição correta para aplicação. O sétimo tubo é reservatório para outros dois filamentos dos mais delicados, e é conformado para servir também para apoiar convenientemente sobre uma superfície, as demais hastes, uma vez montadas para utilização.

• Outras combinações de filamentos podem eventualmente ser disponibilizadas - por exemplo, estojos com um tubo único com dois filamentos para utilização em triagens específicas.

• Os filamentos de nylon são coloridos, como também o são os seus suportes e o código de cores indica a força axial necessária para envergar o filamento. Os tubos têm um furo transversal onde se encaixa o suporte de um dos seus filamentos durante o uso.

• Cada estojo é rotulado e contém um folheto explicativo com dados sobre o instrumento e fabricante, instruções para manuseio e manutenção, dicas para facilitar o mapeamento e grade para ajudar na interpretação dos resultados do teste.

das lesões dos pés das Neuropatias Diabética, e Alcoólica, entre outrasAvaliadas as alterações em tempo, as lesões e deformidades podem ser

“É importante reconhecer que é o envolvimento do nervo periférico que representa a causa das deformidades em doenças como a Hanseníase, e prevenidas, e não apenas tratadas.”

• "Pacientes diabéticos podem desenvolver problemas nos pés devido a duas condições principais: a neuropatia e a arteriopatia. A neuropatia representa a degeneração dos nervos periféricos que pode se manifestar pela perda da sensibilidade, e por alterações autonômicas e motoras. A perda da sensibilidade, ou seja, a ausência ou diminuição da sensação dolorosa, pode ocasionar ferimentos que não são percebidos pelo paciente. É conhecida, por esse motivo, como a perda da sensibilidade protetora. Sob o ponto de vista diagnóstico, a insensibilidade ao exame com monofilamentos que apresentam curvatura sob a força de dez gramas define este tipo de alteração sensitiva."

• "Esse exame é importante tanto sob o ponto de vista de diagnóstico, como para orientação do paciente e familiares, que ao acompanharem e constatarem a nãopercepção do contato do filamento com a pele plantar, podem adotar posturas profiláticas em relação a essa alteração sensitiva."

• "A ulceração representa porta aberta para instalação de infecções, que devido à insensibilidade do pé, podem passar despercebidas por um longo tempo, aumentando a gravidade de suas manifestações. As consequências desse processo podem ser graves, como a necessidade da amputação do membro. Úlceras plantares precedem 85% das amputações em pacientes diabéticos, e estima-se que 75% dessas amputações são evitáveis por identificação e educação dos pacientes"

(Frykberg, R.G.:J.Foot Ankle Surg 37 (5): 440-446, 1998 - in: De Luccia, Nelson. Alterações Neurovasculares nos Pés de Pacientes Diabéticos - apostila USP).

PROTOCOLO de EXAME:

Para garantir a confiabilidade do teste, é fundamental obedecer rigorosamente um protocolo padronizado.

• Anotações cuidadosas ajudam a análise do caso. Por isso é aconselhável providenciar antecipadamente canetas coloridas e formulários de mapeamento, que facilitam a interpretação das observações.

• É recomendado um lugar calmo, sem barulho e distrações, para fazer os testes.

• A sensação tátil varia com a temperatura. Permita ao paciente que acaba de estar sob sol forte, ou frio, tempo para se ajustar à temperatura ambiental do local do exame.

• O procedimento deve ser previamente demonstrado em uma área do corpo do paciente onde há uma boa sensibilidade, de modo que tanto o paciente quanto o examinador se sintam confiantes nos procedimentos.

• Efetue a avaliação na sequência listada a seguir, documentando como “limiar” a 1ª resposta afirmativa em cada local testado.

Aplicar os filamentos nessa sequência, até obter uma resposta afirmativa:

Se a primeira resposta afirmativa é ao Filamento dessa cor

Interpretação:

1 Filamento Verde:

- Sensibilidade dentro da faixa considerada normal para mão e pé.

2 Filamento Azul:

- Sensibilidade diminuída na mão, com dificuldade quanto a discriminação fina. Ainda dentro do "normal" para o pé.

3 Filamento Violeta:

- Sensibilidade protetora diminuída, permanecendo o suficiente para prevenir lesões. - Dificuldade com a discriminação de forma e temperatura.

4 Filamento Vermelho:

- Perda da sensação protetora para a mão, e às vezes, para o pé. - Vulnerável a lesões.

- Perda da discriminação quente / frio.

5 Filamento Laranja:

- Perda da sensação protetora para o pé, ainda podendo sentir pressão profunda e dor.

6 Filamento Magenta:

- Permanece a sensibilidade à pressão profunda e dor.

- Nenhuma resposta afirmativa - Perda de sensibilidade à pressão profunda, normalmente não podendo sentir dor.

MONTAGEM e APLICAÇÃO dos MONOFILAMENTOS:

• Retire o filamento acondicionado na ponta mais perto dos furos laterais, encaixando-o cuidadosamente através dos mesmos.

• O outro filamento fica como reserva.

• Filamentos danificados, enrugados ou descalibrados devem ser descartados.

• Segure no cabo de modo que o filamento de nylon fique perpendicular à superfície da pele do paciente, ainda não tocando.

• Evitando que o local de teste seja observado pelo paciente, pressione levemente até atingir a força suficiente para curvar o filamento, retirando-o suavemente em seguida.

• Peça ao paciente para responder "sim" quando sentir o toque do filamento.

• O contato entre o filamento e a pele deve ser feito lentamente, e mantido durante aproximadamente um segundo e meio, sem permitir que o filamento deslize sobre a pele.

• Nunca use o mesmo filamento em mais que 10 pacientes ao dia - utilize o filamento de reserva.

• A limpeza dos filamentos deve ser feita cuidadosamente com água morna, sabão neutro e álcool, porém sem deixá-los de molho. • Não utilize os filamentos para testar os olhos, tecidos mucosos, nem lesões abertas.

• Ao guardar o filamento, é conveniente tampar os furos laterais com os dedos para evitar que a ponta do filamento saia e seja danificada.

1.Manter os filamentos fora do sol e ao abrigo de fontes de luz UV.

2. Evitar que os filamentos entrem em contato com agentes químicos (ácido, álcali, agentes oxidantes, entre outros)

3. Guardar num lugar escuro, seco e arejado.

4. Guardar cuidadosamente o filamento após uso. É conveniente tampar os furos laterais com os dedos para evitar que a ponta do filamento sair e se danificar.

5. Se o filamento mostrar sinais de danos (curva pronunciada, quebra, racha, ondulações), deverá ser descartado. Filamentos de reposição podem ser obtidos na SORRI.

6. É importante deixar o filamento descansar para 24 horas, depois de usar repetidamente (BOOTH & YOUNG, 2000) 4 . Troque a cada 100 “toques” ou após testar com 10 pacientes no mesmo dia - lembra que o conjunto da SORRI fornece filamentos de reserva.

7. Antes de começar o teste, sempre curvar cada filamento duas vezes para "aquecimento". (BELL-KROTOSKI, 1989 2 ; BOOTH &

A correlação entre os limiares funcionais de sensibilidade cutânea e testes tradicionais, foi observada pela primeira vez por Von Prince & Butler (1967) 14 .

Primeira resposta Interpretação Equivalência

Filamento Verde: ( 0,05 gf)

A sensibilidade é normal para mão e pé. - Sensibilidade normal:

- grafestesia conservada. - conservada a capacidade de discriminar diferentes tipos de textura.

- estereognosia, e termoestesia conservada. - permanece a sensação de pressão profunda e dor. - cinestesia conservada.

Filamento Azul: ( 0,2 gf )

Sensibilidade diminuída na mão, com dificuldade quanto a discriminação fina. Ainda dentro do "normal" para o pé.

- Sensibilidade diminuída: - perda da grafestesia.

- dificuldade para discriminar textura (tato leve).

- conservada a capacidade de reconhecer formas e discriminar temperatura. - permanece sensação de pressão profunda e dor.

- cinestesia conservada.

Filamento Violeta: ( 2,0 gf )

- Sensibilidade protetora para a mão diminuída, permanecendo o suficiente para prevenir lesões. -Dificuldade com a discriminação de forma e temperatura.

- Sensibilidade protetora diminuída:

- perda da grafestesia e discriminação de textura (tato leve). - dificuldade para discriminar forma e calor.

- permanece sensação de pressão profunda e dor. - cinestesia conservada.

Filamento Vermelho: ( 4,0 gf )

- Perda da sensação protetora para a mão e às vezes para o pé. - Vulnerável a lesões.

- Perda da discriminação quente / frio.

Filamento Laranja: ( 10,0 gf )

- Perda da sensação protetora para o pé, ainda podendo sentir pressão profunda e dor.

- Perda de sensibilidade protetora:

- perda de grafestesia e discriminação de textura (tato leve). - incapacidade para discriminar formas e temperatura.

- permanece sensação de pressão profunda e à dor. - cinestesia conservada.

Filamento Rosa: ( 300 gf )

- Sensibilidade à pressão profunda mantida, podendo ainda sentir dor. - Sensação de pressão profunda:

- grafestesia e discriminação de textura (tato leve) perdidas.

- incapacidade para discriminar formas e temperatura - cinestesia está presente.

Nenhuma resposta no local testado

- Perda de sensibilidade à pressão profunda, normalmente não podendo sentir dor. - Perda de sensação profunda:

- grafestesia e tato leve perdidos.

- incapacidade de discriminar forma ou calor.

- sensibilidade dolorosa pode estar presente. - cinestesia pode estar presente.

PROTOCOLO TRADICIONAL de MAPEAMENTO dos LIMIARES (código de símbolos e cores):

O toque mais leve que se pode sentir é do filamento: INTERPRETAÇÃO

Código tradicional para mapeamento no prontuário:

Bolinha verde

- Sensibilidade dentro da faixa considerada normal para mão e pé.

- Sensibilidade diminuída na mão, com dificuldade quanto a

Bolinha azul

discriminação fina. Ainda dentro do "normal" para o pé.

Violeta (2,0gf)

- Sensibilidade protetora para a mão diminuída, permanecendo o suficiente para prevenir lesões.

Bolinha roxa

- Dificuldade com a discriminação de forma e temperatura.

Vermelho escuro (4,0gf)

- Perda da sensação protetora para a mão, e às vezes, para o pé. - Vulnerável a lesões.

- Perda da discriminação quente / frio. Bolinha vermelha

Laranja (10gf)

- Perda da sensação protetora para o pé, ainda podendo sentir pressão

“X” em vermelho

profunda e dor.

Magenta / rosa (300gf)

Circulo vermelho

- Sensibilidade à pressão profunda mantida, podendo ainda sentir dor.

Nenhuma resposta - Perda de sensibilidade à pressão profunda, normalmente não podendo sentir dor. Bolinha preta

O estesiômetro de monofilamentos pode ser usado em muitos pacientes, desde que os cuidados necessários para assepsia sejam rigorosamente efetuados.

Instruções resumidas para o uso e a limpeza do instrumento acompanham o Kit da SORRI.

• Recomenda-se lavar cuidadosamente os filamentos imediatamente após o uso, evitando esticar ou amassar o filamento neste processo.

• Uma solução de sabão líquido em água morna pode ser usada, opcionalmente com clorexidina a 4%, mas evitando tinturas e compostos de iodo (PVPI , iodophor, etc).

• Em seguida, limpar com álcool etílico a 70% e deixar secar o filamento.

• Não deve ser usado o álcool isopropílico, já que consta uma baixa resistência do nylon a este líquido.

• Os filamentos não devem ser deixados de molho, porque a absorção de água ou álcool pode provocar alterações (temporárias) na elasticidade do nylon.

• O conjunto não foi projetado para resistir à alta temperatura / umidade de autoclaves.

• Em condições ideais o estesiômetro pode manter sua precisão durante muitos anos, porém depois de um prazo de 18 meses de uso, é recomendada a reposição do instrumento para ter certeza de evitar alterações na calibração, que podem acontecer com tempo, como resultado da acumulação de pequenos efeitos químicos e físicos.

(Parte 1 de 2)

Comentários