Apostila V...l Biologia - biologia - aula 15 - transpira??o nos vegetais

Apostila V...l Biologia - biologia - aula 15 - transpira??o nos vegetais

Aula 15 Transpiração nos vegetais

Transpiração é o processo em que as plantas perdem água sob forma de vapor. A folha é o principal órgão responsável pela transpiração vegetal; mas outros órgãos como flor, caule e fruto também transpiram.

A transpiração total das plantas é realizada pelos estômatos (processo fisiológico) e pela cutícula (fenômeno físico).

Folha – vista frontal da epiderme

Corte transversal da folha

Transpiração Transpiração Transpiração = + total estomatar cuticular

Transpiração estomatar

A transpiração estomatar é realizada pelos estômatos e regulada por um fenda, denominada ostíolo, delimitada por duas células–guarda (ou célula estomática) clorofiladas. Através do ostílo, a planta realiza as trocas gasosas com o meio ambiente.

Transpiração cuticular

A transpiração cuticular é um processo físico de evaporação, sem o controle da planta. A cutícula de natureza lipídica recobre a epiderme, protegendo-a.

As plantas higrófilas vivem em ambiente úmido, apresentando uma cutícula delgada, folhas moles e grandes; tais folhas não precisam economizar água.

As plantas xerófilas são adaptadas ao ambiente seco, elas apresentam, em geral, folhas pequenas, duras e a cutícula espessa, garantindo à planta uma boa economia hídrica.

As vezes as folhas ficam reduzidas a pequenas escamas ou se transformam em espinhos, como nas cactáceas.

Plantas hidrófilas as

Plantas xerófilas delgada espessaCutícula

Planta xerófila Planta hidrófila

Para constatação da transpiração, pode ser feito um experimento: colocando-se uma folha recém-retirada em uma balança sensível, percebemos que ela apresenta redução de massa ao longo do tempo, devido a perda de água na transpiração. Abaixo, os resultados representados em um gráfico:

Fatores que influem na transpiração

Externos Internos

Método do Potômetro

O potômetro é um recipiente cheio de água em que é colocado um ramo com folhas, passando-o por uma tampa vedada. Dele sai um tubo graduado cheio de água. Levantando-se um pouco essa extremidade, aprisionamos no tubo uma bolha de ar. Com o passar do tempo, o nível do líquido no tubo graduado diminui, demonstrando que a água do recipiente foi absorvido e conduzida pelo xilema até as folhas do ramo.

Mecanismo de abertura e fechamento dos estômatos:

Fotoativo ‡ luz Hidroativo ‡ água

A abertura e o fechamento dos estômatos estão relacionados com o grau de turgescência das células–guarda.

Mecanismo hidroativo

Ganho de água Fechamento -------------------‡ Abertura do

do ostíolofl------------------ ostíolo
perda de água

Quando uma planta dispõe de pouca água, suas folhas murcham e os estômatos fecham-se. Ao receber água, as células–guarda tornam-se túrgidas e ocorre a abertura do estômatos.

Mecanismo fotoativo

Em presença de luz, a célula–guarda realiza a fotossíntese, diminuindo a concentração de CO2 (H2CO3

); tornando o meio alcalino, em conseqüência, a enzima fosforilase transforma o amido, açúcar insolúvel, em glicose, açúcar solúvel, aumentando a concentração das células–guarda.

As células–guarda, devido a alta concentração osmótica, recebem água das células vizinhas (baixa concentração osmótica), ocorrendo abertura do ostíolo.

Na ausência da luz, as células–guarda eliminam o CO2 durante a respiração, tornando o meio ácido. A enzima fosforilase transforma a glicose em amido. Diminui a pressão osmótica, ocorrendo o fechamento do ostíolo.

Fatores Estômatos

Abertura Fechamento

Grande Intensidade da luz Pequena

Grande

Grande Pequena

Pequena

Concentração de CO2 no mesófilo

Disponibilidade de água

As plantas de regiões áridas abrem os seus estômatos somente à noite, quando a temperatura ambiente é mais baixa e a transpiração é reduzida.

Exercícios

1) (Unesp) – Considere os seguintes esquemas do estômato.

As situações A e B estão relacionadas com os seguintes fenômenos:

‡ alta (I)

Intensidade da luz ‡ baixa (I)

‡ alta (I)

Concentração de CO 2

‡ alto (V)

Suprimento de água ‡ baixo (VI)

Para ocorrer a situação A, são necessários a) I, IV, V.d) I, IV e VI. b) I, I e V.e) I, I e V. c) I, IV e VI.

2) (Unesp) – O gráfico que melhor representa a variação na abertura dos estômatos (x) em função da concentração de CO2 (y) é:

3) Os esquemas abaixo representam detalhes da epiderme de duas folhas, designadas por I e I.

Com relação à análise dos esquema, pode-se dizer que:

a) em I, as células estomáticas apresentam menor suprimento hídrico que em I. b) em I, as células estomáticas apresentam maior suprimento hídrico que em I. c) em I, as células estomáticas estão túrgidas. d) em I, as células estomáticas estão murcha. e) em I e I, as células estomáticas devem apresentar o mesmo suprimento hídrico.

4) (FUVEST) – Uma folha recém–tirada de uma planta foi pesada a intervalos de 5 minutos, e verificou-se que seu peso foi diminuindo.

Cada ponto do gráfico abaixo representa a perda de peso entre duas pesagens consecutivas.

a) Por que a folha perde peso? b) Como se explica a mudança de comportamento da curva a partir do ponto indicado pela seta?

5) (FUVEST) – As xerófitas são plantas adaptadas a ambientes secos.

Todas as alternativas apresentam características desse tipo de planta, exceto:

a) aumento do número de estômatos com processo de fechamento lento. b) tecidos e órgãos adaptados para armazenamento da água. c) folhas pequenas ou reduzidas a espinhos. d) produção de ceras para reduzir a transpiração. e) sistemas radiculares extensos para facilitar a absorção.

Resolução de exercício

Resposta do exercício 1: A Resposta do exercício 2: A Resposta do exercício 3: A

Resposta do exercício 4: a) Devido a transpiração cuticular e estomatar. b) Os estômatos estão fechados e a planta continua a perder água pela cutícula.

Resposta do exercício 5: A

Comentários