Apostilade Arte Pré-Históriaa Arte Egípcia

Apostilade Arte Pré-Históriaa Arte Egípcia

(Parte 1 de 2)

Disciplina: Arte – Profª Roseane Serra / IFMA 1

Aluno(a): _ Nº

INSTITUTO FEDERAL DO MARANHÃO CAMPUS TIMON Disciplina: Arte / Professora: Roseane Serra ARTE NA PRÉ-HISTÓRIA

Um dos períodos mais fascinantes da história humana é a Pré-História. Esse período não foi registrado por nenhum documento escrito, pois é exatamente a época anterior à escrita. Tudo o que sabemos dos homens que viveram nesse tempo é o resultado da pesquisa de antropólogos, historiadores e dos estudos da moderna ciência arqueológica, que e constituíram cultura do homem.

O período mais antigo da Pré-História é chamado de Paleolítico e estendeu-se de 50 mil a 18 mil a.C. Foi neste período que apareceu o Homo sapiens, ou seja, nosso antepassado mais próximo na evolução biológica.

Em virtude das alterações climáticas que se verificaram na terra, as temperaturas eram muito baixas, obrigando os grupos humanos viverem em cavernas. Foi nessa época que os homens aprenderam utilizar pedaços de pedra, madeira e ossos para confeccionar os primeiros instrumentos a fim de agir no meio ambiente.

As alterações climáticas do planeta transtornavam a vida do homem primitivo. Isto porque as calotas polares cresciam muito e o gelo do Pólo Norte avançou para o Sul, chegando a cobrir uma parte da Europa. Essa época, chamada de Paleolítico Superior, se estendeu de 30 mil a 18 mil anos a.C. Estes fenômenos constituíram as glaciações.

Viviam praticamente da caça e da coleta de frutos nas florestas. O uso de objetos de pedra levaram os historiadores a denominar esse período de Idade da Pedra Lascada (Paleolítico). Foi na idade da Pedra Lascada que o homem descobriu o fogo, de grande utilidade para a sua sobrevivência e conforto dos grupos humanos, melhorando seus instrumentos e aparecem também as primeiras manifestações artísticas nas paredes das cavernas.

PALEOLÍTICO SUPERIOR - Instrumentos de marfim, ossos, madeira e pedra: machado, arco e flecha, lançador de dardos, anzol e linha; - Desenvolvimento da pintura e da escultura.

- Instrumentos de pedra polida, enxada e tear;

- Início do cultivo dos campos;

- Artesanato: cerâmica e tecidos;

- Construção de pedra;

- Primeiros arquitetos do mundo.

Disciplina: Arte – Profª Roseane Serra / IFMA 2

No Neolítico o homem abandona o nomadismo e ingressa na vida sedentária, aproximando-se gradativamente do estágio das vastas organizações sociais, com divisão de tarefas e negociações dos excedentes.

O crescimento da população e o incentivo de práticas econômicas como criação de animais, agricultura e artesanato, bem como a intensificação das relações de troca proporcionaram a extensão da posse e da propriedade individual e a transformação das antigas relações familiares.

de armas e utensílios

No Paleolítico superior encontram-se as primeiras manifestações escultóricas do homem. O principal utensílio é o machado de mão, de sílix, isto é, de pedra lascada. Nesta época já começavam a aparecer estatuetas em marfim e osso, baixos-relevos em pedra, desenhos de incisões em pedra, objetos de adorno pessoal, decoração

O homem foi primeiro escultor e depois pintor, dada a maior capacidade de abstração exigida na pintura.

Nesse período aparecem figuras femininas talhadas em marfim, osso e pedra. A escultura foi responsável pela elaboração tanto de objetos religiosos quanto de utensílios domésticos, onde encontramos a temática predominante em toda a arte do período: animais e figuras humanas (Vênus). As esculturas são principalmente de figuras femininas conhecidas como Vênus. Eram caracterizadas pelos grandes seios e ancas largas, que estariam associadas a símbolos ou ritos de fecundação. Algumas formas são exageradamente volumosas. Arte Móvel

Na "arte móvel" incluem-se, além dos objetos de adorno pessoal, as peças gravadas, pintadas ou esculpidas que, pelas suas pequenas dimensões, podem ser deslocadas ou transportadas. Os respectivos suportes podem corresponder a objetos utilitários, tais como pontas de projéteis feitas de osso ou corno, ou não utilitários, tais como lajes, seixos ou ossos. A determinação da época a que pertencem é facilitada pela sua inclusão em depósitos arqueológicos que podem ser submetidos a processos de datação relativa ou absoluta. Temática : Representações humanas, animais e abstratas. Técnica : Gravura, pintura e escultura.

Disciplina: Arte – Profª Roseane Serra / IFMA 3

No Neolítico decrescem as atividades dos “escultores” e “pintores”, e passam a desenvolver bastante técnica da cerâmica. As cerâmicas serviam para rituais religiosos e para armazenar alimentos e água. Também eram produzidas pelas mulheres, diferentemente do período anterior.

O “escultor” do período Neolítico sabe cozinhar a argila, surgindo vasos com motivos geométricos.

Exemplos dessa cerâmica foi encontrada na Romênia e Hungria. Os arqueólogos acharam há alguns anos, vasos munidos de alças em forma de ferraduras com desenhos estilizados de veados e cabritos, no Irã.

rochedos e paredes de cavernas

A principal característica dos desenhos da Idade da Pedra Lascada é o naturalismo. O artista pintava os seres, um animal, por exemplo, do modo como o via de uma determinada perspectiva, reproduzindo a natureza tal qual sua vista captava. Utilizavam as pinturas rupestres, isto é, feitas em

As principais manifestações da pintura pré-histórica são encontradas no interior de cavernas, em paredes de pedra. A princípio retratavam cenas envolvendo principalmente animais, homens e mulheres e caçadas, existindo ainda a pintura de símbolos, com significado ainda desconhecido. Essa fase inicial é marcada pela utilização predominantemente do preto e do vermelho e é considerada portanto como naturalista.

As tintas eram conseguidas com matérias minerais, argilas coloridas, triturando-as e dissolvendo-as em água + gordura animal, vegetal, sangue de animal e excrementos de aves. A cor negra era obtida através da queima de ossos e madeiras (carvão). O homem aplicava as tintas com as mãos, espátulas, bastonetes ou pincéis rudimentares, quando não empregavam a técnica da pistolagem, isto é, enchiam a boca de tinta e sopravam por um canudo de madeira ou osso. Numerosas silhuetas de mãos espalmadas foram encontradas nas cavernas, possivelmente símbolos de posse, foram feitas através deste processo.

O “pintor” do Paleolítico era figurativo, isto é, reproduzia a imagem na sua verdade visual, não deformando nem estilizando – Chamamos de Naturalismo. Nas representações de animais, observava a lei da Frontalidade, na qual os mesmos eram vistos de perfil, e procurava desenhar de memória. Atualmente, a explicação mais aceita é que essa arte era realizada por caçadores, e que fazia parte do processo de magia por meio do qual procurava-se interferir na captura de animais, ou seja, o pintor-caçador do Paleolítico supunha ter poder sobre o animal desde que possuísse a sua imagem. Acreditava que poderia matar o animal verdadeiro desde que o representasse ferido mortalmente num desenho. Por isso representavam os animais feridos. A maioria das pinturas apresentam perfurações por flechas e lanças. Essa relação pintura x ritual é discutida por diversos estudiosos do assunto porque neste período o homem era dominado pela crença do poderes mágicos e pra garantir o alimento os representava com gostariam de tê-los.

Disciplina: Arte – Profª Roseane Serra / IFMA 4

Os animais apresentados eram necessários para sua sobrevivência. São bovídeos, eqüídeos e caprídeos e, na época do frio mais intenso, mamutes e renas. Os homens quando representados, ou são esquematizados, ou são feiticeiros cobertos com pele de bisão, tendo à cabeça galhos de veados e praticando alguma operação mágica.

No período Neolítico a pintura é utilizada como elemento decorativo e retratando as cenas do cotidiano.

A qualidade das obras é superior, mostrando um maior grau de abstração e a utilização de outros instrumentos que não as mãos, como espátulas.

Observa-se uma completa revolução estilística, a primeira verificada na arte. Os homens do Neolítico abandonam o realismo figurativo (naturalismo) do Paleolítico e tendem a simplificação e geometrização das imagens visuais. Procuram simplificar, esquematizar, substituindo, muitas vezes, as imagem realistas por símbolos e signos. Chegam portanto as formas abstratas.

Infelizmente não há vestígios de obras de arquitetura no Paleolítico. Dentre as várias causas, a principal reside no nomadismo do homem. Este, preocupado com a caça e a pesca para sua sobrevivência, perambulava de um lugar a outro, morando em cavernas para proteger-se das inclemências da natureza.

Mas tarde começa a construir choças e cabanas grosseiras com madeira e o barro cobertas de ramagens e peles de animais nos pousos de caça e pesca. É o que sugere signos em forma de teto em desenhos e pinturas no interior de algumas cavernas.

Os monumentos mais importantes e característicos da arquitetura neolítica foram as construções palafíticas e megalíticas. As construções palafíticas são habitações rústicas de madeira, reunidas em verdadeiras cidades erguidas sobre pilotis (estacas resistentes e profundamente enterradas nos lagos às margens de rios). Esse tipo de habitação é ainda hoje encontrado em comunidades ribeirinhas. Os monumentos megalíticos (do grego mega=grande, lítico=pedra) são enormes construções que assumem formas e disposições diversas e recebem denominações de menir, dólmen, cromleques, alinhamento e navetas.

Disciplina: Arte – Profª Roseane Serra / IFMA 5

MÉNIR : São grandes blocos de pedra erguidos verticalmente. - Pedras sagradas / marco de migração humana / estatuas de divindades.

DÓLMEN: São formados de duas pedras verticais que sustentam uma terceira colocada horizontalmente. - Sepulturas coletivas / templos

CROMLEQUES: São vários blocos de pedras erguidos verticalmente sustentando uma pedra horizontalmente. - Moradia / Proteção

ALINHAMENTOS: São menires enfileirados, regularmente espaçados e às vezes possuem uma extensão considerável. - Culto à deuses.

NAVETAS: Espécie de câmera funerária. Posteriormente os egípcios evoluem as navetas em mastabas.

ARTE EGÍPCIA

Uma das principais civilizações da Antigüidade foi a que se desenvolveu no Egito. Era uma civilização já bastante complexa em sua organização social e riquíssima em suas realizações culturais.

CARACTERÍSTICAS PRINCIPAIS Politeísmo

A existência dos deuses satisfazia a ânsia do homem de ser atendido pela divindade que afastava os temores existentes na sua alma. Crença na imortalidade da alma e do juízo final

Após a morte os egípcios eram submetidos ao jugamento de Osíris, por isso os túmulos eram decorados com fórmulas mágicas, quando não levavam o pergaminho contendo o livro dos mortos para ser citado perante os deuses.

Todos acreditavam que, após a morte, a alma voltaria a habitar seu corpo, ou algo que lembrasse o morto. Por isso os mais pobres pagavam aos sacerdotes para desenhar na casa do falecido uma pequena figura na parede para o morto nela reencarnar e não assombrar a casa.

Os ricos mumificavam os corpos, sendo depositados em túmulos de pedra. A religião invadiu toda a vida egípcia, interpretando o universo, justificando sua organização social e política, determinando o papel de cada classe social e, conseqüentemente, orientando toda a produção artística desse povo.

Além de crer em deuses que poderiam interferir na história humana, os egípcios acreditavam também numa vida após a morte e achavam que essa vida era mais importante do que a que viviam no presente. O fundamento ideológico da arte egípcia é a glorificação dos deuses e do rei defunto divinizado, para o qual se erguiam templos funerários e túmulos grandiosos.

Disciplina: Arte – Profª Roseane Serra / IFMA 6

(Parte 1 de 2)

Comentários