Universidade Federal Rural de Pernambuco - UFRPEUnidade Acadêmica de Serra Talhada - UAST

Sistemas de Informação 2011.2 Michael Lopes Bastos

Teoria Geral da Administração

Serra Talhada Outubro de 2011

Michael Lopes Bastos

Resumo do 7º capitulo do livro Teoria Geral da Administração (Motta e Vasconcelos)

Trabalho desenvolvido para a cadeira De Teoria geral da Administração, Como parte da avaliação Referente ao segundo bimestre de 2011, solicitado pelos professores Ivancil Cavalcante e Luciana Borges.

Serra Talhada Outubro de 201

O sistema e a contingência:

Teoria das organizações e tecnologia

Alguns estudos realizados por Burns e Stalker, com empresas da Inglaterra, fizeram surgir as ideis de dois tipos de organização a mecânica e a orgânica. A primeira privilegia a mecânica e o poder pela direção, totalmente contrária a segunda, que se dá com uma comunicação tanto vertical como horizontal, e possui poder de decisão descentralizado.

Grandes figuras

Jon Woodward realizou trabalhos consideráveis para teoria da contingência. Publicou obras importantes, como Organização industrial: teoria e pratica e Organização industrial: comportamento e comportamento e controle.

Woodward fez em sua região pesquisas relativamente importante. Fazendo referencias e analises em relação às organizações lá existentes. E em uma de suas conclusões relata que a tecnologia evolui de acordo com as necessidades da organização.

Tom Burns foi um dos mais importantes homens das teorias administrativas, isso se deu por conta de seus trabalhos em relação aos sistemas hierárquicos e orgânicos. Sua obra mais importante é o livro The manangement of innovation, que teve colaboração do psicólogo G.M. Stalker.

O seu modelo mecânico se adapta as situações do mercado tecnológico, já o orgânico, seria mais apto as turbulentas mudanças desse meio.

Para Lawrence e Lorsh a organização como um todo, para conseguir trabalhar com um meio ambiente não unificado, tem de se desenvolver setores especializados em diferentes tarefas, para que a diferença entre elas se estabilize.

O grupo de Aston mostra empiricamente como existe diversos tipos de burocracia, cada qual adaptada a uma configuração do ambiente. Também pretendeu demonstrar empiricamente que burocracia constitui um conceito pluridimensional, ao contrário daquilo que o tipo Ideal de Max Weber teria sugerido.

O grupo entendeu que seus itens deveriam tratar do que deveria ser feito na organização e não ao que era realmente feito. Apoiaram-se na análise de documentos cinco dimensões burocráticas tendo acontecido o abandono de outra anteriormente. Essas dimensões consideradas foram formalização, centralização, especialização, padronização e configuração.

O esquema conceitual do grupo de Aston utiliza como variáveis independentes para o estudo da estrutura e das atividades organizacionais aquilo chamavam variáveis de contexto, que incluem origem e história das organizações, propriedade e controle, tamanho plano (charter), tecnologia, localização, recursos e interdependência.

Com referência às variáveis de contexto, o grupo concluiu que o tamanho era a principal variável de explicação e previsão de estrutura organizacional, seguido da tecnologia e da interdependência.

Sete conjuntos de tipos de estrutura organizacional foram identificados:

  • Burocracia plena;

  • Burocracia plena nascente;

  • Burocracia de fluxo de trabalho;

  • Burocracia nascente de fluxo de trabalho;

  • Burocracia pré-fluxo de trabalho;

  • Burocracia de pessoal;

  • Organização implicitamente estruturada.

É importante salientar que Woodward distinguiu três modos de produção:

  • Produção por projeto ou produtos unitários

  • Produção em massa

  • Produção de fluxo contínuo ou processo

Cusomano é um importante autor que, com base nos trabalhos de Woordward de software e modos de organização, permitindo visualizar as ligações entre modos de produção, tecnologia e modos de organização.

Como nos mostra Cusomano, no seu estudo Shifting economies: From craft production to flexible systems and “software factories”, de 1992, existiam no início dos anos 1990 três modelos de produção predominantes no mercado de “software e serviços”,variando o tipo de produto oferecido:

  • Job-shop organizations

  • Sistema flexível de projeto e produção

  • Fábrica convencional de projeto produção

Outros modelos que relacionam organização e tecnologia são os dos seguintes autores:

James Thompson (1967). Propôs um método para classificar os tipos de tecnologia usados para fábricas e empresas de serviço. São ela Tecnologias longas e lineares, Tecnologias de medição, Tecnologia intensivas.

Charles Perrow propôs em 1967 um modelo de tecnologia organizacional. Ele analisa duas dimensões: a variabilidade das tarefas e o grau de formação do sistema para lidar com situações que estão previstas.

Podemos ver que a tecnologia e organização são mutuamente dependentes e estão interligados de modo claro.

Em outra linha de análise, Henry Mintzberg elaborou sua teoria das configurações, classificando vários tipos de organização dotados de formas e modelos diferentes, cada qual visando resolver determinado problema organizacional. Além de Mintzberg, outros autores desenvolvem mais tarde um modelo que leva em conta os aspectos políticos da organizações com o meio ambiente.

Comentários