histologia - tecido epitelal

histologia - tecido epitelal

Estudo dos tecidos do corpo, seus processos de diferenciação celular, suas estruturas e sua fisiologia.

Diferenciação celular

Fecundação Zigoto

Sucessivas mitoses

Diferentes células (dividem o trabalho)

Essa divisão de trabalho é conseqüência da DIFERENCIAÇÃO CELULAR

Processo que permite a formação de células especializadas na execução de determinada função do organismo

Todas as células diplóides do corpo humano têm os mesmos cromossomos e genes. No processo de diferenciação determinados genes ativadosnum tipo de célula ficam desativadosem outro tipo, e vice-versa

A capacidade de divisão das células é inversamente proporcional ao seu grau de diferenciação. Células dos neurônios, não se multiplicam.

É um grupo de células especializadas separadas ou não por líquidos e substâncias intercelulares, provenientes de célula embrionárias que sofreram diferenciação, que se distinguem por sua estrutura e por atuarem conjuntamente no desempenho de uma função específica.

São formados pelas unidades biológicas fundamentais chamadas células e também pela matriz extracelular Conjunto de substâncias amorfas figuradas, líquidos e fibras, produzidas pelas células, que preenchem o espaço entre as mesmas.

O organismo humano é constituído por 4 tipos de tecidos fundamentais:

1. Epitelial – reveste as superfícies e cavidades corporais, além de constituir as unidades funcionais da glândulas;

2. Conjuntivo- Protege e sustenta o corpo, preenchendo os espaços, mantendo os órgão unidos, participa do processo de imunidade;

3. Muscular – células especializadas e relacionadas com a movimentação;

4. Nervoso – apresenta células especializadas na geração e propagação de impulsos nervosos.

Se originam através dos folhetos embrionários.

Tecido nervoso Tecido conjuntivo e muscular

Tecido epitelial

Tecido flexível, formado por células justapostas, com pouca substância entre si; Aderem entre si por meio de junções celulares.

Reveste e protege o organismo: cobre toda a superfície e forra a cavidade dos órgãos (estômago, coração,...); Absorção de moléculas; secreção;Percepção de estímulos;

Funciona como uma barreira contra agentes estranhos (vírus, bactérias, fungos,...)

A maioria das células epiteliais é morfofuncionalmente polarizada, apresentando sua membrana plasmática e o citoplasma adjacente quimicamente especializado, reconhecendo várias superfícies celulares, relacionando-se entre si e com outros tecidos.

Superfície apical encontra-se direcionada à superfície livre do epitélio

Superfície lateral ou domínio lateral região em contato com as células vizinhas

Superfície basal ou domínio basal superfície da célula epitelial voltada para o tecido conjuntivo.

Domínio apical

Domínio lateral

Domínio basalMembrana basal

Plânula estriada – microvilosidades regulares (células intestinais)

Borda de escova - microvilosidades menos regulares (túbulo contorcido proximal do rim)

Estereocílios – micropojeções longas diferentes dos cílios pois não possuem microtúbulos – célula de revestimento do epidídimo e ducto deferente.

Cílios – projeções movimentadas pelo citoesqueleto – traquéia, brônquios e tuba uterina.

Junções aderentes Desmossomos

Junções comunicantes

Hemidesmossomos

Membrana basal localiza-se logo abaixo da superfície basal de todos os epitélios.

Especialização da matriz extracelular constituída de glicoproteínas, proteínas, atuando como interface entre tecidos de sustentação.

É constituída por uma lâmina basal – origem epitelial

Lâmina reticular – origem conjuntiva

O tecido epitelial é avascular, não contém vasos sanguíneos .

Os vasos sanguíneos que fornecem e removem resíduos do epitélio encontram-se no tecido conjuntivo, a troca de substâncias ocorre através de difusão.

Sofre perdas e danos freqüentes possuem alta capacidade de renovação (alta taxa mitótica);

Podem desempenhar funções sensitivas devido a especializações ( associação com estruturas nervosas)

Tecido epitelial de revestimento Tecido epitelial glandular.

Células organizadas em camadas que cobrem a superfície externa do corpo ou revestem cavidades do corpo.

São classificados de acordo com o número de camadas de células e conforme suas características morfológicas.

Epitélio simples uma só camada de células, todas as células estão em contato com a membrana basal.

No lado oposto encontra-se em contato com o meio externo.

Dividido em pavimentoso, cúbico ou prismático.

Epitélio estratificado contém mais de uma camada.

Somente as células da camada mais interna estão em contato com a membrana basal.

Epitélio pseudo-estratificado formado por uma única camada de células onde as células entram em contato com a membrana basal , porem nem todas alcançam a superfície do epitélio.

PAVIMENTOSO SIMPLES contém uma única camada , todas as células em contato com membrana basal.

Presente revestindo a parede de alvéolos pulmonares (difusão de gases respiratórios);

Revestimento de vasos sanguíneos – chamado de endotélio

Resvestindo a superfície externa de vários órgãos – fígado, baço, pulmões.

Revestimento das cavidades pericárdias, pleural- mesotélio

CÚBICO SIMPLES Presente na porção superior de tubos coletores no rim e revestindo a superfície do ovário.

CÚBICO SIMPLES COM BORDA DE ESCOVA túbulos contorcidos proximais dos rins, apresentam microvilosidades na sua superfície apical. Participam da absorção de nutrientes.

CILÍNDRICO SIMPLES Revestem a superfície do estômago.

Estão envolvidos também na produção de muco que protege a superfície do estômago do suco gástrico.

Dispostos em várias camadas superpostas e somente as células das camadas mais profundas atingem a membrana basal.

Para a sua classificação, considera-se o formato das células que compões a camada mais externa. Em locais que estão sujeitos à atrito.

Epitélio pavimentoso estratificado queratinizado

As células mais superficiais apresentam citoplasma preenchido por queratina.

Função proteção contra o atrito – constitui a camada da pele mais externa (epiderme).

Epitélio pavimentoso estratificado não queratinizado

As células mais superficiais NÃO apresentam citoplasma preenchido por queratina.

Observado no revestimento da mucosa do esôfago humano, vagina, canal anal;

Função: proteção, previne a perda de água.

Epitélio estratificado prismático

Presentes em algumas áreas do corpo, como na conjuntiva ocular e nos ductos excretores das glândulas salivares.

Epitélio de transição

O formato das células variam de acordo com a necessidade do órgão, ou seja, as células são classificadas como células transicionais. Vias urinárias

A forma dessas células muda de acordo com a distensão da bexiga, podendo ficar achatadas quando a bexiga estiver cheia.

Células especializadas na elaboração de vários tipos de secreção, podem ser acumuladas no citoplasma sob a fórmula de vesículas ou grânulos de secreção.

Classificação

De acordo com o número de células e local onde a secreção é lançada.

A partir do epitélio de revestimento , e na grande maioria, pode ser formada a partir da proliferação de suas células em direção subjacente.

Podem ou não manter contato com as células epiteliais que se originaram. Proliferação de células

Lâmina basal Tecido conjuntivo

Exócrina Endócrina cordonal Endócrina vesicular

Porção secretoraPorção secretora

Capilares

Epitélio

Glândula unicelular ou difusa: a secreção é elaborada por células isoladas presentes ocasionalmente entre as demais células de um epitélio ou no tecido conjuntivo de determinados órgãos.

Glândula multicelular – a secreção é elaborada por um conjunto de células

Glândula exócrina: quando a secreção é produzida e transportada para o meio externo através de um ducto excretor.

Glândulas sudoríparas; Glândulas salivares;

Glândulas mamárias;

Glândula endócrina – a secreção é produzida e lançada na corrente sanguínea. Hormônio.

A comunicação entre células é mediada através de um mensageiro químico , capaz de ativar células devido a sua interação com receptores específicos.

Quando ao modo de secretar, pode ter a seguinte classificação:

secreção autócrina ocorre quando uma célula secreta um mensageiro químico para atuar em seus próprios receptores, como por exemplo a produção do fator de crescimento epidérmico.

secreção parácrina os mensageiros químicos atuam sobre células próximas à célula que os secretaram, sendo este um modo se ação de muitas células do sistema neuroendócrino difuso.

ao longo do tubo digestivo

a secreção endócrina é a secreção de mensageiros químicos (hormônios) para a corrente circulatória, atuando sobre tecidos distantes.

Secreção neural se refere à secreção elaborada por células nervosas, onde há liberação do produto elaborado pelo neurônio e a comunicação se faz por contato direto de uma célula nervosa com outra estrutura.

Glândula exócrina unicelular a secreção é elaborada por uma única célula, sem o comprometimento das demais, e lançada no meio externo.

Exemplo: célula caliciforme. São células produtoras de muco. Exemplo: presente nos epitélios que revestem o intestino e a via respiratória, e sua secreção é lançada no meio externo.

A morfologia da célula varia em função do estado funcional. Os grânulos são formados no complexo de Golgi.

Grânulos de secreção

Glândula exócrina multicelular a secreção produzida é o resultado do trabalho de várias células .

Constituem órgãos definidos;

Pode-se distinguir duas partes distintas que interferem na sua classificação: porção secretora e porção ductal ou ductor excretor.

Ducto excretor Porção secretora

Simples quando apresenta um ducto único que não se divide. Ex: glândula sudorípara

Composta quando os ductos se ramificam, em geral repetidamente. Ex: fígado e pâncreas

Acinosa a porção secretora se apresenta sob a forma de bagos de uva. Exemplo: glândula sebácea da pele, glândula parótida.

Tubular a unidade secretora apresenta aspecto de túbulos alongados. Exemplo: glândulas intestinais

Túbulo enovelada a unidade secretora apresenta-se em forma de túbulos de trajeto contorcido.Exemplo: glândulas sudoríparas

Ramificada a unidade secretora se ramifica em várias unidades secretoras. Exemplo: glândulas sebáceas

Glândula holócrina quando a célula inteira, junto com seu produto de secreção é liberada, constituindo a própria secreção da glândula. Ex: glândula sebácea

Obs: há uma intensa atividade mitótica das células basais, visando a reposição das células que são perdidas junto com a secreção.

Glândula apócrina quando a secreção, que se acumula na poção apical da célula, e uma parte do citoplasma são eliminadas junto com a secreção. Ex: glândula mamária.

Glândula merócrina ou écrina a secreção é eliminada para o meio externo para o meio externo por exocitose, não havendo perda do material citoplasmático. Ex: maioria das células: glândulas salivares e porção exócrina do pâncreas.

Parâmetro considerado apenas para as células merócrina.

Glândula mucosa Caracteriza-se por apresentar núcleo achatado deslocado para a base e citoplasma basófilo. Ex: glândulas sublinguais. A secreção mucosa é do tipo glicoprotéica e seu aspecto é viscoso.

Glândula serosa as células apresentam núcleo esférico deslocado para a região basal. Exemplo: glândula parótida.

A secreção serosa é do tipo protéica e seu aspecto é fluido.

Glândula mista ou seromucosa Porção secretora formada tanto por células mucosas quanto por células serosas, ambas se associam formando porções secretoras.. Exemplo: glândulas submandibulares.

A secreção seromucosa é liberada ora mais rica em muco, ora mais rica em proteínas

Constituído por várias células que, por não possuírem ducto excretor, lançam sua secreção em vasos sanguíneos que contem grande intimidade com as células secretoras.

De acordo com o arranjo das células que constituem as glândulas podem ser classificadas em:

Glândula endócrina cordonal as células se organizam em cordões que se anastomosam , estando em cordões separados por vasos sanguíneos.

Exemplo: Glândulas adrenais

Porção secretora

Capilares

Glândula endócrina vesicular ou folicular as unidades secretoras formam vesícula, estando os vasos sanguíneos organizados externamente.

Exemplo: A tireóide, e suas unidades secretoras são denominadas folículos tireoidianos.

Comentários