(Parte 4 de 20)

ABNT: NBR 9191/2000 Acondicionamento dos resíduos de saúde.

Radioproteção: • N -3.01 Diretrizes básicas de proteção radiológica •

• NE - 3.02 Serviços de radioproteção

• N - 3.05 Requisitos de radioproteção e segurança para serviços de medicina nuclear

• NE - 3.06 Requisitos de Radioproteção e Segurança para Serviços de Radioterapia.

Transporte: NE - 5.01 Transporte de Materiais Radiativos.

Instalações Radioativas:

• N - 6.01 Registro de pessoas físicas para o preparo, uso e manuseio fontes radioativas • NE - 6.02 Licenciamento de instalações radioativas

• NE - 6.05 Gerência de rejeitos radioativos em instalações radioativas • NE - 6.06 Seleção e escolha de locais para depósitos de rejeitos radioativos • N - 6.09 Critérios de aceitação para deposição de rejeitos radioativos de baixo e médio níveis de radiação.

COFEN: Resolução COFEN-211/1998 - Dispõe sobre a atuação dos profissionais de Enfermagem que trabalham com radiação ionizante.

MS: Portaria/MS/SVS nº 453/1998 - Diretrizes básicas de proteção radiológica em radiodiagnóstico médico e odontológico.

MTE: • NR 07 Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO • NR 09 Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA

• NR 16 Atividades e Operações Perigosas.

No mundo, milhões de substâncias químicas encontram-se registradas. Dentre essas, centenas são de uso hospitalar, todas podendo constituir-se em risco tóxico. Os trabalhadores de saúde estão expostos à enorme variedade desses tóxicos.

Anestésicos, esterilizantes, desinfetantes, solventes, agentes de limpeza, antissépticos, detergentes, medicamentos e drogas de risco são alguns dos produtos diariamente manipulados pelo trabalhador de enfermagem. Nos serviços de saúde, não são poucas as substâncias capazes de causar genotoxicidade, carcinogenicidade, teratogenicidade e toxicidade sobre órgãos e sistemas.

Os agentes químicos são capazes de produzir todos os tipos de lesão celular e os efeitos da exposição aos mesmos podem manifestar-se imediata ou tardiamente. Fadiga, perda do apetite, irritabilidade, problemas da memória, do equilíbrio e do sono, alterações do humor e dor de cabeça podem estar associados à exposição ao risco químico.

Possíveis efeitos crônicos causados pela maioria das substâncias químicas sobre o nosso organismo:

• Cancerígenos: atingindo principalmente medula óssea, pulmão, laringe, pele, bexiga, fígado.

• Comportamentais: instabilidade emocional, irritabilidade, distúrbios psicomotores e da memória.

• Cutâneos: ressecamento, fissuras, dermatites, inclusive foliculite e acne.

• Neurológicos: degeneração dos neurônios.

• Pulmonares: bronquite crônica, enfisema pulmonar.

• Relacionados com a reprodução: aborto, natimortalidade, baixo peso ao nascer, mortalidade perinatal, anomalia congênita, malformações cardiovasculares, alterações na estrutura dos cromossomos.

O gás óxido de etileno, por exemplo, é altamente tóxico, facilmente inflamável e explosivo, além de ser carcinogênico, mutagênico, teratogênico e neurotóxico.

Acrescente-se que as exposições ocupacionais envolvem várias substâncias, simultâneas ou sucessivamente. E a interação entre os tóxicos absorvidos simultaneamente pode ser antagônica ou sinérgica.

Os seguintes fatores podem interagir e modificar, para pior, a reposta do organismo ao tóxico:

• Ambientais - temperatura ambiente, pressão atmosférica, ruído, vibrações e radiações.

• Genéticos - reações de hiper e hipossensibilidade.

• Fisiológica - idade, sexo (suscetibilidade da mulher a hormônios sexuais, gravidez).

• Profissionais ou relacionados com o estilo de vida - estresse, fadiga, sobrecarga de trabalho, dieta alimentar, tabagismo.

Medicamentos - os efeitos tóxicos dos medicamentos utilizados no meio hospitalar são frequentemente compartilhados pelo pessoal de enfermagem e da farmácia. Suspeita-se que muitos dos efeitos nocivos da maioria dos medicamentos continuam ignorados. O trabalhador de enfermagem expõe-se, todos os dias, ao risco de absorção de vários medicamentos através das vias cutâneo-mucosa, respiratória e digestiva.

Com um agravante: se a exposição profissional sensibilizar um trabalhador a um determinado medicamento, há o perigo de reação mais grave (choque anafilático, por exemplo), quando esse receber a substância diretamente, mais tarde.

Um pouco sobre as dermatoses - dermatose profissional é qualquer anormalidade da pele produzida ou agravada pelo trabalho, abrangendo desde eritemas ou descamações, até sérias lesões eczematosas, acneiformes, neoplásicas, granulomatosas ou ulcerativas. As dermatoses profissionais podem ser causadas por agentes químicos, físicos e biológicos. Os trabalhos úmidos apresentam risco de dermatoses profissionais.

Fatores domésticos, como cuidar de crianças e ausência de máquina de lavar roupa, uma vez combinados com os trabalhos úmidos no hospital, quadruplicam os riscos de dermatose. As diferentes tarefas de homens e mulheres explicam o maior número de casos de eczema entre estas.

NR32 aborda as medidas de proteção contra os efeitos tóxicos de gases medicinais, medicamentos e drogas de risco, quimioterápicos antineoplásicos, gases e vapores anestésicos. Segundo essa norma, por exemplo, com relação aos quimioterápicos antineoplásicos:

1. É vedado: • iniciar qualquer atividade na falta de EPI • dar continuidade às atividades de manipulação quando ocorrer qualquer interrupção do funcionamento da cabine de segurança biológica.

2. Compete ao empregador: • proibir fumar, comer ou beber, bem como portar adornos ou maquiar-se • afastar das atividades as trabalhadoras gestantes e nutrizes • proibir que os trabalhadores expostos realizem atividades com possibilidade de exposição aos agentes ionizantes • fornecer aos trabalhadores os EPIs e recursos necessários à execução das tarefas.

Para a prevenção e controle dos riscos químicos, a própria NR32 lembra a necessidade de se cumprir o estabelecido nos seguintes dispositivos:

NR 07 - Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional

NR 09 - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais

NR 15 - Atividades e Operações Insalubres NR 26 - Sinalização de Segurança

Sabemos que as implicações do trabalho sobre a saúde são bem mais amplas e difusas do que apenas aquelas determinadas pelos riscos ocupacionais.

No mundo, o movimento sindical foi um dos primeiros - e o único, durante muito tempo - a denunciar o aviltamento das condições de trabalho. As (más) condições de trabalho do pessoal de enfermagem têm sido crescentemente denunciadas no mundo inteiro. Não há substância química segura, há apenas maneira segura de utilizá-la. Emil Mrak (1901-87) .Diante das consideráveis conquistas de outras categorias de trabalhadores, como explicar o atraso em que se encontra a enfermagem na luta por melhores condições de higiene, saúde e segurança em seu ambiente de trabalho?

diversos assemelhadosà mercê de condições de

No Brasil , a força-de-trabalho da enfermagem é constituída de mais de um milhão de pessoas. São enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem, atendentes e auxiliares operacionais de serviços trabalho capazes de ameaçar a própria sobrevivência da profissão.

Dois grandes problemas mundiais dos sistemas de saúde - escassez e evasão do pessoal de saúde - estão reconhecidamente ligados às condições de trabalho existentes nos estabelecimentos de saúde.

Condições de trabalho representa o conjunto de fatores - exigências, organização, execução, remuneração e ambiente do trabalho – capaz de determinar a conduta do trabalhador. A isso, o indivíduo responde com a execução de uma atividade ou conduta passível de ser analisada sob diferentes aspectos: perceptivos, motores e cognitivos. Satisfação, conforto, carga de trabalho, fadiga, estresse, doenças e acidentes são as consequências dessa resposta individual sobre o estado físico, mental e psicológico do trabalhador. As condições de trabalho marcam o corpo do trabalhador. Para o pessoal de enfermagem, o envelhecimento precoce e a incapacidade resultante de acidentes e de doenças profissionais são algumas marcas em seu corpo físico. O aumento da dependência alcoólica e o uso indiscriminado de psico-fármacos refletem as marcas em seu corpo psíquico. O corpo social não sai ileso, pois as condições, a organização do trabalho e o tipo de tecnologia modelam os trabalhadores, impondo uma representação diferente de um grupo a outro.

Pré-concepção: ▪ desequilíbrio hormonal ▪ diminuição da libido ▪ dismenorréia ▪ esterilidade ▪ impotência ▪ menopausa precoce ▪ subfertilidade masculina e feminina.

Gestação : ▪ aborto espontâneo ▪ alterações sexuais ▪ danos ao cromossoma ▪ deficiência do desenvolvimento físico e mental do feto ▪ malformações congênitas ▪ morte fetal ▪ doenças da gravidez (toxemia, hemorragia).

Parto e pós parto: ▪ alteração do comportamento ▪ anomalias congênitas ▪ baixo peso ao nascer ▪ câncer e morbidade infantil ▪ deficiência mental ▪ mortinatalidade prematuridade.

Riscos do trabalho de enfermagem.

(Parte 4 de 20)

Comentários