Apocalipse - Autor ROBSON PINHEIRO

Apocalipse - Autor ROBSON PINHEIRO

(Parte 1 de 6)

Robson Pinheiro pelo espírito de

Estêvão

Sumário

Estêvão, o autor espiritual por Robson Pinheiro, Prefácio pelo espírito Estêvão,

Parte I Abrindo o livro

INTRODUÇÃO Um pouco de hermenêutica bíblica: o Apocalipse de João pelo espírito Estêvão,

Os acontecimentos — a época, Ocasião e objetivo, Conteúdo, Forma literária, Método de comunicação, Cristo revelado, Os espíritos agem no Apocalipse,

CAPÍTULO l A Revelação, [Ap 1]

CAPÍTULO 2 As sete igrejas e os sete castiçais, [Ap 2-3]

A primeira igreja: Éfeso, A segunda igreja: Esmirna, A terceira igreja: Pérgamo, A quarta igreja: Tiatira, A quinta igreja: Sardes, A sexta igreja: Filadélfia, A sétima igreja: Laodicéia,

Parte I O livro selado

CAPÍTULOS A visão sideral, [Ap 4]

Os 24 anciãos, A ação sideral e o parto cósmico, Os quatro seres viventes,

CAPÍTULO4 O livro dos destinos, [Ap 5]

Os sete selos e os quatro cavaleiros, [Ap 6]

O primeiro selo: o cavalo branco, O segundo selo: o cavalo vermelho, O terceiro selo: o cavalo preto, O quarto selo: o cavalo amarelo, O quinto selo: os mártires, O sexto selo: sinais na terra e no céu,

CAPÍTULO 6 Os quatro anjos e os 144 mil eleitos, [Ap 7]

O sétimo selo e os sete anjos, [Ap 8-9]

O primeiro anjo, O segundo anjo, O terceiro anjo, O quarto anjo, O quinto anjo, O sexto anjo, O sétimo anjo, [Ap 10]

Parte I O livro aberto

CAPÍTULOS Tempos proféticos, [Ap 10]

CAPÍTULO 9

A mulher e o dragão, [Ap 12-13]

Os quatro animais de Daniel, O quarto animal e o dragão, O fim dos l .260 anos,

CAPÍTULO 10 A grande prostituta, [Ap 17]

CAPÍTULO 1 As duas testemunhas, [Ap 1]

A sétima trombeta,

CAPÍTULO 12 As três mensagens: justiça, amor e verdade, [Ap 14]

CAPÍTULO 13 A besta e o falso profeta, [Ap 13; 19]

CAPÍTULO 14

As sete pragas e as sete taças da ira, [Ap 15-16]

A primeira taça, A segunda taça, A terceira taça, A quarta taça, A quinta taça, A sexta taça, A sétima taça,

CAPÍTULO 15 A queda de Babilônia, [Ap 18-19]

CAPÍTULO 16 Satanás, a lendária figura do mal, [Ap 20] O juízo final,

Parte IV O livro do amanhã

CAPÍTULO 17 A nova Jerusalém, [Ap 21-2]

Um mundo melhor,

EPÍLOGO Filhos da Terra,

Parte V O livro em debate

Estêvão responde, Editar ou não editar? — eis a questão, por Leonardo Möller EDITOR

Sagrado e profano, Kardec "editor", Um novo dilema,

Estêvão, o autor espiritual por Robson Pinheiro

apedrejado no início de nossa eraEste espírito

Estêvão é o pseudônimo escolhido pelo autor espiritual em homenagem ao mártir cristão apresenta-se à nossa visão espiritual envolvido em suave luz de tonalidade lilás com reflexos dourados. Mostra-se vestido de maneira simples, com os cabelos brancos, mais ou menos longos. Sua aparência lembra-nos a de um soldado judeu, embainhando sua espada como símbolo da verdade e da justiça. Teve uma de suas encarnações na Judéia, por volta do ano 5 a.C., e participou mais tarde do exército de defensores de sua pátria, até que teve a oportunidade de se converter à mensagem cristã, quando ouviu uma pregação de Estêvão, antes de ele ser apedrejado. Dedicou-se, a partir daí, ao estudo e à pregação do Evangelho, transferindo-se mais tarde para a Grécia, onde aperfeiçoou seu conhecimento. Nessa ocasião, adota o pseudônimo Estêvão, em homenagem ao mártir cristão. Desencarnou naquela época com a idade de 5 anos, na cidade de Corinto.

Reencarnou mais tarde, por volta do ano 170 d.C., em Roma, onde desde cedo se identificou com os propósitos renovadores do Evangelho, fazendo diversas viagens para o oriente, ampliando ainda mais sua cultura espiritual. Retornou a Roma e participou de muitos movimentos da Igreja, sendo considerado um profundo conhecedor das letras evangélicas.

Após o desencarne, participou das equipes espirituais que inspiraram diversos movimentos de reforma no seio da Igreja.

Tivemos notícia de que também reencarnou anos mais tarde num dos países da América pré-colombiana, em tarefa de esclarecimento de alguns dos povos incas ou astecas. Este amigo espiritual demonstra grande experiência com as questões relativas ao Evangelho e à doutrina espírita, sendo que uma de suas exigências para o trabalho mediúnico é a fidelidade e lealdade aos princípios codificados por Allan Kardec e aos ensinamentos de Jesus. Tem demonstrado caráter firme e correto e, juntamente com outros amigos espirituais, nos orienta nos trabalhos mediúnicos.

Prefácio pelo espírito Estevão

Meus filhos, abençoe-nos o Senhor! Eis aqui alguns comentários despretensiosos sobre os capítulos considerados mais importantes do livro Apocalipse. Não temos, nestas humildes palavras, a pretensão de esgotar o assunto e nem mesmo de deter a verdade absoluta dos fatos, urna vez que somente Deus pode conhecê-la. No entanto, convidado a falar a respeito dos temas aqui tratados e em vista de certos comentários espetaculosos disseminados em vosso mundo a respeito de assunto tão importante, resolvi fazer alguns ligeiros apontamentos, seguindo um roteiro estabelecido, do lado de cá da vida, por aqueles irmãos maiores que nos dirigem os passos.

Adotei o critério de analisar todas as profecias e os fatos históricos que lhes deram cumprimento, com o objetivo de mostrar a ascendência de Jesus sobre todos os acontecimentos a que se refere a história das civilizações planetárias. Mesmo que alguns fatos pareçam demasiado graves ou espetaculares, pela firmeza da linguagem empregada, não se pode disfarçar aquilo que a história sobejamente comprova, embora possam esses relatos ferir certas suscetibilidades. Enfim, nosso compromisso é com a verdade e a divulgação da mensagem espírita. Eis, pois, a nossa humilde contribuição para os estudos de meus irmãos, enquanto rogamos ao Mestre que nos abençoe os propósitos de aprendizado em sua seara.

PARTE I

14 ABRINDO O LIVRO

(Parte 1 de 6)

Comentários