doenca desconhecida saude publica

doenca desconhecida saude publica

(Parte 1 de 5)

1 SOBRE A HISTÓRIA SOCIAL DO CÂNCER

Presidente da República Luís Inácio Lula da Silva

Ministro da Saúde José Gomes Temporão

Presidente Paulo Marchiori Buss

Diretora Nara Azevedo

Diretor-geral Luiz Antonio Santini

De doença desconhecida a problema de saúde pública: o INCA e o controle do câncer no Brasil

LUIZ ANTONIO TEIXEIRA z CRISTINA OLIVEIRA FONSECA

Copyright © 2007, Ministério da Saúde ISBN: 978-85-334-1446-4

É permitida a reprodução parcial ou total desta obra, desde que citada a fonte.

Ministério da Saúde

Fundação Oswaldo Cruz Avenida Brasil, 4365 – Manguinhos 21040-360 – Rio de Janeiro – RJ w.fiocruz.br

Casa de Oswaldo Cruz – COC/FIOCRUZ Avenida Brasil, 4365 – Manguinhos 21.045-900 – Rio de Janeiro – RJ Tel.: (0xx21) 2260-7946 Fax: (0xx21) 2598-4437 E-mail: sitecoc@coc.fiocruz.br

Instituto Nacional de Câncer (INCA) Praça Cruz Vermelha, 23 – Centro 20231-130 – Rio de Janeiro – RJ w.inca.gov.br

Divisão de Comunicação Social (DCS/INCA) Praça Cruz Vermelha, 23/4º andar – Centro 20230-130 – Rio de Janeiro – RJ Tel.: (0xx21) 2506-6108 Fax.: (0xx21) 2506-6880 E-mail: comunicacao@inca.gov.br

Coordenação geral do projeto na Casa de Oswaldo Cruz/FIOCRUZ Luiz Antonio Teixeira

Coordenação geral do projeto na Divisão de Comunicação Social/ INCA Claudia Lima Cristina Ruas Rodrigo Feijó

Elaboração de texto Luiz Antonio Teixeira Cristina Fonseca Lina Faria

Pesquisa de fontes textuais e textos preliminares Rômulo de Paula Andrade

Pesquisa iconográfica Manuela Castilho Coimbra Costa

Apoio à pesquisa iconográfica Marcos Vieira Viviane Queiroga

Auxiliar de pesquisa Claudio Arcoverde

Revisão de texto Jacqueline Gutierrez

Reproduções fotográficas Roberto de Jesus Vinicius Pequeno

Agradecimentos Adilia Maria Teixeira da Silva Alexandre Octavio Ribeiro de Carvalho Carla Gruzman Evandro Coutinho Gisele Sanglard Marina Kroeff Marília March Renato Silva

Projeto Gráfico Idéia D – Designers Associados w.ideiad.com.br

Parceria Coordenação Geral de Documentação e Informação – CGDI/MS Secretaria Executiva

Impressão Gráfica Esdeva

T266dTeixeira, Luiz Antonio (Coord.)

De Doença desconhecida a problema de saúde pública: o INCA e o controle do Câncer no Brasil / Luiz Antonio Teixeira; Cristina M. O. Fonseca.- Rio de Janeiro : Ministério da Saúde, 2007. 172 p. : il. ; 26 cm.

1. Saúde pública-história-Brasil. 2. Política de saúde-história-Brasil. 3. Neoplasias. 4. INCA. I. Título

CDD614.0981

Sumário

Apresentação 7 Introdução 9

CAPÍTULO 1 Sobre a história social do câncer13

CAPÍTULO 2 O desenvolvimento da cancerologia no Brasil25

CAPÍTULO 3 Construindo uma política de controle do câncer para o país41

CAPÍTULO 4 Mario Kroeff e a criação de um espaço para o tratamento do câncer no Distrito Federal57

CAPÍTULO 5 O Serviço Nacional de Câncer e a institucionalização da política de controle do câncer no Brasil (1940-1960)73

Linha do Tempo161 Referências Bibliográficas 163

O INCA E O CONTROLE DO CÂNCER NO BRASIL Apresentação

A trajetória institucional do INCA segue o mesmo percurso da história natural da doença no Brasil. Refletir sobre o processo que fez o câncer passar de doença pouco conhecida a objeto de uma política de saúde pública é pensar sobre os caminhos que levaram à construção do próprio INCA. A instituição completa hoje 70 anos e se orgulha de ter alcançado a maturidade para enfrentar os enormes desafios do presente e do futuro.

O trabalho apresentado aqui é um olhar sobre a história construída na assistência, prevenção, detecção precoce, vigilância epidemiológica, educação e pesquisa sobre o câncer. Os autores nos convidam a acompanhar a trajetória não apenas do desenvolvimento técnico-científico que permitiu tratar a doença, mas da visão do poder público e da sociedade sobre o problema.

De todas as iniciativas propostas para esta comemoração, a publicação deste livro é o marco mais importante.

Ele é fruto da parceria entre o INCA e a Casa de Oswaldo Cruz, unidade técnico-científica da Fundação Oswaldo Cruz, que, desde 1985, se dedica ao estudo da história das ciências e da saúde no Brasil, atuando decididamente no campo da preservação do patrimônio científico e cultural da saúde.

Tratando de um tema ainda pouco explorado pelos analistas dos processos e dos agentes da institucionalização das políticas públicas, este livro se soma aos esforços empreendidos por historiadores e cientistas sociais que, nas últimas duas décadas, vêm renovando a história das ciências e da saúde em nosso País. Nesse sentido, amplia o horizonte dessas reflexões, que apresentam interesse para o mundo acadêmico, mas também para a atuação conseqüente de políticas públicas que promovam a saúde como um valor e um direito de cidadania.

Luiz Antonio Santini Diretor-geral do Instituto Nacional de Câncer – INCA

Nara Azevedo Diretora da Casa de Oswaldo Cruz

O INCA E O CONTROLE DO CÂNCER NO BRASIL Introdução

Ao longo da história brasileira, o câncer foi visto de diversas formas. De tumor maligno e incurável à neoplasia, de tragédia individual à problema de saúde pública, sua história foi marcada pelo incessante esforço da medicina em controlá-lo pela via da prevenção, aliada ao uso das mais modernas tecnologias médicas de tratamento. No entanto, as dificuldades técnicas para a cura de muitas de suas formas, o alto custo das tecnologias empregadas com esse objetivo e seu caráter individual mostram-se como limitadores da ação terapêutica, fazendo com que a doença se vincule cada vez mais ao campo da prevenção e da saúde pública.

Ao construir a história dessa doença em nossa formação social, optamos por trazer à luz uma multiplicidade de atores e instituições que ajudaram a construir primeiramente o câncer como problema médico e em seguida como objeto da saúde pública. Nesse conjunto, despontou como objeto privilegiado de análise o Instituto Nacional de Câncer. Acompanhamos sua trajetória, desde a sua criação, como Centro de Cancerologia do Distrito Federal, em 1937, até o início do nosso século, momento em que a instituição passa a se responsabilizar pela formulação, acompanhamento e implantação da política de atenção oncológica no País. Embora saibamos que o recorte utilizado não dê o devido destaque a alguns aspectos da história da doença, como as angústias e sofrimento dos doentes e os detalhes dos avanços técnico-científicos utilizados em seu controle, os limites da obra nos impuseram essa escolha.

(Parte 1 de 5)

Comentários