NBR6118-2003Corr - Projeto de estruturas de concreto - Procedimentos

NBR6118-2003Corr - Projeto de estruturas de concreto - Procedimentos

(Parte 2 de 15)

ABNT NBR 7680:1983 - Extração, preparo, ensaio e análise de testemunhos de estruturas de concreto - Procedimento

ABNT NBR 8522:1984 - Concreto - Determinação do módulo de deformação estática e diagrama tensãodeformação - Método de ensaio

ABNT NBR 8548:1984 - Barras de aço destinadas a armaduras para concreto armado com emenda mecânica ou por solda - Determinação da resistência à tração - Método de ensaio

ABNT NBR 8681:2003 - Ações e segurança nas estruturas - Procedimento

ABNT NBR 80:1986 - Projeto e execução de estruturas de aço de edifícios (Método dos estados limites) - Procedimento

ABNT NBR 8953:1992 - Concreto para fins estruturais - Classificação por grupos de resistência - Classificação

ABNT NBR 8965:1985 - Barras de aço CA 42S com características de soldabilidade destinadas a armaduras para concreto armado - Especificação

ABNT NBR 9062:2001 - Projeto e execução de estruturas de concreto pré-moldado - Procedimento ABNT NBR 11578:1991 - Cimento Portland composto - Especificação

ABNT NBR 11919:1978 - Verificação de emendas metálicas de barras de concreto armado - Método de ensaio

ABNT NBR 12142:1991 - Concreto - Determinação da resistência à tração na flexão em corpos-de-prova prismáticos - Método de ensaio

ABNT NBR 6118:2003

ABNT NBR 12654:1992 - Controle tecnológico de materiais componentes do concreto - Procedimento ABNT NBR 12655:1996 - Concreto - Preparo, controle e recebimento - Procedimento ABNT NBR 12989:1993 - Cimento Portland branco - Especificação ABNT NBR 13116:1994 - Cimento Portland de baixo calor de hidratação - Especificação ABNT NBR 14859-2:2002 - Laje pré-fabricada - Requisitos. Parte 2: Lajes bidirecionais ABNT NBR 14931:2003 - Execução de estruturas de concreto - Procedimento ABNT NBR ISO 6892:2002 - Materiais metálicos - Ensaio de tração à temperatura ambiente ABNT NBR NM 67:1998 - Concreto - Determinação da consistência pelo abatimento do tronco de cone

ABNT NBR 6118:2003

4 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados

3 Definições Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições:

3.1 Definições de concreto estrutural

3.1.1 concreto estrutural: Termo que se refere ao espectro completo das aplicações do concreto como material estrutural.

3.1.2 elementos de concreto simples estrutural: Elementos estruturais elaborados com concreto que não possui qualquer tipo de armadura, ou que a possui em quantidade inferior ao mínimo exigido para o concreto armado (ver 17.3.5.3.1 e tabela 17.3).

3.1.3 elementos de concreto armado: Aqueles cujo comportamento estrutural depende da aderência entre concreto e armadura, e nos quais não se aplicam alongamentos iniciais das armaduras antes da materialização dessa aderência.

3.1.4 elementos de concreto protendido: Aqueles nos quais parte das armaduras é previamente alongada por equipamentos especiais de protensão com a finalidade de, em condições de serviço, impedir ou limitar a fissuração e os deslocamentos da estrutura e propiciar o melhor aproveitamento de aços de alta resistência no estado limite último (ELU).

3.1.5 armadura passiva: Qualquer armadura que não seja usada para produzir forças de protensão, isto é, que não seja previamente alongada.

3.1.6 armadura ativa (de protensão): Constituída por barra, fios isolados ou cordoalhas, destinada à produção de forças de protensão, isto é, na qual se aplica um pré-alongamento inicial.

3.1.7 concreto com armadura ativa pré-tracionada (protensão com aderência inicial): Concreto protendido em que o pré-alongamento da armadura ativa é feito utilizando-se apoios independentes do elemento estrutural, antes do lançamento do concreto, sendo a ligação da armadura de protensão com os referidos apoios desfeita após o endurecimento do concreto; a ancoragem no concreto realiza-se só por aderência.

3.1.8 concreto com armadura ativa pós-tracionada (protensão com aderência posterior): Concreto protendido em que o pré-alongamento da armadura ativa é realizado após o endurecimento do concreto, sendo utilizadas, como apoios, partes do próprio elemento estrutural, criando posteriormente aderência com o concreto de modo permanente, através da injeção das bainhas.

3.1.9 concreto com armadura ativa pós-tracionada sem aderência (protensão sem aderência): Concreto protendido em que o pré-alongamento da armadura ativa é realizado após o endurecimento do concreto, sendo utilizados, como apoios, partes do próprio elemento estrutural, mas não sendo criada aderência com o concreto, ficando a armadura ligada ao concreto apenas em pontos localizados.

3.1.10 junta de dilatação: Qualquer interrupção do concreto com a finalidade de reduzir tensões internas que possam resultar em impedimentos a qualquer tipo de movimentação da estrutura, principalmente em decorrência de retração ou abaixamento da temperatura.

3.1.1 junta de dilatação parcial: Redução de espessura igual ou maior a 25% da seção de concreto.

3.2 Definições de estados limites

3.2.1 estado limite último (ELU): Estado limite relacionado ao colapso, ou a qualquer outra forma de ruína estrutural, que determine a paralisação do uso da estrutura.

ABNT NBR 6118:2003

3.2.2 estado limite de formação de fissuras (ELS-F): Estado em que se inicia a formação de fissuras. Admite-se que este estado limite é atingido quando a tensão de tração máxima na seção transversal for igual a fct,f (ver 13.4.2 e 17.3.4).

3.2.3 estado limite de abertura das fissuras (ELS-W): Estado em que as fissuras se apresentam com aberturas iguais aos máximos especificados em 13.4.2 (ver 17.3.3).

3.2.4 estado limite de deformações excessivas (ELS-DEF): Estado em que as deformações atingem os limites estabelecidos para a utilização normal dados em 13.3 (ver 17.3.2).

3.2.5 estado limite de descompressão (ELS-D): Estado no qual em um ou mais pontos da seção transversal a tensão normal é nula, não havendo tração no restante da seção. Verificação usual no caso do concreto protendido (ver 13.4.2).

3.2.6 estado limite de descompressão parcial (ELS-DP): Estado no qual garante-se a compressão na seção transversal, na região onde existem armaduras ativas. Essa região deve se estender até uma distância ap da face mais próxima da cordoalha ou da bainha de protensão (ver figura 3.1 e tabela 13.3).

Figura 3.1 - Estado limite de descompressão parcial

3.2.8 estado limite de vibrações excessivas (ELS-VE): Estado em que as vibrações atingem os limites estabelecidos para a utilização normal da construção.

3.3 Definição relativa aos envolvidos no processo construtivo

3.3.1 contratante: Pessoa física ou jurídica de direito público ou privado que, mediante instrumento hábil de compromisso, promove a execução de serviços e/ou obras através de contratado técnica, jurídica e financeiramente habilitado.

3.2.7 estado limite de compressão excessiva (ELS-CE): Estado em que as tensões de compressão atingem o limite convencional estabelecido. Usual no caso do concreto protendido na ocasião da aplicação da protensão (ver 17.2.4.3.2

ABNT NBR 6118:2003

6 © ABNT 2004 ─ Todos os direitos reservados

4 Simbologia

4.1 Generalidades

A simbologia adotada nesta Norma, no que se refere a estruturas de concreto, é constituída por símbolosbase (mesmo tamanho e no mesmo nível do texto corrente) e símbolos subscritos.

Os símbolos-base utilizados com mais freqüência nesta Norma encontram-se estabelecidos em 4.2 e os símbolos subscritos em 4.3.

A simbologia geral encontra-se estabelecida nesta seção e a simbologia mais específica de algumas partes desta Norma é apresentada nas seções pertinentes, de forma a simplificar a compreensão e, portanto, a aplicação dos conceitos estabelecidos.

As grandezas representadas pelos símbolos constantes desta Norma devem sempre ser expressas em unidades do Sistema Internacional (SI).

4.2 Símbolos-base

4.2.1 Generalidades

(Parte 2 de 15)

Comentários