Sistemas de Abastecimento de Água em Edificações.

Sistemas de Abastecimento de Água em Edificações.

Doralice Ap. Favaro Soares 1/23

Sistemas Prediais de

Abastecimento de Água Introdução

NBR 5626/98

Doralice Ap. Favaro Soares 2/23

Bibliografia

Hidráulicas e Sanitárias. LTC –Livros técnicos e científicos. Rio de Janeiro, 1990.

•Creder, Hélio. Instalações hidráulicas e Sanitárias. 5a. Ed. LTC –Livros técnicos e científicos. Rio de Janeiro, 1992.

•NBR 5626/98 –Instalações prediais de água fria. ABNT.

•NBR 7198/93 –Projeto e execução de instalações prediais de água quente. ABNT.

Doralice Ap. Favaro Soares 3/23

Sistemas prediais

•Sistema do edifício: 1. Estrutura; 2. Envoltória ext erna; 3.Divisores de espaços externos e internos (horizontais e verticais); a) Energia; b) Água; c) Segurança; d) Conforto; e) Transporte; f) Comunicação; g) Automação.

Doralice Ap. Favaro Soares 4/23

Sistema predial de água

Doralice Ap. Favaro Soares 5/23

Sistema Predial de água fria

Doralice Ap. Favaro Soares 6/23

Sistema predial de água

•Conforme a NBR5626/98, na maioria das vezes, a instalação predial de água fria é um subsistemade um sistema maior, composto também pelas instalações prediais de água quente (NBR 7198/9) e de combate a incêndio (NBR 13714/96 – Instalações hidráulicas contra incêndio, sob comando, por hidrantes e mangotinhos);

•Sistema predial de água fria: Sistema composto por tubos, reservatórios, peças de utilização, equipamentos e outros componentes, destinado a conduzir água fria da fontede abastecimento aos pontos de utilização(NBR 5626/98- 3.19);

•Água fria: água à temperaturadada pelas condições ambientes (NBR5626, item 3.1).

Doralice Ap. Favaro Soares 7/23

Sistemas de abastecimento

•Sistema de abastecimento indireto: quando a água é armazenada em reservatórios e deste é distribuída aos pontos de utilização são abastecidos com água que vem diretamente da rede de abastecimento público. O sistema de abastecimento indireto pode ser:

Doralice Ap. Favaro Soares 8/23

Sistemas de abastecimento

•Sistema de abastecimento indireto sem bombeamento: quando a pressão disponível na rede é suficiente para elevar a água até o reservatório superior.

Doralice Ap. Favaro Soares 9/23

Sistemas de abastecimento

•Sistema de abastecimento indireto com bombeamento: quando a pressão disponível na rede é insuficiente para elevar a água até o reservatório superior. Neste caso, há a necessidade do uso de um reservatório inferior e um sistema de recalque para fazer a elevação da água até o reservatório superior.

Doralice Ap. Favaro Soares 10/23

Sistemas de abastecimento

•Sistema de abastecimento misto: quando parte da instalação é abastecido por meio do reservatório superior e parte é abastecida diretamente da rede pública.

Doralice Ap. Favaro Soares 1/23

Sistemas de abastecimento

•Sistema de abastecimento direto: quando os pontos de utilização são abastecidos com água que vem diretamente da rede de abastecimento público.

Doralice Ap. Favaro Soares 12/23

Partes constituintes do sistema

Doralice Ap. Favaro Soares 13/23

Orientações para Execução de Caixas para Instalação dos Hidrômetros

PROCEDIMENTOS (itope372-01)

As caixas de instalação dos hidrômetros devem ser projetadas, obedecendo os critérios a seguir relacionados e o (Anexo A) Instalação de Hidrômetros na Caixa, (Anexo B) Caixa Subterrânea em Alvenaria, (Anexo C) Localização do Cavalete/ Caixa e (Anexo D) Ligação Predial:

a)Todos os hidrômetros acima de ¾”devem ser instalados em caixas de alvenaria, padrão SANEPAR.

b) Os hidrômetros de ¾”sópodem ser instalados em caixas quando não houver espaço dentro do alinhamento predial.

Doralice Ap. Favaro Soares 14/23

Orientações para Execução de Caixas para Instalação dos Hidrômetros

PROCEDIMENTOS (cont) c) Os cavaletes ou as caixas devem ser localizados a 50 cm no sentido perpendicular ao alinhamento predial, no mínimo 30 cm livre de uma das divisas. Deve estar livre de qualquer obstáculo superior, de forma a não impedir a leitura. Não devem ser assentados pisos de qualquer natureza.

d) Devem ser observadas as distâncias da rede ao alinhamento predial, evitando a instalação sobre as redes públicas.

Doralice Ap. Favaro Soares 15/23

Orientações para Execução de Caixas para Instalação dos Hidrômetros

Diâmetro do hidrômetro A (cm) B(cm)

¾” 80 40 1” 80 40

1 ½” 80 80 2” x 30 m3/h 80 80

Instalação de hidrômetros na caixa

Doralice Ap. Favaro Soares 16/23

Orientações para Execução de Caixas para Instalação dos Hidrômetros

Caixa subterrânea de alvenaria

Doralice Ap. Favaro Soares 17/23

Orientações para Execução de Caixas para Instalação dos Hidrômetros

Localização do cavalete/caixa

Doralice Ap. Favaro Soares 18/23

Orientações para Execução de Caixas para Instalação dos Hidrômetros

Detalhe para instalação do cavalete

Doralice Ap. Favaro Soares 19/23

Partes constituintes do sistema

Doralice Ap. Favaro Soares 20/23

Partes constituintes do sistema

Doralice Ap. Favaro Soares 21/23

Partes constituintes do sistema

Doralice Ap. Favaro Soares 2/23

Pressão nas tubulações funcionamento do aparelho mas nunca inferior a 10 kPacom exceção de:

•Sobre-pressão máxima devida a transitórios hidráulicos: 200 kPa

Doralice Ap. Favaro Soares 23/23

Pressão nas tubulações

Doralice Ap. Favaro Soares 24/23

Sistemas Prediais de

Abastecimento de Água Figuras

Doralice Ap. Favaro Soares 25/23

Casa de bombas Registro de Gaveta

Válvula de Retenção vertical (pesada)

União Bo mba

Tubo de recalque Cisterna Tubo de sucção

Doralice Ap. Favaro Soares 26/23

Detalhes da instalação de recalque Ligação das células da cisterna com as bombas

Doralice Ap. Favaro Soares 27/23

Detalhes da instalação de recalque Conjunto Moto-Bomba e tubo de recalque

RG VR Pesada

União

Cj moto-bomba

Doralice Ap. Favaro Soares 28/23

Dimensionamento dos ramais

Ramal de Alimentação

Respiro/Extravasor

Doralice Ap. Favaro Soares 29/23

Reservatório Superior Alçapão p/ manutenção

Doralice Ap. Favaro Soares 30/23

Reservatório Superior Vista interna

Tub. Consumo

Doralice Ap. Favaro Soares 31/23

Reservatório Superior Barrilete

Consumo (V.S.)

Consumo (demais pontos)

Doralice Ap. Favaro Soares 32/23

Coluna Passagem pela viga

Doralice Ap. Favaro Soares 3/23

Ramal

Doralice Ap. Favaro Soares 34/23

Sub ramal (misturador do chuveiro)

Doralice Ap. Favaro Soares 35/23

Sub ramal (misturador do chuveiro)

Doralice Ap. Favaro Soares 36/23

Sub ramal (misturador da ducha higiênica)

Doralice Ap. Favaro Soares 37/23

Sub ramal (misturador do lavatório)

Doralice Ap. Favaro Soares 38/23

Ponto de utilização

Doralice Ap. Favaro Soares 39/23

Ponto de utilização (válvula de descarga)

Doralice Ap. Favaro Soares 40/23

Sistemas Prediais de

Abastecimento de Água

Dimensionamento do sistema

NBR 5626/98

Doralice Ap. Favaro Soares 41/23

Estimativa do consumo diário

–Identificar o tipo de atividade a ser desenvolvida (residencial, comercial, hospitalar, etc)

–Verificar o tipo de consumo previsto (doméstico, lavanderia, restaurante, etc.)

–Estimar o consumo através das tabelas adotadas (verificar com a concessionária de água)

Doralice Ap. Favaro Soares 42/23

Estimativa do consumo diário (Sanepar) IT/OPE/318

01 Alojamento provisório 2,4 m³ / leito ou per capita 02 Casas populares ou rurais 10 m³ / unidade 03 Conjuntos residências com apartamentos de até 70 m² 10 m³ / unidade 04 Apartamentos com áreas entre 71 e 100 m² 15 m³ / unidade 05 Apartamentos com áreas entre 101 e 200 m² 20 m³ / unidade 06 Apartamentos com áreas acima de 200 m² 25 m³ / unidade 07 Residências com áreas entre 61 e 100 m² 20 m³ / unidade 08 Residências com áreas entre 101 e 200 m² 25 m³ / unidade 09 Residências com áreas acima de 200 m² 30 m³ / unidade 10 Hotéis com apartamentos, instalações de água fria 6 m³ / apartamento

1 Hotéis com apartamentos, instalações de água fria e lavanderia 7 m³ / apartamento

12 Hotéis com apartamentos, instalações de água quente 7,5 m³ / apartamento

13 Hotéis com apartamentos, instalações de água quente e lavanderia 8,5 m³ / apartamento

14 Hotéis com banheiros coletivos 4,5 m³ / quarto 15 Hotéis com banheiros coletivos e lavanderia 5,5 m³ / quarto 16 Hospitais 8,5 m³ / leito 17 Escolas - Internato 4,5 m³ / capita 18 Escolas - Semi - Internato 3 m³ / capita 19 Escolas - Externato 1 m³ / capita 20 Faculdades 1,5 m³ / capita

Doralice Ap. Favaro Soares 43/23

Dimensionamento do hidrômetro, segundo o consumo predial (Sanepar)

Faixa de consumo mensal (m 3 /mês)

Bitola (pol.)

Vazão característica

Tipo

0- 240 ¾ 3 Mono/Multijato
241- 560 1 7 Multijato
561- 1200 1 ½ 20 Multijato
1201 -1800 2 30 Multijato
1801 -5400 2 30 Woltmann

5401 - 12000 3 110 Woltmann

12001 - 18000 4 180 Woltmann 18001 - 37500 6 350 Woltmann

Doralice Ap. Favaro Soares 4/23

Dimensionamento do ramal de alimentação

•O ramal de alimentação deverá ter o mesmo diâmetro que o hidrômetro.

Doralice Ap. Favaro Soares 45/23

Dimensionamento dos reservatórios

–Os reservatórios constituem a parte crítica da instalação predial de água fria no que diz respeito a manutenção da potabilidade da água;

–Os reservatórios devem preservar a potabilidade da água e não transmitir cor, sabor, odor ou toxinas à água;

–Deve ser estanque e qualquer abertura deve impedir a passagem de poeiras, insetos, líquidos, etc.;

–Não deve ser apoiado no solo ou ser enterrado total ou parcialmente, tendo em vista a contaminação proveniente do solo, devido a infiltração. Deve ficar com todas as paredes distantes pelo menos 0,60 m do solo, como mostra a figura a seguir:

Doralice Ap. Favaro Soares 46/23

Reservatório inferior

Doralice Ap. Favaro Soares 47/23

Dimensionamento dos reservatórios

–O volume mínimo a ser armazenado é de 1xCd e, no caso de residências de pequeno tamanho, recomenda que a reserva mínima seja de 500 litros;

–O volume máximo a ser armazenado deve ser tal que mantenha a potabilidade da água e, deve atender a disposição ou regulamento que estabeleça volume máximo;

–O volume a ser considerado para cômputo do consumo diário deve levar em conta o volume armazenado tanto no reservatório inferior quanto no superior, para este fim;

–Os reservatórios de maior volume, devem ser divididos em 2 células;

–Deve também ser lavado em conta o volume a ser armazenado para combate a incêndio (conforme legislação de cada Estado ou região).

Doralice Ap. Favaro Soares 48/23

Dimensionamento dos reservatórios

•Consumo mensal total, (Cm) = Cm/unidade * número de unidades

•Vmáx do reservatório inferior = (3xCd –Volume de consumo reservatório superior)

Doralice Ap. Favaro Soares 49/23

Dimensionamento do reservatório superior conforme o Código de Prevenção de Incêndios

A capacidade dos reservatórios deve ser calculada pela seguinte fórmula:

V= 0,93 x C x A ½

Onde:V=Volume do reservatório em m 3

A = Área do risco em m 2

C = O valor de C étomado na seguinte tabela

Combustíveis Resistentes a fogo Incombustíveis Classe do risco 1 2 3 1 2 3 1 2 3

RL 1,12 1,04 0,96 0,47 0,38 0,31 0,31 0,26 0,2 RM 1,50 1,39 1,28 0,70 0,65 0,52 0,48 0,41 0,35 RE 1,57 1,4 1,31 0,87 0,78 0,73 0,58 0,50 0,4

Doralice Ap. Favaro Soares 50/23

Classificação da edificação

• Classificação das Edificações quanto ao Risco de Incêndio:

• Tabela de classificação de edificações quanto a sua ocupação Anexo

(1) Exposição, comércio, manuseio e fabricação. (2) Armazenagem e depósitos

OCUPAÇÃO Classe de Risco

(1)

Classe de Risco (2)

Abrasivos, pedras de amolar RL RL Agência de correios RL RM Albergue da juventude RL Algodão RL RE Alojamento Estudantil RL Antiguidades RL RM

Comentários