(Parte 1 de 3)

1. Introdução3
2. Tipos de Divisão Celular4
2.1. Fissão binária4
2.2. Conceitos chaves4
2.3. Mitose nos animais5
Fases da mitose6
a) Prófase6
b) Metáfase8
c) Anafase9
d) Telofase10
2.4. A Mitose na Célula Vegetal10
Citocinese1
2.5. Regulação do ciclo celular12
Formação de tumor a partir de oncogene15
Vantagens da mitose15
Desvantagens da mitose15
3. Quadro Resumo16
Conclusão17

Índice Bibliografia .............................................................................................................................. 18

Abdul Gafar Daúdo Atija Mavanga

Divisão Celular MITOSE

Universidade Pedagógica

Montepuez 2011

Abdul Gafar Daúdo Atija Mavanga

Divisão Celular MITOSE

Docente: dr. Leonildo dos Anjos Viagem

Universidade Pedagógica Montepuez

Este trabalho é de carácter avaliativo da cadeira de Biologia Celular e Molecular, Curso de Biologia, 1º Ano.

3 1. Introdução

O presente trabalho aborda “Divisão Celular - Mitose”, Segundo Muller (2006:51) “A mitose é um processo de divisão celular em que ocorre uma duplicação cromossómica para cada divisão celular. Assim, a quantidade e a qualidade dos cromossomas da célula-mãe são mantidos nas células-filhas”.

Este processo ocorre em quatro fases: Profase, Metafase, Anafase e Telofase (SOARES, 1997:6). Profase – é a etapa mais longa da mitose, onde os filamentos de cromatina se condensam, originando umas estruturas grossas e curtas – os cromossomas. Metafase – é a etapa onde o fuso acromático se vai ligar aos centrómeros dos cromossomas, que já atingiram o encurtamento máximo, formando assim a placa equatorial, onde os cromossomas se dispõem voltados para o centro do plano com os braços voltados para fora Anafase – dá-se a fragmentação dos centrómeros, separando assim os cromatídeos, passando cada um destes a formar agora um cromossoma; as fibras do fuso acromático começam a encurtar levando assim os cromossomas para os pólos – ascensão polar; Telofase – passa-se exactamente o contrário da profase, ou seja, a cromatina vai descondensar e alongar, o fuso acromático dissolve-se, a membrana nuclear irá reaparecer dispondo-se à volta dos cromossomas, formando assim dois núcleos novos. Terminada a mitose, vai ocorrer então a citocinese, que consiste na separação do citoplasma da célula-mãe, em duas partes iguais, originando assim as duas novas células. As células procarióticas dividem-se por fissão binária, enquanto as eucarióticas seguem um processo de divisão do núcleo, chamada mitose, seguida pela divisão da membrana e do citoplasma chamada citocinese. O aparelho mitótico é constituído pelos fusos acromáticos, centríolos, ásteres e cromossomas.

O objectivo é de identificar e descrever a mitose e as respectivas fases, permitindo neste contexto, pôr em discussão o tema de modo a conhecer integralmente esta parte da divisão celular. Este trabalho permite conhecer a mitose como uma forma de reprodução dos organismos vivos e as vantagens e desvantagens da mitose. É de salientar que na elaboração deste trabalho, usou-se a consulta bibliográfica.

4 2. Tipos de Divisão Celular

As células procarióticas dividem-se por fissão binária, enquanto as eucarióticas seguem um processo de divisão do núcleo, chamada mitose, seguida pela divisão da membrana e do citoplasma chamada citocinese.

2.1. Fissão binária

BURNIE (1994) ―Cissiparidade, divisão simples, bipartição ou fissão binária é o processo de divisão celular no qual um organismo unicelular se reproduz em dois por mitose‖.

Fissão binária, cissiparidade ou bipartição é o nome dado ao processo de reprodução assexuada dos organismos unicelulares que consiste na divisão de uma célula em duas, cada uma com o mesmo genoma da descendente (AMABIS e MARTHO, 2006:352).

2.2. Conceitos chaves

O fuso mitótico ou fuso acromático é uma estrutura celular efémera, constituída por microtúbulos. É uma estrutura do citosqueleto das células eucariotas, envolvida na mitose e na meiose. Durante a meiose leva o nome de fuso meiótico. A sua função é a de separar os cromossomas durante a divisão celular de modo a que sejam incluídos nas células-filha. É constituído por feixes de microtúbulos que se alinham longitudinalmente e que no conjunto apresentam uma forma do tipo elipsóide.

O fuso orienta os cromossomas para que fiquem centralizados no equador da célula durante a metáfase da mitose. Só existe nas células animais, juntamente com os centríolos, nas células vegetais aparece sem os centríolos.

O centrossomo é a região específica da célula, situada próxima ao núcleo, onde são organizados os microtúbulos. Em células animais, cada centrossomo tem um par de centríolos envolvidos por uma região onde os microtúbulos se ligam.

Centríolos ou centros celulares são feixes curtos de microtúbulos localizados no citoplasma das células eucariontes, ausentes em alguns protistas, gimnospermas, angiospermas e fungos.

Normalmente, as células possuem um par de centríolos posicionados lado a lado ou posicionados perpendicularmente. São constituídos por nove túbulos triplos ligados entre si, formando um tipo de cilindro. Dois centríolos dispostos perpendicularmente formam um diplossomo. Têm origem comum com os centrossomos que dão origem a flagelos e cílios que efetuam o movimento em certos tipos celulares e organismos protistas.

O centríolo ajuda na separação das células esticando-se na hora da divisão então os cromossomos ficam ali em volta dos tubos do cetríolo e quando acaba a divisão celular os cromossomos e centríolos já estão em seus devidos lugares.

Microtúbulos são estruturas protéicas que fazem parte do citoesqueleto nas células. São filamentos com diâmetro de, aproximadamente, 24 nm e comprimentos variados, de vários micrómetros até alguns milímetros nos axônios das células nervosas. Microtúbulos são formados pela polimerização da proteína tubulina.

Cinetócoro é uma espécie de disco de proteínas, localizado no centrômero. Esta é formado no final da prófase na região do centrômero, o cinetócoro tem a função de consumir a tubulina já no final da divisão celular (mais especificamente na anáfase. Na prófase formamse dois cinetócoros na região do centrômero, em direcções opostas e um para cada cromátide. Já na metáfase eles se ligam às fibras do fuso provenientes dos pólos opostos da célula. Com auxílio de uma "proteína motora" o cinetócoro (juntamente com as cromátides) consome a tubulina proveniente dos pólos opostos encurtando o fuso acromático, permitindo assim a divisão.

2.3. Mitose nos animais

“Mitose (do grego mitos, fio, filamento; osis, acção) ou cariocinese (do grego karyon, núcleo; kinesis, movimento) é o processo de divisão celular no qual ocorrem profundas alterações citoplasmáticas e nucleares da célula, visando uma equilibrada distribuição dos seus cromossomas para as duas células filhas que vão surgir” (SOARES, 1997:6).

Segundo Amabis e Martho (2004:178) “A mitose é um processo contínuo, com duração entre 30 e 60 minutos, em que uma célula se transforma em duas células filhas”.

Segundo Muller (2006:51) “A mitose é um processo de divisão celular em que ocorre uma duplicação cromossómica para cada divisão celular. Assim, a quantidade e a qualidade dos cromossomas da célula-mãe são mantidos nas células-filhas”.

JUNQUEIRA e CARNEIRO, (2002) “Mitose (do grego mitos, fio, filamento) é o processo pelo qual as células dividem seus cromossomas entre duas células filhas‖

Assim, a mitose é o processo de divisão celular que ocorre com a duplicação do conteúdo genético da célula mãe e posterior divisão em duas células filhas. Tal processo é responsável pela multiplicação dos indivíduos unicelulares e pelo crescimento dos pluricelulares, por realizar o aumento do número de células.

A mitose é um tipo de divisão muito frequente entre os organismos. Nos unicelulares, serve à reprodução assexuada e à multiplicação dos organismos. Nos pluricelulares, ela repara tecidos lesados, repõe as células que normalmente morrem e também está envolvida no crescimento.

No homem, a pele, a medula óssea e o revestimento intestinal são locais onde a mitose é frequente. Nem todas as células do homem, porém, são capazes de realizar mitose. Neurónios e célula musculares são dois tipos celulares altamente especializados em que não ocorre esse tipo de divisão (ocorre apenas na fase embrionária). Nos vegetais, a mitose ocorre em locais onde existem tecidos responsáveis pelo crescimento, por exemplo, na ponta de raízes, na ponta de caules e nas gemas laterais.

Fases da mitose

Segundo Soares (1997:6), A mitose cumpreende quatro etapas fundamentais: profase, metafase, anafase e telofase.

a) Prófase

È a primeira fase da mitose, em que se começa a notar alteração no núcleo e no citoplasma. Com um considerável aumento do volume nuclear e com a condensação da cromatina, formando os cromossomas.

Cada cromossoma é constituído de duas cromatides unidas pelo centrómero, o que significa que a duplicação dos cromossomas ocorreu antes da prófase, ou seja, na interfase. Assim, é nesta fase que se dá as seguintes ocorrências:

Condensação dos cromossomas O início da profase é marcado pela condensação dos cromossomas e pela duplicação dos centríolos, tornando-os curtos e grossos, cada um dos centríolos resultantes vão migrando para os pólos opostos da célula. A cariótica fragmenta-se e o fuso passa a ocupar a zona central da célula. Esta permite que os cromossomas se separem uns dos outros e se distribuam para células filhas sem sofrer quebras (AMABIS e MARTHO, 2004:180).

Início de formação do fuso acromático Esta é outra parte que marca a prófase na formação do fuso mitótico ou fuso acromático. É acromático porque este não apresenta cor e não é fácil corar. O fuso acromático é o conjunto de microtúbulos (também denominados fibras do fuso) orientados de um pólo da célula a outro com a função de conduzir os cromossomas para os pólos celulares durante a anafase (AMABIS e MARTHO, 2004:180).

Fig.1– (A) Representação de uma célula animal em início de prófase com o fuso em formação. (B) Com aumento, organização geral do fuso com fibras entre os centros celulares e fibras do áster ao redor de cada centríolo. (Fonte: Amabis e Martho, 2004:180).

Fragmentação carióteca Segundo Amabis e Martho (2004:180) ―O acontecimento final da profase dá-se por sinal no desaparecimento da carióteca (envoltório nuclear) fragmentando-se em pequenas vesículas que se espalham pelo citoplasma. Por fim o material nuclear se mistura com o material citoplasmático e os cromossomas ficam desorganizados entre as fibras do fuso acromático‖.

Fig.2. – Etapas da profase. A ocorrência principal é a ruptura do envoltório nuclear (carióteca) e o aparecimento dos cromossomas. (Fonte: Junqueira e Carneiro, 2005:182).

b) Metáfase

A metáfase é a fase mitótica em que os centrómeros dos cromossomas estão ligados às fibras cinetocóricas que provêm dos centríolos, que se ligam aos microtúbulos do fuso mitótico. Os cromatídeos tornam-se bem visíveis e logo em seguida partem-se para o início da anáfase. É nesta altura da mitose, que os cromossomas condensados alinham-se no centro da célula, formando a chamada placa metafásica ou placa equatorial, antes de terem seus centrómeros repartidos em decorrência do encurtamento das fibras cinetocóricas pelas duas células-filhas, fazendo com que cada cromátide-irmã vá para cada pólo das células em formação.

Fig.3- Representação esquemática da união dos cromossomas ao fuso mitótico e formação da placa metafásica. (Fonte: Amabis e Martho, 2004:181).

1 – Captura dos cromossomas por microtúbulos de um dos pólos.

(Parte 1 de 3)

Comentários