O que são drogas psicotrópicas?

O que são drogas psicotrópicas?

(Parte 3 de 7)

Os sol ven tes são as dro gas mais usa das entre os meni nos(as) de rua e entre os estudan tes da rede públi ca de ensi no, quan do se excluem da aná li se o álcool e o taba co.

OU ANSIOLÍTICOS Benzodiazepínicos

Definição

Existem medi ca men tos que têm a pro prie da de de atuar quase exclu si va men te sobre a ansieda de e a ten são. Essas dro gas já foram cha ma das de tran qui li zan tes, por tran qui li zar a pes soa estres sa da, tensa e ansio sa. Atualmente, pre fe re-se desig nar esses tipos de medi ca men tos pelo nome de ansio lí ti cos, ou seja, que “des troem” a ansie da de. De fato, esse é o prin ci pal efei to tera pêu ti co des ses medi ca men tos: dimi nuir ou abo lir a ansie da de das pes soas, sem afe tar em dema sia as fun ções psí qui cas e moto ras.

Antigamente, o prin ci pal agen te ansio lí ti co era uma droga cha ma da mepro ba ma to, que prati ca men te desa pa re ceu das far má cias com a des co ber ta de um impor tan te grupo de subs tân cias: os ben zo dia ze pí ni cos. De fato, esses medi ca men tos estão entre os mais uti li za dos no mundo todo, inclu si ve no Brasil. Para se ter ideia, atual men te existem mais de cem remé dios em nosso país à base des ses ben zo dia ze pí ni cos. Estes têm nomes quí mi cos que ter mi nam geral men te pelo sufi xo am. Assim, é rela ti va men te fácil a pes soa, quan do toma um remé dio para acal mar-se, saber o que real men te está toman do: tendo na fór mu la uma pala vra ter mi nada em am, é um ben zo diaze pí ni co. Exemplos: dia ze pam, bro ma ze pam, clo ba zam, clo ra ze pam, esta zo lam, flu ra ze pam, flu ni tra ze pam, lora ze pam, nitra ze pam etc. Uma das exce ções é a subs tân cia cha ma da clordiazepóxido, que tam bém é um ben zo dia ze pí ni co. Por outro lado, essas subs tân cias são comer cia liza das pelos labo ra tó rios far ma cêu ti cos com dife ren tes nomes “fan ta sia”, exis tin do assim deze nas de remé dios com nomes dife ren tes: Valium®, Calmociteno®, Dienpax®, Psicosedin®, Frontal®, Frisium®, Kiatrium®, Lexotan®, Lorax®, Urbanil®, Somalium® etc, são ape nas alguns dos nomes.

Efeitos no cére bro

Todos os ben zo dia ze pí ni cos são capa zes de esti mu lar os meca nis mos do cére bro que nor malmen te com ba tem esta dos de ten são e ansie da de. Assim, quan do, devi do às ten sões do dia-a-dia ou por cau sas mais sérias, deter mi na das áreas do cére bro fun cio nam exa ge ra da men te, resul tando em esta do de ansie da de, os ben zo dia ze pí ni cos exer cem um efei to con trá rio, isto é, ini bem os meca nis mos que esta vam hiper fun cio nan tes, e a pes soa fica mais tran qui la, como que des li ga da do meio ambien te e dos estí mu los exter nos. Como con se quên cia dessa ação, os ansio lí ti cos pro du zem uma depres- são da ati vi da de do nosso cére bro que se carac te ri za por: 1. dimi nui ção de ansie da de; 2. indu ção de sono; 3. rela xa men to mus cu lar; 4. redu ção do esta do de aler ta.

É impor tan te notar que esses efei tos dos ansio lí ti cos ben zo dia ze pí ni cos são gran de men te alimen ta dos pelo álcool, e a mis tu ra do álcool com essas dro gas pode levar ao esta do de coma. Além des ses efei tos prin ci pais, os ansio lí ti cos difi cul tam os pro ces sos de apren di za gem e memó ria, o que é, evi den te men te, bas tan te pre ju di cial para aqueles que habi tual men te se uti li zam des sas dro gas.

Finalmente, é impor tan te ainda lem brar que essas substâncias tam bém pre ju di cam em parte as fun ções psi co mo to ras, pre ju di can do ati vi da des como diri gir auto mó veis, aumen tan do a proba bi li da de de aci den tes.

Efeitos sobre outras partes do corpo

Os ben zo dia ze pí ni cos são dro gas muito espe cí fi cas em seu modo de agir, pois têm pre di le ção quase exclu si va pelo cére bro. Dessa manei ra, nas doses tera pêu ti cas não pro du zem efei tos dig nos de nota sobre os outros órgãos.

Efeitos tóxi cos

Do ponto de vista orgâ ni co ou físi co, os ben zo dia ze pí ni cos são dro gas bas tan te segu ras, pois são neces sá rias gran des doses (20 a 40 vezes mais altas que as habi tuais) para tra zer efei tos mais gra ves: a pes soa fica com hipo to nia mus cu lar (“mole”), gran de difi cul da de para ficar em pé e andar, baixa pres são sanguínea e suscetibilidade a des maios. Mas, mesmo assim, a pes soa difi cil men te chega a entrar em coma e mor rer. Entretanto, a situa ção muda muito de figu ra se o indivíduo, além de ter toma do o ben zo dia ze pí ni co, tam bém inge riu bebi da alcoó li ca. Nesses casos, a into xi ca ção torna-se séria, pois há gran de dimi nui ção da ati vi da de cerebral, poden do levar ao esta do de coma.

Outro aspec to impor tan te quan to aos efei tos tóxi cos refe re-se ao uso des sas subs tân cias por mulhe res grá vi das. Suspeita-se que essas dro gas tenham um poder tera to gê ni co razoá vel, isto é, podem pro du zir lesões ou defei tos físi cos na crian ça por nas cer.

Aspectos gerais

Os ben zo dia ze pí ni cos, quan do usa dos durante alguns meses segui dos, podem levar as pes soas a um esta do de depen dên cia. Como con se quên cia, sem a droga o depen den te passa a sen tir muita irri ta bi li da de, insô nia exces si va, sudo ra ção, dor pelo corpo todo, poden do, em casos extre mos, apre sen tar con vul sões. Se a dose toma da já é gran de desde o iní cio, a depen dên cia ocor re mais rapi da men te ainda. Há tam bém desen vol vi men to de tole rân cia, embo ra esta não seja muito acentua da, isto é, a pessoa fica acostumada à droga e precisa aumentar a dose para obter o efeito inicial.

Situação no brasil

Como já foi rela ta do, exis tem mui tas deze nas de remé dios no Brasil à base de ansio lí ti cos ben zo dia ze pí ni cos. Até recen te men te, era comum os médi cos, cha ma dos de obe so lo gis tas (que tra tam das pes soas obe sas em busca de tratamento para emagrecer), colo ca rem nas recei tas esses ben zo dia ze pí ni cos para atenuar o nervosismo pro du zi do pelas dro gas que tiram o ape ti te (ver Capí tu lo “Anfetaminas”). Atualmente, a legis la ção não per mi te essa mis tu ra.

Além disso, há um ver da dei ro abuso por parte dos labo ra tó rios nas indi ca ções des ses medica men tos para todos os tipos de ansie da des, mesmo aque las con si de ra das nor mais, isto é, causa das pelas ten sões da vida coti dia na. Assim, cer tas pro pa gan das mos tram uma mulher com um largo sor ri so, feliz, pois tomou certo remé dio que cor ri giu a ansie da de gera da pelos três bilhe tes rece bi dos: um do mari do, avi san do que che ga rá tarde para o jan tar; outro do filho, dizendo que che ga rá com o time de bas que te para um lan che; e o ter cei ro da empre ga da, avisando que fal tou ao trabalho porque foi ao SUS. Ainda exis tem exem plos de indi ca ção dos ben zo dia ze pí ni cos para as moças sor ri rem mais (pois a ten são evita o riso), ou para evi ta r as rugas, que enve lhe cem (uma vez que a ansie da de faz as pes soas fran zi rem a testa, crian do rugas). Não é, por tan to, sur preenden te que, em um levan ta men to sobre o uso não médi co de dro gas psi co tró pi cas por estu dan tes nas 27 capi tais bra si lei ras, em 2004, os ansio lí ti cos esti ves sem em quarto lugar na pre fe rên cia geral, sendo esse uso muito mais inten so entre meni nas do que entre meni nos.

Os ben zo dia ze pí ni cos são con tro la dos pelo Ministério da Saúde, isto é, a far má cia pode vendê-los somente median te recei ta espe cial do médi co, que deve ser reti da para pos te rior contro le, o que nem sem pre acon te ce.

SEDATIvOS Barbitúricos

Definição e his tó ri co

Sedativo é o nome que se dá aos medi ca men tos capa zes de dimi nuir a ati vi da de do cére bro, prin ci pal men te quan do este está em esta do de exci ta ção acima do nor mal. O termo seda ti vo é sinô ni mo de cal man te ou sedan te.

Quando um seda ti vo é capaz de dimi nuir a dor, rece be o nome de anal gé si co. Já quan do o seda ti vo é capaz de afas tar a insô nia, pro du zin do o sono, é cha ma do de hip nó ti co ou soní fe ro. E quan do um cal man te tem o poder de atuar mais sobre esta dos exa ge ra dos de ansie da de, é denomi na do de ansio lí ti co. Finalmente, exis tem algu mas des sas dro gas capa zes de acal mar o cére bro hipe rex ci ta do dos epi lép ti cos. São as dro gas antie pi lép ti cas, capa zes de pre ve nir as con vul sões des ses doen tes.

Neste capí tu lo será abor da do um grupo de dro gas – tipo seda ti vos-hip nó ti cos – que são cha madas de bar bi tú ri cos. Algumas delas tam bém são úteis como antie pi lép ti cos.

Essas dro gas foram des co ber tas no come ço do sécu lo X, e diz a his tó ria que o quí mi co europeu que fez a sín te se de uma delas pela pri mei ra vez – gran de des co ber ta – foi come mo rar em um bar. E, lá, encan tou-se com uma gar ço ne te, linda moça que se cha ma va Bárbara. Em um aces so de entu sias mo, nosso cien tis ta resol veu dar ao com pos to recém-des co ber to o nome de bar bi tú ri co.

Efeitos no cére bro

Os bar bi tú ri cos são capa zes de depri mir várias áreas do cére bro; como con se quên cia, as pes soas podem ficar mais sono len tas, sen tin do-se menos ten sas, com sen sa ção de calma e relaxa men to. As capa ci da des de racio cí nio e de con cen tra ção ficam tam bém afe ta das.

Com doses um pouco maio res que as reco men da das pelos médi cos, a pes soa come ça a sen tirse como que embria ga da (sen sa ção mais ou menos seme lhan te à de tomar bebi das alcoó li cas em exces so): a fala fica “pas to sa” e a pes soa pode sen tir-se com difi cul da de de andar direi to.

Os efei tos ante rior men te des cri tos dei xam claro que quem usa esses bar bi tú ri cos tem a atenção e as facul da des psi co mo to ras pre ju di ca das; assim, fica peri go so ope rar máqui na, diri gir automó vel etc.

Efeitos sobre outras partes do corpo

Os bar bi tú ri cos são quase exclu si va men te de ação cen tral (cere bral), isto é, não agem nos demais órgãos. Assim, a res pi ra ção, o cora ção e a pres são do san gue só são afe ta dos quan do o bar bi tú ri co, em dose exces si va, age nas áreas do cére bro que coman dam as fun ções des ses órgãos.

Efeitos tóxi cos

Essas drogas são peri go sas por que a dose que come ça a into xi car está pró xi ma da que pro duz os efei tos tera pêu ti cos dese já veis. Com essas doses tóxi cas, come çam a sur gir sinais de incoorde na ção moto ra, um esta do de incons ciên cia come ça a tomar conta da pes soa, ela passa a ter difi cul da de para se movi men tar, o sono fica muito pesa do e, por fim, pode entrar em esta do de coma. A pes soa não res pon de a nada, a pres são do san gue fica muito baixa e a res pi ra ção é tão lenta que pode parar. A morte ocor re exa ta men te por para da res pi ra tó ria. É muito impor tan te saber que esses efei tos tóxi cos ficam muito mais inten sos se ela inge rir álcool ou outras dro gas seda ti vas. Às vezes, into xi ca ção séria pode ocor rer por esse moti vo.

Outro aspec to impor tan te quan to aos efei tos tóxi cos refe re-se ao uso des sas subs tân cias por mulheres grá vi das. Essas dro gas têm poten cial tera to gê ni co, além de pro vo ca rem – sinais de abs ti nên cia (como difi cul da des res pi ra tó rias, irri ta bi li da de, dis túr bios do sono e difi culda de de ali men ta ção) em recém-nas ci dos de mães que fize ram uso duran te a gra vi dez.

Aspectos gerais

Existem mui tas evi dên cias de que os bar bi tú ri cos levam as pes soas a um esta do de dependên cia; com o tempo, a dose tem tam bém de ser aumen ta da, ou seja, há desen vol vi men to de tole rân cia. Esses fenô me nos se desen vol vem com maior rapi dez quan do doses gran des são usa das desde o iní cio. Quando a pes soa está depen den te dos bar bi tú ri cos e deixa de tomá-los, passa a ter a sín dro me de abs ti nên cia, cujos sintomas vão desde insô nia rebel de, irri ta ção, agres si vi dade, delí rios, ansie da de, angús tia, até con vul sões gene ra li za das. A sín dro me de abs ti nên cia requer obri ga to ria men te tra ta men to médi co e hos pi ta li za ção, pois há risco de a pes soa vir a fale cer.

Situação no brasil

Os bar bi tú ri cos eram usa dos de manei ra até irres pon sá vel no Brasil. Vários remé dios para dor de cabe ça, além da aspi ri na, con ti nham tam bém um bar bi tú ri co qual quer. Assim, os anti gos como Cibalena®, Veramon®, Optalidom®, Fiorinal® etc. tinham o buta bar bi tal ou seco bar bi tal (dois tipos de bar bi tú ri cos) em suas fór mu las. O uso abu si vo que se regis trou – muita gente usando gran des quan ti da des, repe ti da men te – de medi ca men tos, como o Optalidon® e o Fiorinal®, levou os labo ra tó rios far ma cêu ti cos a modi fi ca rem suas fór mu las, reti ran do os bar bi tú ri cos de sua com po si ção.

Hoje em dia não mais se usa os medicamentos barbitúricos para tratamento de ansiedade e insônia (para estes sintomas os benzodiazepínicos são muito mais utilizados). Por outro lado, o feno bar bi tal conhecido pelo nome comercial de Gardenal® é bas tan te usado no Brasil (e no mundo), pois é um ótimo remé dio para os epi lép ti cos. Finalmente, um outro bar bi tú ri co, o tiopen tal, é usado por via endove no sa, por anes te sis tas, em cirur gias.

A legislação bra si lei ra exige que todos os medi ca men tos que con te nham bar bi tú ri cos em suas fór mu las sejam ven di dos nas far má cias somente com a recei ta do médi co, para pos te rior con tro le pelas auto ri da des sani tá rias.

E OPIOIDES Papoula do Oriente, Opiáceos, Opioides

Definição e histórico

Muitas substâncias com grande atividade farmacológica podem ser extraídas de uma planta chamada Papaver somniferum, conhecida popularmente com o nome de “Papoula do Oriente”. Ao se fazer cortes na cápsula da papoula, quando ainda verde, obtém-se um suco leitoso, o ópio (a palavra ópio em grego quer dizer “suco”).

Quando seco, esse suco passa a se chamar pó de ópio. Nele existem várias substâncias com grande atividade farmacológica. A mais conhecida é a morfina, palavra que vem do deus da mitologia grega Morfeu, o deus dos sonhos. Pelo próprio segundo nome da planta somniferum, de sono, e do nome morfina, de sonho, já dá para fazer uma ideia da ação do ópio e da morfina no homem: são depressores do sistema nervoso central, isto é, fazem o cérebro funcionar mais devagar. Mas o ópio ainda contém mais substâncias, sendo a codeína também bastante conhecida. Ainda é possível obter-se outra substância, a heroína, ao se fazer pequena modificação química na fórmula da morfina. A heroína é, então, uma substância semissintética (ou seminatural).

Todas essas substâncias são chamadas de drogas opiáceas ou simplesmente opiáceos, ou seja, oriundas do ópio, que, por sua vez, podem ser opiáceos naturais quando não sofrem nenhuma modificação (morfina, codeína) ou opiáceos semissintéticos quando resultantes de modificações parciais das substâncias naturais (como é o caso da heroína).

Mas o ser humano foi capaz de imitar a natureza fabricando em laboratórios várias substâncias com ação semelhante à dos opiáceos: a meperidina, a oxicodona, o propoxifeno e a metadona são alguns exemplos. Essas substâncias totalmente sintéticas são chamadas de opioides (isto é, semelhantes aos opiáceos). Todas são colocadas em comprimidos ou ampolas, tornando-se, então, medicamentos. A ciência foi também capaz de desenvolver um adesivo que contém essas substâncias que, ao ser colado na pele de um paciente, vai liberando pouco a pouco a quantidade necessária para a ação terapêutica que o médico indicou. São os chamados adesivos transdérmicos ou patch (pronuncia-se: péti). A tabela a seguir apresenta exemplos de alguns desses medicamentos.

(Parte 3 de 7)

Comentários