O que são drogas psicotrópicas?

O que são drogas psicotrópicas?

(Parte 6 de 7)

Seu uso espa lhou-se por todo o mundo a par tir de mea dos do sécu lo X, com a ajuda de técni cas avan ça das de publi ci da de e mar ke ting que se desen vol ve ram nessa época.

A par tir da déca da de 1960, sur gi ram os pri mei ros rela tó rios cien tí fi cos que rela cio na ram o cigar ro ao adoe ci men to do fuman te, e hoje exis tem inú me ros tra ba lhos com pro van do os male fícios do taba gis mo à saúde do fuman te e do não fuman te expos to à fuma ça do cigar ro.

Hoje, o fumo é cul ti va do em todas as par tes do mundo e é res pon sá vel por uma ati vi da de eco nô mi ca que envol ve milhões de dóla res. Apesar dos males que o hábi to de fumar pro vo ca, a nico ti na é uma das dro gas mais con su mi das no mundo.

Efeitos no cére bro

Quando o fuman te dá uma tra ga da, a nico ti na é absor vi da pelos pul mões, che gan do ao cérebro aproximadamente em nove segun dos.

Os prin ci pais efei tos da nico ti na no sis te ma ner vo so cen tral consistem em: ele va ção leve no humor (esti mu la ção) e dimi nui ção do ape ti te. A nico ti na é con si de ra da um esti mu lan te leve, ape sar de um gran de núme ro de fuman tes rela tar sensação de rela xa mento quan do fumam. Essa sen sa ção é pro vo ca da pela dimi nui ção do tônus mus cu lar.

Essa subs tân cia, quan do usada ao longo do tempo, pode pro vo car o desen vol vi men to de tolerân cia, ou seja, a pes soa tende a con su mir um núme ro cada vez maior de cigar ros para sen tir os mes mos efei tos que, ori gi nal men te, eram pro du zi dos por doses meno res.

Alguns fuman tes, quan do sus pen dem repen ti na men te o con su mo de cigar ros, podem sen tir fis su ra (dese jo incon tro lá vel de fumar), irri ta bi li da de, agi ta ção, pri são de ven tre, difi cul da de de con cen tra ção, sudo re se, ton tu ra, insô nia e dor de cabe ça. Esses sin to mas carac te ri zam a sín drome de abs ti nên cia, desa pa re cen do den tro de uma ou duas sema nas.

A tole rân cia e a sín dro me de abs ti nên cia são alguns dos sinais que carac te ri zam o qua dro de depen dên cia pro vo ca do pelo uso do taba co.

Efeitos sobre outras partes do corpo

A nico ti na pro duz um peque no aumen to no bati men to car día co, na pres são arte rial, na frequên cia res pi ra tó ria e na ati vi da de moto ra.

Quando uma pes soa fuma um cigar ro, a nico ti na é ime dia ta men te dis tri buí da pelos teci dos.

No sis te ma diges ti vo, pro vo ca dimi nui ção da con tra ção do estô ma go, difi cul tan do a diges tão. Há, ainda, aumen to da vaso cons tri ção e da força dos bati men tos car día cos.

Efeitos tóxi cos

A fuma ça do cigar ro con tém um núme ro muito gran de de subs tân cias tóxi cas ao orga nis mo. Entre as prin ci pais, cita mos a nico ti na, o monó xi do de car bo no e o alca trão.

O uso inten so e cons tan te de cigar ros aumen ta a pro ba bi li da de de ocor rên cia de algu mas doen ças, como, por exem plo, pneu mo nia, cân cer (pul mão, larin ge, farin ge, esô fa go, boca, estôma go etc.), infar to de mio cár dio, bron qui te crô ni ca, enfi se ma pul mo nar, der ra me cere bral, úlce ra diges ti va etc. Entre outros efei to tóxi cos pro vo ca dos pela nico ti na, pode mos des ta car, ainda, náuseas, dores abdo mi nais, diar reia, vômi tos, cefa leia, ton tu ra, bra qui car dia e fra que za.

Tabaco e gra vi dez

Quando a mãe fuma duran te a gra vi dez, “o feto tam bém fuma”, rece ben do as subs tân cias tóxi cas do cigar ro atra vés da pla cen ta. A nico ti na pro vo ca aumen to do bati men to car día co no feto, redu ção de peso no recém-nas ci do, menor esta tu ra, além de alte ra ções neu ro ló gi cas impor tan tes. O risco de abor ta men to espon tâ neo, entre outras com pli ca ções na gestação, é maior nas ges tan tes que fumam.

Durante a ama men ta ção, as subs tân cias tóxi cas do cigar ro são trans mi ti das para o bebê através do leite mater no.

Tabagismo pas si vo

Os fuman tes não são os úni cos expos tos à fuma ça do cigar ro, pois os não fuman tes tam bém são agre di dos por ela, tor nan do-se fuman tes pas si vos.

Os poluen tes do cigar ro dis per sam-se pelo ambien te, fazen do com que os não fuman tes pró ximos ou dis tan tes dos fuman tes ina lem tam bém as subs tân cias tóxi cas.

Estudos com pro vam que filhos de pais fuman tes apre sen tam inci dên cia três vezes maior de infec ções res pi ra tó rias (bron qui te, pneu mo nia, sinu si te) do que filhos de pais não fuman tes.

Aspectos gerais

O hábito de fumar é muito frequente na população. Até pouco tempo era comum a associação do cigarro à imagem de pessoas bem-sucedidas, jovens e esportistas nos meios de comunicação. Esse cenário foi alterado após a Lei 10 167, de dezembro de 2000, que proibiu a propaganda de cigarros nos meios de comunicação de massa. Essa restrição foi uma grande conquista, pois aquele tipo de propaganda estimulava o uso do cigarro. Além disso, os programas de controle do tabagismo vêm recebendo um destaque cada vez maior em diversos países, ganhando apoio de grande parte da população.

O INCA (Instituto Nacional de Câncer) é o órgão do Ministério da Saúde res pon sá vel pelas ações de con tro le do taba gis mo e pre ven ção pri má ria de cân cer no Brasil, por meio da Coordenação Nacional de Controle do Tabagismo e Prevenção Primária de Câncer (Contapp).

DROGAS PERTURbADORAS

DO SISTEMA NERvOSO CENTRAL

MACONhA

THC (Tetraidrocanabinol)

Hashishi, Bangh,Ganja, Diamba, Marijuana, Marihiana

Definição e his tó ri co

A maco nha é o nome dado aqui no Brasil a uma plan ta cha ma da cien ti fi ca men te de Cannabis sati va. Em outros paí ses, ela rece be dife ren tes nomes, como os men cio na dos no títu lo deste capítu lo. Já era conhe ci da há pelo menos 5000 anos, sendo uti li za da quer para fins medi ci nais, quer para “pro du zir risos”. Talvez a pri mei ra men ção da maco nha em nossa lín gua tenha sido em um escri to de 1548, no qual está dito no por tu guês daque la época: “e já ouvi a mui tas mulhe res que, quan do hião ver algum homem, para estar cho qua rei ras e gra cio sas a toma vão”.

Até o iní cio do sécu lo X, a maco nha era con si de ra da em vários paí ses, inclu si ve no Brasil, um medi ca men to útil para vários males. Mas tam bém já era uti li za da para fins não médi cos por pes soas dese jo sas de sen tir “coi sas dife ren tes”, ou mesmo que a uti li za vam abu si va men te. Em consequência desse abuso, e de um certo exa ge ro sobre seus efei tos malé fi cos, a plan ta foi proi bida em pra ti ca men te todo o mundo oci den tal, nos últi mos 50 a 60 anos. Mas, atual men te, gra ças às pes qui sas recen tes, a maco nha (ou subs tân cias dela extraí das) é reco nhe ci da como medi camen to em pelo menos duas con di ções clí ni cas: reduz ou abole náu seas e vômi tos pro du zi dos por medi ca men tos anti cân cer e tem efei to bené fi co em alguns casos de epi lep sia (doen ça que se caracte ri za por con vul sões ou “ata ques”). Entretanto, é bom lem brar que a maco nha (ou as subs tân cias extraí das da plan ta) tem tam bém efei tos inde se já veis que podem ser pre ju di ciais.

O THC (tetrai dro ca na bi nol) é uma subs tân cia quí mi ca fabri ca da pela pró pria maco nha, sendo o prin ci pal res pon sá vel pelos efei tos desta. Assim, depen den do da quan ti da de de THC pre sen te (o que pode variar de acor do com solo, clima, esta ção do ano, época de colhei ta, tempo decor ri do entre a colhei ta e o uso), a maco nha pode ter potên cia dife ren te, isto é, pro du zir mais ou menos efei tos. Essa varia ção nos efei tos depen de tam bém da pró pria pes soa que fuma a plan ta, pois todos sabe mos que há gran de varia ção entre as pes soas, e de fato, nin guém é igual a nin guém! Assim, a dose de maco nha insu fi cien te para um pode pro du zir efei to níti do em outro e até forte into xi ca ção em um ter cei ro.

Efeitos da maco nha

Para o bom enten di men to, é melhor divi dir os efei tos que a maco nha pro duz sobre o homem em físi cos (ação sobre o pró prio corpo ou par tes dele) e psí qui cos (ação sobre a mente). Esses efei tos sofre rão mudan ças de acor do com o tempo de uso que se con si de ra, ou seja, os efei tos são agu dos (isto é, quan do decor rem ape nas algu mas horas após fumar) e crô ni cos (con se quên cias que apa re cem após o uso con ti nua do por sema nas, ou meses ou mesmo anos).

Os efei tos físi cos agu dos são muito pou cos: os olhos ficam meio aver me lha dos (o que em lin gua gem médi ca se chama hipe re mia das con jun ti vas), a boca fica seca (e lá vai outra pala vrinha médi ca anti pá ti ca: xeros to mia – é o nome difí cil que o médi co dá para boca seca) e o cora ção dis pa ra, de 60 a 80 bati men tos por minu to pode che gar a 120 a 140 ou até mesmo mais (taquicar dia).

Os efei tos psí qui cos agu dos depen de rão da qua li da de da maco nha fuma da e da sen si bi li da de de quem fuma. Para uma parte das pes soas, os efei tos são uma sen sa ção de bem-estar acom panha da de calma e rela xa men to, sen tir-se menos fati ga do, von ta de de rir (hila ri da de). Para outras pes soas, os efei tos são mais para o lado desa gra dá vel: sen tem angús tia, ficam atur di das, teme ro sas de per der o con tro le mental, trê mu las, suadas. É o que comu men te cha mam de “má via gem” ou “bode”. Há, ainda, evi den te per tur ba ção na capa ci da de da pes soa em cal cu lar tempo e espa ço e um pre juí zo de memó ria e aten ção.

Assim, sob a ação da maco nha, a pes soa erra gros sei ra men te na dis cri mi na ção do tempo, tendo a sen sa ção de que se pas sa ram horas quan do na rea li da de foram alguns minu tos; um túnel com 10m de com pri men to pode pare cer ter 50 ou 100m.

Quanto aos efei tos na memó ria, eles se mani fes tam prin ci pal men te na cha ma da memó ria a curto prazo, ou seja, aque la que nos é impor tan te por alguns ins tan tes. Dois exem plos verí di cos ajudam a enten der esse efei to: uma tele fo nis ta de PABX em um hotel (que ouvia um dado núme ro pelo fone e no ins tan te seguin te fazia a liga ção), quan do sob ação da maco nha, não era mais capaz de lem brar-se do núme ro que aca ba ra de ouvir. O outro caso é o de um ban cá rio que lia em uma lista o núme ro de um docu men to que tinha de reti rar de um arqui vo, e que sob ação da maco nha já havia esque ci do o núme ro quan do che ga va em fren te ao arqui vo.

Pessoas sob esses efei tos não con se guem, ou melhor, não deve riam exe cu tar tare fas que depen dem de aten ção, bom senso e dis cer ni men to, pois cor rem o risco de pre ju di car outros e/ ou a si pró prio. Como exem plo disso: diri gir carro, ope rar máqui nas poten cial men te peri go sas.

Aumentando-se a dose e/ou depen den do da sen si bi li da de, os efei tos psí qui cos agu dos podem che gar até a alte ra ções mais evi den tes, com pre do mi nân cia de delí rios e alu ci na ções. Delírio é uma mani fes ta ção men tal pela qual a pes soa faz um juízo erra do do que vê ou ouve; por exem plo, sob ação da maco nha uma pes soa ouve a sire ne de uma ambu lân cia e julga que é a polí cia que vem pren dê-la; ou vê duas pes soas con ver san do e pensa que ambas estão falan do mal ou mesmo tra man do um aten ta do con tra ela. Em ambos os casos, essa mania de per se gui ção (delí rios perse cu tó rios) pode levar ao pâni co e, con se quen te men te, a ati tu des peri go sas (“fugir pela jane la”, agre dir como forma de “defe sa” ante ci pa da con tra a agres são que julga estar sendo tra ma da). Já a alu ci na ção é uma per cep ção sem obje to, isto é, a pes soa pode ouvir a sire ne da polí cia ou ver duas pes soas con ver san do quan do não exis te nem sire ne nem pes soas. As alu ci na ções podem tam bém ter fundo agra dá vel ou ter ri fi can te.

Os efei tos físi cos crô ni cos da maco nha já são de maior gra vi da de. De fato, com o uso continuado, vários órgãos do corpo são afe ta dos. Os pul mões são um exem plo disso. Não é difí cil ima- gi nar como ficarão esses órgãos quan do pas sam a rece ber cro ni ca men te uma fuma ça que é muito irri tan te, dado ser pro ve nien te de um vege tal que nem chega a ser tra ta do como o taba co comum. Essa irri ta ção cons tan te leva a pro ble mas res pi ra tó rios (bron qui tes), aliás, como ocor re tam bém com o cigar ro comum. Mas o pior é que a fuma ça da maco nha con tém alto teor de alca trão (maior mesmo que na do cigar ro comum) e nele exis te uma subs tân cia cha ma da ben zo pi re no, conhe ci do agen te can ce rí ge no; ainda não está pro va do cien ti fi ca men te que o fumante crônico de maco nha está sujei to a adqui rir cân cer dos pul mões com maior faci li da de, mas os indí cios, em ani mais de labo ra tó rio, de que assim pode ser são cada vez mais for tes.

Outro efei to físi co adver so (inde se já vel) do uso crô ni co da maco nha refe re-se à tes tos te ro na. Esta é o hor mô nio mas cu li no que, como tal, con fe re ao homem maior quan ti da de de mús cu los, voz mais gros sa, barba, e tam bém é res pon sá vel pela fabri ca ção de esper ma to zoi des pelos tes tí cu los. Já exis tem mui tas pro vas de que a maco nha dimi nui em até 50 a 60% a quan ti da de de tes tos te ro na. Consequentemente, o homem apresenta um número bem reduzido de espermatozoides no líquido esper má ti co (em medi ci na essa dimi nui ção chama-se oli gos per mia), o que leva à infer ti li da de. Assim, o homem terá mais difi cul da de de gerar filhos. Esse é um efei to que desa pa re ce quan do a pes soa deixa de fumar a plan ta. É tam bém impor tan te dizer que o homem não fica impo ten te ou perde o dese jo sexual, mas apresenta este ri li da de, isto é, fica inca pa ci ta do de engra vi dar sua com pa nhei ra. Há ainda a con si de rar os efei tos psí qui cos crô ni cos pro du zi dos pela maco nha. Sabe-se que seu uso con ti nua do inter fe re na capa ci da de de apren di za gem e memo ri za ção e pode indu zir a um estado de amo ti va ção, isto é, não sen tir von ta de de fazer mais nada, pois tudo fica sem graça e sem impor tân cia. Esse efei to crô ni co da maco nha é cha ma do de sín dro me amo ti va cio nal. Além disso, a maco nha pode levar algu mas pes soas a um esta do de depen dên cia, isto é, elas pas sam a orga ni zar sua vida de manei ra a faci li tar o uso da droga, e tudo o mais perde seu real valor.

Finalmente, há pro vas cien tí fi cas de que se o indivíduo tem uma doen ça psí qui ca qual quer, mas que ainda não está evi den te (a pes soa con se gue “se con tro lar”) ou a doen ça já apa re ceu, mas está con tro la da com medi ca men tos ade qua dos, a maco nha piora o qua dro. Ou faz sur gir a doença, isto é, a pes soa não con se gue mais “se con tro lar”, ou neu tra li za o efei to do medi ca men to e ela passa a apre sen tar novamente os sin to mas da enfermidade. Esse fato tem sido des cri to com frequên cia na doen ça men tal cha ma da esqui zo fre nia. Em um levan ta men to feito entre estu dan tes do ensino fundamental e do ensino médio nas 27 capitais do país, em 2004, 5,9% decla ra ram que já haviam expe ri men ta do maco nha e 0,7% decla ra ram fazer uso dela pelo menos seis vezes por mês.

(Parte 6 de 7)

Comentários