(Parte 1 de 10)

Escola da Floresta Roberval Cardoso Rio Branco / Acre – 2007-2009

ROTH, Patricia; MIRANDA, Patrícia Nakayama; MONTEIRO, Elane Peixoto; OLIVEIRA, Renato da Silva. Manual do Técnico Florestal. Rio Branco, AC,: Design Gráfico Guilherme K. Noronha, 2009. 260p. il.

1.Sustentabilidade, 2. Manejo Florestal - Acre, 3. Produção Florestal, 4. Técnico Florestal - atribuições, 5. Organização Comunitária, 6. Legislação, I. Título.

CDU 504.03 (811.2)

M775m

GOVERNADOR DO ESTADO DO ACRE Arnóbio Marques de Almeida Júnior

DIRETOR-PRESIDENTE DO INSTITUTO DE DESENVOLVIMENTO DA EDUCAÇÃO PROFISSIONAL DOM MOACYR GRECHI Irailton de Lima Sousa

COORDENADOR GERAL DO CENTRO DE EDUCAÇÃO PROFISSIONAL ESCOLA DA FLORESTA ROBERVAL CARDOSO Edemilson Pereira dos Santos - Coordenador (2005 - 2007) Stela Beatriz Sales Ribeiro – Coordenadora Geral

COORDENADORA DA ÁREA TÉCNICA FLORESTAL Erilene Lima Silva

EQUIPE DA ÁREA FLORESTAL RESPONSÁVEL PELA ELABORAÇÃO DO MANUAL Elane Peixoto Monteiro - Técnica Florestal (Assessora) Patrícia Nakayama Miranda – Bióloga (Mediadora) Patrícia Roth - Engenheira Florestal (Mediadora) Renato da Silva Oliveira (Mediador)

REVISÃO Ana Cláudia Pupim Edemilson Pereira dos Santos Elane Peixoto Monteiro Erilene Lima Silva Patrícia Nakayama Miranda Patricia Roth Renato da Silva Oliveira

Acervo Escola da Floresta - fotos produzidas por mediadores e educandos durante as atividades didáticas.

ILUSTRAÇõES Clementino de Almeida

PROJETO GRÁFICO, DIAGRAMAÇÃO E FINALIzAÇÃO gknoronha.com.br

Comunidades Agroextrativistas

Agradecimentos especiais a todos os colaboradores do Instituto Dom Moacyr e parceiros, que de forma direta ou indireta contribuíram para o desenvolvimento deste produto.

Escola da Floresta Roberval Cardoso

EQUIPE QUE COMPÔS A ÁREA FLORESTAL DURANTE O CURSO TÉCNICO (2005 A 2006) Alberto Martins - Engenheiro Florestal (Mediador e Coordenador) Antônio Divino de Souza – Identificador Botânico Edemilson Pereira dos Santos – Engenheiro Florestal (Coordenador) Elaine Cristina - Bióloga (Mediadora) Elane Peixoto Monteiro - Técnica Florestal (Assessora) Erilene Lima Silva - Engenheira Florestal (Mediadora) Flavio Quental Rodrigues - Engenheiro Agrônomo M.Sc. (Mediador) João Maciel – Cientista Social (Mediador Temporário) Júlio Raposo - Engenheiro Florestal (Mediador) Luciana Rola - Engenheira Florestal (Mediadora) Patrícia Nakayama Miranda – Bióloga (Mediadora) Patricia Roth - Engenheira Florestal (Mediadora) Ricardo Carvalho – Administrador (Mediador Temporário) Rodrigo Rodrigues de Freitas - Biólogo M.Sc. (Mediador e Coordenador) Valquíria Garrote – Bióloga M.Sc. (Mediadora)

ESTUDANTES / PROFISSIONAIS DO CURSO TÉCNICO FLORESTAL Adailson Souza Silva (Cruzeiro do Sul) Aluilson Costa Cordeiro (Mâncio Lima) Antônia Eliane Almeida de Azevedo (Sena Madureira) Antônio Batista de Araújo (Assis Brasil) Antônio José Lima Martins (Cruzeiro do Sul) Birajara da Silva Correia (Brasiléia) Cláudio Ferreira Conde (Xapuri) Cleocinéa da Silva e Silva (Assis Brasil) Cleudes Mendes da Silva (Rio Branco) Cleuton José dos Santos (Tarauacá) Edevaldo do Nascimento Barbosa (Mâncio Lima) Edivândria de Souza Silva (Mâncio Lima) Edmilson Lima Pereira (Cruzeiro do Sul) Eliton Gomes de Azevedo (Rio Branco) Emilson Silva de Souza (Mâncio Lima) Eronilza de Lima e Silva (Cruzeiro do Sul) Evangelina Nascimento de Jesus (Rodrigues Alves) Fábio Silva Paes (Cruzeiro do Sul) Gerbson Oliveira da Costa (Xapuri) Giordano Bruno da Silva Oliveira (Cruzeiro do Sul)

Heliomar Nunes da Silva (Cruzeiro do Sul) Hélison Bezerra Mourão (Tarauacá) Hulierme Renato de Oliveira Rocha (Rio Branco) Igleison Marques de Holanda (Cruzeiro do Sul) Israel Olívio Souza de Araújo (Rio Branco) James Clay Sales de Oliveira (Rio Branco) Jamila Farias Mendonça (Rio Branco) Jane Claudia Severino Bandeira (Brasiléia) Jaqueson Bezerra Lima (Marechal Thaumaturgo) Jarde da Silva Freitas (Xapuri) João Paulo da Costa Lopes (Tarauacá) Joasi Souza de Carvalho (Cruzeiro do Sul) Jones de Oliveira da Costa (Rio Branco) Jorge Luiz de Magalhães Miranda (Rio Branco) José Carlos da Silva Mendonça Filho (Tarauacá) José Daniel Silva de Araújo (Rio Branco) José de Lima Queiroz (Rodrigues Alves) José Ramos Rodrigues (Brasiléia) Jurandir Rodriguês Araújo (Assis Brasil) Kátia da Silva Maia (Sena Madureira) Leoni de Souza Ribeiro (Cruzeiro do Sul) Leonildo de Souza Ribeiro (Cruzeiro do Sul) Lívia da Silva Costa (Mâncio Lima) Luciana da Silva Braga (Rio Branco) Luciana Nascimento Araújo (Epitaciolândia) Márcia Costa Capistrano (Tarauacá) Marciane Vileme de Araújo (Assis Brasil) Márcio Uilque Fortunato da Silva (Tarauacá) Maria do Nascimento Lima (Rodrigues Alves) Maria Hosana de Oliveira Barbosa (Cruzeiro do Sul) Maurenildo Bernardo Paixão (Rodrigues Alves) Poliana dos Santos Queiroz (Sena Madureira) Raimunda Gomes Taveira (Cruzeiro do Sul) Raimundo da Silva Alab Junior (Rio Branco) Rodrigo Rocha de Almeida (Mâncio Lima) Vanderléia de Araújo Teixeira (Assis Brasil) Vangleisa Guedes da Costa (Rio Branco)

1 Apresentação 2 Contexto do Manejo Florestal na Amazônia 3 As Experiências do Manejo Florestal no Acre 4 Curso Técnico Florestal da Escola da Floresta 5 Manejo Florestal de Uso Múltiplo 5.1 Organização Comunitária e Gestão 5.2 Segurança no Trabalho (EPI, DDS, Primeiros Socorros) 5.3 Produção Florestal 5.3.1 Manejo Florestal Madeireiro a) Aspectos Legais do Plano de Manejo Florestal b) Mapeamento das Áreas e Geoprocessamento c) Delimitação das Unidades de Produção d) Inventário Florestal 100% e) Corte de Cipós f) Processamento de Dados g) Planejamento da Extração h) Construção da Infra-estrutura de Escoamento i) Corte de Árvores j) Arraste das Toras k) Operações de Pátio l) Transporte da Madeira

1 m) Tratamentos Silviculturais n) Enriquecimento Florestal o) Proteção Florestal p) Manutenção da Infra-estrutura q) Avaliação dos Danos, Desperdícios e Impactos Ambientais do Manejo r) Monitoramento Florestal 5.3.2 Manejo Florestal de Uso Múltiplo a) Legislação b) Borracha / Látex c) Castanha d) Copaíba (óleo) e) Sementes Florestais 5.3.3 Monitoramento e Manejo de Fauna 5.4 Beneficiamento e Comercialização 5.5 Certificação Florestal (FSC e ACS) 5.6 Orientações Gerais para o Manejo Florestal 6 Fontes Consultadas 7 Anexos 7.1 Contatos das Instituições de Referência 7.2 Espécies Florestais mais Utilizadas no Manejo Florestal 7.3 Lista de Siglas

Este manual é um produto da execução do Projeto ProManejo 1046/02/04, que teve como título “Conversão de experiências de Manejo Florestal no

Acre em saber profissional na formação do Técnico Florestal da Escola da Floresta”. O ProManejo - Projeto de Apoio ao Manejo Florestal Sustentável na Amazônia, criado no âmbito do PPG7 (Programa Piloto de Proteção das Florestas Tropicais) e executado pelo IBAMA (Diretoria de Florestas) e Ministério do Meio Ambiente (Secretaria de Biodiversidade e Florestas/Programa Nacional de Florestas), tem como objetivo apoiar o desenvolvimento e a adoção de sistemas sustentáveis de Manejo Florestal na Amazônia, com ênfase na extração de produtos madeireiros, por meio de ações estratégicas e projetos demonstrativos (iniciativas promissoras).

Este projeto, aprovado em 2005, teve como proponente a FUNDAÇÃO

BIOMA (Fundação Instituto de Biodiversidade e Manejo de Ecossistema da Amazônia Ocidental) que é uma organização sem fins lucrativos, fundada em 1998, localizada na Universidade Federal do Acre e que tem por objetivo desenvolver atividades relacionadas com o desenvolvimento sustentável, por meio do incentivo à realização de pesquisas, estudos, eventos científicos, cursos, concursos e outras modalidades do trabalho de capacitação, científico e tecnológico para o desenvolvimento da região.

O projeto teve como entidade executora o Centro de Educação Profissional Escola da Floresta Roberval Cardoso, que compõe a rede de escolas técnicas do Instituto de Desenvolvimento da Educação Profissional Dom Moacyr, autarquia do Governo do Estado do Acre. Teve como principais entidades parceiras a Secretaria de Floresta – SEF, Fundação de Tecnologia do Acre – FUNTAC, Embrapa - Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária e Centro dos Trabalhadores da Amazônia – CTA.

Manual do

T écnic o F lor estal

A Escola da Floresta tem como objetivo oferecer cursos de nível técnico e de formação inicial e continuada na área rural / florestal, sendo que a formação de técnicos florestais visa a preparação de profissionais para atuar em todas as etapas do Manejo Florestal, contribuindo para a consolidação do setor florestal no Estado do Acre e representando uma iniciativa estratégica para o fortalecimento do desenvolvimento sustentável da região. Isso porque, primeiro, visa oferecer condições para o acesso de jovens oriundos das comunidades rurais / florestais nos cursos profissionalizantes, fortalecendo a troca de conhecimentos com as populações tradicionais e enriquecendo o aprendizado dos educandos. Segundo, porque a adoção da metodologia de ensino em que as atividades práticas priorizem as experiências de manejo desenvolvidas na região aumenta a motivação dos educandos, proporciona um aprendizado integrado à realidade do trabalho, constrói as competências adequadas e reproduz os conhecimentos na sociedade. Desta forma, além de profissionais qualificados, formam-se também verdadeiros agentes de mudanças.

O objetivo deste projeto foi promover o Manejo Florestal Sustentável, por meio da formação de técnicos florestais, utilizando conhecimentos teóricos e práticos produzidos em experiências de manejo comunitário e empresarial no Estado do Acre, tendo como objetivos específicos: (1) Capacitar educandos do Curso Técnico Florestal da Escola da Floresta em Manejo Florestal de Impacto Reduzido; (2) Contribuir para a permanência no Curso Técnico Florestal de educandos carentes financeiramente, com o pagamento de bolsas de estudo. As metas foram: (1-a) Estruturar o centro de informação com material bibliográfico referente ao Manejo Florestal e equipamentos de multimídia; (1-b) Estruturar uma estação de tratamento de dados georreferenciados; (1-c) Realizar aulas práticas de Manejo Florestal no ambiente da Escola da Floresta; (1- d) Realizar atividades práticas de Manejo Florestal em unidades de manejo comunitário e empresarial; (2-a) Realizar mensalmente o pagamento de 12 bolsas de estudo aos alunos do Curso Técnico Florestal.

Durante a execução do projeto foram desenvolvidas diversas atividades práticas, onde foram trabalhados muitos conhecimentos específicos da área florestal, gerando, assim, importantes informações para a formação profissional destes técnicos. Assim sendo, este Manual do Técnico Florestal foi elaborado a partir da sistematização do conteúdo trabalhado durante o período do curso (2005 a 2006), tendo como base uma construção participativa, envolvendo diversos atores no processo (mediadores, estudantes e parceiros, como: institucionais governamentais e não-governamentais, pequenos produtores rurais, comunidades agroextrativistas, organizações do movimento social, entre outros), embasado em conhecimentos científicos já desenvolvidos.

Este manual foi elaborado para orientar as atividades profissionais dos técnicos florestais formados na Escola da Floresta. Nele buscou-se abranger uma visão geral do contexto do Manejo Florestal na Amazônia, passando pela realidade do Acre e situando a Escola da Floresta, com seus princípios e métodos de trabalho, bem como o conteúdo trabalhado no Curso Técnico Florestal. O Manual descreve todas as etapas que um projeto de Manejo Florestal deve conter, considerando o uso de diversos produtos florestais (madeira, não-madeireiros e fauna), com todos os conceitos, etapas, passos a seguir, equipe e equipamentos necessários.

Por fim, vale ressaltar que a construção deste Manual foi um processo lento que perdurou do início de 2007 ao início de 2009. Desta maneira, durante este período muitas atualizações e revisões foram necessárias, tendo em vista as diversas mudanças ocorridas no Setor Florestal, tanto em âmbito nacional como estadual.

Esc ola da F lor esta Rober val C ar doso – A cr e

Manual do

T écnic o F lor estal

2CONTEXTO DO MANEJO FLORESTAL

A Amazônia possui a maior floresta do mundo (representando aproximadamente 40% da cobertura florestal tropical), o maior sistema fluvial da Terra e uma estonteante diversidade de fauna (¼ de todas as espécies do planeta e mais de 20 mil espécies diferentes de plantas crescem exclusivamente na região). A Floresta Amazônica cumpre funções ecológicas, culturais e econômicas de importância incalculável. Ela sustenta a economia de regiões inteiras, abrigam sociedades tradicionais e também tem um papel central no equilíbrio do clima do planeta, além de ajudar a manter a qualidade das águas e a estabilidade do solo.

Mesmo assim, não tem sido cuidada de forma adequada. Cerca de 15% da

Floresta Amazônica já foi desmatada e outros 32% estão sob algum tipo de pressão humana, incluindo zonas de influência urbana, assentamentos de reforma agrária, áreas alocadas para prospecção mineral e reserva garimpeira, bem como áreas de incidência de focos de calor (queimadas). Isto significa que quase metade do potencial florestal da Amazônia está sendo depredado.

Atualmente, a maior parte da extração madeireira na Amazônia ainda é praticada segundo métodos tradicionais destrutivos e fundada em uma visão imediatista. E, ainda, 80% dos que se dedicam à extração convencional de madeira a fazem ilegalmente, em áreas onde a retirada das árvores não foi previamente autorizada pelo órgão governamental responsável (IBAMA), incluindo-se entre essas áreas aquelas de preservação, como terras indígenas, por exemplo.

A Castanheira

Esc ola da F lor esta Rober val C ar doso – A cr e

Manual do

T écnic o F lor estal sua forma, a floresta pode continuar a desempenhar suas funções: proteger o solo contra erosão, preservar a qualidade da água, abrigar a biodiversidade e outros. Além disso, a floresta remanescente corre menos riscos de incêndio, e pode ser enriquecida com os tratamentos silviculturais.

Apesar de parecer um tapete verde homogêneo, a Floresta Amazônica é formada por várias florestas, que se diferenciam muito em topografia, pluviometria, ocorrência de espécies comerciais, densidade e distribuição da presença humana, etc. Por isso, não existe um só método de extração de impacto reduzido, mas vários.

Muito se tem a dizer sobre a diversidade de produtos florestais úteis para a vida do ser humano. Existem inúmeros produtos que o Homem já vem utilizando há muitos e muitos anos, como, por exemplo, as plantas medicinais, os óleos, exsudatos (látex), frutos, sementes, cipós, cascas, raízes, folhas, flores, fauna, etc. No entanto, com o aumento populacional, veio o desenvolvimento de tecnologias e ferramentas de trabalho e a industrialização; e o que vinha sendo utilizado em pequena escala pelas populações locais e de acordo com a capacidade de regeneração e reposição da floresta, cada vez mais vem causando impactos incalculáveis e irreversíveis, resultando na extinção de diversas espécies e causando o desequilíbrio de toda uma cadeia alimentar na natureza. Assim, o desenvolvimento de estudos e tecnologias para o conhecimento e minimização destes impactos ambientais, sem, no entanto, deixar de se fazer uso dos ricos e importantes produtos florestais para a sociedade, é de fundamental importância para a perpetuação da vida na Terra.

(Parte 1 de 10)

Comentários