Glossario de Oceanografia

Glossario de Oceanografia

(Parte 5 de 11)

(Santa Bárbara, Siriba, Redonda, Sueste e Guarita) ocupando uma área de 913 km2 localizado ao sul do estado da Bahia (17°58’S e 38°42’W).

ARREBENTAÇÃO – local onde ocorre a quebra das ondas.

ÁRTICO – região que se estende ao redor do polo ártico ou pólo norte. Está limitada pelo círculo polar ártico. Ver círculo polar ártico.

ASSIMILAÇÃO – incorporação de elementos do meio externo. ASSOALHO OCEÂNICO – superfície da Terra abaixo do nível das águas dos oceanos.

ASTENOSFERA – porção dúctil do manto, sobre a qual a litosfera se situa.

Também é conhecida como zona de baixa velocidade do manto, pois nela ocorre um decréscimo da velocidade das ondas sísmicas.

ASTRONOMIA – ciência que estuda os astros e as leis que regem os seus movimentos.

ATENUAÇÃO – diminuição efetiva da intensidade de uma onda ou um feixe de partículas decorrente do meio material que atravessa, sendo devida principalmente à absorção e ao espalhamento.

ATIVIDADE – variável termodinâmica que indica a concentração efetiva de um dado soluto em solução diluída. É igual a 1 quando a solução é ideal.

ATMOSFERA – camada de gases que envolve o planeta Terra e estende-se do nível do mar até aproximadamente 800 km de altitude. Cerca de 97% dos gases estão presentes nos primeiros 30 km dessa massa gasosa. É

composta principalmente pelos gases nitrogênio (78%) e oxigênio (21%). Os outros gases que compõe a atmosfera representam apenas 1% do volume do seu ar e é composto por gases como o argônio, dióxido de carbono, vapor d’água e outros.

A atmosfera terrestre é formada por várias camadas com características físicas e químicas diferentes: troposfera, estratosfera, mesosfera, termosfera e ionosfera. Os limites destas camadas não são bem defi nidos, pois dependem de diversos fatores como: latitude, variações térmicas que ocorrem ao longo das estações e certas condições climáticas complexas. Também são essenciais para a vida na Terra porque funcionam como uma “capa protetora”, difi cultando colisões com meteoritos que passam próximos ao nosso Planeta e fi ltrando radiações.

O ozônio e o vapor de água (que determina a umidade do ar) absorvem cerca de 18% da radiação solar.

ATOL – é formado pelo crescimento de calcário biogênico ao redor de monte submarino, concomitantemente à subsidência do mesmo. Encerra uma laguna interna, com profundidade variável de 30 a 100 m. Sua altura é de cerca de 3m acima do nível de maré alta (ver foto b, p. 120).

AUTIGÊNICO – mineral formado no local de sua ocorrência por processos químicos e biológicos.

AUTO-ANALISADOR – dispositivo que mede automaticamente os componentes químicos da água do mar.

AZOTADO – que contém nitrogênio, nitrogenado.

BACIA ANÓXICA – bacia que não contém oxigênio (O2) abaixo de uma determinada profundidade (p. ex.: Bacia do Mar do Norte e do Mar Negro).

BACIA HIDROGRÁFICA – área defi nida topografi camente, onde toda a chuva que cai no seu interior é drenada por um curso d’água (rio principal) ou um sistema conectado de cursos d’água (afl uentes), de maneira que toda vazão efl uente é descarregada através da saída (foz do rio) no ponto mais baixo dessa área. Como a capacidade de absorção da água na Bacia depende de vários fatores ambientais como: uso da terra, cobertura vegetal, litologia e pedologia, o conceito de Bacia deve incorporar todos estes fatores e também os antrópicos, que alteram direta ou indiretamente a quantidade e a qualidade de suas águas e sua contribuição para o oceano.

BACIA MARGINAL – bacia com o substrato constituído por massa continental submersa.

BACIA OCEÂNICA – área de depressão na Terra que está preenchida por águas que constituem os oceanos. É relativamente plana e ocupam uma grande porção do fundo oceânico.

BACIA RETROARCO – também denominada de bacia marginal. É delimitada por um continente e um arco insular. Pode ter mais de 2.0 km de largura.

BACIA SEDIMENTAR – depressão decorrente da subsidência do terreno pela deposição de sedimentos e consequente diagênese de rochas ao longo de um tempo geológico. P. ex.: Bacia Potiguar.

BAÍA – feição geomorfológica de dimensões situadas entre um golfo e uma enseada, com formato circular. Tem águas tranquilas, por ser abrigada da ação das correntes.

BAÍA ABERTA – ver enseada (ver foto b, p. 119).

BAIXADA – planície extensa, geralmente situada na zona litorânea pouco acima da zona das marés. P. ex.: Baixada Santista (SP).

BAIXA-MAR – nível mais baixo do mar durante um ciclo completo de maré (ver foto b, p. 121, fi gs. a, b, c, p. 130).

BAIXIO – áreas rasas que normalmente fi cam emersas durante as baixa-mares de sizígia. É constituido de material inconsolidado: arenoso, argiloso ou conchífero.

BALANÇO DE MASSA – consiste na aplicação do princípio de conservação da massa para a análise de sistemas. Fluxos de massa podem ser identifi cados através do saldo de entradas e saídas de material em um sistema,.

BALANÇO GEOQUÍMICO – saldo de entradas e saídas de elementos químicos em sistemas ambientais.

BALANÇO GLACIAL – diferença entre acumulação e ablação. Quando igual a zero, para um longo período de tempo, caracteriza que o tamanho de uma geleira fi cou inalterado.

BALANÇO SEDIMENTAR – aferição das partículas erodidas e sedimentadas, em uma determinada porção da costa.

BALIZA – estaca ou boia que se coloca sobre um banco de areia ou rochedo

na água para auxiliar na navegação.

BALIZA PARA MEDIR CORRENTE – também chamado de derivador,é a marcação de superfície usada para se obter a velocidade e direção de uma corrente de superfície.

BÁLTICA – continente originado na transição do Pré-Cambriano ao Cambriano, que deu origem ao norte da Europa.

BANCO – elevação do fundo marinho até próximo à superfície da água, resultando em área de baixa profundidade para permitir a navegação.

BANCO DE BRUMA – formação de nuvens muito densas próximo à superfície do mar.

BANQUISA – bloco de gelo formado pelo congelamento da água do mar que, ao se congelar, acarreta certa dessalinização.

BARICENTRO – centro de gravidade.

BARISFERA – termo utilizado para designar a porção interior da Terra, mais densa, pesada e de temperatura mais elevada. Tem como sinônimo nife, que corresponde à junção de níquel com ferro, elementos químicos predominantes da barisfera.

BAROCLÍNICO – estado de estratifi cação em um fl uido no qual as superfícies de pressão constante (isobáricas) interceptam superfícies de densidade constante (isopicnais). Condição produzida pela variação horizontal da densidade.

BAROMETRIA – estudo da medida de pressão atmosférica.

BAROTRÓPICO – estado de um fl uido em que as superfícies de densidade constante (isopicnais) são coincidentes com as superfícies de pressão constante (isobáricas). Condição produzida quando não há variação horizontal da densidade.

BARRA – língua de areia, cascalho ou outro sedimento inconsolidado, total ou parcialmente submersa, depositada por ação de forças hidrodinâmicas. Normalmente não está unida a porções emersas (ver foto b, p. 117, foto c, p. 118).

BARREIRA ESTUARINA – estuário que possui um estreito canal entre a praia e a barreira resultante das ondas e da sedimentação (ver foto a, p. 121).

BARREIRAS COSTEIRAS – línguas de areia paralelas à costa que não fi cam

submersas nem na preamar de sizígia. Essas feições têm como sinônimos restingas e fl echas litorâneas.

BASALTO – rocha ígnea extrusiva, composta de plagioclásio, piroxênio e olivina, característica do assoalho oceânico ou crosta oceânica. Tem como minerais acessórios óxidos de ferro e titânio, e possui coloração escura acentuada.

BASE (de ARRHENIUS) – substância que produz íons hidroxila (OH-) em meio aquoso.

(Parte 5 de 11)

Comentários