orgasmo273

orgasmo273

(Parte 1 de 2)

20 • CIÊNCIA HOJE • vol. 46 • nº 273

do sexo, o orgasmo tornou-se quase um fi m em si mesmo. Mas nem sempre foi assim

O orgasmo é visto atualmente como sinônimo de uma relação sexual saudável. No tempo da pílula, da ‘camisinha’, dos remédios para impotência, dos vibradores e de toda a parafernália tecnológica que envolve a indústria Do ponto de vista biológico, o sexo é apenas um meio de assegurar a reprodução. Tanto é verdade que algumas espécies o deixaram de lado e conseguem se reproduzir assexuadamente. Para a maioria das espécies, porém, o sexo é um mecanismo biológico fundamental para conseguir deixar mais fi lhos ou ter descendentes de melhor qualidade genética.

Carlos Roberto Fonseca Departamento de Botânica, Ecologia e Zoologia, Universidade Federal do Rio Grande do Norte doorgasmo feminino Os segredos evolutivos

agosto de 2010 • CIÊNCIA HOJE • 21 papel biológico do orgasmo masculino é claro para a maioria das pessoas. Como invariavelmente ele está ligado à ejaculação, não há qualquer dúvida a respeito de sua função reprodutiva. O orgasmo masculino seria assim uma espécie de ‘festa de comemoração’, favorecida pela seleção natural, ao longo da evolução, para incentivar e premiar a esperada transferência do esperma para o aparelho reprodutivo da fêmea.

O papel biológico do orgasmo feminino, no entanto, é considerado um grande mistério (ver ‘Uma definição formal’). Para começar, não existe sincronia entre o momento do orgasmo feminino e a liberação dos óvulos pelos ovários. Aliás, o período exato do ciclo menstrual em que as mulheres estão férteis parece ser um segredo tão bem guardado que, aparentemente, nem mesmo elas sabem. Muito menos seus parceiros! Essa ‘ovulação oculta’ contrasta bastante com o que ocorre com as fêmeas de muitos outros mamíferos, que anunciam aos quatro ventos seu estado fértil por meio de cores brilhantes, cheiros especiais e solicitações ostensivas. Em chimpanzés, por exemplo, as par - tes íntimas das fêmeas tornam-se irresistivelmente rosadas e elas exibem um comportamento altamente receptivo.

Entretanto, a norte-americana Elisabeth Anne

Lloyd, filósofa da biologia, da Universidade de Indiana (Estados Unidos), acredita que não há mistério algum a ser desvendado. Em sua opinião, o orgasmo feminino não teria função biológica. Seria simplesmente um subproduto da evolução do orgasmo masculino, este com uma clara função biológica. Esse tipo de explicação não adaptacionista é a mesma usada para explicar por que os homens têm mamilos, já que estes não têm função alguma no corpo masculino. Uma hipótese atual propõe que os mamilos masculinos seriam subpro-

2 • CIÊNCIA HOJE • vol. 46 • nº 273

Uma defi nição formal

O orgasmo feminino é uma sen sa - ção variada e aguda de prazer intenso, que cria um estado alterado de consciência. Começa, em geral, junto com contrações involuntárias e rítmicas da musculatura estriada pélvi ca cincunvaginal, acompanhadas, com frequência, de contração do útero e do ânus, e um relaxamento lento que desfaz (algumas vezes parcialmente) a vasoconstrição induzida pelo ato sexual, induzindo bem-estar e contentamento.

dutos da evolução dos mamilos femininos, estes com clara função biológica, associados ao cuidado dos bebês. Assim, tanto os mamilos nos homens quanto o orgasmo nas mulheres seriam uma espécie de ‘troça’ pregada pelos complicados mecanismos de herança genética dos caracteres.

Darwin e a teoria da seleção sexual

Muitos pesquisadores acreditam, porém, que o orgasmo feminino, em toda a sua complexidade fisiológica, morfológica e comportamental, só pode ser compreendido por meio da teoria da seleção sexual proposta pelo naturalista inglês Charles Darwin (1809-1882). Em seu famoso livro A origem do homem e a seleção sexual, de 1872, ele propôs que as disputas sexuais entre indivíduos da mesma espé cie influenciam profundamente sua evolução. Segundo Darwin, essas disputas podem ser divididas em dois tipos principais: competição entre machos e escolha por parte das fêmeas.

A competição entre machos é a velha disputa que permite estabelecer uma hierarquia de dominância entre eles. Afinal, quem é o maior, mais forte, mais veloz, mais bonito e mais saudável entre os jovens da região? No mundo animal, muitas vezes essa hierarquia é decidida com a ajuda de dentes, garras e chifres, em lutas de final nem sempre feliz. Na espécie humana, essa competição se manifesta de modo diferente em cada cultura. Em alguns ca sos, ela pode ser mais ‘animal’, enquanto em outros casos pode ser ritualizada e regrada, como acontece em campos de futebol, bares, pátios de escolas, ambientes de trabalho e, mesmo, no trânsito.

Na história humana, poder e sexo sempre estiveram associados. Antes da difusão de alguns conceitos democráticos e religiosos do Ocidente, os homens que ocupavam posições mais altas na hierarquia de suas sociedades conquistavam as maiores performances reprodutivas, ou seja, tinham mais filhos. Sociedades em que apenas um homem atingiu um grau ilimitado de poder são particularmente ilustrativas. Todos os déspotas de grandes civilizações antigas (babilônica, egípcia, hindu, chinesa, asteca e inca) organizaram grandes haréns, contendo de centenas a milhares de esposas, concubinas ou escravas, às quais eles tinham acesso sexual exclusivo. Os únicos homens permitidos nesses haréns eram os eunucos, castrados ainda em idade precoce. Essa poligamia extrema, incomum na espécie humana, invariavelmente levou a extraordinárias hor das de descendentes.

ceiros sexuais. Quanto aos ‘reprovados’Bem,

A escolha pela fêmea é um mecanismo mais sutil. Como cada fêmea, ao longo da vida, tem apenas algumas oportunidades reprodutivas, não é vantajoso desperdiçar essas poucas chances com qualquer um. Assim, as fê meas desenvolveram grande capacidade de observação (ver ‘Sexo: arma contra parasitas’). Cada potencial parceiro é submetido a um cuidadoso exame, no qual suas potencialidades e defeitos são registrados e considerados. Aqueles que se saírem melhor nos testes terão grande chance de ser escolhidos como parquem sabe em uma próxima vez. Essa seleção criteriosa é justificada, já que, em função dos mecanismos de herança genética, as boas características do par ceiro escolhido têm grande chance de aparecer em seus filhos. As más, também.

Sexo: arma contra parasitas

A hipótese mais aceita hoje para explicar a evolução do sexo sustenta que a reprodução sexual ajuda as espécies a escapar de seus parasitas. A taxa de evolução de uma bactéria, que vive cerca de 20 minutos, é muito mais rápida que, por exemplo, a de um ser humano. Assim, ao longo de nossas vidas, as bactérias têm bastante tempo para desvendar os segredos do nosso sistema imunológico, tornando-nos mais suscetíveis a seus ataques. Se nossa reprodução fosse assexuada, tería mos filhos, netos e bisnetos geneticamente idênticos a nós, e cada geração apresentaria menos defesas contra esses parasitas. A reprodução sexuada nos permi - te produzir, a cada geração, filhos e filhas genetica - mente únicos, o que nos dá uma boa ‘dianteira’ na corrida evolutiva com os parasitas.

Além disso, segundo o biólogo evolucionista britânico William D. Hamilton (1936-2000) e colaboradores, a escolha cuidadosa dos parceiros reprodutivos seria um mecanismo comportamental que permite a seleção de bons genes contra parasitas. O pavão é um exemplo emblemático. Pavões machos, na época reprodutiva, agrupam-se por horas com o único objetivo de exibir para as fê meas o maravilhoso conjunto de plumas de suas caudas. Como o pavão macho não ajuda nada na criação dos filhos, por que as fêmeas perdem tanto tempo para fazer sua escolha? Segundo Hamilton, apenas machos com bons genes contra parasitas têm condição de apresentar plumas gran des, coloridas e simétri cas. Ao escolher o parceiro pela aparência, cuidadosamente, as fêmeas esta riam no fundo escolhendo bons genes para serem transmitidos a seus filhos. Em humanos, a importância do ta manho, da saúde e da beleza na escolha dos parceiros é bem conhecida. Menos conhecido é o motivo evolutivo que nos induz a fazer essas escolhas! agosto de 2010 • CIÊNCIA HOJE • 23

24 • CIÊNCIA HOJE • vol. 46 • nº 273

24 • CIÊNCIA HOJE • vol. 46 • nº 273

Para que serve o orgasmo feminino?

Diversas hipóteses adaptacionistas foram propostas para explicar o orgasmo feminino. O zoólogo inglês Desmond Morris, no clássico livro O macaco nu, de 1967, defende que a evolução da postura ereta em humanos teria dificultado a fertilização, já que nas fêmeas humanas atuais o orifício externo do colo uterino, por onde o esperma tem que penetrar, situa-se em posição superior da vagina. Segundo essa hipótese, o relaxamento muscular decorrente do orgasmo induziria a mulher a permanecer deitada após o ato sexual, aumentando suas chances de fertilização. Contudo, a ocorrência de orgasmo em di versos animais quadrúpedes sugere que essa hipótese não é correta.

Outra hipótese adaptacionista baseia-se no fato de que, como o bebê humano nasce mais inde feso do que os filhotes da maioria dos animais, sua sobrevivên cia só é assegurada pelos cuidados da mãe e do pai. Segundo essa proposta, os orgasmos – tanto o masculino quanto o feminino – seriam um in centivo prazeroso para selar a aliança do ca sal e fa vorecer a sobrevivência dos filhos. O problema com essa hipótese é que o orgasmo, da mesma forma que pode ajudar a criar um vínculo de longo prazo em um casal, pode também ser o estímulo para que um dos parceiros resol va ‘pular a cerca’ e ter relações sexuais extraconjugais.

agosto de 2010 • CIÊNCIA HOJE • 25

Padrões reprodutivos

No mundo animal, um macho pode se acasalar com uma ou mais fêmeas, enquanto estas podem se acasalar com um ou mais machos. Entre os homi nídeos, grupo que inclui humanos, chimpanzés, gorilas e oran gotangos, os comportamentos sexuais são variáveis. Os chimpanzés vivem em grandes grupos e as fêmeas receptivas copulam com a maioria dos machos dis poníveis. No outro extremo, os gorilas vivem em grupos familiares pequenos e relativamente isolados, e o gorila macho dominante copula com suas parcei ras menos de uma vez por ano. Muitas sociedades humanas são socialmente monogâmicas, mas relações extraconjugais, entre outros arranjos sociais, fazem com que os huma - nos não sejam geneticamente monogâmicos.

agosto de 2010 • CIÊNCIA HOJE • 25 de aquele coito resultar na geração de um bebê.

Mas, afinal, por que as mulheres estariam interessadas em controlar o momento da concepção de seus filhos? Para obter uma resposta, temos que entender um pouco a respeito do nosso sistema de acasalamento. A espécie humana é essencialmente monógama. Isso quer dizer que, a princípio, uma mulher vai ter todos os filhos com o mesmo homem, e vice-versa. O problema é que, por trás da clara cooperação entre o casal, há com frequência conflitos escondidos. Casais em que ambos os parceiros estão satisfeitos com a qualidade do companheiro têm grande chance de permanecer monógamos. No entanto, se qualquer um dos parceiros avalia que existem melhores oportunidades reprodutivas fora do casal, conflitos sexuais podem aparecer.

Quando um homem ‘pula a cerca’ e tem filhos com mais de uma mulher, ele está direcionando a espécie para um padrão de acasalamento denominado poliginia. Se uma mulher tem uma rela - ção extraconjugal e engravida, ela empurra a espécie para um padrão denominado poliandria (ver ‘Padrões reprodutivos’). Assim, apesar de muitas sociedades humanas serem socialmente monogâmicas, a espécie humana não é geneticamente monogâmica. Nesse sentido, somos iguais a mui - tas aves, que, embora classificadas como monogâmicas antes das análises genéticas, revelaram conter um percentual razoável de filhos gerados por casos extraconjugais.

Se o orgasmo feminino tem a capacidade de influenciar positivamente o sucesso reprodutivo de uma relação se xual, e é usado como um estra-

O mistério desvendado?

A mais intrigante hipótese adaptacionista sobre a evolução do orgasmo feminino foi proposta em 1970 pelo inglês Cyril A. Fox e colaboradores, do Hospital São Bartolomeu, em Londres, após estudo sobre a pressão intravaginal e intrauterina durante o ato sexual. O estudo mostrou que as contrações dos músculos do aparelho genital feminino durante o orgasmo criam uma diferença de pressão que suga e transfere parte do esperma da vagina para o canal cervical, aumentando a chance de fertilização. É a chamada ‘hipótese da sucção’, que ganhou forte respaldo científico em 1993, quando os biólogos Robin Baker e Mark Bellis, da Universidade de Manchester (Inglaterra), estudaram a transferência de esperma em 35 casais ingleses e ainda entrevistaram milhares de mulheres sobre suas experiências se xuais. Assim, o orgasmo feminino seria um sofisticado mecanismo que permite às mulheres escolher, consciente mente ou não, quando engravidar. Ou seja, um típico mecanismo darwiniano de escolha pela fêmea.

A hipótese de Fox e colaboradores não recebeu muita atenção até que Baker e Bellis obtiveram seus dados, que ajudam a desvendar alguns mistérios da sexualidade feminina. No estudo com casais ingleses, para lá de íntimo, eles verificaram que, em média, 35% do esperma transferido em um ato sexual são perdidos pelas mulheres pela vagina na meia hora que se segue à ejaculação. Constataram, porém, que o orgasmo feminino aumenta muito a taxa de retenção do esperma no trato reprodutivo da mulher, ampliando a chance

26 • CIÊNCIA HOJE • vol. 46 • nº 273 tagema feminino, seria de se esperar que orgasmos femininos ocorressem com maior frequência na presença de parceiros de melhor qualidade. Um extenso estudo de dados gerados pelo sistema de saúde da China demonstrou que a frequência de orgasmos autodeclarados pelas mulheres está diretamente associada à renda do parceiro, mesmo quando são levadas em conta outras variáveis importantes, como grau de felicidade, saúde e educação da mulher. Isso é semelhante ao que ocorre com as fêmeas do macaco-japonês (Macaca fuscata). Nessa espécie, as fêmeas que se acasalam com machos superiores na hierarquia do grupo exibem com maior frequência as contrações típicas do orgasmo.

Mas a evidência mais interessante vem agora.

Em um grupo de estudantes voluntárias foi verificado que a fre quência declarada de orgasmos era maior em mulheres cujos parceiros sexuais apresentavam maior grau de simetria entre os lados di reito e esquerdo do rosto e do corpo. O interessan te disso é que muitos estudos de seleção se - xual em plantas e animais demonstram que o grau de simetria corporal reflete a qualidade genética do indivíduo em relação a sua saúde. Indivíduos mais simétricos tendem a ser os mais saudáveis, quando comparados a indivíduos menos simétri - cos da população.

Baker e Bellis descobriram também que a questão não se resume a chegar ao clímax ou não. É bem mais sutil que isso. Eles descobriram que, quando o orgasmo feminino ocorre no intervalo entre um minuto antes da ejaculação masculina até 45 minutos depois do clímax masculino, a taxa de retenção do esperma pela mulher é alta. No entanto, quando o orgasmo feminino ocorre mais de um minuto antes da ejaculação, a retenção do esperma é baixa (ver figura).

Assim sendo, por meio da sincronia ou assincronia de seu orgasmo em relação ao momento do orgasmo masculino, as mulheres são capazes de controlar, de modo consciente ou não, as chances de fertilização de cada ato se xual. Os orgasmos silenciosos – não comunicados ao parceiro – reduzem em muito a chance de a mulher engravi - dar, já que o homem pode demorar mais de um minuto até ejacular. Falsos orgasmos femininos podem induzir a ejaculação do parceiro e a finalização do coito, diminuindo a chance de fertilização. Orgasmos múltiplos ocorridos após a ejaculação seriam um mecanismo feminino para assegurar o sucesso reprodutivo do ato sexual.

(Parte 1 de 2)

Comentários