Economia - desafio de aprendizagem

Economia - desafio de aprendizagem

(Parte 1 de 2)

Introdução

O Custo de Oportunidade representa o custo associado a uma determinada escolha medido em termos da melhor oportunidade perdida. Por outras palavras, o custo de oportunidade representa o valor que atribuímos à melhor alternativa de que prescindimos quando efetuarmos a nossa escolha. A Curva de possibilidade de produção: ilustra como a escassez de fatores de produção impõe um limite à capacidade produtiva da sociedade, que terá de fazer escolhas entre as alternativas de produção.

Os bens podem ser classificados em elásticos ou inelásticos, conforme a variação na quantidade procurada a ser mais ou menos sensível a variações nos seus preços. Quando um produto é inelástico, como é o caso de um medicamento, a variação na quantidade procurada é muito pequena em relação a aumentos de preços devido à necessidade e dificuldade de sua substituição e o consumidor, em conseqüência, tem pouca ou nenhuma condição de reagir, resignando-se a aumentar a despesa com esse produto.

Concorrência monopolística, haja vista que a Toyota lidera as vendas, pois apesar de existirem várias empresas, destacando-se por apresentar um produto diferenciado, obteve números elevados nas vendas. Da mesma maneira que a concorrência perfeita, não existem barreiras legais que impeçam a livre entrada e saída de firmas de mercado.

A Microeconomia, ou teoria dos preços, analisa a formação de preços no mercado, ou seja, como a empresa e o consumidor interagem e decidem qual o preço e a quantidade de determinado bem ou serviço em mercados específicos. No primeiro exemplo real se discute a maximização dos lucros, através da criação de empresas sociais. Onde o lucro é reinvestido de forma a aumentar seu alcance e a melhorar a qualidade do produto ou serviço oferecido. Os investidores do setor social podem obter de volta a quantia investida, mas não devem tirar dividendos. A empresa social é uma organização sem perdas e sem dividendos. E no segundo exemplo real, graças a uma gestão mais eficiente das despesas e custos operacionais, a empresa Mosaic, obteve êxito na maximização de lucros.

A oferta é a quantidade de produtos oferecidos aos consumidores, e a demanda, é a procura do consumidor para adquirir esses bens. Deve-se entender que a oferta e a demanda, não são influenciadas apenas pelo preço, mas também por hábitos e preferências dos consumidores, concorrência e até mesmo por produtos complementares ou substitutos.

Pesquisa sobre Política Monetária e Política fiscal. Primeiramente esses conceitos estudam a manipulação de tributos e a atuação das autoridades através de instrumentos diretos ou induzidos com o propósito de controlar a liquidez global. Aborda-se exemplos da atitude do governo, referente a aplicação do benefício fiscal em empresas e sobre a elevação da taxa de juros SELIC.

Conceito de Custo de Oportunidade:

- Custo de Oportunidade de um Imóvel, ou seja, seu aluguel. Se o Imóvel custa R$ 100.000,00 e o valor deste mesmo imóvel para aluguel é de R$ 700,00, ao invés de comprar o imóvel, pode-se investir em renda fixa, que dará um retorno mensal de 1% ( R$ 1.000,00 ), e terá um baixo custo de oportunidade, já que a compra seria pior, financeiramente falando.

- Custo de Oportunidade de Capital, ou seja, do seu dinheiro. Uma pessoa investe R$ 100.000,00 em um determinado negócio que lhe dá um lucro anual de R$ 5.000,00. Se essa pessoa fizesse uma aplicação bancária, ganharia cerca de 8% ao ano, ou seja, R$ 8.000,00. O Custo de Oportunidade seria o investimento nessa aplicação.

Curva de Possibilidade de Produção:

- Na figura a seguir, nos mostra como a escassez de recurso impõe limite à capacidade produtiva.

Quanto mais alimentos são feito no país (exemplo), menos roupas, devido ao limite de produção imposto por mão-de-obra disponível, maquinas ou outros fatores. Custo de oportunidadeÉ o grau de sacrifício que se faz ao optar produção de um bem, em termos de produção alternativa sacrificada (A diferença entre a opção que você fez e a que você poderia ter feito, no sentido monetário)Capacidade ociosa (Ponto F) (Uma empresa tem capacidade de produção, mas não atinge por diversos fatores)Pleno emprego (Ponto A, B, C, D e E) (Quando todos os fatores de produção estão sendo plenamente usados, sem capacidade ociosa, usado somente na teoria)Nível impossível de produção (Ponto G)

Produto Elástico:

- Um exemplo de produto com elasticidade positiva em relação à renda é a Picanha (filé mignon). Quando a sociedade tem um crescimento financeiro, maior é o consumo de Picanha.

Produto Inelástico:

- Um exemplo de produto inelástico é o Sal de cozinha, pois é essencial para o tempero das comidas e mesmo que a pessoa não tenha condições, ela precisa temperar, e as pessoas ``ricas`` também precisam, e não é porque são ricos que iram usar mais e salgar demais as comidas.

Provedor de Internet via rádio

A possibilidades de maximização de lucros através da

discriminação de preços em uma firma de provisão de Internet como forma de incremento de

eficiência econômica.

Os demandantes do mercado estudado são os moradores de um condomínio localizado na

cidade de Ponta Grossa-Pr, com 96 apartamentos e o ofertante, um provedor de Internet à

rádio localizado na mesma cidade, com especialização em atendimento a condomínio.

Foi proposta a criação de três versões de acesso com serviços e preços diferenciados e

levantou-se junto aos moradores a possibilidade de assinatura ou mudança de plano para os

novos pacotes ofertados.

Conforme pesquisa, constatou-se que o número de assinantes poderia aumentar em (7%) e

considerando a mudança de plano dos assinantes atuais, o provedor passaria a ter uma receita

(38%) maior em relação a atual.

Isto posto, dado que, com a discriminação de preços através de oferta de versões é possível

que o provedor tenha um lucro maior que o atual e considerando racional que os gestores

busquem o maior lucro quanto possível para suas firmas, então, pode-se afirmar que a

empresa deve adotar a diferenciação de preços através de versões para busca de eficiência

econômica.

XEROX

Até meados da década de 70, a empresa detinha praticamente um monopólio no setor de fotocopiadoras. A empresa não vendia suas máquinas; arrendava-as e obtinha lucros elevados sobre cada cópia tirada no mundo. Mas os clientes, além da preocupação com o alto custo da cópia, estavam insatisfeitos com os altos índices de defeitos dessas máquinas dispendiosas. Ao invés de reprojetá-las para reduzir a freqüência de defeitos, os executivos da Xerox perceberam uma oportunidade para melhorar ainda mais seus resultados financeiros, permitindo a compra direta de máquinas e criando uma grande equipe de assistência técnica, com a finalidade de consertar máquinas com defeito no domicílio do cliente. Como nada podia ser feito até a chegada do técnico, as empresas clientes tiveram que comprar máquinas extras. Com isso, os lucros da empresa aumentaram substancialmente. Portanto, todos os indicadores financeiros, inclusive o retorno sobre os investimentos, sinalizavam uma estratégia altamente bem sucedida. Mas os clientes queriam máquinas eficientes que não apresentavam defeitos. Quando novas empresas japonesas e norte-americanas entraram no mercado oferecendo o que os clientes queriam e com preços mais baixos, elas rapidamente conquistaram os clientes insatisfeitos e “infiéis” da Xerox. E a Xerox, uma das mais bem sucedidas empresas do mundo, chegou à beira da falência.

Agora, em um ambiente mais complexo, os índices financeiros continuam importantes, mas tornaram-se insuficientes. Para se obter vantagem competitiva é preciso muito mais. Os empresários necessitam hoje de indicadores sobre vários aspectos do ambiente e desempenho da empresa, sem o que não teriam como manter o rumo da excelência empresarial.

 

PRODUÇÃO E O MERCADO. O MERCADO SOB CONCORRÊNCIA PERFEITA E MONOPOLISTA.

Concorrência Perfeita

A Concorrência Perfeita corresponde a uma situação limite em que nenhuma empresa e nenhum consumidor têm poder suficiente para influenciar o preço de mercado.

Cliente Visa poderá comprar em sites dos EUA e receber produtos no Brasil

A Visa, maior rede de processamento de cartões de crédito e débito do mundo, anunciou nesta quinta-feira que fechou parceria com a SkyBOX, fornecedora de soluções para comércio eletrônico internacional, para facilitar as compras online de consumidores brasileiros.

Clientes da processadora de pagamentos poderão fazer compras online em lojas dos Estados Unidos e ter o seu pedido enviado para uma caixa postal do país, a partir da qual as encomendas serão enviadas às suas residências.

A SkyBOX cobra uma anuidade de US$ 48. No primeiro ano, os clientes Visa ficam isentos. Na primeira compra os consumidores ganham um bônus de US$ 10.

Todas as compras devem ser feitas à vista. No momento da compra, o sistema calcula os impostos e o frete.

Itaú e TIM assinam acordo para oferecer cartões e serviços em parceria

Visa testa pagamento por celular em metrô de NY

Visa supera expectativas com lucro de US$ 716 mi no trimestre

"Com essa aliança, iremos agregar novas possibilidades ao comércio eletrônico para atender as necessidades dos consumidores, facilitando o envio de produtos comprados em lojas virtuais nos Estados Unidos", disse em nota Guillermo Rospigliosi, diretor-executivo de Canais Emergentes da Visa na região América Latina e Caribe.

Segundo a Visa, os portadores de cartões Visa poderão fazer o registro no site da SkyBOX, e criar uma caixa postal equivalente a um endereço físico nos Estados Unidos. "Depois de completar o registro, o consumidor receberá um email com o número de sua caixa postal e senha, que permitirá iniciar o processo de compras seguindo os passos indicados", informou na nota.

Entre as vantagens, a empresa a economia no custo de envio. "Os consumidores terão um endereço físico nos Estados Unidos e pagarão aproximadamente 20% menos se comparado com as tarifas disponibilizadas por outras empresas de transporte internacional", declara.

Outro ponto positivo apontado pela empresa é a conveniência. "Portadores poderão fazer compras em diferentes comércios online dos Estados Unidos e consolidar os envios em uma única transação utilizando seus cartões Visa. Além disso, a SkyBOX cuidará de todos os tramites alfandegários e ajudará o cliente durante todo o processo".

RESULTADO

A Visa superou expectativas ao informar um lucro no 3º trimestre de US$ 716 milhões, em grande parte devido à retomada de gastos por consumidores.

A companhia viu "melhora contínua no volume de transações financeiras processadas no trimestre, segundo afirmou o presidente-executivo da Visa, Joseph Saunders, em comunicado divulgado no final de julho.

A receita da empresa no trimestre foi de US$ 2 bilhões, o que representa uma alta de 23% em relação ao mesmo período de 2009. O valor superou levemente as previsões de analistas, que esperavam, em média, receita de US$ 1,97 bilhão.

O primeiro exemplo a ser citado denomina-se concorrência perfeita, esta estrutura de mercado visa descrever o funcionamento ideal de uma economia, servindo de parâmetro para o estudo de outras estruturas de mercado, apesar disso, algumas aproximações dessa situação de podem ser observadas no mercado, pois as empresas estão cada vez mais procurando trazer um diferencial de seus serviços.

Concorrência Monopolística

A concorrência ou competição monopolística é uma estrutura de mercado em que são produzidos bens diferentes, entretanto, com substitutos próximos passíveis de concorrência.

Trata-se de uma estrutura de mercado intermediária entre a concorrência perfeita e o monopólio, mas que não se confunde com o oligopólio pelas seguintes características:

- Número relativamente grande de empresas com certo poder concorrencial, porém com segmentos de mercados e produtos diferenciados, seja por características físicas, embalagem ou prestação de serviços complementares.

Vendas da Toyota aumentam 16,8% em setembro

Washington, 1 out (EFE).- A Toyota vendeu em setembro 147.162 veículos nos Estados Unidos, uma alta de 16,8% em relação ao mesmo período de 2009, mas abaixo dos números alcançados pelos seus dois principais rivais, General Motors (GM) e Ford.

A empresa japonesa disse hoje que sua divisão Toyota vendeu 130.214 veículos, 20,5% a mais do que no mesmo período de 2009, enquanto sua marca de luxo Lexus somou 16.948 unidades, uma queda de 5,5% em comparação a setembro do ano passado.

Por modelos, os 4x4 da Toyota foram os que apresentaram um maior aumento de demanda.

O FJ Cruiser vendeu 1.424 unidades, 244,8% a mais do que em setembro de 2009, enquanto o 4Runner vendeu 3.577 unidades, um aumento de 437,1%. Já o RAV4 teve alta de 40,2% e se consolidou como a caminhonete mais vendida do grupo, com 14.685 veículos.

Entre os automóveis, o Toyota Yaris teve suas vendas elevadas em 48,7% em setembro, o que representa 2.835 unidades, enquanto o Camry somou 30.769 veículos, uma alta de 19,5%. EFE,97 bilhão.

OFERTA DA DEMANDA

(Parte 1 de 2)

Comentários