Injeção eletrônica Magnetti Mareli

Injeção eletrônica Magnetti Mareli

(Parte 1 de 9)

SENAI-RJ • Automotiva versão preliminar

FIRJAN−Federação das Indústrias do Estado do Rio de Janeiro

Eduardo Eugenio Gouvêa VieiraEduardo Eugenio Gouvêa VieiraEduardo Eugenio Gouvêa VieiraEduardo Eugenio Gouvêa VieiraEduardo Eugenio Gouvêa Vieira Presidente

Diretoria Corporativa Operacional

Augusto Cesar Franco de AlencarAugusto Cesar Franco de AlencarAugusto Cesar Franco de AlencarAugusto Cesar Franco de AlencarAugusto Cesar Franco de Alencar Diretor

SENAI-Rio de Janeiro

Fernando Sampaio Alves GuimarãesFernando Sampaio Alves GuimarãesFernando Sampaio Alves GuimarãesFernando Sampaio Alves GuimarãesFernando Sampaio Alves Guimarães Diretor Regional

Diretoria de Educação

RRRRRegina Maria de Fátima Tegina Maria de Fátima Tegina Maria de Fátima Tegina Maria de Fátima Tegina Maria de Fátima Torresorresorresorresorres Diretora

SENAI-RJ 2002 versão preliminar

Ficha Técnica

Aperfeiçoamento em Injeção Magneti-Marelli 2002

SENAI-Rio de Janeiro Diretoria de Educação

Gerência de Educação ProfissionalLuis Roberto Arruda

Gerência de Produto AutomotivoDarci Pereira Garios

Produção EditorialVera Regina Costa Abreu Pesquisa de Conteúdo e RedaçãoCorpo Docente da Agência de Manutenção

Automotiva - Unidade Tijuca

Revisão PedagógicaNeise Freitas da Silva Revisão Gramatical e EditorialIzabel Maria de Freitas Sodré Revisão TécnicaDenver Brasil Pessôa Ramos

Sílvio Romero Soares de Souza Projeto GráficoArtae Design & Criação

Cópia revista da apostila B. 501.5 - INJEÇÃO/IGNIÇÃO/96 da Fiat Automóveis SA, sob expressa autorização.

SENAI-Rio de Janeiro GEP – Gerência de Educação Profissional Rua Mariz e Barros, 678 - Tijuca 20270-002 - Rio de Janeiro - RJ Tel.: (0xx21) 2587-1117 Fax: (0xx21) 2254-2884 http://w .rj.senai.br

Sumário

APRESENTAÇÃO1
UMA PALAVRA INICIAL13
INFORMAÇÕES GERAIS17
Esquema do sistema de injeção/ignição Magneti-Marelli20
Controle da injeção21
Auto-adaptação2
Funcionamento a frio23
Funcionamento em aceleração23
Funcinamento em desaceleração23
Funcionamento em cut-off24
Funcionamento em plena carga24
Controle da marcha lenta24
Proteção contra rotações excessivas25
Correção barométrica25
Controle da detonação (só para motores a gasolina)25
Recuperação dos vapores de combustível25
Controle de gases da combustão – sonda lambda26
Ligação com o sistema de climatização26
Ligação com o sistema de imobilização eletrônica26
CONTROLE DA IGNIÇÃO29
Circuito de alimentação do combustível32
Eletrobomba de combustível3
Filtro de combustível3 4
Tubo distribuidor de combustível36
Regulador da pressão do combustível36
Eletroinjetores37
Interruptor inercial de segurança38
Circuito de admissão do ar39
Corpo de borboleta40
Aquecedor do corpo de borboleta40
Sensor de posição da borboleta41
Sensor de temperatura do ar aspirado42
Atuador de marcha lenta do motor (motor de passo a passo)4
Sensor de pressão absoluta46
Circuito elétrico/eletrônico48
Central eletrônica de comando da injeção/ignição48
Esquema elétrico do sistema de injeção/ignição50
Diagrama elétrico geral do sistema de injeção-ignição52
atuadores do sistema54
Localização dos componentes do sistema de injeção/ignição no vão do motor5
Dispositivos para o controle das emissões nocivas no escapamento64
Fontes e principais poluentes64
Grupo de escapamento do motor com conversor catalítico64
INJEÇÃO/IGNIÇÃO79

VERIFICAÇÕES, REGULAGENS E REPARAÇÕES DO SISTEMA DE Controle da resistência da sonda lambda ...................................................................82

temperatura do líquido de arrefecimento do motor82
Controle da resistência do enrolamento primário da bobina de ignição83
Controle da resistência do enrolamento secundário da bobina de ignição83
Controle da resistência do sensor de posição da borboleta84
Controles no sensor de rotação e PMS84
estroboscópica85
Controle da concentração das emissões poluentes85
catalítico
Controle da concentração de CO e HC
VARIANTES ESPECÍFICAS PARA VERSÕES A ÁLCOOL89
Circuito de alimentação do combustível92
Circuito de admissão do ar93
Circuito elétrico/eletrônico94
Esquema elétrico do sistema de injeção/ignição95
sensores/atuadores do sistema97
Dispositivos para o controle das emissões no escapamento98

Controle da resistência dos sensores da temperatura do ar aspirado e da Controle aproximado do avanço da ignição em marcha lenta com lâmpada Controle da concentração de CO e HC com marcha lenta antes do conversor Esquema das informações de entrada/saída da central eletrônica aos respectivos Esquema elétrico do circuito da partida a frio...............................................................9

Aperfeiçoamento em Injeção Magneti-Marelli – Apresentação

Apresentação

A dinâmica social dos tempos de globalização exige dos profissionais atualização constante. Mesmo as áreas tecnológicas de ponta ficam obsoletas em ciclos cada vez mais curtos, trazendo desafios renovados a cada dia e tendo como conseqüência para a educação a necessidade de encontrar novas e rápidas respostas.

Nesse cenário, impõe-se a educação continuada, exigindo que os profissionais busquem atualização constante durante toda a vida – e os docentes e alunos do SENAI/RJ incluem-se nessas novas demandas sociais.

É preciso, pois, promover, tanto para os docentes como para os alunos da educação profissional, as condições que propiciem o desenvolvimento de novas formas de ensinar e de aprender, favorecendo o trabalho de equipe, a pesquisa, a iniciativa e a criatividade, entre outros aspectos, ampliando suas possibilidades de atuar com autonomia, de forma competente.

Considerando estas questões, este material apresenta o sistema de injeção eletrônica MAGNETI-

MARELLI, que é um novo modo de gerenciamento de alimentação e ignição do motor, e integra uma tecnologia inovadora que, em curto espaço de tempo, vem substituindo os sistemas convencionais de ignição e carburador.

Salientamos, no entanto, que os novos conhecimentos aqui abordados não eliminam os problemas de cunho mecânico que continuam existindo tanto quanto antes. Por este motivo, o bom profissional, além de dominar conceitos de injeção eletrônica, precisa conhecer também fundamentos de eletricidade, eletrônica, eletromagnetismo, mecânica e regulagem de motores.

Esperamos que os conteúdos aqui tratados sejam úteis ao seu aprendizado e atualização profissional.

Mas injeção eletrônica é um assunto vasto e interessante, e é necessário que você busque constante aperfeiçoamento quanto a esta nova tecnologia. Assim, procure pesquisar outras fontes e consulte os Manuais de Uso e de Reparações que acompanham os modelos automotivos.

Aperfeiçoamento em Injeção Magneti-Marelli - Uma Palavra Inicial

SENAI/RJ - 13 13 13 13 13

Uma palavra inicial

Meio ambiente... Saúde e segurança no trabalho... O que é que nós temos a ver com isso?

Antes de iniciarmos o estudo deste material, há dois pontos que merecem destaque: a relação entre o processo produtivo e o meio ambiente, e a questão da saúde e segurança no trabalho.

As indústrias e os negócios são a base da economia moderna. Não só produzem os bens e serviços necessários, como dão acesso a emprego e renda. Mas para atender a essas necessidades, precisam usar recursos e matérias-primas. Os impactos no meio ambiente muito freqüentemente decorrem do tipo de indústria existente no local, do que ela produz e, principalmente, de como produz.

É preciso entender que todas as atividades humanas transformam o ambiente. Estamos sempre retirando materiais da natureza, transformando-os e depois jogando o que “sobra” de volta ao ambiente natural. Ao retirar do meio ambiente os materiais necessários para produzir bens, altera-se o equilíbrio dos ecossistemas e arrisca-se ao esgotamento de diversos recursos naturais que não são renováveis ou, quando o são, têm sua renovação prejudicada pela velocidade da extração, superior à capacidade da natureza para se recompor. É necessário fazer planos de curto e longo prazo, para diminuir os impactos que o processo produtivo causa na natureza. Além disso, as indústrias precisam se preocupar com a recomposição da paisagem e ter em mente a saúde dos seus trabalhadores e da população que vive ao seu redor.

Com o crescimento da industrialização e a sua concentração em determinadas áreas, o problema da poluição aumentou e se intensificou. Em relação ao ar e à água, a questão é bastante complexa, pois as emissões poluentes se espalham de um ponto fixo para uma grande região, dependendo dos ventos, do curso da água e das demais condições ambientais, tornando difícil localizar, com precisão, a origem do problema. No entanto, é importante repetir que, ao depositarem os resíduos no solo, ao lançarem efluentes sem tratamento em rios, lagoas e demais corpos hídricos, as indústrias causam danos ao meio ambiente.

O uso indiscriminado dos recursos naturais e a contínua acumulação de lixo mostram a falha básica de nosso sistema produtivo: ele opera em linha reta. Extraem-se as matérias-primas através de processos

Aperfeiçoamento em Injeção Magneti-Marelli - Uma Palavra Inicial

de produção desperdiçadores e que geram subprodutos tóxicos. Fabricam-se produtos de utilidade limitada que, finalmente, viram lixo, o qual se acumula nos aterros. Produzir, consumir e dispensar bens desta forma, obviamente, não é sustentável.

Enquanto os resíduos naturais (que não podem, propriamente, ser chamados de “lixo”) são absorvidos e reaproveitados pela natureza, a maioria dos resíduos deixados pelas indústrias não tem aproveitamento para qualquer espécie de organismo vivo e, para alguns, pode até ser fatal. O meio ambiente pode absorver resíduos, redistribuí-los e transformá-los. Mas, da mesma forma que a Terra possui uma capacidade limitada de produzir recursos renováveis, sua capacidade de receber resíduos também é restrita, e a de receber resíduos tóxicos praticamente não existe.

Ganha força, atualmente, a idéia de que as empresas devem ter procedimentos éticos que considerem a preservação do ambiente como uma parte de sua missão. Isto quer dizer que se devem adotar práticas que incluam tal preocupação, introduzindo processos que reduzam o uso de matérias-primas e energia, diminuam os resíduos e impeçam a poluição.

Cada indústria tem suas próprias características. Também se sabe que a conservação de recursos é importante. Deve haver crescente preocupação com a qualidade, durabilidade, possibilidade de conserto e vida útil dos produtos.

As empresas precisam não só continuar reduzindo a poluição, mas também buscar novas formas de economizar energia, melhorar os efluentes, reduzir a poluição, o lixo, o uso de matérias-primas. Reciclar e conservar energia são atitudes essenciais no mundo contemporâneo.

É difícil ter uma visão única que seja útil para todas as empresas. Cada uma enfrenta desafios diferentes e pode beneficiar-se de sua própria visão de futuro. Ao olhar para o futuro, nós (o público, as empresas, as cidades e as nações) podemos decidir que alternativas são mais desejáveis e trabalhar com elas.

(Parte 1 de 9)

Comentários