Compostagem Prof Lucas

Compostagem Prof Lucas

A compostagem é uma técnica milenar, praticada pelos chineses há mais de cinco mil anos. Nada muito diferente do que natureza faz há bilhões de anos desde que surgiram os primeiros microorganismos decompositores.

  • A compostagem é uma técnica milenar, praticada pelos chineses há mais de cinco mil anos. Nada muito diferente do que natureza faz há bilhões de anos desde que surgiram os primeiros microorganismos decompositores.

  • A compostagem é o processo de transformação de materiais grosseiros, como palhada e esterco, em materiais orgânicos utilizáveis na agricultura.

Este processo envolve transformações extremamente complexas de natureza bioquímica, promovida por milhões de microorganismos do solo que têm na matéria orgânica in natura sua fonte de energia, nutrientes e carbono.

  • Este processo envolve transformações extremamente complexas de natureza bioquímica, promovida por milhões de microorganismos do solo que têm na matéria orgânica in natura sua fonte de energia, nutrientes e carbono.

Por essa razão uma pilha de composto não é apenas um monte de lixo orgânico empilhado ou acondicionado em um compartimento. É um modo de fornecer as condições adequadas aos microorganismos para que esses degradem a matéria orgânica e disponibilizem nutrientes para as plantas.

  • Por essa razão uma pilha de composto não é apenas um monte de lixo orgânico empilhado ou acondicionado em um compartimento. É um modo de fornecer as condições adequadas aos microorganismos para que esses degradem a matéria orgânica e disponibilizem nutrientes para as plantas.

O composto é o resultado da degradação biológica da matéria orgânica, em presença de oxigênio, sob condições controladas pelo homem. Os produtos do processo de decomposição são: gás carbônico, calor, água e a matéria orgânica “compostada”.

  • O composto é o resultado da degradação biológica da matéria orgânica, em presença de oxigênio, sob condições controladas pelo homem. Os produtos do processo de decomposição são: gás carbônico, calor, água e a matéria orgânica “compostada”.

Nitrogênio;

  • Nitrogênio;

  • Fósforo;

  • Potássio;

  • Cálcio;

  • Magnésio;

  • Enxofre;

Os nutrientes do composto, ao contrário do que ocorre com os adubos sintéticos, são liberados lentamente, realizando a tão desejada “adubação de disponibilidade controlada”.

  • Os nutrientes do composto, ao contrário do que ocorre com os adubos sintéticos, são liberados lentamente, realizando a tão desejada “adubação de disponibilidade controlada”.

A matéria orgânica melhora a “saúde” do solo. A matéria orgânica compostada se liga às partículas do solo, formando pequenos grânulos que ajudam na retenção e drenagem da água e melhoram a aeração.

  • A matéria orgânica melhora a “saúde” do solo. A matéria orgânica compostada se liga às partículas do solo, formando pequenos grânulos que ajudam na retenção e drenagem da água e melhoram a aeração.

A presença da matéria orgânica no solo aumenta a número de minhocas, insetos e microorganismos desejáveis , o que reduz a incidência de doenças em plantas.

  • A presença da matéria orgânica no solo aumenta a número de minhocas, insetos e microorganismos desejáveis , o que reduz a incidência de doenças em plantas.

Estímulo ao desenvolvimento das raízes das plantas, que se tornam mais eficientes na absorção de água e nutrientes;

  • Estímulo ao desenvolvimento das raízes das plantas, que se tornam mais eficientes na absorção de água e nutrientes;

  • Aumento da capacidade de infiltração de água, reduzindo a erosão;

  • Aumenta a CTC do solo;

Mantém estáveis a temperatura e os níveis de acidez do solo (pH), ligado diretamente com a disponibilidade de nutrientes;

  • Mantém estáveis a temperatura e os níveis de acidez do solo (pH), ligado diretamente com a disponibilidade de nutrientes;

  • Dificulta ou impede a germinação de sementes de plantas invasoras;

  • Ativa a vida do solo, favorecendo a reprodução de microorganismos benéficos ao solo;

a) Microorganismos: A conversão da matéria orgânica bruta ao estado de matéria humificada é um processo microbiológico operado por bactérias, fungos e actinomicetes. Durante a compostagem há uma sucessão de predominâncias entre as espécies envolvidas;

  • a) Microorganismos: A conversão da matéria orgânica bruta ao estado de matéria humificada é um processo microbiológico operado por bactérias, fungos e actinomicetes. Durante a compostagem há uma sucessão de predominâncias entre as espécies envolvidas;

b) Umidade: A presença de água é fundamental para o bom desenvolvimento do processo. Umidade ideal: 50 a 60 %.

  • b) Umidade: A presença de água é fundamental para o bom desenvolvimento do processo. Umidade ideal: 50 a 60 %.

  • Umidade processual mínima: 40 a 45 %.

  • Umidade para conservação: 12 a 15%.

  • Teste prático: o composto deve soltar água como uma esponja que já foi espremida antes.

c) Aeração: A compostagem conduzida em ambiente aeróbico, além de mais rápida, não produz odores nem proliferação de mosca.

  • c) Aeração: A compostagem conduzida em ambiente aeróbico, além de mais rápida, não produz odores nem proliferação de mosca.

  • Para obter uma melhor aeração pode-se improvisar canais de aeração montando a pilha com bambu ou galhos secos que são mexidos num certo intervalo de tempo.

d) Temperatura: Ao longo do processo , o corpo da pilha (centro), passa pelas seguintes etapas

  • d) Temperatura: Ao longo do processo , o corpo da pilha (centro), passa pelas seguintes etapas

  • Fase I: Médias e altas temperaturas, decomposição de celulose, amido e açucares.

  • Fase II: Altas temperaturas, decrescendo, decomposição de celulose.

  • Fase III: Temperaturas baixas e estabilização.

e) Relação carbono/nitrogênio (C/N): Conhecer a relação C/N dos materiais vegetais é importante, pois influenciará na decomposição da M.O. e no manejo a ser adotado. A relação C/N é inerente à espécie e reflete a velocidade com que a decomposição do material pode se processar.

  • e) Relação carbono/nitrogênio (C/N): Conhecer a relação C/N dos materiais vegetais é importante, pois influenciará na decomposição da M.O. e no manejo a ser adotado. A relação C/N é inerente à espécie e reflete a velocidade com que a decomposição do material pode se processar.

C/N ideal/média (25 a 30:1): nesta proporção os organismos decompositores tem o alimento balanceado, cria-se um equilíbrio.

  • C/N ideal/média (25 a 30:1): nesta proporção os organismos decompositores tem o alimento balanceado, cria-se um equilíbrio.

C/N baixa (<20:1): mau cheiro por perda do excesso de N e S (cheiro amoniacal e sulfúreo). Para reduzir perdas pode se adicionar galhos secos, palhas ou serragem.

  • C/N baixa (<20:1): mau cheiro por perda do excesso de N e S (cheiro amoniacal e sulfúreo). Para reduzir perdas pode se adicionar galhos secos, palhas ou serragem.

C/N muito alta ( > 35:1): esta proporção constitui uma trava à fraca atividade dos decompositores pela falta de N. O processo será lento e frio enquanto o excesso de C for dissipado. Para acelerar o processo basta adicionar uma fonte rica em N, como esterco, casca de frutas ou folhas verdes.

  • C/N muito alta ( > 35:1): esta proporção constitui uma trava à fraca atividade dos decompositores pela falta de N. O processo será lento e frio enquanto o excesso de C for dissipado. Para acelerar o processo basta adicionar uma fonte rica em N, como esterco, casca de frutas ou folhas verdes.

Arroz (palha): 39:1

  • Arroz (palha): 39:1

  • Café (palha): 31:1

  • Capim Colonião: 27:1

  • Grama (batatais): 36:1

  • Esterco de gado: 20:1

  • Esterco de carneiro/ovelhas: 32/1

  • Serragem: 865:1

f) Preparo prévio da matéria-prima: A granulo-metria é muito importante uma vez que interfere diretamente na aeração da massa original. Partículas maiores promovem melhor aeração.

  • f) Preparo prévio da matéria-prima: A granulo-metria é muito importante uma vez que interfere diretamente na aeração da massa original. Partículas maiores promovem melhor aeração.

g) Dimensões e formas das pilhas: Quanto ao comprimento, este pode variar em função da quantidade de materiais, do tamanho do pátio e do método de aeração. Já a altura da pilha depende da largura da base.

  • g) Dimensões e formas das pilhas: Quanto ao comprimento, este pode variar em função da quantidade de materiais, do tamanho do pátio e do método de aeração. Já a altura da pilha depende da largura da base.

Pilhas muito altas submetem as camadas inferiores a compactação.

  • Pilhas muito altas submetem as camadas inferiores a compactação.

  • Pilhas baixas perdem calor mais facilmente ou nem se aquecem o suficiente para destruir os organismos fitopatogênicos.

O ideal é que as pilhas apresentem seção triangular, com inclinação em torno de 40° a 60°, com largura entre 2,5 e 3,5 m e altura entre 1,5 e 1,8 m.

  • O ideal é que as pilhas apresentem seção triangular, com inclinação em torno de 40° a 60°, com largura entre 2,5 e 3,5 m e altura entre 1,5 e 1,8 m.

Vale lembrar que durante a compostagem existe toda um sequência de microorganismos que decompõem a matéria orgânica, até o surgimento do produto final, o húmus maduro.

  • Vale lembrar que durante a compostagem existe toda um sequência de microorganismos que decompõem a matéria orgânica, até o surgimento do produto final, o húmus maduro.

Todo esse processo acontece em etapas,nas quais fungos, bactérias, protozoários, minhocas, besouros, lacraias, formigas e aranhas decompõem as fibras vegetais e tornam os nutrientes disponíveis para as plantas.

  • Todo esse processo acontece em etapas,nas quais fungos, bactérias, protozoários, minhocas, besouros, lacraias, formigas e aranhas decompõem as fibras vegetais e tornam os nutrientes disponíveis para as plantas.

Revolvimento da pilha, no mínimo 3 revolvimentos no 1º mês, aos 7, 17 e 30 dias. Aproveitando para verificar a umidade e se necessário irrigar o material para torná-lo úmido.

  • Revolvimento da pilha, no mínimo 3 revolvimentos no 1º mês, aos 7, 17 e 30 dias. Aproveitando para verificar a umidade e se necessário irrigar o material para torná-lo úmido.

Manter sempre a umidade adequada, entre 40 e 60 %, de modo que quando se aperte um punhado de composto na mão, pingue mas não escorra água.

  • Manter sempre a umidade adequada, entre 40 e 60 %, de modo que quando se aperte um punhado de composto na mão, pingue mas não escorra água.

No verão, se estiver a pleno sol, é bom cobri-lo com folhagens para evitar o exesso de evaporação de água.

  • No verão, se estiver a pleno sol, é bom cobri-lo com folhagens para evitar o exesso de evaporação de água.

Uma vez a pilha montada, não acrescentar novos materiais, pode-se juntar separadamente para montar uma nova pilha.

  • Uma vez a pilha montada, não acrescentar novos materiais, pode-se juntar separadamente para montar uma nova pilha.

Se as condições de umidade, temperatura e aeração forem atendidas adequadamente e se houver os revolvimento periódicos da pilha, o composto estará pronto para o uso em um prazo que varia de 60 a 90 dias.

  • Se as condições de umidade, temperatura e aeração forem atendidas adequadamente e se houver os revolvimento periódicos da pilha, o composto estará pronto para o uso em um prazo que varia de 60 a 90 dias.

O composto maduro tem cheiro agradável de terra vegetal úmida e os materiais utilizados formam uma massa escura na qual não se diferencia um material do outro.

  • O composto maduro tem cheiro agradável de terra vegetal úmida e os materiais utilizados formam uma massa escura na qual não se diferencia um material do outro.

Quando a temperatura no interior da pilha fica próxima ao da temperatura ambiente, pode-se considerar que o composto está maduro.

  • Quando a temperatura no interior da pilha fica próxima ao da temperatura ambiente, pode-se considerar que o composto está maduro.

Uma forma simples de verificar a maturação do composto é misturando uma porção dele em um copo com água.

  • Uma forma simples de verificar a maturação do composto é misturando uma porção dele em um copo com água.

Se o liquido fica escuro como se fosse tinta preta e tem partículas em suspensão, o composto está pronto para o uso.

  • Se o liquido fica escuro como se fosse tinta preta e tem partículas em suspensão, o composto está pronto para o uso.

  • Se a água não foi colorida pelo material colocado e ele se depositou no fundo do copo, isso significa que o composto ainda não está pronto.

Comentários