(Parte 5 de 5)

DIA 14/11/2012

15:40h: Segue NO 11º DIH, por AVC , evolui consciente , desorientada, disfásica, respondendo aos estímulos verbais, restrita ao leito ,calma, deambulando com auxilio, pele e mucosas normocorada, afebril (36ºC),pulso 60 bpm (normofisgmo), respiração 19mrpm (eupnéico),PA 100x70 mmHg (normotenso), APMV+ sem ruídos adventícios ,AC BNF em 2T RH+ sem sobros, abdome plano flácido indolor a palpação,presença de UPP região glútea e calcanho,apresenta fratura de fêmur em MID, equimoses em MMII,aceita dieta VO oferecida ,sono e repouso satisfatório, eliminações presentes em fralda (SIC). Higiene satisfatória; Segue com escalp heparenizado em MSE. Não foi realizado curativo em UPP em região glútea e calcanho, Porque estava aguardando filha chegar com um curativo especial (hidrocoloide transparente).

DIAGNÓSTICOS

  • Mobilidade física prejudicada devido à incapacidade de virar-se de um lado para o outro, sentar-se e reposicionar-se na cama;

  • Integridade da pele prejudicada devido imobilização física, evidenciada por fratura do colo do femur;

  • Risco de quedas devido imobilização evidenciada por inspeção;

  • Déficit no autocuidado em relação ao banho e higiene, devido incapacidade para perceber a necessidade de medidas de higiene

  • Dor aguda relacionada com o distúrbio musculoesquelético:

    • Comunicação verbal prejudicada devido a percepção alteradas; alterações no sistema nervoso central devido o AVC.

  • Risco para pico hipertensivo relacionada à HAS evidenciada através de aferição de P.A

PRESCRIÇÕES

Objetivos:

Manter integridade da pele reduzindo ou eliminando fatores de risco, estimular e auxiliar na movimentação para evitar atrofia articular e muscular e úlceras de pressão; proporcionar melhor padrão de sono e repouso; melhorar a expansão torácica; prevenir alterações metabólicas, respiratórias, cardiovasculares e eliminações urinárias.

  • Observar integridade da pele a cada plantão;

  • Hidratação da pele com óleos ou hidratante e massagem de conforto para ativar a circulação 3x/dia;

  • Mudança de decúbito de 2 em 2 horas, para evitar novas úlceras de pressão, torcicolos, algia nos ombros, escoliose,;

  • Trocar fralda geriátrica sempre que necessário, fazendo uma limpeza rigorosa com água e sabão, evitando umidade prolongada, e possível lesão e infecção de pele e genitália;

  • Manter o paciente sobre colchão caixa de ovos, para evitar escoriações/ulcerações;

  • Realizar higiene corporal diariamente ou sempre que necessário enxugando rigorosamente, mas sem atritos na pele;

  • Avaliar pele e proeminências ósseas observando coloração e textura diariamente;

  • Movimentar os membros do paciente sempre que possível, prevenindo a atrofia por desuso;

  • Verificar diariamente se o paciente apresenta impactação fecal ou fecaloma;

  • Lavar sempre as mãos antes e depois de cada administração de medicamentos, evitando infecção cruzada;

  • Usar luvas de procedimentos;

  • Realizar curativos da UPP com SF 0,9% para lavar, Dersani para ajudar o tecido de granulação em formação. Mudança de becúbito2/2 horas;

  • Sempre levantar as grades de proteção da cama para evitar quedas;

  • Investigar os fatores causais, relacionado aos déficits cognitivos como, por exemplo, o AVC;

  • Manter o horário e a rotina do banho consistentemente para o paciente;

  • Manter a temperatura da água para o banho; Observar as condições da pele durante o banho e hidratar a pele;

  • Providenciar materiais para o banho como sabonete, toalha, roupa, lençol de cama; Banho na primeira hora da manhã para evitar o vestir-se e despir-se desnecessários;

  • Fazer a verificação completa da pele quanto à vermelhidão nas áreas-chave (nádegas, proeminências ósseas); Em banho de leito manter sempre a privacidade do paciente usando biombo, fechando as portas e as janelas; Sempre que necessário realizar a higienização oral do paciente;

  • Realizar a limpeza das narinas e pavilhão auditivos;

  • Fazer a lavagem do couro cabeludo;

  • Lavar e secar locais como axilas, virilha, região anal, genitália sempre para evitar assaduras.

  • Administrar medicações prescritas pelo médico;

  • Lavar sempre as mãos antes e depois de cada administração de medicamentos, evitando infecção cruzada;

  • Usar luvas de procedimentos;

  • Fazer assepsia do local sempre que necessário.

Resultados esperados:

  • Maior conforto ao paciente;

  • Higiene satisfatória oral e corpórea;

  • Manter pele e mucosas íntegras;

  • Proporcionar melhor e maior cuidado ao paciente afásico;

  • Buscar meios pelo qual possamos entender suas necessidades;

  • Identificar um método por meio do qual a pessoa possa comunicar as necessidades básicas como a expressão facial; Identificar fatores que promovem a comunicação como gestos;

  • Promover a continuidade do atendimento para reduzir a frustração;

  • Fazer um plano de cuidado individualizado para esse paciente; Colocá-lo em um leito perto do posto de enfermagem, para ter uma melhor supervisão;

  • Tentar envolver a família no auxilio ao paciente Sempre passar segurança para o paciente, conversar, explicar o que será feito com ele, quando for fazer algum procedimento com ele; Não gritar e nem falar alto com o paciente; Sempre levantar as grades de proteção da cama, para paciente não cair;

  • Fazer higiene oral e corporal; Administrar medicações prescritas pelo médico;

  • Monitorar sinais vitais principalmente PA;

Objetivo:

  • Estabelecer maior interação com o paciente

Resultados esperados:

  • Demonstrar melhor capacidade de expressar-se;

  • Relatar diminuição da frustração com a comunicação.

Resultados esperados:

  • Paciente não apresente mais úlceras de pressão;

  • Manter integridade da função articular e muscular;

  • Melhora das úlceras de pressão;

  • Conforto do paciente.

Plano de Alta

Para assegurar a continuidade do cuidado no domicílio e evitar as re-internações, que contribuem significativamente para elevar as despesas do cuidado em saúde, é necessário que a alta hospitalar seja planejada e sistematizada, garantindo um esclarecimento maior, tanto para o paciente como para a família. O ensino no plano de alta é parte integrante do processo educativo, incluindo orientações ao paciente e à família acerca do que necessitam saber e compreender, considerando-se os aspectos biológicos, psicológicos e espirituais. Nessa ocasião são oferecidas muitas orientações ao mesmo tempo, com o agravante de não serem realizadas por escrito, dificultando a compreensão do paciente e propiciando a ocorrência de erros. Na maioria das vezes, as orientações de alta são realizada de forma mecânica e apressada, não considerando as condições e as necessidades de cada paciente. Isto contradiz a literatura que preconiza o início do planejamento da alta hospitalar, a partir do momento em que o paciente é admitido na instituição e desenvolvido durante todo o período de internação.

Aos doentes e aos cuidadores deve ser referenciada uma pessoa de contato (no hospital ou na comunidade) para respostas a questões pós-alta hospitalar.

Problema como HAS devem ser bem esclarecidos, quanto à importância do uso das medicações para o seu controle e o cuidado na alimentação utilizando uma dieta hipossódica para o controle e equilíbrio da pressão. É importantíssima na reabilitação completa do paciente. O cuidador deve estar ciente da importância em realizar exercícios diários, a fim de não regredir, perdendo as capacidades que adquiriu. Sempre que necessário deve buscar ajuda com profissionais competentes e resolver seus problemas e dúvidas.

  • Orientar ao cuidador sobre a importância da mudança de decúbito para prevenir novas úlceras;

  • Orientar ao cuidador a importância de um ambiente limpo, calmo, seguro e confortável para ajudar na recuperação desta cliente.

  • Orientar para prevenção de perigos no domicílio como quedas mantendo sempre vigilância desse paciente;

  • Salientar a importância da avaliação do débito urinário e das dejeções observando a quantidade, cor e textura;

  • Realizar troca da fralda sempre que apresentar diurese ou dejeções com sabão neutro lavando toda a região perianal com o cuidado de limpar de frente para trás para evitar infecção no trato urinário e enxugando bem para evitar umidade que predispõe a úlceras;

  • Orientar sobre uma hidratação eficaz com no mínimo 2 litros de líquidos por dia;

  • Orientar a usar travesseiros ou almofadas de espuma para manter as proeminências ósseas como joelho e calcâneo fora do contato direto com a cama ou com outra proeminência do próprio corpo;

  • Orientar quanto a importância das consultas e caderneta do idoso e vacinas atualizadas.

  • Utilizar as medicações prescritas rigorosamente nos horários;

  • Orientar quanto a formas de administração,doses e horários das medicações;

  • Explicar sobre a importância de se manter a pele sempre limpa, hidratada evitando umidade para não piorar as úlceras já existentes e para que não surjam novas.

  • Devolver todos os exames do cliente dependendo da instituição ou xerox.

  • Orientar sobre uma alimentação balanceada e que esta deve ser hipossódica. Oferecer locais de referências, como uma UBS mais próxima para realização dos curativos das úlceras ou se o cuidador tiver habilidade.

CONCLUSÃO

A experiência de cuidar de pessoas com AVC Isquemico, e Pneumonia foi algo de singular relevância, uma vez que tivemos a oportunidade de vervisuslizar.

Este estudo nos possibilitou conhecer os medicamentos usados no tratamento do AVC e da Peneumonia, os cuidados realizados e a importância dos exames realizados. A Assistência de Enfermagem dada a esses pacientes é de grande importância, pois através dela pode-se influir uma série de cuidados que possibilitam um melhor enfrentamento desta patologia. como tambem trabalhar com pacientes de uma forma olística, tendo a oportunidade de colocamos em prática toda teoria aprendida, fazendo comparações, pesquisando, debatendo e nos preparando para um futuro profissional promissor. Além disso, o tratamento do paciente sob a Sistematização da Assistência de Enfermagem se torna mais eficaz. No decorrer da nossa vida profissional, ao nos depararmos com um caso igual ao apresentado teremos uma visão mais ampla e poderemos aplicar o conhecimento obtido. E que a Enfermagem na sua luta diária, seja ela acadêmica, profissional, técnica, social, possa cada vez mais demonstrar o seu valor e a importância da sua assistência Ao término deste trabalho, é possível afirmar que o processo de enfermagem proporciona meios para se fazer uma avaliação da qualidade da assistência prestada ao paciente, possibilitando uma sistematização com um grau de competência maior.

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDRÉ, Charles. Manual de AVC. 1.ed. Revinter: Rio de janeiro, 1999.

ASPESI,et.al. Acidente vascular cerebral. Revista da Associação de Medicina Brasilleira v.67,n.4,São Paulo 2011. Disponível em:<http://www.scielo.com.br>. Acesso em 22 novembro 2012.

BARRETO, N.D.M. et al.Prevalência da hipertensão arterial nos indivíduos de raça negra. Revista da Associação de Medicina Brasilleira v.45,n.8,São Paulo 2010. Disponível em:<http://www.scielo.com.br>. Acesso em 29 maio 2012.

CAMBIER,J.;MASSON,M.;DEHEN,H. Manual de neurologia. 9 ed. MEDSI: São Paulo, 1999.

MACHADO, Ângelo. Neuroanatomia funcional. 2 ed. Rio de Janeiro.Editora Atheneu, 1993.MURTA,Genilda ferreira.Saberes e Práticas:guia para ensino e aprendizado de enfermagem.3.ed.rev.amp.São Caetano do Sul,SP:Difusão editora ,2007.NANDA, Diagnósticos de Enfermagem da Nanda: definições e classificações. Porto Alegre: Artmed, 2010.NETO, Alcindo. Acidente vascular cerebral. Acessado em 15 de janeiro de 2002.OLIVEIRA, M.C.

BRUNNER E SUDDARTH. Tratado de enfermagem médico-cirúrgica. 10ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

FISCHBACH, Frances Talaska. Manual de Enfermagem: exames laboratoriais e diagnósticos. 7 ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2005.

MOYET, Linda Juall Carpetino. Diagnósticos de enfermagem: aplicação à prática clínica. 10 ed. Porto Alegre: Artmed, 2005.

RAL E PENUMONIA)

26

26

(Parte 5 de 5)

Comentários