Biodiversidade do Delta do Parnaíba - litoral piauiense (versão compacta)

Biodiversidade do Delta do Parnaíba - litoral piauiense (versão compacta)

(Parte 1 de 7)

G993bGuzzi, Anderson

Biodiversidade do Delta do Parnaíba: litoral piauiense.

/ Anderson Guzzi. – org. Parnaíba: EDUFPI, 2012. 466p. il.

1. Delta do Parnaíba – Biodiversidade – Pesquisas. 2.

Ferreira – colab. IV. Título

Delta do Parnaíba – Ecologia. 3. Educação Ambiental – Delta – Litoral Pauiense. I. Alves, Maria Helena – colab. I. Andrade, Ivanilza Moreira de – colab. I. Lima, Eudes CDD – 574.5 ISBN. 978-85-7463538-5

O Delta do Rio Parnaíba é considerado o terceiro maior do mundo e o único encontrado no Continente Americano a desaguar diretamente no oceano, possui uma ampla área de cobertura com cerca de 2.750 Km², e é caracterizado como um complexo mosaico de ecossistemas entrecortados por baías e estuários. Situado entre os Estados do Piauí e Maranhão, caracteriza-se como uma região fluvio-marinha bastante dinâmica formada pela tensão ecológica entre as formações de Cerrado, Caatinga e Sistemas marinhos. Devido à sua alta produtividade primária é considerado como um santuário reprodutivo para inúmeras espécies migratórias.

Apesar da influência desses biomas e da grande extensão, pouco se sabe sobre a biodiversidade encontrada na região. Trabalhos que enfoquem a biodiversidade do Delta são recentes e bastante escassos. A grande heterogeneidade de ambientes encontrada no Delta oferece diferentes condições de hábitats, o que possibilita a distribuição da fauna e flora de acordo com as características ambientais adequadas para o desenvolvimento de cada espécie.

O objetivo desse livro foi organizar e divulgar as principais pesquisas desenvolvidas no Delta, tanto dos professores e alunos da UFPI e UESPI, quanto de ONGs locais, e está organizado em capítulos de forma a resgatar a ordem filogenética das espécies (Algas, Fungos, Plantas, Peixes, Anfíbios, Répteis, Aves e Mamíferos), e alguns desses capítulos apresentam o conhecimento tradicional das comunidades locais, outros caracterizam os principais aspectos socioeconômicos da região e há um fechamento do livro com atividades de educação ambiental, pois o homem, além de fazer parte do meio ambiente, quando consciente é responsável por sua manutenção.

Os autores

1. MACROALGAS VERDES DA APA DELTA DO PARNAÍBA, LITORAL PIAUIENSE

1.1. INTRODUÇÃO20
1.2. MATERIAL E MÉTODOS21
1.2.1. Área de coleta21
1.2.2. Coleta e processamento de material ficológico21
1.3. RESULTADOS E DISCUSSÃO2
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS30
2.1. INTRODUÇÃO35
2.2. MATERIAL E MÉTODOS40
2.3. RESULTADOS E DISCUSSSÃO42
2.4. CONCLUSÕES52
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS53

2. FUNGOS DA APA DELTA DO PARNAÍBA, LITORAL PIAUIENSE

3. DIVERSIDADE DE FANERÓGAMAS DO DELTA DO PARNAÍBA, LITORAL PIAUIENSE

3.1. INTRODUÇÃO63
3.2. MATERIAL E MÉTODOS64
3.2.1. Caracterização da área de estudo64
3.2.2. Metodologia65
3.3. RESULTADOS67
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS74
ESPÉCIES REGISTRADAS NO DELTA DO PARNAÍBA, LITORAL PIAUIENSE92
Vegetação do Delta do Parnaíba, litoral Piauiense110
4.1. O RIO PARNAÍBA116
4.2. O DELTA DO RIO PARNAÍBA116
4.3. OS PEIXES DO DELTA119
4.4. CONSIDERAÇÕES FINAIS137

5. ESPÉCIES COMERCIAIS DE PEIXES DO DELTA DO PARNAÍBA, LITORAL PIAUIENSE

5.1. INTRODUÇÃO140
5.2. OBJETIVOS141
5.3. METODOLOGIA141
5.4. RESULTADOS E DISCUSSÃO142
ESPÉCIES COMERCIAIS DE PEIXES DO DELTA DO PARNAÍBA151
5.5. CONCLUSÕES206
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS206

6. DIVERSIDADE DE ANFÍBIOS DO DELTA DO PARNAÍBA, LITORAL PIAUIENSE

6.1. INTRODUÇÃO209
6.2. MATERIAL E MÉTODOS213
6.2.1. Área de estudo213
6.2.2. Levantamento da anurofauna217
6.2.3. Análises estatísticas218
6.2.4. Variáveis ambientais220
6.2.5. Análise dos dados221
6.3. RESULTADOS224
6.3.1. Composição e estrutura das comunidades de anfíbios224
6.3.2. Ocorrência temporal236
6.3.3. Variáveis ambientais239
6.3.4. Relação entre as Comunidades de anfíbios e as variáveis ambientais240
6.4. DISCUSSÃO243
6.4.1. Composição e estrutura das comunidades de anfíbios243
6.4.2. Ocorrência temporal244
6.4.3. Variáveis ambientais246
6.4.4. Associação entre a composição das espécies e as variáveis locais248
6.5. CONCLUSÕES254
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS256
7.1. INTRODUÇÃO270
7.2 METODOLOGIA270
7.2.1. Levantamento de dados reprodutivos270
7.2.1.3. O monitoramento de ninho272
7.2.2. Levantamento de dados não reprodutivos273
7.2.2.1. Classificação causa mortis274
7.3 RESULTADOS275
7.3.1. ESPÉCIES DE QUELÔNIOS MARINHOS REGISTRADAS278
7.4. CONCLUSÕES288
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS288

8. DIVERSIDADE DE AVES DO DELTA DO PARNAÍBA, LITORAL PIAUIENSE

8.1. INTRODUÇÃO291
8.2. METODOLOGIA293
8.2.1. Descrição das áreas amostrais293
8.2.1.1. Aeroporto Internacional de Parnaíba293
8.2.1.2. Área de Segurança Aeroportuária do Aeroporto Internacional de Parnaíba294
8.2.1.3. Salina de Luis Correia294
8.2.1.4. Carnaúbal295
8.2.1.5. Usina Eólica da Pedra do Sal296
8.2.2. Métodos de levantamento da avifauna298
8.2.2.1 Levantamento qualitativo298
8.2.2.2. Captura, anilhamento e biometria299
8.2.2.3. Guildas tróficas301
8.3. RESULTADOS E DISCUSSÃO302
8.4. CONSIDERAÇÕES FINAIS314
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS323
ESPÉCIES DE AVES REGISTRADAS327
9.1. INTRODUÇÃO340
9.2. DESCRIÇÃO DAS ESPÉCIES DE MORCEGOS REGISTRADAS351
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS355

9. MORCEGOS DO DELTA DO PARNAÍBA, LITORAL PIAUIENSE

10. ETNOICTIOLOGIA PRATICADA PELOS PESCADORES DO DELTA DO PARNAÍBA, LITORAL PIAUIENSE

10.1. INTRODUÇÃO359
10.4. RESULTADOS E DISCUSSÃO360
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS362

1. ETNOECOLOGIA DO JACARETINGA Caiman crocodilus (Linnaeus, 1758) REPTILIA, ALLIGATORIDAE NO DELTA DO PARNAÍBA

1.1. INTRODUÇÃO364
1.2. MATERIAL E MÉTODOS366
1.2.1. Área de Estudo366
1.2.2.Pesquisa Etnoecológica367
1.2.3. Procedimentos de Amostragem368
1.2.4. Análise dos Dados369
1.3.RESULTADOS E DISCUSSÃO370
1.3.1 Perfil sócio-econômico dos entrevistados370
1.3.2. O homem e o meio em que vive372
1.3.3. Epítetos populares da espécie375
1.3.4. Abordagem Etnoecológica376
1.3.5. Utilização do jacaré como recurso380
1.3.6. A caça na região386
1.3.7. Conservação do jacaré390
1.3.8. Implicações para um manejo sustentável de Caiman crocodilus393
1.3.9 Acidentes com jacaré396
10.4. CONCLUSÕES398
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS400
12.1 INTRODUÇÃO409
12.2 O PAPEL DA SOCIEDADE NA APA DELTA DO PARNAÍBA410

12. ANÁLISE SOCIOAMBIENTAL DA APA DELTA DO PARNAÍBA

DO PARNAÍBA416
12.4. O TURISMO E A (IN)SUSTENTABILIDADE DAS COMUNIDADES431
12.5. CONSIDERAÇÕES FINAIS437
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS438

12.3 EDUCAÇÃO AMBIENTAL E OS RESÍDUOS SÓLIDOS URBANOS NA APA DELTA

13. CONSERVAÇÃO E EDUCAÇÃO AMBIENTAL: UMA PROPOSTA DO PROJETO TARTARUGAS DO DELTA (PI/MA)

13.2.1. Caracterização da área de estudo445
13.2.2. Amostragem446
13.2.3. Procedimentos448
13.3. RESULTADOS E DISCUSSÃO450
13.3.1. Atividades de Educação Ambiental desenvolvidas em 2011450
13.3.1.1. EA com docentes no litoral do Piauí450
13.3.1.2. EA com discentes do Ensino Fundamental no litoral do Piauí453
13.3.1.3. EA com discentes do Ensino Médio no litoral do Piauí455
13.3.1.4. EA não formal para turista no espaço temático do SESC Praia456
13.3.1.5. Pesquisa com Discentes sobre a Área de Proteção457
13.3.1.6. Mapas Mentais com Discentes sobre como vivem as Tartarugas Marinhas459
13.4. CONCLUSÕES463
REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS465

CAPÍTULO 1. MACROALGAS VERDES DA APA DELTA DO PARNAÍBA, LITORAL PIAUIENSE

Tabela 1.1. Distribuição dos táxons por local de amostragem25
Tabela 1.2. Distribuição dos táxons por substrato28
Figura 1.1. Acetabularia calyculus32
Figura 1.2. Bryopsis hypnoides32
Figura 1.3. Caulerpa cupressoides var. lycopodium32
Figura 1.4. Caulerpa racemosa var. occidentalis32
Figura 1.5. Caulerpa racemosa var. racemosa32
Figura 1.6. Caulerpa scalpelliformis32
Figura 1.7. Caulerpa sertularoides3
Figura 1.8. Cladophora vagabunda3
Figura 1.9. Codium isthmocladum3
Figura 1.10. Rizoclonium africanum3
Figura 1.1. Ulva fasciata3
Figura 1.12. Ulva lactuca3

CAPÍTULO 2. FUNGOS DA APA DELTA DO PARNAÍBA, LITORAL

PIAUIENSE Tabela 2.1. Táxons de Macrofungos (Ascomycota e Basidiomycota) de áreas da APA

(substratos)50

Tabela 2.2. Macrofungos coletados no APA Delta do Parnaíba e seus respectivos habitats Figura 2.1. Representação das Ordens do Filo Basidiomycota registradas para o APA

Delta do Parnaíba, Nordeste brasileiro57

Figura 2.2. Representação das famílias da ordem Agaricales registradas para o APA

Delta do Parnaíba, Nordeste brasileiro57

Figura 2.3. A- Leucoprinus birnbaumii; B-Marasmius haematocephalus; C- M. siccus; D-

Panaeolus antillarium; E- Parasola plicatilis58

Figura 2.4. A- Coprinopsis radiata; B- Parasola setulosa; C- Coprinopsis nivea; D-

Parasola sp59

Figura 2.5. A- Psilocybe coprophila; B- Hexagonia hydnoides; C- Mycena sp.; D-

Cymatoderma elegans; E- Crepidotus variabilis60

Figura 2.6. A- Lentinus crinitus; B- Polyporus badius; C- Clathrus chrysomycelinus; D-

Dictyophora duplicata; E- Auricularia polytricha61

CAPÍTULO 3. DIVERSIDADE DE FANERÓGAMAS DO DELTA DO PARNAÍBA, LITORAL PIAUIENSE

Tabela 3. Lista das famílias e espécies registradas para o Delta do Parnaíba litoral piauiense, e depositadas no herbário HDELTA da Universidade Federal do Piauí, Campus

Parnaíba/PI7
Piauiense67

Figura. 3.1. Localização dos pontos de coleta de fanerógamas nos municípios do Litoral

do Delta do Parnaíba, porção piauiense68

Figura 3.2. Distribuição do número de espécies (%) por família na área total amostrada

Figuras 3.3-3.8. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.3. Avicennia germinans (L.) L. – Ramo com fruto; 3.4. Avicennia germinans (L.) L. – Ramo com flor; 3.5. Echinodorus paniculatus Micheli; 3.6. Crinum americanum L. – Flor; 3.7.

Crinum americanum L. – Fruto; 3.8. Anacardium ocidentale L92

Figuras 3.9-3.14. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.9. Aspidosperma pyrifolium Mart.; 3.10. Lemna valdiviana Phil; 3.1. Montrichardia linifera (Arruda) Schott; 3.12. Philodendron acutatum Schott; 3.13. Pistia stratiotes L.; 3.14.

Astrocaryum vulgare Mart93

Figuras 3.15-3.18. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.15. Cocos nucifera L.; 3.16. Copernicia prunifera (Mill.) H.E. Moore – hábito; 3.17.

Copernicia prunifera (Mill.) H.E. Moore – Fruto; 3.18. Elaeis guineensis Jacq. – Hábito...94

Figuras 3.19-3.24. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.19. Elaeis guineensis Jacq. – Infrutescência; 3.20. Mauritia flexuosa L. f.; 3.21. Mikania cordifolia (L.f.) Willd.; 3.2. Bixa orellana L.; 3.23. Cordia sp.; 3.24. Heliotropium

Figuras 3.25-3.30. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.25. Chrysobalanus icaco L.; 3.26. Conocarpus erectus L.; 3.27. Laguncularia racemosa (L.) C.F. Gaertn;; 3.28. Ipomoea asarifolia Roem & Schult Gaertn; 3.29. Abrus precatorius

L. – Ramo com flor; 3.30. Abrus precatorius L. – Ramos com fruto96

Figuras 3.31-3.35. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.35. Aeschynomene viscidula Michx; 3.32. Caesalpinia pulcherrima (L.) Sw.; 3.3. Centrosema brasilianum (L.) Benth.; 3.34. Chamaecrista hispidula (Vahl) H. S. Irwin &

Barneby; 3.35. Chamaecrista ramosa (Vogel) H. S. & Barneby. – Flor97

Figuras 3.36-3.41. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.36. Chamaecrista ramosa (Vogel) H. S. Irwin Irwin & Barneby. – Hábito; 3.37. Clitoria fairchildiana R. A. Howard; 3.38. Crotalaria pallida Aiton; 3.39. Crotalaria retusa L.; 3.40.

Dioclea grandiflora Mart. ex Benth.; 3.41. Indigofera microcarpa Desv98

Figuras 3.42-3.49. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.42. Indigofera suffruticosa Mill; 3.43. Libidibia ferrea (Mart. ex Tul.) L.P. Queiroz; 3.4. Ludwigia lagunae (Morong) H. Hara; 3.45. Machaerium lunatum (L. f.) Ducke – Inflorescência; 3.46. Machaerium lunatum (L. f.) Ducke – Fruto; 3.47. Macroptilium

lathyroides (L.) Urb; 3.48. Mimosa caesalpiniifolia Benth; 3.49. Mimosa pigra L9

Figuras 3.50-3.5. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.50. Mucuna sloanei Fawc. & Rendle - Inflorescência; 3.51. Mucuna sloanei Fawc. & Rendle -Fruto; 3.52. Neptunia plena (L.) Benth – Hábito; 3.53. Neptunia plena (L.) Benth –

Flor; 3.54. Parkinsonia aculeata L.; 3.5. Senna alata (L.) Roxb100

Figuras 3.56-3.61. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.56. Senna occidentalis (L.) Link. Flor; 3.57. Senna occidentalis (L.) Link. Hábito; 3.58. Senna splendida (Vogel) H. S. Irwin & Barneby; 3.59. Stylosanthes humilis Kunth ; 3.60.

Tephrosia purpurea (L.) Pers; 3.61. Zornia latifolia Sm101

Figuras 3.62-3.67. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.62. Schultesia aptera Cham - Hábito; 3.63. Schultesia aptera Cham - Hábito; 3.64. Psittacanthus sp.; 3.65. Byrsonima gardneriana A. Juss; 3.6. Helicteres muscosa Mart.;

3.67. Hibiscus bifurcatus Cav102

Figuras 3.68-3.73. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.68. Hibiscus pernambucensis Arruda; 3.69. Pavonia cancellata (L.) Cav.; 3.70. Pavonia sessiliflora Kunth; 3.71. Mouriri pusa Gardner; 3.72. Nymphoides indica (L.) Kuntze –

Hábito; 3.73. Nymphoides indica (L.) Kuntze – Flor103

Figuras 3.74-3.7. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.74. Catasetum barbatum (Lindl.) Lindl. - Flor feminina; 3.75. Catasetum barbatum

(Lindl.) Lindl. - Flor masculina; 3.76. Scoparia dulcis L.; 3.7. Cenchrus echinatus L....104

Figuras 3.78-3.82. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.78. Cloris sp.; 3.79. Cynodon dactylon (L.) Pers.; 3.80. Dactyloctenium aegyptium (L.)

Willd.; 3.81. Eleocharis sp.; 3.82. Eleusine indica (L.) Gaertn105

Figuras 3.83-3.86. Espécies registradas para o Delta do Parnaíba, porção Piauiense. 3.83. Eragrostis ciliares (L.) R. Br.; 3.84. Eragrostis tenella (L.) P. Beauv. ex Roem. &

(Parte 1 de 7)

Comentários