Cartilha recomposição florestal de matas ciliares

Cartilha recomposição florestal de matas ciliares

(Parte 3 de 3)

Nome Científico

Luehea sp. Schinus terebentifolius Lithraea sp. Pithecellobium multiflorum Croton floribundus

Rapanea floribundus Vismia Spp. Tabebuis caraíba

Cecropia spp. Aegiphyla sellowiana Casearia silvestris Trema micrantha Inga spp.

Tabebuia sp. Mimosa spp. Couma guianensis Erytrina spp. Miconia spp. Byrsonima spp. Bauhinia spp. Tapirira guia

Xylopia sericea Tibouchina spp. Mimosa caesalpinifolia

Ambiente

Diversos ambientes Diversos ambientes Caatinga Diversos ambientes Diversos ambientes

Diversos ambientes Mata Atlântica Caatinga, mata de cipó, mata seca Diversos ambientes Mata Atlântica Diversos ambientes Diversos ambientes Diversos ambientes

Diversos ambientes Caatinga Diversos ambientes Diversos ambientes Mata Atlântica Diversos ambientes Diversos ambientes Diversos ambientes

Diversos ambientes Diversos ambientes Diversos ambientes

Adaptado a Locais raramente inundados raramente inundados raramente inundados raramente inundados alagadiços e brejões inundados periodicamente inundados periodicamente inundados periodicamente alagadiços e brejões raramente inundados raramente inundados raramente inundados inundados periodicamente alagadiços e brejões raramente inundados inundados periodicamente alagadiços e brejões raramente inundados raramente inundados raramente inundados alagadiços e brejões raramente inundados raramente inundados inundados periodicamente raramente inundados dicinais etc.), desde que não seja para retirada de madeira. O objetivo é gerar retorno futuro ao produtor rural que, plantando dessa forma, poderá mudar aos poucos o sistema de produção em sua terra e ainda contribuir para que todos tenham água futuramente. No caso de utilizar árvores frutíferas, recomenda-se que sejam plantadas nas linhas mais afastadas da margem do rio.

Sugestão de espécies para recomposição de matas ciliares Grupo Ecológico: Não Pioneiras

Nome Comum

Angico Araçá-d’água Aroeira Cedro-d’água, louro d’água Coco-d’anta Gonçalo-alves Guapuruvu Itapicurú Jatoba Jitaí-amarelo Jitaí-preto Olandi, landirona Óleo-de-copaíba, pau-d’óleo Pau-brasil Pau-ferro Pequi Sibipiruna

Nome Científico

Anadenanthera sp. Terminalia brasiliensis Myracrodruon urundeuva Vochysia tucanorum Amanoa guianensis Astronium fraxinifolium Schizolobium parahyba Goniorrachis marginata Hymenaea couorbaril Apuleia leiocarpa Dialium guianensis Symphonia globulifera Copahifera langsdorfii Caesalpinia echinata Caesalpinia ferrea Caryocar edulis Caesalpinia peltophoroides

Ambiente

Caatinga Mata Atlântica Diversos Ambientes Diversos Ambientes Mata Atlântica Caatinga Diversos Ambientes Caatinga Diversos Ambientes Mata Atlântica Mata Atlântica Mata Atlântica Diversos Ambientes Mata Atlântica Caatinga Mata Atlântica Diversos Ambientes

Adaptado a Locais raramente inundados inundados periodicamente raramente inundados inundados periodicamente inundados periodicamente raramente inundados raramente inundados raramente inundados raramente inundados inundados periodicamente inundados periodicamente inundados periodicamente raramente inundados inundados periodicamente raramente inundados inundados periodicamente raramente inundados

Sugestão de espécies para recomposição de matas ciliares

Uso Econômico

Nome Comum

Abacateiro Açaí Araçá Cajazeira Cupuaçu Goiabeira Jaqueira Jenipapo Mangueira Nêspera Pitanga Pupunha Siriguela Umbuzeiro

Nome Científico

Persea americana Euterpe Oleracea E. precatoria Psidum spp. Spondias mombin Theobroma grandiflora Psidium guajava Artocarpus integrifolia Genipa americana Mangifera indica Eribotrya japonica Eugenia uniflora Bactris gasipaes Spondias purpurea Spondias tuberosa

Ambiente

América Central Amazônia Amazônia Mata Atlântica Mata Atlântica América Tropical Ásia Amazônia Índia Japão Sul e Sudeste do Brasil América Tropical América do Sul Caatinga

Adaptado a Locais raramente inundados raramente inundados raramente inundados raramente inundados raramente inundados raramente inundados raramente inundados raramente inundados raramente inundados raramente inundados raramente inundados raramente inundados raramente inundados raramente inundados

recuperação das matas ciliares?

8. Como você pode contribuir para a

Cada indivíduo, associação ou instituição pode agir preservando-as ou recuperando-as.

“Todos têm direito ao meio ambiente ecologicamente equilibrado, bem de uso comum do povo e essencial à sadia qualidade de vida, impondo-se ao poder público e à coletividade o dever de defendê-lo e preservá-lo para as presentes e futuras gerações”. Constituição Federal de 1988, art. 225

Há muitas formas de ajudarmos na proteção do meio ambiente. Você já pensou no que pode fazer?

1. Auxiliar na fiscalização

• Denunciar e cobrar dos órgãos-públicos, responsáveis pela proteção ambiental, irregularidades em sua região. Veja uma lista com algumas instituições que você pode procurar no item A QUEM DEVO PROCURAR.

• Procurar o promotor público de sua cidade ou região, pois ele também possui poderes para deter e punir agressores das Áreas de Preservação Permanente e da Reserva Legal, que corresponde a 20% da área da propriedade rural, devendo ser protegida por lei.

• Organizar-se e procurar a secretaria municipal de meio ambiente, o conselho municipal de meio ambiente de sua cidade, ou outras entidades que atuam em prol da conservação ambiental, como as ong’s e as comissões municipais de usuários da água.

• Denunciar aos meios de comunicação (jornais, revistas, rádio, televisão, serviço de alto-falante etc.) todas as ações contrárias à proteção das áreas protegidas por lei, ou qualquer abuso às florestas nativas.

2. Divulgar, informar e educar

• Marcar uma palestra em sua escola, no seu trabalho, na sua associação para falar da importância e dos benefícios do meio ambiente equilibrado. • Formar grupos de estudo, pesquisar sobre as formas de sobrevivência em harmonia

com a natureza. Você se surpreenderá com a quantidade de soluções que o ser humano já encontrou para isso.

• Convidar técnicos dos órgãos ambientais de sua região para palestras, encontros, eventos e cursos que você e sua entidade organizarem.

3. Preservar e recuperar

• Deixar preservadas as matas que margeiam os rios e envolvem as nascentes com sua cobertura natural e manter as áreas de Reserva Legal da sua propriedade para seu benefício futuro.

• Evitar o uso do fogo na agricultura e na pecuária. Solicite a visita de um técnico à sua propriedade ou associação para mostrar alternativas a esse hábito antigo do fogo na roça.

• Recuperar áreas em sua propriedade ou fazer mutirões para recuperar áreas comuns, que necessitem de cobertura de árvores.

• Se na propriedade tem uma área com mata bonita e de grande porte, pode transformála em Reserva Particular do Patrimônio Natural – RPPN, podendo utilizá-la em empreendimentos turísticos, pesquisas científicas etc. Converse com o técnico do IBAMA mais próximo de você.

• Se você morar perto de uma Área de proteção Ambiental (APA), Parque, reserva Biológica ou outra Unidade de Conservação da Natureza, procure se envolver nas reuniões de Conselho Gestor.

Aprenda a tirar proveito por morar em uma área privilegiada!

Ao protegermos as matas ciliares, as nascentes e a reserva legal estamos investindo para:

– Garantir água de boa qualidade no presente e para o futuro; – Conservar o solo fértil de boa qualidade;

– Conservar e recuperar a diversidade de plantas e animais da região;

– Conservar a quantidade de peixes nos rios;

– Possibilitar maiores opções do uso de plantas para fins medicinais, econômicos etc;

– Conservar a beleza das paisagens naturais, podendo utilizá-las para estudos, turismo, lazer, dentre outras atividades benéficas.

. Para saber mais...

...sobre matas ciliares e sua recuperação, você pode procurar referência numa biblioteca, comprar livros numa livraria especializada em meio ambiente, ou ainda pesquisar na Internet. Você se surpreenderá com a quantidade de informações que irá encontrar.

Veja aqui algumas boas referências sobre o assunto:

• A DECISÃO DE PRESERVAR: A Mata Ripária do Jaguará-Mirim-SP. Cristina Maria do Amaral Azevedo. São Paulo: Annablume/ FAPESP, 2000.

• A MATA ATLÂNTICA E VOCÊ: como preservar, recuperar e se beneficiar da mais ameaçada floresta brasileira. Wigold Schaffer & Miriam Prochnow. Brasília: Apremavi, 2002.

• CADERNO Nº03: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS DEGRADADAS DA MATA ATLÂNTI-

CA. Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. São Paulo: CESP, 1996.

• CADERNO Nº14: RECUPERAÇÃO DE ÁREAS FLORESTAIS DEGRADADAS UTI-

LIZANDO A SUCESSÃO E AS INTERAÇÕES PLANTA-ANIMAL. Conselho Nacional da Reserva da Biosfera da Mata Atlântica. São Paulo: CETESB, 1999

• CERRADO: mata de galeria. José Felipe Ribeiro. Planaltina: EMBRAPA-CPAC, 1998.

• MATAS CILIARES: conservação e recuperação. Ricardo Rodrigues & Hermógenes de Freitas Leitão Filho. São Paulo: EDUSP, 2000.

• RECUPERAÇÃO AMBIENTAL DA MATA ATLÂNTICA. Danilo sette de Almeida. EDITUS/UESC, 2000.

• RECUPERAÇÃO DE MATAS CILIARES. Sebastião Venâncio Martins. Viçosa: Aprenda Fácil, 2001.

10. Vamos relembrar o que aprendemos? CRUZADA FLORESTAL

1Um dos locais onde a mata ciliar deve ser plantada.
2Atividade que deve ser feita por todo cidadão nas áreas degradadas.
3Etapa da recomposição que deve ser feita visando a proteção do local de plantio contra a invasão de
4Denominação da área onde não é permitida a retirada da vegetação por motivo de proteção do solo
5Na escolhadas espécies parra o plantio de matas ciliares, deve-se por prioridades para aquelas que
6Processo pelo qual a floresta se torna adulta através da substituição gradual das espécies pioneiras por
7É considerada Área de Preservação Permanente e possui faixa de proteção correspondente a uma área
8Assim como os cílios protegem nossos olhos, a mata _ protege as águas das impurezas
9Atividade de grande importância para produção de mudas.

animais. e/ou da água. forem _. não pioneiras. de 50 metros ao seu redor. e poluentes. 10. Espécie de árvore pioneira muito utilizada para recomposição de matas ciliares e adaptada a locais inundados periodicamente. 1. Procedimento indispensável que evita a competição das plantas invasoras com as mudas. 12. Um dos problemas causados pela ausência de matas ciliares e que causa a redução da produtividade do rio. 13. Atividade de caráter contínuo que garante que as mudas irão vingar. 14. Período ideal para o plantio e que aumenta as chances de seu sucesso.

Agênda Nacional de Águas - ANA

Entidade w.ana.gov.br

Centro de Estudos da Saúde do Trabalhador - CESAT

w.cra.ba.gov.br

Centro de Recursos Ambientais - CRA w.seia.ba.gov.br

Regional - CAR/ w.car.ba.gov.br

Companhia de Desenvolvimento e Ação

Urbano do Estado da Bahia - CONDER

Companhia de Desenvolvimento w.conder.ba.gov.br

Companhia de Política de Proteção Ambiental - COPPA

Empresa Baiana de Águas e Saneamento - EMBASA w.embasa.ba.gov.br

Empresa Baiana de Desenvolvimento Agrícola S.A. - EBDA / w.ebda.ba.gov.br

Fundação Jorge Duprat Figueiredo de Segurança e Medicina do Trabalho - FUNDACENTRO - Centro Regional da Bahia w.fundacentro.gov.br/crba

IBAMA

w.ibama.gov.br

Secretaria de Saúde do estado da Bahia - SESAB w.saude.ba.gov.br

Superintendencia de Biodiversidade, Florestas e Unidades de Conservação (SFC) / SEMARH - w.semarh.ba.gov.br

Superintendencia de Recursos Hídricos - SRH w.srh.ba.gov.br

Área de Atuação

Outorga e fiscalização em rios, comitês de Bacia, Conservação da água.

Saúde do trabalhador, agratóxicos.

Esgoto industrial, odores e fumaças gerados por empresas industriais, retirada de areia, transporte irregular de carga perigosas, vazamento de óleo, poluição por matadouros e salgadeiras, desmatamento, queimados. Licenciamento Ambiental, Educação Ambiental.

Desenvolvimento Regional e Geração de renda.

Desenvolvimento Urbano, Saneamento Urbano - Lixo, Educação Ambiental.

Crimes ambientais em geral.

Abastecimento d’água, vazamentos, esgotos, Educação Ambiental.

Assistência técnica e extensão rural

Saúde de trabalhador, agrotóxicos.

Caça, cativeiro e venda de animais silvestres, pesquisa e lavra de recursos minerais e de jazidas petrolíferas, aproveitamento de energia hidráulica, atividades de alto risco de poluição, desmatamento, queimadas. Gestão de Unidades de Conservação, Licenciamento Ambiental, Educação Ambiental.

Prevenção de doenças, epidemias.

Desmatamento, queimadas, Gestão de Unidades de Conservação, Recuperação de áreas Degradadas, Educação Ambiental.

Outorga, Barragens, conflito de uso da água, Comitê de Bacia, Educação Ambiental.

Telefone (61) 2109-5400

(71) 3336-0012

(71) 3115-3940 (71) 3117-3400

(71) 3117-4475 (71) 3372-4898

(71) 3116-1800 (71) 3272-8850

(71) 3116-5622 (71) 3115-3801

(71) 3116-3200

LEMBRE-SE! Cada órgão acima possui uma representação mais próxima de você. Procure saber onde fica, ligue, informese, cobre, faça parcerias. Somente trabalhando juntos poderemos construir um futuro melhor para todos!

A quem devo procurar? Algumas instituições que atuam na proteção Ambiental em nosso Estado.

Av. Luiz Viana Filho – Centro Administrativo da Bahia – CAB, 3ª Av. nº 390 Plataforma IV Ala Norte – 4ºandar, Cep: 49.705-0 Salvador - Bahia

Para maiores informações:

Diretoria de Áreas Florestais – DAF

Tel.: (71) 3115-9811 Fax.: (71) 3115-6105 w.semarh.ba.gov.br pronafflorestal@semarh.ba.gov.br

(Parte 3 de 3)

Comentários