Construção de Redes de MT/BT

Construção de Redes de MT/BT

(Parte 1 de 9)

CAMPUS CEDRO

PROFESSOR TECNÓLOGO MOISÉS GOMES DE LIMA

APOSTILA DE CONSTRUÇÃO DE REDES DE DISTRIBUIÇÃO

CEDRO

2011

Índice

1. Introdução............................................................................................................

3

1.1 Tipos de Redes de Energia Elétrica...................................................................

3

1.1.1 Linhas de Transmissão.................................................................................

3

1.1.2 Linhas de Distribuição.................................................................................

4

2. Terminologia........................................................................................................

5

3. Estruturas de redes de distribuição.......................................................................

13

3.1 Postes.................................................................................................................

13

3.2 Isoladores...........................................................................................................

17

3.2.1 Isoladores de BT.............................................................................................

17

3.2.2 Isoladores de MT............................................................................................

18

3.3 Condutores.........................................................................................................

19

3.4 Outras estruturas................................................................................................

21

3.4.1 Estruturas Primárias (de MT) .........................................................................

21

3.4.2 Estruturas Secundárias (de BT) ......................................................................

25

4. Equipamentos de redes de distribuição................................................................

28

4.1 Transformadores................................................................................................

28

4.2 Chave Fusível.....................................................................................................

31

4.3 Chave Seccionadora...........................................................................................

32

4.4 Pára-raios...........................................................................................................

32

5. Construção de Redes de Distribuição..................................................................

33

5.1 Materiais de Segurança......................................................................................

33

5.2 Ferramentas e Equipamentos.............................................................................

40

5.3 Recomendações sobre cuidados dos equipamentos...........................................

45

5.4 Turmas e equipes de construção........................................................................

45

5.4.1 Turma de duas pessoas....................................................................................

45

5.4.2 Turma de quatro pessoas.................................................................................

46

5.4.3 Turma de sete pessoas.....................................................................................

46

5.5 Passos para execução de construção de redes....................................................

47

5.6 As Cinco Regras de Ouro...................................................................................

47

5.7 Procedimentos de execução...............................................................................

48

6. Bibliografia..........................................................................................................

51

1. Introdução

Nos últimos anos os investimentos para construção de redes em todo o país têm crescido com o apoio do Poder Público e das concessionárias de energia elétrica fazendo com que quantidades significativas de famílias tenham sido beneficiadas. No entanto, ainda há muitos sem tal beneficio e, portanto, ainda há muito que se construir de redes elétricas. Já as redes construídas por sua vez necessitarão ser mantidas para garantir o uso de tal benefício, onde entra o papel da manutenção que tem por objetivo eliminar anomalias e defeitos das redes para garantir a continuidade do serviço.

A energia elétrica que utilizamos em nossas casas chega até nós de uma fonte geradora geralmente distante e que para transmiti-la se faz necessária a construção de redes. Estas redes têm características diferentes umas das outras de acordo com a quantidade de energia que ela transporta e são divididas basicamente em dois tipos:

  • Redes de Transmissão

  • Redes de Distribuição

Neste material procuraremos demonstrar aspectos da construção e manutenção de Redes de Distribuição. Adotaremos os padrões vigentes da concessionária de distribuição de energia elétrica do Ceará, nosso Estado.

1.1 Tipos de Redes de Energia Elétrica

1.1.1 Linhas de Transmissão

As linhas de transmissão transportam grandes blocos de energia em uma elevada tensão para uma subestação onde estes níveis de energia serão rebaixados. Falando de um jeito bem simples e como o próprio nome diz, elas “transmitem” a energia das hidrelétricas para as subestações das concessionárias de energia.

Imagem 1 – Linhas de Transmissão de 230kV e 500kV.

Imagem 2 – Linha de subtransmissão em 69kV.

1.1.2 Linhas de Distribuição

Estas são as linhas que geralmente vemos passar diante de nossas casas e que nos trazem energia elétrica. Elas recebem a energia transmitida pelas linhas de transmissão para as subestações e espalham para os consumidores. Também falando de um jeito simples elas “distribuem” a energia das subestações para nós consumidores.

Como dito anteriormente, serão nestas redes que vamos focar nosso estudo.

Imagem 3 – Rede de distribuição.

2. Terminologia

A seguir apresentamos alguns termos utilizados nesta área e seus significados para melhor nos familiarizarmos com o que vamos estudar.

ALIMENTADOR DE DISTRIBUIÇÃO

Componente de uma rede de Média Tensão que alimenta, diretamente ou por intermédio de seus ramais, transformadores de distribuição e/ou consumidores.

Imagem 4 – Alimentador SNP01N4 que parte da cidade de Senador Pompeu para Piquet Carneiro. Em destaque no canto superior direito o Distrito de Mulungu, Piquet Carneiro.

Imagem 5 – Saída do alimentador ICH01I3 na cidade de Icó/CE.

ATERRAMENTO

Ligação à terra de todas as partes metálicas não energizadas de uma instalação, incluindo o NEUTRO da rede e da instalação.

BAIXA TENSÃO - BT

Tensão nominal até o limite de 1.000 volts.

CABO COCÊNTRICO

Cabo bipolar, formado por um condutor central isolado, rodeado concentricamente por um conjunto de fios de cobre nu, dispostos de forma helicoidal e com uma cobertura isolante, resistente a ação de intempéries.

CABO MULTIPLEXADO OU PRÉ-REUNIDO

Cabo formado por um, dois ou três condutores isolados, utilizados como condutores fase, dispostos helicoidalmente em torno de um condutor neutro de sustentação, constituído normalmente de material diferente (liga de alumínio ou cobre duro ou semi-duro) diferente do condutor fase, de maneira que possua mais resistência mecânica para sustentar os outros pré-reunidos em sua volta.

Imagem 6 – Detalhe de cabo multiplexado.

CAIXA DE DERIVAÇÃO

Caixa em policarbonato liga de alumínio ou aço pintado, fixada no poste ou suspensa (somente em policarbonato) nos condutores de Baixa Tensão isolados (pré-reunido), equipada com barramento para derivação dos ramais de ligação das unidades consumidoras, com uso de cabos concêntricos 4mm² até 10mm², furo de 5mm² para saídas e 6mm² para entrada para uso de cabos pré-reunido de 16mm².

Imagem 7 – Caixa de derivação

CAIXA DE MEDIÇÃO

Caixa lacrável, destinada a instalação do medidor e seus acessórios. Esta caixa deve abrigar somente os equipamentos de medição e a proteção geral.

CAIXA DE PROTEÇÃO

Caixa em policarbonato, liga de alumínio ou aço pintado, fixação em poste, destinada à instalação do disjuntor de BT para proteção da rede secundária, montada na estrutura do transformador. O material usado deve ser compatível com a área de utilização, ou seja, caixas de aço nas áreas de corrosão não agressiva e alumínio nas áreas de corrosão agressiva e policarbonato em ambas as áreas.

CALÇADA OU PASSEIO

Parte da via pública destinada à circulação de pedestres, quase sempre mais alta que a parte destinada aos veículos e geralmente limitada pelo meio fio.

CARGA INSTALADA

É a soma das potências nominais de todos os aparelhos, equipamentos e dispositivos instalados nas dependências das unidades consumidoras, os quais, em qualquer tempo, podem consumir energia elétrica.

CERCA ELETRIFICADA

São cercas energizadas por meio de um equipamento denominado eletrificador, que emite pulsos elétricos pré-determinados, com intensidade inofensiva ao homem e aos animais.

CONECTOR PERFURANTE

Conector destinado a fazer a conexão entre condutores isolados sem a necessidade de se remover a isolação dos cabos. A conexão elétrica é obtida através de dentes de cobre ou alumínio, que perfuram a isolação do condutor.

CONSUMIDOR

Pessoa física ou jurídica, ou comunhão de fato ou de direito, legalmente representada, que solicitar a Coelce o fornecimento de energia elétrica e assumir a responsabilidade pelo pagamento das faturas e pelas demais obrigações fixadas em normas e regulamentos da ANEEL.

DISJUNTOR TERMOMAGNETICO

Dispositivo de proteção e manobra destinado a proteger os condutores e demais equipamentos da unidade consumidora contra sobrecarga e curto-circuito.

DISJUNTOR TERMOMAGNÉTICO DIFERENCIAL RESIDUAL

É o equipamento destinado a proteção de pessoas contra choques elétricos e as instalações elétricas contra incêndio, corrente de fuga e curto-circuito nas condições descritas pela NBR 5410.

Deve ter os seguintes disparadores:

a) disparador magnético (instantâneo) que atua a partir de sobre-correntes e garante a proteção dos condutores contra correntes de curto-circuito;

(Parte 1 de 9)

Comentários