(Parte 6 de 8)

Os relatos dos trabalhadores revelaram a escassez de espaços de reflexão nas instituições que favoreçam a problematização dos processos de trabalho, o que foi apontado como importante para diluir os tensionamentos e compartilhar as experiências, especialmente pela progressiva apropriação do papel dos trabalhadores nas transformações e cogestão do SUS.

A crescente grupalidade experenciada no grupo e a oportunidade de estar em roda foram mencionadas na avaliação feita pelos participantes como pontos positivos no processo, sendo que após a realização do último módulo alguns subgrupos permanecerem em contato regular para planejar e executar alguns encaminhamentos pactuados ao final das atividades.

Na avaliação dos participantes, foi destacado que há conteúdos que mereceriam um maior aprofundamento como, por exemplo, cogestão, rede e avaliação. O que se observa nesses espaços de formação é que há uma demanda por parte dos trabalhadores do SUS-Pará em direção ao aprofundamento de sua compreensão sobre a PNH e sobre os referenciais téorico-metodológicos que a sustentam, o que talvez se exprima na angústia inicial já

Cadernos HumanizaSUS relatada, quando os participantes entram em contato com a proposta. No entanto, quando a abordagem dos temas ocorre de forma sistemática, parece haver uma maior facilidade para compreender o significado e a forma de operacionalização da PNH, o que se verificou através dos elogios feitos à forma de apresentação de um dos consultores.

Foi necessário trabalhar junto aos participantes a análise do processo de formação mais do que seu produto, visto que durante o acompanhamento percebia-se uma preocupação na apresentação de uma descrição do cenário, em detrimento de uma observação mais analítica dos processos e forças em ação operando sobre este. O acompanhamento aos apoiadores revelou que nem todos conseguiram construir grupalidades para a elaboração da análise, o que se refletiu, em alguns casos, em descrições predominantemente focadas em uma ótica pessoal. Talvez este tipo de enfoque tenha sido reforçado por equívocos na condução metodológica do processo que focalizaram a importância da tarefa, de certa forma com um direcionamento previamente estabelecido, já que foi entregue aos participantes a sugestão de um roteiro para realização da análise.

Embora em muitos momentos os participantes identificassem problemas na gestão dos serviços, a análise das dificuldades ainda se manteve centrada em questões macroestruturais. Um aspecto frequentemente citado nas apresentações foi o desconhecimento do SUS por parte dos trabalhadores e a crença de que as mudanças só ocorrem quando há apoio da gestão, conteúdo que repetia uma análise inicial dos participantes quando o curso se iniciou. Neste sentido, observa-se a necessidade de que os processos de formação produzam nos atores envolvidos a percepção de que a humanização, longe de ser uma proposta romântica e idealizada, é sobretudo uma proposta de transformação dos processos de trabalho, que visa colocar em análise idéias e práticas vigentes que fortalecem a alienação e o não-engajamento da maioria dos trabalhadores.

Considerando o que foi abordado anteriormente, faz-se necessário que a análise de cenário seja entendida como uma oportunidade de exercitar constantemente a problematização dos processos de trabalho por meio do fortalecimento do trabalho em rede, o que certamente auxilia a compreensão das forças que mantêm os campos problemáticos em saúde. Mais do que uma tarefa, é um exercício constante que requer do trabalhador a capacidade para colocar em análise o seu próprio lugar. Em relação a isto, muitos trabalhadores relataram que a realização da análise propiciou um olhar e escuta mais apurados sobre seus cotidianos de trabalho, aumentando a compreensão de seu papel como apoiadores da PNH. Como relataram alguns participantes, foi o “aprender-fazendo” que tornou possível compreender a proposta da Política Nacional de Humanização.

O desafio de “mudar para intervir” (BENEVIDES; PASSOS, 2005b) foi ressaltado nas discussões quando foi mencionada a inversão metodológica proposta pela PNH no que se

Cadernos HumanizaSUS

Formação refere à investigação/intervenção sobre os campos problemáticos. De forma interessante, alguns relatos demonstraram que a realização da análise de cenário desperta a atenção dos outros trabalhadores. Neste sentido, cabe mencionar que alguns participantes já foram convidados para apresentar suas análises de cenário nos seus espaços de trabalho, entretanto, as motivações para esta demanda ainda precisam ser melhor compreendidas.

Outro aspecto que merece destaque refere-se ao fato de que alguns apoiadores, no decorrer do curso foram convidados para ocuparem funções de gestão no SUS, fato que inclusive produziu dúvidas quanto à tarefa proposta, em função das mudanças no espaço de trabalho. Esta experiência reforça mais uma vez a necessidade de que a análise de cenário extrapole a dimensão do espaço físico onde se insere o apoiador, sendo flexibilizada para incluir também os processos de transição e deslocamento que às vezes ocorrem de maneira imprevista, incluindo-os também como componentes do cenário analisado.

A análise preliminar da formação em saúde sob o enfoque da PNH

De modo geral, a avaliação do processo de formação no Estado do Pará é positiva, considerando que já são percebidos alguns efeitos do processo, a exemplo da participação dos apoiadores nas atividades promovidas pela Coordenação Estadual de Humanização em parceria com a PNH, durante o Fórum Social Mundial, realizado em Belém, no período de 26 de janeiro a 2 de fevereiro de 2009.

Após o término do curso, trabalhadores inseridos na formação decidiram implementar o Núcleo de Humanização e Saúde Mental, que realiza reuniões periódicas para programar conjuntamente as ações neste campo, como um exercício de aposta na cogestão. Do modo semelhante, o Coletivo da Atenção Básica, também formado por apoiadores, continua suas reuniões periódicas, com uma programação de atividades que incluem a realização de eventos de sensibilização sobre a PNH para os trabalhadores do SUS.

No início do mês de julho de 2009, Parauapebas realizou o IV Seminário Municipal de Humanização, com a participação dos apoiadores no planejamento e execução da programação do evento. Poucos dias antes, a Coordenação Estadual, em parceria com uma das apoiadoras que integraram o curso, realizou uma ação conjunta com o Museu Emílio Goeldi e UNICEF, com o objetivo de discutir a saúde indígena à luz da PNH, tendo como alvo as tribos Gavião e Uai-Uai, localizadas respectivamente nos municípios de Marabá e Oriximiná.

Como afirma CAMPOS (2005a), no debate sobre a humanização há que se contemplarem duas dimensões. A primeira refere-se à necessidade de produção de novas

Cadernos HumanizaSUS utopias, enquanto que a segunda refere-se à capacidade de interferir nas práticas em saúde. Como o Pará vem passando por uma renovação de mão-de-obra com ingresso de novos concursados, haja vista que tradicionalmente grande parte dos cargos públicos era frequentemente ocupada por servidores temporários, acredita-se na possibilidade de uma maior continuidade nas ações à medida que as pessoas exercitem sua capacidade de refletir sobre os processos de trabalho. Diferentemente do passado, os trabalhadores incluídos nas ações de formação possuem vínculos estáveis com o trabalho, o que tende a aumentar o seu envolvimento nas transformações.

Atualmente, todos estes trabalhadores passam por um processo de ingresso com quatro módulos teóricos incluindo conteúdos sobre o SUS, direitos e deveres, seguridade social e humanização8 - este último, ministrado por uma das apoiadoras que concluiu a formação. Esta iniciativa ainda está limitada a um número reduzido de trabalhadores estaduais, mas representa uma excelente oportunidade de contato com a proposta da PNH. Ampliar estes espaços de divulgação e sensibilização é criar um terreno fértil para processos de formação futuros e para a incorporação da humanização nos cotidianos de trabalho, produzindo e ao mesmo tempo resgatando o encantamento dos trabalhadores, o que para muitos demanda tempo e elaboração.

Campos (2005b) considera a humanização como um processo social e subjetivo que implica na transformação dos sujeitos e na ampliação de sua capacidade para agir nas relações. Os modelos dicotomizados e hierarquizados de gestão ainda prevalecem sobre a maioria das instituições de saúde estaduais e esta realidade foi expressa nos depoimentos de muitos trabalhadores. Por outro lado, o desejo de renovação e o clamor por mudanças apontam para a imperiosa tarefa de descobrir novos enfrentamentos para os padrões rígidos e cristalizados de agir que dificultam e desestimulam as mudanças, ainda que os trabalhadores reconheçam a necessidade delas.

Na Região Norte, o Pará ocupa lugar de destaque na capilarização da PNH, cuja sedimentação e sustentação tem sido fortemente influenciada pela formação de apoiadores. Alguns deles têm tido importante papel no estabelecimento de pactuações com segmentos da gestão municipal e da rede de atenção em saúde. As ações em alguns locais já começam a ganhar força e a potencializar o Coletivo Ampliado de Humanização do SUS-Pará9, criado para discutir e integrar as ações de humanização no Estado.

Acredita-se que a criação de espaços de formação foi uma importante iniciativa para o estado do Pará, considerando a necessidade de fortalecimento do processo de humanização nas práticas de saúde através do aumento do protagonismo dos sujeitos envolvidos e do fortalecimento de ações em rede. A formação de apoiadores reforçou a certeza em um horizonte de grandes possibilidades no SUS-Pará, ao mesmo tempo em As reuniões do Coletivo ainda se mantêm restritas às coordenações de áreas técnicas da SESPA mas a inclusão de novas parcerias tem sido realizada para aumentar a representatividade dos diversos setores envolvidos na gestão e atenção do SUS-Pará.Os módulos são ministrados na Escola de Governo do Estado do Pará (EGPA), como parte do Programa Servidor Cidadão – Curso de Capacitação para Servidores. O módulo “Humanização em Saúde Pública e Saúde do Trabalhador” tem duração de 20 (vinte) horas.

Cadernos HumanizaSUS

Formação que alertou para a necessidade de se considerar as particularidades e complexidades de cada estado, que vão sendo reveladas pelos e nos processos em andamento.

Certamente, muitos desafios ainda precisarão ser enfrentados de modo a superar as dificuldades vividas no sistema local através de mudanças efetivas nas práticas em saúde. Revigorar o desejo de mudança e a força dos trabalhadores e dos coletivos para sustentar os processos disparados dependerá da habilidade de que os mesmos retomem o lugar de sujeitos de seu próprio destino em busca de práticas mais éticas e solidárias que resgatem a valorização da saúde e o direito à vida.

Cadernos HumanizaSUS

Referências

AYRES, J. R. C. M. O cuidado, os modos de ser (do) humano e as práticas de saúde. Saúde e Sociedade, v.13, n.3, p.16-29, set-dez. 2004.

AYRES, J. R. C. M. Cuidado e reconstrução das práticas de saúde. Interface: Comunicação, Saúde, Educação, [S.l.], v. 8, n. 14, p.73-92, set. 2003.

BENEVIDES, R.; PASSOS, E. A humanização como dimensão pública das políticas públicas de saúde. Ciência & Saúde Coletiva, [S.l.], v. 10, p. 561-571, 2005a

_. Humanização na saúde: um novo modismo? Interface: Comunicação, Saúde, Educação, São Paulo. v. 9, n. 17, p. 389-394, 2005b

CAMPOS, G. W. S. Um método para análise e co-gestão de coletivos: a constituição de sujeitos, a produção de valor de uso e a democracia em instituições: o método da roda. São Paulo: Hucitec, 2003

_. Humanização na saúde: um projeto em defesa da vida? Interface – Comunicação, Saúde, Educação, v. 9, n. 17, p.389-406, mar/ago. 2005a

_. Saúde Paidéia. São Paulo: Hucitec, 2005b

CECÍLIO, L. C. O. As necessidades de saúde como conceito estruturante na luta pela integralidade e equidade na atenção em saúde. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Org.). Os sentidos da integralidade na atenção e no cuidado à saúde. Rio de Janeiro: IMS: UERJ: ABRASCO, 2001.

HECKERT, A. L. C.; NEVES, C. A. B. Modos de formar e modos de intervir: quando a formação se faz potência de produção de coletivo. In: PINHEIRO, R.; MATTOS, R. A. (Org.). Trabalho em equipe sob o eixo da integralidade: valores, saberes e práticas. Rio de Janeiro: IMS: UERJ: ABRASCO, 2007.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA (IBGE). Censo demográfico 2007: contagem da população. Disponível em: <http:// w.ibge.gov.br>. Acesso em: 23 jun. 2009.

OLIVEIRA, P. T. R. Desigualdade Regional e o Território da Saúde na Amazônia. Belém, PA: Universidade Federal do Pará, 2008

Cadernos HumanizaSUS

43 Artigo

Memória como cartografia e dispositivo de formação-intervenção no contexto dos cursos da

Política

Nacional de Humanização

Claudia Abbês Baêta Neves1

Laura Gonçalves2

Monica Roza3 Serafim Santos Filho4

Cadernos HumanizaSUS Formação

Cadernos HumanizaSUS

Resumo

Este artigo visa analisar uma experiência de formação em saúde para agentes sociais como apoiadores da Política Nacional de Humanização/PNH. No contexto da “formação de agentes sociais no território” exploramos de forma bastante intensa e criteriosa a utilização da memória como dispositivo de intervenção/produção coletiva no sentido da saúde pública. A produção e validação coletivas de memórias tornaram-se parte do processo de formação e nos levaram a problematizar continuamente seu contexto e demarcar a memória em sua função de método de acompanhamento de processos de produção e de dispositivo de intervenção. Nesta direção, a concepção de formação como intervenção se afirma na indissociabilidade entre pensamento e vida, entre invenção de si e de mundo, trazendo para o debate das políticas de formação em saúde o desafio teórico-metodológico de construção de práticas que incluam e sejam permeadas pelas experiências que os sujeitos-alunos trazem em sua história de relações nos territórios de vida-trabalho.

Palavras-chave:

Formação em saúde, memória, humanização em saúde, cartografia.Professora adjunta da

Universidade Federal Fluminense. Foi consultora da PNH.

abbes@luma.ind.brDoutoranda do departamento de Medicina Preventiva da Unicamp e consultora da PNH desde 2007.

laulmg@gmail.comProfessora adjunta do Departamento Interdisciplinaer do PURO/ UFF. Consultora da PNH desde 2007.

monica.roza@gmail.comProfessor da PUC-MG e pesquisador da UFMG. Consultor da PNH desde

2004. serafimsantos@terra.com.br

(Parte 6 de 8)

Comentários