Trabalho Biofisica Radiação

Trabalho Biofisica Radiação

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E TECNOLOGIA DO PIAUÍ

TERESINA CAMPUS CENTRAL

CURSO: TECNOLOGIA EM RADIOLOGIA

DISCIPLINA: BIOFÍSICA

PROF. UCHÔA

FRANCISCO CARLOS SOARES DA SILVA JR

APLICAÇÃO NO MICROSCÓPIO ELETRÔNICO

TIPOS DE RADIAÇÕES E CARACTERÍSTICAS

TERESINA – PI

JANEIRO/2016

APLICAÇÃO: MICROSCÓPIO ELETRÔNICO

O microscópio eletrônico funciona com base nas propriedades da ondulatória do elétron, onde o mesmo faz o uso do elétron como onda, entretanto, a capacidade de resolução dos microscópios ópticos encontram-se limitados pelos efeitos da difração da luz, que se apresenta como o efeito ou fenômeno pelo qual a luz é desviada quando encontra obstáculos ou aberturas.

Contudo, ao se examinarem objetos de tamanhos menores ou de igual tamanho que o comprimento de onda da luz visível compreendido entre 0,4 e 0,7µm, a difração da luz ao redor do objeto torna a imagem borrada não apresentando boas características nítidas ou sequer a formação de imagem alguma.

O microscópio eletrônico é capaz de vencer essa dificuldade imposta pela difração da luz, pois os comprimentos de onda associados aos elétrons são menores que os da luz visível utilizados em microscópios óticos.

A voltagem utilizada para acelerar os elétrons, em geral de 50 kV, faz com que os comprimentos de onda associados a esses elétrons sejam cerca de 0,06X10-10 os campos elétricos e magnéticos são empregados na focalização dos elétrons no microscópio eletrônico da mesma forma que se usam lentes de vidro para focalizar feixes de luz em microscópios ópticos.

Os microscópios eletrônicos são úteis no exame de detalhes em materiais biológicos como estruturas de bactérias, células, tecidos, vírus e no estudo de compostos sólidos, metais e estruturas cristalinas.

Existem dois tipos de microscópios eletrônicos: o microscópio eletrônico de transmissão, que é capaz de observar estruturas através de objetos e o microscópio eletrônico de varredura, que mostra a superfície da amostra.

TIPOS DE RADIAÇÃO E SUAS CARACTERÍSTICAS

As radiações de ambos os tipos, sendo corpusculares e eletromagnéticas, quando possuem energia suficiente, são capazes de atravessar a matéria, ionizando (removendo elétrons) de átomos e moléculas e consequentemente modificando o comportamento químico. Entretanto, podem aparecer modificações nas células vivas e mutações genéticas, porém, essa ação destrutiva sobre as células, podem ser utilizadas no tratamento de tumores.

  1. RADIAÇÃO ALFA OU PARTÍCULA ALFA (α)

As partículas alfa são núcleos do átomo hélio, constituído por dois prótons e dois nêutrons, uma partícula alfa, é muito mais pesada que um eletron e sua trajetória num meio material é retilínea. Na interação de uma partícula alfa com átomos de ar, a primeira perde, em média, 33eV por ionização.

A distância que uma partícula percorre antes de parar é denominada alcance, num dado meio, partículas alfa de igual energia tem o mesmo alcance, portanto, aumentando-se a energia das partículas alfa, aumenta-se o seu alcance para determinado meio, por outro lado, fixando-se a energia da partícula alfa, o alcance diminui se a densidade do meio aumentar.

As partículas alfa são produzidas principalmente no decaimento dos elementos pesados como Urânio, Tório, Plutônio, Radio e usualmente são acompanhados de radiação beta e gama.

  1. RADIAÇÃO BETA OU PARTÍCULA BETA (β)

Partículas beta são elétrons (℮-) e pósitrons (℮+) partículas que são idênticas ao elétron no sinal de carga que possuem um poder de penetração maior que as partículas alfa. A radiação beta, ao passar por um meio material também perde energia ionizando os átomos que encontra no caminho, sendo que para blindar as partículas beta, podem ser empregados o plástico ou alumínio.

  1. NEUTRONS

Os nêutrons são partículas sem carga e não são capazes de produzir ionização diretamente, mas o fazem indiretamente transferindo energias para outras partículas carregadas que podem produzir ionização. Os nêutrons percorrem grandes distâncias através da matéria, antes de interagir com o núcleo dos átomos que compõem o meio, são muito mais penetrantes e podem ser materiais ricos em hidrogênio como a parafina ou a água.

  1. RADIAÇÃO GAMA OU RAIOS GAMA (γ)

Os Raios gama são ondas eletromagnéticas extremamente penetrantes. Elas interagem com a matéria pelo efeito fotoelétrico, pelo efeito Compton ou pela produção de pares e nesses efeitos são emitidos elétrons ou pares eletron-positron que ionizam a matéria. Um fóton de radiação gama pode perder toda ou quase toda energia numa única interação e a distância que ele percorre antes de interagir não pode ser prevista.

  1. RAIOS X

Os raios X são também ondas eletromagnéticas, exatamente como os raios gama, diferindo apenas quanto à origem, pois os raios gama se originam dentro do núcleo do átomo, enquanto os raios X tem a sua origem fora do núcleo e suas características são as mesmas da radiação gama.

REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA

OKUNO, Emico; CALDAS, Iberê L; CHOW, Cecil. Física para ciências biológicas e biomédicas. São Paulo: Harper & Row do Brasil, 1982.

Comentários