Livro - Notícias de Economia e Finanças - Meus Comentários - vol. II

Livro - Notícias de Economia e Finanças - Meus Comentários - vol. II

(Parte 1 de 4)

Augusto Dornelas

FINANÇAS Meus Comentários

Volume I

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

Copyright © 2013 by Augusto Dornelas

Todos os direitos reservados ao Autor Augusto Dornelas

Impresso no Brasil Printed in Brazil

Capa e Diagramação Andreza de Souza

Revisão Do Autor

Dados Internacionais de Catalogação na Publicação (CIP) Ficha Catalográfica

D713nNotícas de economia e finanças: meus comentários / Augusto Dornelas.

Dornelas, Augusto – Olinda: Livro Rápido, 2015.

1. Economia e finanças. 2. Notícias de economia financeira. 3.

Temas de relevância econômica e financeira. 4. Sistema financeiro. I. Título.

Editora Livro Rápido – Elógica Coordenadora editorial: Maria Oliveira

Olinda – PECEP: 53230-290

Rua Dr. João Tavares de Moura, 57/9 Peixinhos

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

Autor: Augusto César Barbosa Dornelas

Formação Acadêmica Possui formação acadêmica a nível de graduação em Economia (UFPE) e Matemática (UFRPE), Pós-graduação em Matemática pela UFPE e Mestrado em Educação Matemática pela UFRPE e formação complementar relacionada às seguintes áreas: Análise de Viabilidade Econômica de Projetos (FIPECAFI), Finanças Internacionais e Política Macroeconômica e Consultoria em Investimentos Financeiros (FGV), Análise e Planejamento Financeiro (SEBRAE), Mercado Financeiro e Títulos de Renda Fixa (ANBIMA).

Experiência Profissional Possui mais de duas décadas de dedicação ao ensino de disciplinas relacionadas às áreas de Métodos Quantitativos, Finanças e Economia. Foi professor das universidades públicas UFPE e UFRPE. Ministra cursos nas seguintes instituições: Serviço Nacional de Aprendizagem Rural (SENAR-PE), Fundação Bradesco, Mongeral - EAGON Seguros & Previdência, MBA's da Business School da Faculdade Maurício de Nassau. Pósgraduação em Comércio Internacional da Faculdade Esuda, MBA em Gestão de Negócios e Gestão de Projetos da UNICAP, MBA em Gerenciamento de Projetos da Faculdade Guararapes, MBA em Controladoria do IBPEX - UNINTER e MBA's em Matemática Financeira Aplicada, em Logística e em Finanças Corporativas da Faculdade Metropolitana da Grande Recife, onde leciona há 12 anos e também exerce a função de coordenador do curso de

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

Gestão Financeira, além de exercer atividade docente na Faculdade Nova Roma – FGV. Presta consultoria econômica e financeira em entrevistas para veículos de comunicação do Estado de Pernambuco, dentre os quais: Rede Globo Nordeste, TV Jornal – SBT, TV Clube – Record, Rede Estação – RBC, Jornal Folha de Pernambuco e Jornal Diário de Pernambuco, Rádio Olinda (1030 AM) e a Rádio CBN Recife (97.1 FM).

Publicações do autor

INVESTIMENTOS PARA CONCURSOS PÚBLICOS: Teoria e Exemplos - 600 Questões de Provas: 200 Resolvidas e Comentadas e 400 Propostas (ISBN 978-85-224-7945-0 e ISBN 98-85-224-794); publicado pela Editora Atlas nas versões impressa e digital em agosto de 2013.

HP 12C Uma abordagem prática e interativa de suas principais funções básicas, financeiras e estatísticas (ISBN 978-85-406-0661-6); publicado na versão impressa pela Editora Livro Rápido em novembro de 2013.

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

5 Ao amigo, irmão e economista Glaudionor Gomes Barbosa.

Notícias de Economia e Finanças – Volume I 6

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

Homenagem

A todos os veículos de comunicação que praticam jornalismo abrangente, eficiente, democrático e imparcial no Brasil e no mundo.

Notícias de Economia e Finanças – Volume I 8

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

Apresentação

Prezado leitor, É com enorme prazer que comunico o lançamento do segundo volume da série intitulada “Notícias de Economia e Finanças – Meus Comentários”, dando sequência a um conjunto de mais cinquenta comentários envolvendo abordagens relativas a diversos temas relacionados às áreas de Economia e Finanças que foram resultados de reportagens de importantes veículos de informação nacionais e estrangeiros, que dentre eles podemos destacar: As Organizações Globo (Portal G1, Jornal O Globo, TV Globo), os jornais: Diário de Pernambuco, O Estado de São Paulo, Folha de São Paulo, Valor Econômico e El País os portais UOL, IG, Terra, Infomoney, BBC Brasil, IBEDEC, Reuters Brasil, Revista Exame, além dos sites de importantes agências governamentais como o Banco Central do Brasil (BCB), Tesouro Nacional (TN), Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), Secretaria da Receita Federal (SRN), Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), dentre outros.

Como no lançamento anterior procurei selecionar matérias jornalísticas de ampla divulgação pela mídia e a partir delas exercer comentários relacionados a diversos temas de interesse particular e profissional do público leitor, inclusive com diversas participações nas páginas relacionadas ao Facebook que mantenho ativas, dente elas a de Economia e Finanças – Notícias e Comentários

(https://w.facebook.com/economiaefinancas?ref=hl).

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

Como na edição anterior, o livro está disponível de forma gratuita nos sites da Editora Livro Rápido e nos portais Slideshare, E-Livros Grátis, Ebah e Passei Direto como forma de popularizar o conhecimento e a discussão acerca de temas de relevância econômica e financeira.

Espero que tenham gostado e aproveitem para ler, refletir e discutir sobre a obra e outros temas de importância para a construção de uma prática cidadã relativa ao mundo das finanças. Boa leitura e um forte abraço!

Augusto Dornelas

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

Sumário

nível em 32 meses15

1. BC: Inadimplência cai a 4,8% em novembro, menor

do PIB em 201217

2. Carga tributária brasileira bate recorde e soma 35,85%

anuncia Tesouro21
4. UOL ECONOMIA, 24/12/1329
5. Retrospectiva da Economia Brasileira em 201335

3. Dívida Pública Federal sobe 2,32% em novembro,

"me senti nos EUA de 2005" - InfoMoney41
7. Inflação oficial fecha 2013 em 5,91%, diz IBGE50

6. Shiller ressalta cegueira do Brasil com bolha imobiliária:

Pernambuco57

8. Mulheres assumem o pódio dos endividados em

abusivos na cidade62

9. Rio Surreal: ação nas redes sociais denuncia preços

Desastroso para o País um 13º Mês de Salário'6

10. Manchete de O Globo há 50 anos: 'Considerado

oitava vez seguida73

1. Veja repercussão da decisão de elevar a Selic pela

12. Ibope: maioria dos brasileiros não lê jornais, nem revistas .................................................................................. 79

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

do mundo84

13. Superávit primário brasileiro é um dos cinco maiores

bilhões em 20138

14. Banco do Brasil tem lucro líquido de quase R$ 15,8

menor resultado em 10 anos95

15. Vendas no varejo fecham 2013 com alta de 4,3%, o

106

16. O Programa de Educação Financeira do Banco Central

pesquisa Ibope - InfoMoney112

17. Mercado não gostou? ADRs da Petrobras ignoram

feira (5)117

18. Portabilidade de crédito começa a valer na segunda-

alimentos e transportes121

19. Inflação desacelera para 0,67% com alta menor de

junho, diz BC125

20. Programa de intervenção no câmbio prosseguirá após

credores130

21. Presidente da Argentina diz que quer negociar com

bi como reserva, anuncia Dilma136

2. BRICS terão US$ 100 bi para banco e outros US$ 100

renda do Brasil142
24. Bovespa volta a recuar nesta quarta-feira146

23. Sardenberg comenta o que mudou na desigualdade de

25. Dólar tem queda após alta da Selic, e é cotado abaixo de R$ 2,40 .......................................................................... 151

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

negócios?158

26. O que as crianças devem aprender sobre dinheiro e

aumento do uso do transporte individual167

27. Estudo aponta elevação da renda como fator para

em 20 anos173

28. Balança comercial tem pior resultado para novembro

juros destaque179
30. O que esperar da economia em 2015?184

29. Cuidado com promoçoes de veículos sem

das vendas dos supermercados190

31. Brasil dos oligopólios: 10 empresas dominam até 70%

afirma estudo195

32. Título público é a melhor aplicação deste século,

FMI199
34. Como investir em títulos Públicos203
35. Dilma diz que fará 'de tudo' para cumprir meta fiscal
209

3. Real mais fraco é bom para a economia brasileira, diz

4,5% - InfoMoney219
37. Terceirização aprovada na câmara. E agora?225

36. Desemprego teria de subir para inflação convergir para

em quase 20 anos233

38. Juro do cheque especial chega a 220,4%, maior nível

39. Consumo das famílias tem maior queda desde 2008, aponta IBGE ....................................................................... 236

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

impostos245

40. Brasileiros trabalharam até domingo para pagar

nível em abril em 5 anos250

41. Gasto brasileiro no exterior cai 30%, e tem menor

empréstimo?259

42. Como os bancos determinam taxa de juro de um

trilhões266

43. Dívida Pública cresce em maio e chega a quase R$ 2,5

100 vale R$ 19,90275

4. Em 21 anos, real perde poder de compra, e nota de R$

2014283
46. Os muitos desastres econômicos da Europa289

45. Mercado informal movimentou R$ 826 bilhões em

buscam ‘plano B’294

47. Desempregados já somam 8,2 milhões e brasileiros

de alta nos preços301

48. Brasileiro troca marca de produtos para tentar escapar

recua 3% no 1º semestre306

49. Arrecadação federal tem pior junho desde 2010 e

50. Brasil tem nota de crédito rebaixada por agência de classificação de risco .......................................................... 311

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

1. BC: Inadimplência cai a 4,8% em novembro, menor nível em 32 meses Leia mais acessando:

http://economia.uol.com.br/noticias/redacao/2013/12/19/inadimple ncia-cai-a-048-em-novembro-menor-patamar-em-2-anos-e-meio.htm

Meus comentários: A notícia de queda de um importante indicador econômico, como é o caso da inadimplência, é bastante animadora, uma vez que o índice ou percentual de inadimplência é um importante componente das taxas de juros praticadas no mercado, que além dela acrescentam os custos de captação dos bancos, impostos, riscos, custos de oportunidades e margens de lucro do sistema bancário.

Isso quer dizer que quanto maior forem as taxas de inadimplência, maiores serão as taxas de juros praticadas no mercado, como por exemplo, nas utilizadas nos empréstimos e financiamentos relativos ao Crédito Direto ao Consumidor, destinado à aquisição de bens duráveis (automóveis, móveis e utensílios para o lar, eletroeletrônicos, etc); além de que

Notícias de Economia e Finanças – Volume I quando atingem determinados percentuais os agentes credores (bancos e financeiras, principalmente) passam a apresentar maiores restrições nas concessões de empréstimos e financiamento e isso reflete no nível de vendas, produção, arrecadação de impostos e níveis de emprego e desemprego no sistema econômico.

Uma outra boa notícia foi com relação ao volume de crédito no país, que chegou à importante cifra de R$ 2,647 trilhões, o que prevê um PIB da ordem de R$ 4,76 trilhões ou US$ 2,026 trilhões a taxa de câmbio de hoje (US$ 1 = R$ 2,35); o que certamente nos coloca em 6º maior PIB mundial. Um abraço,

Augusto Dornelas

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

2. Carga tributária brasileira bate recorde

A carga tributária brasileira subiu em 2012 e encerrou o ano passado em 35,85% do Produto Interno Bruto (PIB), de acordo com cálculo da Receita Federal divulgado nesta sextafeira (20), batendo assim um novo recorde. Em 2011, a carga tributária brasileira (CTB) foi de 35,31% do PIB.

Leia mais acessando: http://economia.uol.com.br/noticias/valoronline/2013/12/20/carga-tributaria-brasileira-bate-recorde-e-soma- 3585-do-pib.htm

Meus comentários: Não acredite em tudo que você vê, lê ou ouve!

Às vezes querem que a gente pense utilizando a mesma lógica que "eles" tanto se empenharam em construir com o objetivo de nos confundir ou nos mal informar!

Um tema bastante controverso que permeia os noticiários dos meios de informação quase que cotidianamente é o que se refere à carga tributária, que se configura como um índice percentual que relaciona o total de arrecadação de

Notícias de Economia e Finanças – Volume I tributos pelas três esferas governamentais (federal, estados e municípios) com relação ao PIB (Produto Interno Bruto) ou o total de riquezas produzidas no país durante o ano.

A reportagem em questão revela que a carga tributária bruta (CTB) referente ao ano de 2012 foi de 35,85%do PIB, o que certamente não nos coloca em primeiro lugar no sentido de arrecadação tributária no mundo; pois, segundo estudos desenvolvidos pela OCDE (Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico) o Brasil ocupava em 2007 o 14º lugar em relação à carga tributária total e 24º quando levado em consideração a carga tributária per capita.

Segundo dados da Secretaria de Políticas Econômicas

(SPE), vide quadro abaixo, entre os anos de 2002 e 2012 a carga tributária bruta representou uma média de 3,82% do Produto Interno Bruto.

Se levarmos em consideração o conceito de carga tributária líquida (CTL) que é o resultado do total arrecadado (CTB) subtraído de transferências governamentais para assistência, previdência e subsídios, esta revela um patamar de 19,82%, 0,35% menor do que a registrada em 2011 e tomando por base os dados fornecidos pela SPE, a carga tributária

Notícias de Economia e Finanças – Volume I líquida foi, também em média, de 18,96% do PIB no período compreendido entre 2002 e 2012.

Todos nós sabemos que o Brasil é um país de dimensões continentais, onde as diferentes esferas de governo assumem inúmeras obrigações junto à população e ao sistema produtivo, o que em outros países não existe: a) Um sistema de saúde (SUS) e previdência (INSS) onde mais de 30% dos beneficiários nunca contribuíram com os mesmos; b) Ampliação da rede de proteção social, com programas de transferência de renda como o Bolsa Família que atende mais de 13 milhões de lares no Brasil inteiro; c) Governos nos três níveis provém parte da população com habitações subsidiadas; d) Forte presença governamental na concessão de empréstimos e financiamentos ao setor produtivo privado a taxas subsidiadas; e) Vultosos aportes de recursos governamentais nas chamadas “atividades próprias de governo”, tais como: saúde, educação, segurança, promoção de serviços públicos em geral.

Como se vê, são muitas demandas sociais e econômicas que só serão supridas com arrecadação.

Você pode me dizer, mas e a corrupção? E eu lhe direi, este é um outro fato de cunho cultural, social, político e jurídico que a simples diminuição da chamada carga tributária não irá resolver os problemas relacionados à corrupção no Brasil, que por sinal, não fica restrita aos

Notícias de Economia e Finanças – Volume I gabinetes políticos; mas, e infelizmente, está arraigada na maioria das formas de organização social, política e econômico-produtiva no país.

Quando me deparo com críticas veementes sobre a carga tributária no Brasil entre os chamados meios de informação e entre as organizações representativas do capital, vejo uma irremediável intensão de pagar menos impostos, aumentar – ainda mais – suas lucratividades, reduzir ou até mesmo extinguir direitos trabalhistas (como por exemplo a malfadada “flexibilização das leis trabalhistas”) e continuar usufruindo das benesses governamentais.

Infelizmente, vemos a população a mercê de reportagens e comentários direcionados a atender o interesse de determinados grupos econômicos que, nitidamente, tem suas preferências político partidárias e vem demonstrando isso durante todo esse ano de véspera eleitoral.

De certa forma me sinto até satisfeito com esse tipo de notícia; pois, índices de acompanhamento de desempenho econômico como o de desemprego que ficou abaixo dos 5% e o de carga tributária, demonstram claramente que estamos em melhores condições em termos de performance econômica do que a maioria dos países do globo que se encontram em recessão econômica desde 2008, graças aos EUA e as demais “nações civilizadas”.

No mais, agradeço sua atenção e deixo-lhe um forte abraço.

Augusto Dornelas

Notícias de Economia e Finanças – Volume I

3. Dívida Pública Federal sobe 2,32% em novembro, anuncia Tesouro Estoque atingiu R$ 2,069 trilhões, ante R$ 2,022 trilhões registrados em outubro

Leia mais acessando: http://economia.ig.com.br/2013-12-23/dividapublica-federal-sobe-232-em-novembro-anuncia-tesouro.html

Meus comentários:

Você sabe o que é a Dívida Pública Federal (DPF)

Trata-se da dívida contraída pelo Tesouro Nacional com o déficit público federal (saldo negativo entre receitas e despesas públicas), além da inclusão do refinanciamento da dívida com o pagamento de parte do principal e dos juros e para a realização de operações definidas em lei.

(Parte 1 de 4)

Comentários