Historia da enfermagem Florence (1)

Historia da enfermagem Florence (1)

(Parte 1 de 2)

46• Cultura de los Cuidados

The role of caring is part of human existence and is related to the woman´s image that has sought, through this practice, a form of survival that has evolved into broader areas such as promotion and health maintenance.

Objective:To reflect on the contributions of Florence Nightingale for the care exercise in the current days.

Methodology:It is a reflective study with historical perspective, structured by themes, whose sources of data collection were journal articles, books, and critical works approached in the Nursing Academic Master.

Results:Florence Nightingale became the character that retracts the nursing profession through their worldview, becoming a benchmark of life and professional practice in this area of health.

Conclusions:We found that her theoretical vision contributed to the demystification of disparities related to gender, favoring the exercise of the intellectual capacity of women in society. She has received this merit through her scientific knowledge, giving an organized profile to the class. Her care was recommended to the human being and directly associated to his environment, expressions

Anelise Miritz Borges1, Cristiele Berthold2,Katiuscia Milano Rosales de

Rodrigues3, Sonia Maria Könzgen Meincke4, Marilu Correa Soares5,

Roxana Isabel Cardozo Gonzáles6 1Mestranda do Programa de Pós-graduação de Enfermagem da Universidade

Federal de Pelotas (UFPel). 2 Aluna Especial do Programa de Pós-graduação de Enfermagem da Universidade

Federal de Pelotas (UFPel). 3Mestranda do Programa de Pós-graduação de Enfermagem da Universidade

Federal de Pelotas (UFPel). 4 Doutora. Docente da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de

Pelotas (UFPel). 5Doutora. Docente da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de

Pelotas (UFPel). 6 Doutora. Docente da Universidade Federal de Pelotas (UFPel).

of a holistic work, pre-announcing the definition that includes the individual totality in the field of nursing.

Key words:nursing; history; health promotion.

El papel de la atención es parte de la existencia humana y se relaciona con la imagen de la mujer, que buscó, a través de esta práctica, una forma de supervivencia que se ha desarrollado en ámbitos más amplios, como la promoción y el mantenimiento de la salud.

Objetivo:Reflexionar sobre las contribuciones de Florence Nightingale para el ejercicio del cuidado en la actualidad.

Metodología: Se trata de un estudio reflexivo con perspectiva histórica, estructurada por temas, cuyas fuentes de recolección de datos fueron artículos de periodicos publicados, libros y obras de crítica presentados en la Maestria Académica en Enfermería.

Resultados:Florence Nightingale se convirtió en el personaje que representa a la profesión de enfermería a través de su visión del mundo, convirtiéndose en un punto de referencia de la vida y la práctica profesional en esta área de la salud.

Conclusiones:Se encontró que su visión teórica contribuyó para la desmitificación de las disparidades relacionadas con el género, favoreciendo el ejercicio de la capacidad intelectual de las mujeres en la sociedad. Ella ha recibido esta distinción a través de sus conocimientos científicos, dando un carácter organizado a la clase de la Enfermería. Su atención se recomendó a los seres humanos directamente vinculados a su entorno, las expresiones de una obra integral, pre-anunciando una definición que incluye la totalidad de los individuos en el ámbito de la enfermería.

Palabras claves:enfermería; historia; promoción de la salud.

Opapel de cuidar faz parte da existência humana e está relacionado à imagem da mulher, que buscava, através dessa práxis, uma forma de sobrevivência que evoluiu para âmbitos mais abrangentes, como a promoção e manutenção da saúde.

Objetivo:Refletir sobre as contribuições de Florence Nightingale para o exercício do cuidado na atualidade.

Metodologia:É um estudo reflexivo com perspectiva histórica, estruturado por temáticas, cujas fontes de obtenção dos dados foram artigos de periódicos publicados, livros, e trabalhos críticos abordados no Mestrado Acadêmico de Enfermagem.

Resultados:Florence Nightingale passou a ser a personagem que retrata a profissão de enfermagem através da sua visão de mundo, tornando-se um referencial de vida e de prática profissional para esta área da saúde.

Conclusões:Constatou-se que a sua visão teórica contribuiu para a desmistificação de disparidades relacionadas ao gênero, favorecendo o exercício da capacidade intelectual da mulher na sociedade. Ela recebeu esse mérito por meio de seu conhecimento científico, conferindo um caráter organizado à categoria. Seu cuidado era preconizado ao ser humano e associado diretamente ao seu meio ambiente, expressões de um trabalho holístico, pré-anunciando a definição que contempla a totalidade do indivíduo no campo da enfermagem.

Descritores:enfermagem; história; promoção da saúde.

A evolução histórica da enfermagem de acordo com Terra et al. (2006), evidencia um percurso de grandes conquistas para a classe. Trata-se de questões associadas, durante o surgimento das pri-

Cultura de los Cuidados • 47

48• Cultura de los Cuidados meiras civilizações no mundo, às causas sobrenaturais e à crença de que as pessoas que possuíam o poder de curar enfermidades eram responsáveis pelo cuidado em saúde. Nesse processo, a religião passou a ser alvo provedor do bem-estar das populações da época, fortalecendo concepções de que a doença era causada por pecados e desprazeres aos deuses. Muitas ações contribuíram, lentamente, para a constituição da profissão de enfermagem, formalizada no período da era cristã, com a presença das mulheres diaconisas.

O amor, o carinho e a preocupação com o bemestar do outro passaram a conduzir um trabalho em saúde mais organizado, aproximando as ações da enfermagem, em meados do século XIX, à liderança e à definição de objetivos em sua prática, fato que oportunizou a ascensão das mulheres na sociedade, dado o exercício do seu trabalho honrado e de impacto social (TERRA et al., 2006). Nessa perspectiva, no século X, sob forte influência de Florence Nightingale, a enfermagem passou a refletir sobre a sua atuação, idealizando princípios técnicos e educacionais à categoria, que constituíram a enfermagem moderna (OLIVEIRA, PAULA e FREITAS, 2007). Assim, Florence construiu seu legado científico a partir do contato que manteve com os mendigos, andarilhos e aqueles enfermos oriundos das guerras pertinentes à época. Os cuidados de enfermagem passaram então, aos poucos, a valorizar o indivíduo e o adequado ambiente para a prestação dos cuidados em saúde, integrando as práticas de cunho experiencial, lógico e moral, à edificação da profissão de enfermagem (LEOPARDI, 2006).

Assim, transformações econômicas, sociais e políticas ocorridas na sociedade brasileira tornaram-se fatores determinantes para a importação de tecnologias na construção e organização de espaços assistenciais, como os hospitais, considerando para tal, a abordagem dos problemas de saúde, adequando-os gradativamente à sustentação dos novos programas governamentais de saúde, notadamente na saúde pública (BARREIRA, 2005).

Convém destacar que o cuidado enquanto ação social é arte, no momento em que se utiliza os conhecimentos de forma coerente e em prol da qualidade de vida de um indivíduo. Posto isso, torna-se necessário compreender que a palavra “enfermei- ro”, no latim, está intimamente conectada ao legado repassado por Florence, pois significa nutrix, ou seja, aquele que nutre, encoraja e protege os que necessitam de atenção para com a sua saúde (TERRA et al., 2006).

A partir dessa constatação, afirma-se que

Florence é a precursora da enfermagem, pois elevou o status dessa carreira, qualificando a assistência através de seus ensinamentos históricos e universais. Eles se baseavam no cuidado do outro e na potencialização das forças subjetivas de cada pessoa, tornando-a uma teórica e uma referência científica atual para a ação integral do trabalho em saúde. Contudo, além de Florence, destacam-se as iniciativas da enfermeira Anna Nery, que participou ativamente da Guerra do Paraguai, no século XIX e em 1923, edificou a Escola de Enfermeiras do Departamento Nacional de Saúde, no Brasil. Assim como o trabalho de Wanda de Aguiar Horta, na década de 1970, direcionado ao emprego da sistematização das ações de enfermagem permeado pelo método científico, colaborando para o aperfeiçoamento da classe (KLETEMBERG et al., 2010).

Por conseguinte, objetiva-se, a partir deste estudo, refletir sobre as contribuições de Florence Nightingale para o exercício do cuidado na atualidade.

Trata-se de um estudo reflexivo com perspectiva histórica cuja ideia surgiu mediante as aulas instigantes propostas pela Disciplina de Práticas de Atenção, Ensino e Pesquisa em Enfermagem e Saúde desenvolvida no Programa de Pós- Graduação da Faculdade de Enfermagem da Universidade Federal de Pelotas/UFPel/ RS.

A construção do artigo foi realizada a partir de pesquisa bibliográfica Gil (2007) em periódicos publicados nas fontes de dados da Scielo (Scientific Electronic Library Online), PubMed (Publicações Médicas) e Lilacs (Literatura Latino- Americana e do Caribe em Ciências da Saúde), no período de 2002 a 2010 através dos descritores “Florence”, “Nightingale” e “Enfermagem”. Os critérios de seleção foram conter os descritores, estar escrito em língua portuguesa, espanhola ou inglesa e ter resumo disponível. A seleção dos artigos foi realizada a partir da leitura prévia dos resu-

Cultura de los Cuidados • 49 mos, selecionando aqueles trabalhos que correspondiam ao tema, os quais constam nas referências do presente estudo. Também foram utilizados alguns livros direcionados a proposta do estudo e artigos trabalhados no decorrer da disciplina.

Posteriormente, foi conduzida a análise de conteúdo delineada por Minayo (2007), seguida da ordenação e classificação dos dados em três temáticas incorporadas no decorrer do texto, as quais foram: A construção histórica da enfermagem, Florence Nightingale: determinação em prol da enfermagem e A contemporaneidade do cuidado e o legado de Florence Nightingale.

Os primeiros achados que fazem referência à enfermagem foram encontrados na Bíblia, no Antigo Testamento, instituindo o cuidado como uma prática significativa da enfermagem, a qual busca promover a saúde, o conforto e a prevenção de doenças à população, desde os primórdios de sua existência (NAUDERER e LIMA, 2005).

Nesse processo histórico, o cuidar passou a ser desenvolvido como forma de sobrevivência, a fim de manter a alimentação, a reprodução e a defesa da espécie humana, ações estas vinculadas à imagem da mulher, envolvida nos laços da maternidade, no cuidar dos recém-nascidos, dos idosos e dos enfermos, de modo a garantir a manutenção da vida (ZEFERINO et al., 2008).

Com o surgimento do Cristianismo, a enfermagem foi fortemente influenciada pela supremacia religiosa. O cuidar continuava como uma das funções femininas, sendo, nesse período, realizado pelas mulheres consagradas ou irmãs de caridade, que eram mulheres solteiras (diaconisas), as virgens e as viúvas, que prestavam cuidados sem remuneração, em nível espiritual e protegiam a integridade corporal, por meio de castidade e pureza (ALVES et al., 2005; ZEFERINO et al., 2008). Neste enfoque, o cuidado passou então a evoluir no plano assistencial, detendo-se aos corpos sofredores e atingidos por enfermidades, dissociando assim, o corpo do espírito (ZEFERINO et al., 2008; KLETEMBERG et al., 2010).

Contudo, a falta de controle das doenças e as condições de moradia em conglomerados incenti- varam a Igreja Católica a criar e expandir as instituições de caridade onde era dispensado o cuidado aos doentes (ALVES et al., 2005). Esses estabelecimentos são considerados os primeiros registros do que, na contemporaneidade, viria a ser o hospital. Essas instituições não tinham como finalidade a cura, eram apenas de assistência aos pobres e, de certa forma, serviam como local de separação e exclusão, uma vez que o enfermo era um potencial disseminador de doenças e, como tal, precisava ser isolado (MUSSI, 2005).

O período do Renascimento provocou uma revolta contra a preeminência da Igreja Católica, quando foram dissolvidas ordens religiosas e o trabalho das mulheres consagradas e irmãs de caridade. O advento do Capitalismo e da Revolução Industrial demarcou o início de uma fase de decadência à enfermagem que perdurou do final do século XVII até a metade do século XIX. Sobrevém uma mudança no papel das mulheres na sociedade, onde uma parcela vai trabalhar na indústria e outra se resigna aos seus lares e à obediência aos seus maridos. O cuidado aos doentes, nos hospitais, é então deixado a cargo de mulheres imorais, analfabetas, prostitutas, já que estas não serviam para a indústria, o que se tornara um momento difícil para a ascensão da enfermagem, conhecido como "Anos Negros da Enfermagem" trazido por Nauderer e Lima (2005, p.75), pois a classe continuava a prestar serviços aos pobres, aos doentes, sendo considerado um ofício servil, pouco desejável, em virtude da excessiva carga horária, da baixa remuneração e do estressante trabalho.

As descobertas no campo da física e química, no final do século XIX, vieram apurar os conhecimentos na medicina, auxiliando no diagnóstico e tratamento de doenças (BACKES, 2000). A prática da enfermagem começa então a distanciar-se dos valores morais e religiosos herdados do passado e adota o modelo biomédico, valorizando o tecnicismo (TERRA et al., 2006).

O cuidado, que era prestado como forma de promoção e conservação da vida, fica em segundo plano, e as práticas de enfermagem sintetizam a alocação de técnicas que almejavam apenas o tratamento da doença e a cura. Em contrapartida, a enfermagem começa a distanciar-se de sua origem, e o cuidado passa paulatinamente a restringir-se, havendo um desaparecimento da vinculação entre

50• Cultura de los Cuidados

o ser humano e o universo, o ambiente e o grupo social (TERRA et al., 2006). A progressão do capitalismo necessitava do corpo como força de trabalho, o novo hospital surge como uma instituição disciplinadora desse ambiente desordenado, como resposta às demandas de uma nova ordem social (MUSSI, 2005). Atrelado a este processo, surge na Modernidade, com a decadência da hegemonia positivista como concepção científica, o avanço do conhecimento na área da saúde, com conceitos importantes vinculados a ação da enfermagem, como, doença, saúde, ser humano e a própria enfermagem, delineados também por Florence Nightingale em sua caminhada, os quais são utilizados nos dias atuais (KLETEMBERG et al., 2010).

A enfermagem, ao longo dos tempos, foi sofrendo influências significativas na sua constituição. Uma das personagens que se destacou e permaneceu atuante nesse processo foi Florence Nightingale, mulher determinada, que nasceu na Itália, em Florença, no dia 12 de maio de 1820, tornando-se precursora da enfermagem atual, pois se preocupava com o bem-estar dos indivíduos, especialmente aqueles mais desprovidos de atenção à saúde. Sua capacidade perspicaz se destacava, na época, dada a influência intelectual de sua família, que a estimulava ao pensamento crítico e à educação, como requisitos para a ascensão social (LEOPARDI, 2006).

(Parte 1 de 2)

Comentários