Apostilas do ensino médio telecurso - por2g66

Apostilas do ensino médio telecurso - por2g66

6 AULA

Devo e nªo nego 6

VocŒ viu na aula passada uma conversa entre Eduardo e Meire sobre contas a pagar, uma das rotinas da vida domØstica. Eles nªo chegaram a um consenso, nem encontraram uma soluçªo para o atraso no pagamento das contas de Ægua, luz e outras mais. Veja como as coisas estªo se desenrolando.

O operÆrio leva um susto quando seu colega anuncia que hÆ uma ligaçªo pra ele.

Mal diz alô , começa a ouvir a fala ininterrupta da esposa.

-Eduardo, nªo dÆ mais pra ficar assim. VocŒ sabe que cortaram a luz, de novo, por falta de pagamento? Agora Ø aquele trabalhªo todo: se vocŒ nªo tiver a conta, teremos de pegar a segunda via, enfrentar o banco e depois ainda pedir a religaçªo. Fora isso, vamos pagar uma taxa pra religar a luz.

-Meire, nªo adianta me ligar na fÆbrica, no meio do expediente. Nªo posso resolver isso agora. O banco jÆ fechou aqui e, mais a mais, nªo tenho grana.

-Mas, Eduardo, nªo Ø possível. VocŒ sem dinheiro significa ficar sem luz atØ quando? Nªo dÆ. Como os meninos vªo estudar? E a pequenininha, vai tomar banho frio? Como vou, à noite, mexer na cozinha? VocŒ arruma o dinheiro ou vou fazer o que vocŒ vem me proibindo este tempo todo: voltar a trabalhar e evitar que coisas como essa aconteçam.

Bastante irritados, os dois desligaram o telefone e cada um, em seu canto, remoía o problema. Eduardo sentia-se como um peixe fora d Ægua; nªo sabia lidar com esse desejo que sua mulher tinha de trabalhar fora. Numa situaçªo dessas isso significava, pensou ele, entregar o ouro ao bandido . Em sua casa, ainda assentada ao lado do telefone, Meire, num momento de muita irritaçªo, lembrava-se de seu marido que às vezes comentava: cada macaco no seu galho , justificando sua posiçªo quanto aos papØis do homem e da mulher, dentro de casa. Mas foi naquele momento que ela decidiu que voltaria a ser manicure. Ela tinha deixado o emprego quando vieram os meninos. O marido nunca gostou que trabalhasse fora e os filhos se tornaram desculpa providencial.

Ali no conjunto jÆ tinha suas amigas e algumas freguesas antigas. Todas insistiam para que Meire voltasse a fazer unhas. Assim, resolveu aproveitar o período em que os filhos estivesse na escola para trabalhar. Depois de tomar essa decisªo, foi direto à casa de Jane, uma amiga que morava a trŒs casas adiante. -O que foi Meire? Por que vocŒ estÆ assim aflita?

-Cortaram a luz lÆ de casa porque a gente nªo pagou a conta. Eu preciso resolver isso ainda durante o dia, a tempo de encontrar os bancos abertos. VocŒ teria um dinheiro para me emprestar? Seria um adiantamento, pois decidi que vou voltar a trabalhar, queira Eduardo ou nªo.

MÓDULO 20 Cenatexto

AULA-Meire, tenho um dinheiro e posso emprestar. Vai cuidar de sua vida. Depois a gente conversa sobre as unhas. Quero ver vocΠtrabalhando como eu.

Meire saiu feliz da casa de Jane. Nªo só tinha arrumado o dinheiro, como tinha decidido de uma vez que voltaria a trabalhar. Ela gostava do que fazia e sua profissªo lhe daria mais segurança e, pensava ela, a satisfaçªo de ter seu dinheiro.

Em casa, Meire arrumou-se rapidamente. Deixou seu filho mais velho tomando conta da irmª menor e saiu apressada. Tinha que correr para pegar a segunda via da conta e, só entªo, efetuar o pagamento no banco. Com a conta na mªo, Meire garantiu um lugar na fila de uma agŒncia bancÆria e respirou aliviada, pois ainda eram 15h30 min e sua expectativa era ver o problema resolvido ainda naquela tarde.

Observe como o problema central de nossos personagens foi formulado no início da Cenatexto: Eles nªo chegaram a um consenso nem encontraram uma soluçªo. Veja como a palavra consenso aparece no dicionÆrio:

consenso. [Do lat. consensu.] s.m. Conformidade, acordo ou concordância de idØias, de opiniıes.

1.Agora que vocŒ jÆ sabe o que significa a palavra consenso, reescreva a frase da Cenatexto com outras palavras.

2.Temos na Cenatexto a seguinte frase: (...) começa a ouvir a fala ininterrupta da esposa. Consulte o dicionÆrio e indique o que significa a palavra em destaque.

Peixe fora d’Ægua :
Entregar o ouro ao bandido :

3.Embora seja comum ouvir a palavra interrupta como sinônima de ininterrupta, elas nªo significam a mesma coisa. Consulte o dicionÆrio e aponte a diferença. 4.Explique o que significam as seguintes expressıes da Cenatexto:

5.Na Cenatexto hÆ o adjetivo providencial. Releia o parÆgrafo em que ele aparece, consulte o dicionÆrio e indique o sentido adequado ao contexto em que ele foi usado. DicionÆrio

AULA1.Na Cenatexto desta aula, Meire continua reclamando para Eduardo quanto ao atraso no pagamento das contas. HÆ, no entanto, dois pontos novos na

ladainha da Meire: um problema acontecido (um fato) e uma ameaça. Aponte-os.

2.O que Eduardo queria dizer quando pensou que, se concordasse que a esposa fosse trabalhar fora de casa, seria o mesmo que entregar o ouro ao bandido?

3.Sabendo que hÆ na Cenatexto a seguinte frase e os filhos formaram-se desculpa providencial, responda:

a)Quem usava essa desculpa? b)Os filhos eram desculpa para quŒ? c)Por que era providencial ?

4.Quais foram os dois problemas que Meire resolveu com a visita à amiga Jane?

Na aula anterior vocŒ viu que podemos classificar as oraçıes coordenadas em sindØticas e assindØticas. Viu tambØm que para fazer essa classificaçªo Ø preciso observar se a oraçªo Ø introduzida ou nªo por um conectivo.

Nesta aula vocŒ verÆ que tambØm classificamos as oraçıes coordenadas considerando as relaçıes existentes entre elas. Quanto a essas relaçıes, podemos classificÆ-las em:

aditivas:relaçªo de adiçªo, enumeraçªo, sucessividade; duas oraçıes sªo somadas. adversativas: relaçªo de oposiçªo, contraste, compensaçªo; uma oraçªo se opıe à outra. alternativas: relaçªo de alternância, exclusªo; uma oraçªo exclui a outra. conclusivas: relaçªo de conseqüŒncia, decorrŒncia; uma oraçªo serve de conclusªo para a outra. explicativas: relaçªo de explicaçªo, justificativa; uma oraçªo explica a outra.

Conheça alguns conectivos que introduzem as oraçıes coordenadas sindØticas:

aditivas(e, nem, nªo sómas tambØm, nªo só... como ainda etc.)
alternativas(ou, oraora, jÆ... jÆ etc.)

adversativas(mas, porØm, todavia, contudo, entretanto, no entanto etc.) conclusivas(portanto, logo, pois (depois do verbo) etc.) explicativas(porque, que, pois (antes do verbo) etc.)

Entendimento

Aprofundando &

6 AULA

Reescritura 1

1.Reescreva as oraçıes formando períodos compostos. Observe a relaçªo sugerida e use o conectivo adequado. Veja o modelo.

Eduardo Ø sonhador (adversidade) Meire Ø realista Eduardo Ø sonhador, mas Meire Ø realista

a)Eduardo nªo pagou as contas (conclusªo) a luz serÆ apagada. b)Meire ligou para Eduardo (adiçªo) reclamou muito. c)A luz voltou (explicaçªo) Meire pagou a conta.

2.Procure na Cenatexto alguns períodos compostos por coordenaçªo e diga qual a relaçªo entre as oraçıes.

Na Cenatexto, vocŒ viu que Meire e Eduardo tŒm uma grande divergŒncia: ela quer trabalhar fora e ele nªo deixa. Ela precisa de mais autonomia, mais liberdade e tambØm gostaria de colaborar na soluçªo dos problemas financeiros da família. Por outro lado, ele acha que pode dar conta do recado sozinho. Essa Ø uma situaçªo freqüente entre casais.

Esse Ø um assunto muito delicado, mas certamente vocŒ jÆ deve ter uma opiniªo formada a esse respeito.

Elabore um parÆgrafo que contenha todos os possíveis argumentos de

Eduardo para que Meire nªo trabalhe fora de casa. Em seguida, elabore outro parÆgrafo com todos os possíveis argumento de Meire para trabalhar. Se quiser, releia a Cenatexto. Mªos à obra e bom trabalho!

1.Argumentos de Eduardo

AULAVocŒ viu, na aula anterior, que existem autores que preferem retratar a realidade tal como ela se apresenta. Viu tambØm que esses autores sªo chamados

de realistas e seu estilo de Øpoca Ø o Realismo. Agora vocŒ verÆ que, dentro do Realismo, surge uma outra corrente literÆria.

Naturalismo

No Naturalismo (Realismo levado ao extremo) hÆ um exagero perante a tendŒncia de evidenciar os aspectos doentios e brutais da realidade.

A narrativa naturalista valoriza o coletivo, sobretudo os grupos humanos marginalizados. Sªo enfatizados os instintos naturais; o homem Ø, muitas vezes, comparado aos animais. Alguns romances naturalistas apresentam descriçıes detalhadas de atos sexuais. O homossexualismo tambØm aparece em alguns romances. Nesse estilo de Øpoca era comum a obediŒncia aos instintos naturais, uma vez que o personagem nªo podia ser reprimido em suas manifestaçıes instintivas.

O Naturalismo faz uma vigorosa anÆlise da sociedade e de seus problemas. O texto abaixo Ø um fragmento do livro O mulato, de Aluísio Azevedo. Observe como o autor mostra, sem rodeios, um aspecto problemÆtico da sociedade: o racismo.

O Mulato

suplico-lhe poraquele que caiu assassinado! - E apontou na direçªo da cruz. Era
seu irmªo e dizem que meu pai\ Pois bem, peço-lhe por ele que me fale com

- Mas entªo?! Se Ø meu amigo, que diabo! diga-me a razªo com franqueza! tireme, por uma vez, deste maldito inferno da dœvida! declare-me o segredo da sua recusa, seja qual for, ainda que seja uma revelaçªo esmagadora! Estou disposto a aceitar tudo, tudo! menos o mistØrio, que esse tem sido o tormento de minha vida! Vamos, fale! franqueza! Se sabe alguma coisa dos meus antepassados e do meu nascimento, conteme tudo! Juro que lhe ficarei reconhecido por isso! Ou, quem sabe serei tªo desprezível a seus olhos, que nem sequer lhe mereça tªo miserÆvel prova de confiança?

casamento com a minha filha, no caso de que isso tivesse lugar!E só peço a Deus

-Nªo! nªo! ao contrÆrio, meu amigo! Eu atØ levaria muito em gosto o seu que lhe depare a ela um marido possuidor das suas boas qualidades e do seu saber; creia, porØm, que eu, como bom pai, nªo devo, de forma alguma, consentir em semelhante uniªo. Cometeria um crime se assim procedesse!... -Com certeza hÆ parentesco de irmªo entre ela e eu!...

-Repare que me estÆ ofendendo...

-Pois defenda-se, declarando tudo de uma vez!

-E o senhor promete nªo se revoltar com o que disser!...

-Recusei-lhe a mªo de minha filha, porque o senhor ØØ filho de uma escrava...

-Juro! Fale!... Manuel sacudiu os ombros e resmungou depois, em ar de confidŒncia: - Eu?!

-O senhor Ø um homem de cor! Infelizmente esta Ø a verdade... Raimundo tornou-se lívido. Manuel prosseguiu, no fim de um silŒncio: -JÆ vŒ o amigo que nªo Ø por mim que lhe recusei Ana Rosa, mas Ø por tudo!

mulatos!Nunca me perdoariam um tal casamento, alØm do que, para realizÆ-lo

A família de minha mulher sempre foi muito escrupulosa a esse respeito, e como ela Ø toda a sociedade do Maranhªo! Concordo que seja uma asneira; concordo que seja um prejuízo tolo! o senhor porØm nªo imagina o que Ø por cÆ a prevençªo contra os teria que quebrar a promessa que fiz a minha sogra, de nªo dar a neta senªo a um branco de lei, portuguŒs ou descendente direto de portugueses!...

Arte e vida

& Fonte: Aluísio de Azevedo. O Mulato. 19“ ed. Sªo Paulo, Martins, 1974, PÆg. 205-6.

AULAVeja agora alguns dados sobre a vida de Aluísio Azevedo, grande escritor naturalista brasileiro:

Aluísio Tancredo Gonçalves de Azevedo nasceu a 14 de abril de 1857, em Sªo Luís do Maranhªo, e morreu a 21 de janeiro de 1913, em Buenos Aires. Trabalhou como caricaturista na imprensa, tendo atacado em seus romances os conservadores, a sociedade do Maranhªo e o clero. Escreveu o primeiro romance naturalista brasileiro, intitulado O Mulato.

Observe que a letra da mœsica a seguir contØm uma característica muito significativa ao Naturalismo: o homem Ø comparado aos animais.

Como dois animais

Uma moça bonita de olhar agateado deixou em pedaços o meu coraçªo

Uma onça pintada e seu tiro certeiro deixou os meus nervos de aço no chªo Foi mistØrio e segredo e muito mais foi divino o brinquedo e muito mais se amar como dois animais

Meu olhar vagabundo de cachorro vadio olhava a pintada e ela estava no cio

Era um cªo vagabundo e uma onça pintada se amando na praça como os animais.

Fonte: Alceu Valença. Como dois animais. Em: Cavalo de Pau. LP. Ariola n” 201647, 1982. L. A, F. 3.

Saideira

Comentários