Volume II. Arte Naval_2 - sum?rio - 2

Volume II. Arte Naval_2 - sum?rio - 2

(Parte 1 de 4)

CAPÍTULO 1 NOMENCLATURA DO NAVIO

SEÇÃO A – DO NAVIO, EM GERAL1

1.1.Embarcação e navio; 1.2.Casco; 1.3.Proa (Pr); 1.4.Popa (Pp); 1.5.Bordos; 1.6.Meianau (MN); 1.7.Bico de proa; 1.8.Avante e a ré; 1.9.Corpo de proa; 1.10.Corpo de popa; 1.1.Obras vivas (OV) e carena; 1.12.Obras mortas (OM); 1.13.Linha-d’água (LA); 1.14.Costado; 1.15.Bojo; 1.16.Fundo do navio; 1.17.Forro exterior; 1.18.Forro interior do fundo; 1.19.Bochechas; 1.20.Amura; 1.21.Borda; 1.2.Borda-falsa; 1.23.Amurada; 1.24.Alhetas; 1.25.Painel de popa ou somente painel; 1.26.Grinalda; 1.27.Almeida; 1.28.Delgados; 1.29.Cinta, cintura ou cintado do navio; 1.30.Resbordo; 1.31.Calcanhar; 1.32.Quina; 1.3.Costura; 1.34.Bosso do eixo; 1.35.Balanço de proa; 1.36.Balanço de popa; 1.37.Superestrutura; 1.38.Castelo de proa; 1.39.Tombadilho; 1.40.Superestrutura central; 1.41.Poço; 1.42.Superestrutura lateral; 1.43.Contrafeito; 1.4.Contra-sopro; 1.45.Jardim de popa; 1.46.Recesso; 1.47.Recesso do túnel; 1.48.Talhamar; 1.49.Torreão de comando; 1.50.Apêndices.

SEÇÃO B – PEÇAS PRINCIPAIS DA ESTRUTURA DOS CASCOS METÁLICOS13

1.51.Ossada e chapeamento; 1.52.Vigas e chapas longitudinais: a.Quilha; b.Sobrequilha; c.Longarinas ou longitudinais; d.Trincaniz; e.Sicordas; 1.53.Vigas e chapas transversais: a.Cavernas; b.Cavernas altas; c.Vaus; d.Hastilhas; e.Cambotas; 1.54.Reforços locais: a.Roda de proa; b.Cadaste; c.Pés-de-carneiro; d.Vaus intermediários; e.Vaus secos; f.Latas; g.Buçardas; h.Prumos; i.Travessas; j.Borboletas ou esquadros; l.Tapa-juntas; m.Chapa de reforço; n.Calços; o.Colar; p.Cantoneira de contorno; q.Gola; 1.5.Chapeamento: a.Chapeamento exterior do casco; b.Chapeamento do convés e das cobertas; c.Chapeamento interior do fundo; d.Anteparas.

SEÇÃO C – CONVÉS, COBERTAS, PLATAFORMAS E ESPAÇOS ENTRE CONVESES19

1.56.Divisão do casco.

SEÇÃO D – SUBDIVISÃO DO CASCO23

1.57.Compartimentos; 1.58.Compartimentos estanques; 1.59.Duplo-fundo (DF); 1.60.Tanque; 1.61.Tanques de óleo: a.Tanques de combustível; b.Tanques de reserva; c.Tanques de verão; 1.62.Tanques fundos; 1.63.Cóferdã, espaço de segurança, espaço vazio ou espaço de ar; 1.64.Compartimentos ou tanques de colisão; 1.65.Túnel do eixo; 1.6.Túnel de escotilha ou túnel vertical; 1.67.Carvoeira; 1.68.Paiol da amarra; 1.69.Paióis; 1.70.Praças; 1.71.Camarotes; 1.72.Câmara; 1.73.Antecâmara; 1.74.Direção de tiro; 1.75.Centro de informações de Combate (CIC); 1.76.Camarim; 1.7.Alojamentos; 1.78.Corredor; 1.79.Trincheira.

SEÇÃO E – ABERTURAS NO CASCO28

1.80.Bueiros; 1.81.Clara do hélice; 1.82.Escotilhas; 1.83.Agulheiro; 1.84.Escotilhão; 1.85.Vigias; 1.86.Olho-de-boi; 1.87.Enoras; 1.8.Gateiras; 1.89.Escovém; 1.90.Embornal; 1.91.Saídas de água; 1.92.Portaló; 1.93.Portinholas; 1.94.Seteiras; 1.95.Aspirações; 1.96.Descargas.

SEÇÃO F – ACESSÓRIOS DO CASCO, NA CARENA31

ARTE NAVALVI 1.97.Leme; 1.98.Pés-de-galinha do eixo; 1.9.Tubo telescópico do eixo; 1.100.Tubulão do leme; 1.101.Suplemento de uma válvula; 1.102.Quilhas de docagem; 1.103.Bolinas ou quilhas de balanço; 1.104.Zinco protetor; 1.105.Buchas.

SEÇÃO G – ACESSÓRIOS DO CASCO, NO COSTADO32

1.106.Guarda do hélice; 1.107.Verdugo; 1.108.Pau de surriola; 1.109.Verga de sécia; 1.110.Dala; 1.1.Dala de cinzas, dala da cozinha; 1.112.Escada do portaló; 1.113.Escada vertical; 1.114.Patim; 1.115.Raposas; 1.116.Figura de proa; 1.117.Castanha.

SEÇÃO H – ACESSÓRIOS DO CASCO, NA BORDA35

1.118.Balaústre; 1.119.Corrimão da borda; 1.120.Buzina; 1.121.Tamanca.

SEÇÃO I – ACESSÓRIOS DO CASCO, NOS COMPARTIMENTOS36

1.122.Carlinga; 1.123.Corrente dos bueiros; 1.124.Jazentes; 1.125.Quartel; 1.126.Xadrez; 1.127.Estrado; 1.128.Tubos acústicos; 1.129.Telégrafo das máquinas, do leme, das manobras AV e AR; 1.130.Portas; 1.131.Portas estanques; 1.132.Portas de visita; 1.133.Beliche; 1.134.Serviços gerais; 1.135.Rede de esgoto, de ventilação, de ar comprimido, etc.; 1.136.Painéis.

SEÇÃO J – ACESSÓRIOS DO CASCO, NO CONVÉS38

1.137.Cabeços; 1.138.Cunho; 1.139.Escoteira; 1.140.Reclamos;1.141.Malagueta; 1.142.Retorno; 1.143.Olhal; 1.144.Arganéu; 1.145.Picadeiros; 1.146.Berço; 1.147.Pedestal; 1.148.Cabide; 1.149.Gaiúta; 1.150.Bucha do escovém, da gateira, etc.; 1.151.Quebra-mar; 1.152.Âncora; 1.153.Amarra; 1.154.Aparelho de fundear e suspender; 1.155.Cabrestante; 1.156.Molinete; 1.157.Mordente; 1.158.Boça da amarra; 1.159.Abita; 1.160.Aparelho de governo; 1.161.Aparelho do navio; 1.162.Mastro; 1.163.Lança ou paude-carga; 1.164.Guindaste; 1.165.Pau da Bandeira; 1.166.Pau da Bandeira de cruzeiro; 1.167.Faxinaria; 1.168.Toldo; 1.169.Sanefas; 1.170.Espinhaço; 1.171.Vergueiro; 1.172.Ferros do toldo; 1.173.Paus do toldo; 1.174.Meia-laranja; 1.175.Capuchana; 1.176.Cabo de vaivém; 1.177.Corrimão da antepara; 1.178.Sarilho; 1.179.Selha; 1.180.Estai da borda, estai do balaústre, estai de um ferro; 1.181.Turco; 1.182.Visor; 1.183.Ninho de pega; 1.184.Ventiladores.

CAPÍTULO 2 GEOMETRIA DO NAVIO

SEÇÃO A – DEFINIÇÕES49

2.1.Plano diametral, plano de flutuação e plano transversal; 2.2.Linha de flutuação; 2.3.Flutuações direitas ou retas; 2.4.Flutuações isocarenas; 2.5.Linha-d’água projetada ou flutuação de projeto (LAP); 2.6.Zona de flutuação; 2.7.Área de flutuação; 2.8.Área da linha-d’água; 2.9.Superfície moldada; 2.10.Linhas moldadas; 2.1.Superfície da carena; 2.12.Superfície molhada; 2.13.Volume da forma moldada; 2.14.Volume da carena; 2.15.Curvatura do vau; 2.16.Linha reta do vau; 2.17.Flecha do vau; 2.18.Mediania; 2.19.Seção a meia-nau; 2.20.Seção transversal; seção mestra; 2.21.Centro de gravidade de um navio (CG); 2.2.Centro de carena, de empuxo, ou de volume (C); 2.23.Centro de flutuação (CF); 2.24.Empuxo; 2.25.Princípio de Arquimedes; 2.26.Flutuabilidade; 2.27.Reserva de flutuabilidade; 2.28.Borda-livre (BL); 2.29.Metacentro transversal (M); 2.30.Metacentro longitudinal (M’); 2.31.Raio metacêntrico transversal; 2.32.Raio metacêntrico longitudinal; 2.3.Altura metacêntrica; 2.34.Tosamento ou tosado;

2.35.Alquebramento; 2.36.Altura do fundo ou pé de caverna; 2.37.Adelgaçamento; 2.38.Alargamento.

SEÇÃO B – DESENHO DE LINHAS E PLANO DE FORMAS60

2.39.Desenho de linhas; 2.40.Planos de referência: a.Plano da base moldada; b.Plano diametral; c.Plano de meia-nau; 2.41.Linhas de referência; a.Linha da base moldada, linha de construção ou linha base (LB); b.Linha de Centro (LC); c.Perpendiculares; 2.42.Linhas do navio; a.Linhas-d’água (LA); b.Linhas do alto; c.Linhas de balizas; 2.43.Traçado na sala do risco: a.Risco do Navio; b.Tabelas de cotas riscadas; c.Linhas corretas das cotas riscadas; 2.4.Planos do desenho de linhas; 2.45.Plano de formas: a.Cavernas moldadas; b.Traçado do plano de formas.

SEÇÃO C – DIMENSÕES LINEARES63

2.46.Generalidades; 2.47.Perpendiculares (P); 2.48.Perpendicular a vante (P.AV); 2.49.Perpendicular a ré (P.AR); 2.50.Comprimento entre perpendiculares (CEP); 2.51.Comprimento de registro; 2.52.Comprimento no convés; 2.53.Comprimento de arqueação; 2.54.Comprimento de roda a roda; 2.5.Comprimento alagável; 2.56.Boca; 2.57.Boca moldada; 2.58.Boca máxima; 2.59.Pontal; 2.60.Calado; 2.61.Calado moldado; 2.62.Escala de calado; 2.63.Coeficientes de forma ou coeficientes de carena: a.Coeficiente de bloco; b.Coeficiente prismático, coeficiente cilíndrico ou coeficiente longitudinal; c.Coeficiente da seção a meia-nau; d.Coeficiente da área de flutuação; 2.64.Relações entre as dimensões principais e outras relações; 2.65.Tabela dos coeficientes de forma da carena.

SEÇÃO D – DESLOCAMENTO E TONELAGEM71

2.6.Deslocamento (W); 2.67.Cálculo do deslocamento; 2.68.Fórmulas representativas do deslocamento; a.Sistema métrico; b.Sistema inglês; 2.69.Deslocamento em plena carga, deslocamento carregado ou deslocamento máximo; 2.70.Deslocamento normal; 2.71.Deslocamento leve ou deslocamento mínimo; 2.72.Deslocamento padrão; 2.73.Resumo das condições de deslocamento; 2.74.Expoente de carga ou peso morto; 2.75.Porte útil, peso morto líquido ou carga paga; 2.76.Arqueação Bruta; 2.7.Cálculo da Arqueação; 2.78.Sistema Moorson, regras do canal do Panamá, do canal de Suez e do rio Danúbio; 2.79.Relação entre o expoente de carga e a capacidade cúbica; 2.80.Trim e banda; compassar e aprumar; 2.81.Lastro; lastrar; 2.82.Curvas hidrostáticas; 2.83.Escala de deslocamento; 2.84.Toneladas por centímetro de imersão e toneladas por polegada de imersão: a. Toneladas por centímetros; a. Toneladas por polegadas; 2.85.Cálculo aproximado do deslocamento; 2.86.Cálculo aproximado da arqueação:a. Arqueação Bruta (AB); b. Arqueação Líquida (AL); 2.87.Variação do calado médio devido a uma modificação de peso sem alterar o trim; 2.8.Variação do calado ao passar o navio da água salgada para a água doce, e vice-versa; 2.89.Variação de trim devido a uma modificação do peso: a. Variação produzida no trim por se mover longitudinalmente um peso que já se encontra a bordo; b. Variação produzida no trim por embarque ou desembarque de pesos.

CAPÍTULO 3 CLASSIFICAÇÃO DOS NAVIOS

SEÇÃO A – CLASSIFICAÇÃO GERAL; NAVIOS DE GUERRA91

3.1.Classificação geral: a.Quanto ao fim a que se destinam; b.Quanto ao material de construção do casco; c.Quanto ao sistema de propulsão; 3.2.Navios de guerra; 3.3.Porta-

Aviões ou Navio-aeródromo (NAe): a.Características g0,erais; b.Histórico; c.Tipos; 3.4.Submarinos (S): a.Funções; b.Características principais; c.Histórico; 3.5.Cruzadores: a.Funções; b.Tipos; c.Histórico; 3.6.Contratorpedeiros: a.Funções e características; b.Armamento; c.Histórico; 3.7.Fragatas: a.Funções e características; 3.8.Navios e Embarcações de Desembarque: a.Operações anfíbias (aspectos doutrinários); b.Tipos de embarcações de desembarque; c.Características principais; 3.8.1.Navio de Desembarque e Assalto Anfíbio (NDAA); 3.8.2.Navio de Desembarque de Comando (NDC); 3.8.3.Navio de Desembarque de Carros de Combate (NDCC); 3.8.4.Navio de Desembarque e Doca (NDD); 3.8.5.Navio de Desembarque, Transporte e Doca (NDTD); 3.8.6.Navio Transporte de tropa (NTrT); 3.8.7.Embarcação de Desembarque de Carga Geral (EDCG); 3.8.8.Embarcação de Desembarque de Viaturas e Material (EDVM); 3.8.9.Embarcações de Desembarque de Viaturas e Pessoal (EDVP); 3.8.10.Embarcação de Desembarque Guincho Rebocador (EDGR); 3.8.1.Carro de Combate Anfíbio (CCAnf); 3.8.12.Carro Lagarta Anfíbio (CLAnf); 3.8.13.Embarcação de desembarque pneumática; 3.8.14.Hovercraft; 3.8.Navios mineiros; 3.9.1.Navios mineiros ou lança-minas (NM); 3.9.2.Navios varredores ou caça-minas (NV); 3.10.Corvetas (CV); 3.1.Caça-submarinos (CS); 3.12.Canhoneiras (Cn) e Monitores (M); 3.12.1.Canhoneiras (Cn); 3.21.2.Monitores (M); 3.13.Navios-Patrulha; 3.13.1.Navio-Patrulha Fluvial; 3.13.2.Navio-Patrulha Costeira; 3.14.Lancha de combate (LC) ou Lancha de Ataque Rápido (LAR):a. Comprimento; b.Tripulação; c.Armamento 3.15.Encouraçado:a. Funções;b Armamento; c.Características principais; d.Proteção; e.Histórico.

SEÇÃO B – NAVIOS MERCANTES122

3.16.Classificação dos navios mercantes: a.Quanto ao fim a que se destinam; b.Quanto às águas em que navegam; c.Quanto ao tipo de construção.

SEÇÃO C – EMBARCAÇÕES E NAVIOS, EM GERAL125

3.17.Embarcações de recreio; 3.18.Navios e embarcações de serviços especiais: a.Navios de salvamento; b.Navios de cabo submarino; c.Dragas; d.Rebocadores; e.Embarcações quebra-gelos; f.Barcas; g.Embarcações de práticos; h.Embarcações de porto; 3.19.Navios de madeira; 3.20.Navios de ferro; 3.21.Navios de aço; 3.2.Navios de cimento armado; 3.23.Navios a vela ou veleiros; 3.24.Navios de propulsão mecânica; 3.24.1.Máquinas a vapor; 3.24.1.1.Máquinas alternativas; 3.24.1.2.Turbinas a vapor; a.Redutores de engrenagem; b.Redutor hidráulico; c.Redutores de corrente; d.Propulsão turboelétrica; 3.24.2.Motores Diesel: a.De propulsão direta; b.De redutores, de engrenagens ou hidráulicos; c.Propulsão diesel-elétrica; 3.24.3.Comparação entre as máquinas propulsoras; 3.24.4.Turbinas a gás; 3.25.Propulsão nuclear: a.Fissão, comparação entre combustão e fissão; b.Combustíveis nucleares; c.Reator nuclear; d.Tipos de reator; e.A instalação nuclear de propulsão marítima; f.Aplicação nos navios de guerra; 3.26.Embarcações sem propulsão.

SEÇÃO D – AEROBARCOS E VEÍCULOS SOBRE COLCHÕES DE AR139

3.27.Introdução; 3.28.O desenvolvimento; 3.29.O aerobarco; 3.30.O veículo sobre colchão de ar (VCA); 3.31.Perspectivas.

CAPÍTULO 4

SEÇÃO A – EMBARCAÇÕES149

4.1.Generalidades; 4.2.Classificação das embarcações: a.Lanchas; b.Embarcações de casco semi-rígido; c.Escaleres; d.Baleeiras; e.Botes; f.Chalanas; g.Balsas; h.Balsas salva-vidas infláveis; 4.3.Construção de embarcações de madeira; 4.3.1.Construção do casco: a.Costado liso; b.Costado em trincado; c.Costado em diagonal; 4.3.2.Peças de construção de uma embarcação de madeira: quilha, sobrequilha, sobressano ou falsa quilha, cavernas, roda de proa, cadaste, coral, contra-roda, contracadaste, painel de popa, alefriz, alcatrates, buçarda, dormente, braçadeiras, bancadas, pés-de-carneiro, carlinga, coxias, castelo, tábuas do resbordo, escoas, costado, falca, tabica, tábuas de boca, cocões, painéis, chumaceiras, toleteiras, bueiros, verdugos, paineiro, travessão, castanhas, forquetas da palamenta, casa do cão, garlindéu, tanques de ar, armadoras, cunhos, arganéus, olhais, jazentes, monelha; 4.4.Propulsão das embarcações miúdas; 4.5.Palamenta das embarcações miúdas: leme, cana do leme, meia-lua, governaduras, fiéis do leme, remos, forquetas, toletes, croque, finca-pés, toldo, paus do toldo, sanefas, pau da flâmula e pau da Bandeira, quartola ou ancoreta, agulha, boça, boça de viagem, xadrez, almofada, panos do paineiro, capachos, farol, lanterna, defensas, baldes, bartedouro (vertedouro), capa, capuchana, coletes salva-vidas, ancorote, extintos, bóia salva-vidas, pirotécnicos, equipamentos de salvatagem, caixa de primeiros socorros, bandeira nacional, flâmulas e pavilhões, luzes de navegação, sinos para sinalização sonora; 4.6.Cuidados com as embarcações miúdas; 4.7.Amarretas e ancorotes: a.Amarretas; b.Ancorotes; 4.8.Âncora flutuante ou drogue.

SEÇÃO B – ARRUMAÇÃO DAS EMBARCAÇÕES E TURCOS173

4.9.Arrumação das embarcações a bordo: a.Navios de guerra; b.Navios mercantes; 4.10.Turcos, lanças e guindastes; 4.1.Tipos de turcos: a.Comum; b.De rebater; c.Quadrantal; d.Rolante; e.Articulado por gravidade; 4.12.Aparelhos de escape.

CAPÍTULO 5 CONSTRUÇÃO DOS NAVIOS

SEÇÃO A – PEÇAS DE CONSTRUÇÃO181

5.1.Peças estruturais e peças não estruturais; 5.2.Chapas: a.Definição; b.Comprimento e largura; c.Galvanização; 5.3.Classificação das chapas: a.Chapas estruturais; b.Chapas finas e folhas; c.Chapas grossas; d.Chapas corrugadas; e.Chapas xadrez; 5.4.Designação e dimensões das chapas: a.Designação; b.Dimensões; 5.5.Perfis: a.Perfis laminados; b.Seções preparadas; 5.6.Barras e vergalhões; 5.7.Tubos de ferro e aço: a.Fabricação; b.Tipos; 5.8.Outros produtos de aço: a.Chapas-suportes; b.Arames e fios; 5.9.Calibres; 5.10.Trabalhos feitos em chapas nas oficinas: a.Desempenar; b.Marcar; c.Cortar; d.Furar; e.Chanfrar arestas; f.Escarvar; g.Virar; h.Dupla curvatura; i.Dobrar ou flangear e rebaixar; j.Aplainar a face; 5.1.Trabalhos feitos em perfis nas oficinas; 5.12.Máquinas portáteis; 5.13.Outras operações com as peças metálicas: a.Forjamento; b.Fundição; 5.14.Máquinasferramentas; 5.15.Ensaios dos materiais: a.Ensaios mecânicos; b.Análises químicas; c.Ensaios metalográficos; d.Ensaios radiográficos.

SEÇÃO B – LIGAÇÃO DAS PEÇAS DE CONSTRUÇÃO190

5.16.Tipos de juntas: a.Juntas permanentes; b.Juntas não permanentes; c.Juntas provisórias de montagem; d.Juntas de metais dissimilares (aço e alumínio); 5.17.Cravação, rebites e prisioneiros: a.Definições; b.Nomenclatura dos rebites; c.Forma dos prisioneiros; d.Material dos rebites; e.Eficiência das Juntas cravadas; 5.18.Tipos de Juntas cravadas; 5.19.Tipos de rebites: a.Cabeça; b.Ponta; 5.20.Estanqueidade das juntas; 5.21.Calafeto; 5.2.Juntas plásticas; 5.23.Processos de soldagem: a.Solda por pressão; b.Solda por fusão; 5.24.Soldagem versus cravação: a.Generalidades; b.Vantagens da soldagem; 5.25.Roscas de parafusos: a.Classificação e emprego; b.Características; c.Ajustagem; d.Direção; e.Tipos de roscas e padrões; 5.26.Parafusos, porcas e arruelas: a.Tipos de parafusos; a.Parafusos; b.Porcas; c.Arruelas.

(Parte 1 de 4)

Comentários