5º semestre.part03 - diretrizes brasileiras de s?ndrome metab?lica

5º semestre.part03 - diretrizes brasileiras de s?ndrome metab?lica

(Parte 1 de 11)

Arquivos Brasileiros de Cardiologia - Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005 3

Editorial

Reconhecida como uma entidade complexa que associa fatores de risco cardiovasculares bem estabelecidos, como hipertensão arterial, hipercolesterolemia, e diabetes, entre outros, com a deposição central de gordura e a resistência à insulina, a Síndrome Metabólica já ganha a dimensão como um dos principais desafios da prática clínica nesse início de século. Afinal, sua concomitância com afecções cardiovasculares aumenta a mortalidade geral em cerca de 1,5 vezes e a cardiovascular em aproximadamente 2,5 vezes.

Compreendendo a importância do tema e coerente com os avanços mais atuais dos conhecimentos científicos, a

Sociedade Brasileira de Hipertensão, então sob a presidência do Dr. Ayrton Pires Brandão, se empenhou na estruturação e realização da I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e TI Diretriz Brasileira de Diagnóstico e TI Diretriz Brasileira de Diagnóstico e TI Diretriz Brasileira de Diagnóstico e TI Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólicaratamento da Síndrome Metabólicaratamento da Síndrome Metabólicaratamento da Síndrome Metabólicaratamento da Síndrome Metabólica.

Para tanto, contou com o apoio e a participação efetiva de quatro outras grandes Sociedades médicas de abrangência nacional:

• Sociedade Brasileira de Cardiologia.

• Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia.

• Sociedade Brasileira de Diabetes.

• Associação Brasileira para Estudos da Obesidade.

Reunindo representantes de todas as instituições citadas, o programa científico foi desenvolvido, sob a forma de

Grupos de Trabalho, dentro de um esforço cooperativo de plena integração multidisciplinar e de amplo intercâmbio de experiência entre os quase 80 especialistas convidados. Foi um conjunto exemplar de atividades correlatas que, no período de 12 a 14 de agosto de 2004, conseguiu somar o talento, a capacidade profissional e o interesse comum de todos os envolvidos em produzir um documento objetivo, prático e de indiscutível utilidade para o médico brasileiro.

É de se enfatizar que, após as muitas sessões de trocas de opiniões e vivências, coube à Comissão de Redação a tarefa sempre árdua de organizar as informações discutidas e aprovadas para compor um texto claro, de fácil compreensão e ao mesmo tempo consistente sob o ponto de vista científico:

• Dr. Ayrton Pires Brandão

• Dra. Andréa Araujo Brandão

• Dr. Armando da Rocha Nogueira

• Dr. Henrique Suplicy

• Dr. Jorge Ilha Guimarães

• Dr. José Egídio Paulo de Oliveira.

Ao expressar nosso reconhecimento e nossa gratidão a todos aqueles que de algum modo se dispuseram a tornar essa iniciativa uma realização de indiscutível sucesso, particularizamos nossos aplausos à Comissão Organizadora, à Comissão de Redação e também às empresas farmacêuticas que asseguraram os meios materiais para a implementação do evento, a exemplo do laboratório Boehringer Ingelheim do Brasil, patrocinador exclusivo da revista Hipertensão.

Dra. Maria Helena Catelli de CarDra. Maria Helena Catelli de CarDra. Maria Helena Catelli de CarDra. Maria Helena Catelli de CarDra. Maria Helena Catelli de Carvalhovalhovalhovalhovalho Editora

Arquivos Brasileiros de Cardiologia - Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005 4

Sociedade Brasileira de HiperSociedade Brasileira de HiperSociedade Brasileira de HiperSociedade Brasileira de HiperSociedade Brasileira de Hipertensãotensãotensãotensãotensão Presidente: Ayrton Pires Brandão

Sociedade Brasileira de CardiologiaSociedade Brasileira de CardiologiaSociedade Brasileira de CardiologiaSociedade Brasileira de CardiologiaSociedade Brasileira de Cardiologia Presidente: Antonio Felipe Simão

Sociedade Brasileira de Endocrinologia e MetabologiaSociedade Brasileira de Endocrinologia e MetabologiaSociedade Brasileira de Endocrinologia e MetabologiaSociedade Brasileira de Endocrinologia e MetabologiaSociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia Presidente: Valéria Cunha Campos Guimarães

Sociedade Brasileira de DiabetesSociedade Brasileira de DiabetesSociedade Brasileira de DiabetesSociedade Brasileira de DiabetesSociedade Brasileira de Diabetes Presidente: Leão Zagury

Associação Brasileira para Estudos da ObesidadeAssociação Brasileira para Estudos da ObesidadeAssociação Brasileira para Estudos da ObesidadeAssociação Brasileira para Estudos da ObesidadeAssociação Brasileira para Estudos da Obesidade Presidente: Giusepe Repetto

COORDENAÇÃO GERAL Ayrton Pires Brandão

Ayrton Pires Brandão Andréa Araujo Brandão

Armando da Rocha Nogueira

Henrique Suplicy

Jorge Ilha Guimarães José Egídio Paulo de Oliveira

Amélio Godoy-Matos Andréa Araujo Brandão

Armando da Rocha Nogueira

Ayrton Pires Brandão

Cesar Cardoso de Oliveira

José Egídio Paulo de Oliveira

Jucinéia Oliveira

Leão Zagury

Lúcia Maria Carraro Vivian Ellinger

Arquivos Brasileiros de Cardiologia - Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005 5

Apresentação

A Síndrome Metabólica (SM) é um transtorno complexo representado por um conjunto de fatores de risco cardiovascular, usualmente relacionados à deposição central de gordura e à resistência à insulina, devendo ser destacada a sua importância do ponto de vista epidemiológico, responsável pelo aumento da mortalidade cardiovascular estimada em 2,5 vezes.

Conscientes da importância do assunto, os Presidentes da Sociedade Brasileira de Hipertensão (SBH), da Sociedade

Brasileira de Cardiologia (SBC), da Sociedade Brasileira de Endocrinologia e Metabologia (SBEM), da Sociedade Brasileira de Diabetes (SBD) e da Associação Brasileira para o Estudo sobre a Obesidade (ABESO), juntaram esforços para elaborar a I Diretriz Brasileira de Diagnóstico e TI Diretriz Brasileira de Diagnóstico e TI Diretriz Brasileira de Diagnóstico e TI Diretriz Brasileira de Diagnóstico e TI Diretriz Brasileira de Diagnóstico e Tratamento da Síndrome Metabólicaratamento da Síndrome Metabólicaratamento da Síndrome Metabólicaratamento da Síndrome Metabólicaratamento da Síndrome Metabólica.

Estabeleceu-se que o documento final deveria expressar a opinião conjunta dos especialistas das diversas áreas envolvidas e que o nível de evidência científica adotado seria aquele recomendado pelo Oxford Centre for Evidence-based Medicine (maio 2001), incorporado pela Associação Médica Brasileira (AMB) e pelo Conselho Federal de Medicina (CFM).

Foi então criada uma Comissão Organizadora constituída por representantes das cinco Sociedades envolvidas, que definiu as estratégias políticas, científicas, logísticas e de apoio financeiro que permitissem a consecução do objetivo final.

Os grupos de trabalho encarregados de elaborar os tópicos científicos foram compostos por representantes das cinco áreas, sempre com um coordenador, um coordenador adjunto e diferentes profissionais da área da saúde, num total aproximado de dez membros para cada grupo. Foram criados nove grupos, sendo oito dedicados a temas pontuais da SM e um dedicado especificamente à abordagem conjunta da Síndrome Metabólica.

A cidade do Rio de Janeiro foi escolhida como sede do evento, que ocorreu no período de12 a 14 de agosto de 2004.

A Síndrome Metabólica ainda carece de uma definição bem estabelecida, mas há uma indicação consensual de que o aumento da pressão arterial, os distúrbios do metabolismo dos glicídios e lipídios e o excesso de peso estão, de forma definitiva, associados ao aumento da morbimortalidade cardiovascular, fato observado não só nos países desenvolvidos mas também, e de uma forma preocupante, nos países em desenvolvimento e subdesenvolvidos.

Portanto, a oportunidade de se ter em documento único uma abordagem conjunta desses fatores de risco, de modo que possa ser utilizado não só por especialistas das áreas, mas também pelo conjunto de profissionais da área da saúde, é uma iniciativa pioneira no nosso meio, e esperamos que ele alcance esse objetivo.

Finalmente, gostaria de agradecer a todos os colegas que participaram da realização deste documento e, de uma maneira especial aos Presidentes das Sociedades, que pessoalmente ou através das suas lideranças estiveram presentes durante todo o evento.

A Comissão OrganizadoraA Comissão OrganizadoraA Comissão OrganizadoraA Comissão OrganizadoraA Comissão Organizadora

Arquivos Brasileiros de Cardiologia - Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005 6

Graus de Recomendação e Força de Evidência

AAAAAEstudos experimentais ou observacionais de melhor consistência BBBBBEstudos experimentais ou observacionais de menor consistência CCCCCRelatos de casos (estudos não-controlados) DDDDDOpinião desprovida de avaliação crítica, baseada em consensos, estudos fisiológicos ou modelos animais

Nível de Evidência Científica por Tipo de Estudo

Oxford Centre for Evidence-based Medicine (maio 2001) Projeto Diretrizes AMB-CFM

Grau deGrau deGrau deGrau deGrau de Nível deNível deNível deNível deNível de TTTTTratamento/prevenção –ratamento/prevenção –ratamento/prevenção –ratamento/prevenção –ratamento/prevenção – PrognósticoPrognósticoPrognósticoPrognósticoPrognóstico DiagnósticoDiagnósticoDiagnósticoDiagnósticoDiagnóstico Diagnóstico diferencial/Diagnóstico diferencial/Diagnóstico diferencial/Diagnóstico diferencial/Diagnóstico diferencial/ recomendaçãorecomendaçãorecomendaçãorecomendaçãorecomendação evidênciaevidênciaevidênciaevidênciaevidência etiologiaetiologiaetiologiaetiologiaetiologia prevalência de sintomasprevalência de sintomasprevalência de sintomasprevalência de sintomasprevalência de sintomas

1ARevisão sistemática (comRevisão sistemática (comRevisão sistemática (comRevisão sistemática (com homogeneidade) de ensaioshomogeneidade) de coorteshomogeneidade) de estudoshomogeneidade) de estudo clínicos controlados edesde o início da doença.diagnósticos nível 1de coorte (contemporânea randomizadosCritério prognóstico validadoCritério diagnóstico de estudos nívelou prospectiva) em diversas populações1B, em diferentes centros clínicos

1BEnsaio clínico controlado eCoorte, desde o início daCoorte validada, com bom padrãoEstudo de coorte randomizado com intervalodoença, com perda < 20%de referência(contemporânea ou de confiança estreitoCritério prognóstico validadoCritério diagnóstico testado em umprospectiva) com em uma única populaçãoúnico centro clínicopoucas perdas

1CResultados terapêuticosSérie de casos do tipoSensibilidade e especificidadeSérie de casos do tipo do tipo “tudo ou nada”“tudo ou nada”próximas de 100%“tudo ou nada”

2ARevisão sistemáticaRevisão sistemática (comRevisão sistemática (comRevisão sistemática (com (com homogeneidade)homogeneidade) de coorteshomogeneidade) de estudoshomogeneidade) de estudos de estudos de coortehistóricas (retrospectivas) oudiagnósticos de nível > 2sobre diagnóstico diferencial de seguimento de casos não-de nível > 2B tratados de grupo controle de ensaio clínico randomizado

2BEstudo de coorte (incluindoEstudo de coorte históricaCoorte exploratória com bomEstudo de coorte histórica ensaio clínico randomizadoSeguimento de pacientes não-padrão de referência(coorte retrospectiva) ou de menor qualidade)tratados de grupo controle deCritério diagnóstico derivadocom seguimento casos ensaio clínico randomizado.ou validado em amostrascomprometido (número Critério prognóstico derivadofragmentadas ou banco de dadosgrande de perdas) ou validado somente em amostras fragmentadas

2CObservação de resultadosObservação de evoluçõesEstudo ecológico terapêuticos clínicas (outcomes research) (outcomes research) Estudo ecológico.

3ARevisão sistemática (comRevisão sistemática (comRevisão sistemática (com homogeneidade) dehomogeneidade) de estudoshomogeneidade) de estudos estudos caso-controlediagnósticos de nível > 3Bde nível > 3B

3BEstudo caso-controleSeleção não-consecutiva de casos,Coorte com seleção nãoou padrão de referência aplicadoconsecutiva de casos, de forma pouco consistenteou população de estudo muito limitada

4Relato de casos (incluindoSérie de casos (e coorteEstudo caso-controle; ouSérie de casos, ou padrão coorte ou caso-controle deprognóstica de menorpadrão de referência pobrede referência superado menor qualidade) qualidade) ou não-independente

5Opinião de especialista sem avaliação crítica ou baseada em matérias básicas (estudo fisiológico ou estudo com animais)

Arquivos Brasileiros de Cardiologia - Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005Volume 84, Suplemento I, Abril 2005 7

GRUPO 1GRUPO 1GRUPO 1GRUPO 1GRUPO 1 Coordenador:

Armando da Rocha NogueiraArmando da Rocha NogueiraArmando da Rocha NogueiraArmando da Rocha NogueiraArmando da Rocha Nogueira

Coordenador Adjunto: Kátia Verguetti BlochKátia Verguetti BlochKátia Verguetti BlochKátia Verguetti BlochKátia Verguetti Bloch

Participantes: • Heno Lopes

• Laércio Joel Franco

• Leila Araújo

• Maria Claudia Irigoen

• Robson Souza Santos

• Sandra Costa Fuchs

• Walmir Coutinho

GRUPO 2GRUPO 2GRUPO 2GRUPO 2GRUPO 2

Coordenador: Márcio C. ManciniMárcio C. ManciniMárcio C. ManciniMárcio C. ManciniMárcio C. Mancini

Coordenador Adjunto: Maria Edna de MeloMaria Edna de MeloMaria Edna de MeloMaria Edna de MeloMaria Edna de Melo

Participantes: • Cláudio Gil Soares de Araújo

• Dante Marcelo A. Giorgi

• Luis Carlos Bodanese

• Perseu Seixas de Carvalho

• Sérgio Dib

• Valéria Cunha Campos Guimarães

• Elisardo Vasquez

GRUPO 3GRUPO 3GRUPO 3GRUPO 3GRUPO 3

Coordenador: Adriana Costa FAdriana Costa FAdriana Costa FAdriana Costa FAdriana Costa Fororororortititititi

Coordenador Adjunto: Luciana BahiaLuciana BahiaLuciana BahiaLuciana BahiaLuciana Bahia

Participantes: • Amélio Godoy-Matos

• Antonio Carlos Palandri Chagas

• Luiz Aparecido Bortoloto

• Marília Brito Gomes

• Mario Fritsch Neves

• Tania Martinez

Grupos de Trabalho

GRUPO 4GRUPO 4GRUPO 4GRUPO 4GRUPO 4 Coordenador:

Carlos Eduardo NegrãoCarlos Eduardo NegrãoCarlos Eduardo NegrãoCarlos Eduardo NegrãoCarlos Eduardo Negrão

Coordenador Adjunto: Luciana Diniz Nagem Janot MatosLuciana Diniz Nagem Janot MatosLuciana Diniz Nagem Janot MatosLuciana Diniz Nagem Janot MatosLuciana Diniz Nagem Janot Matos

Participantes: • Altamiro Reis da Costa

• Ana Claudia Ramalho

• Ângela Maria P. Pierin

• Gil Fernando Salles

• Jorge Ilha Guimarães

• Josephina Bressan Monteiro

GRUPO 5GRUPO 5GRUPO 5GRUPO 5GRUPO 5

Coordenador: Antonio Felipe SanjulianniAntonio Felipe SanjulianniAntonio Felipe SanjulianniAntonio Felipe SanjulianniAntonio Felipe Sanjulianni

Coordenador Adjunto: Oswaldo Kohlmann JuniorOswaldo Kohlmann JuniorOswaldo Kohlmann JuniorOswaldo Kohlmann JuniorOswaldo Kohlmann Junior

Participantes: • Gustavo Caldas

(Parte 1 de 11)

Comentários