5º semestre.part01 - inter exames lab02

5º semestre.part01 - inter exames lab02

(Parte 3 de 4)

Alguns helmintos eliminam formas larvares no lugar de ovos, como acontece nos

3.2 Pesquisa de Larvas: casos de Strongyloides stercoralis, helminto responsável por alto índice de eosinofilia. Fezes frescas devem ser coletadas em frasco plástico. As instruções para coleta são as mesmas acima descritas.

Apesar de desconhecermos os percentuais exatos da incidência de gastroenterites

3.3 Pesquisa de Rotavírus: causadas pelo rotavírus, sabemos que se trata do maior responsável pelos episódios de diarréia infantil no mundo e que, de acordo com a bibliografia, raramente se manifesta em adultos. A transmissão é fecal-oral, apresentando pico de incidência nos meses de inverno. As fezes frescas devem ser coletadas em frasco plástico. As instruções para coleta do material são as mesmas anteriormente descritas. Como é feita em crianças e lactentes, a coleta pode ser realizada diretamente das fraldas, desde que não estejam contaminadas por urina.

3.4 Pesquisa de Sangue Oculto:

A pesquisa de sangue oculto nas fezes é útil para a identificação de lesões do tubo gastrointestinal que cursam sem sangramento clinicamente visível. As causas mais

54 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

Uma pequena quantidade de sangue é fisiologicamente perdida pelo tubo digestivo,

comuns são sangramentos oriundos de úlceras gástricas e duodenais, gastrite, ulcerações medicamentosas da mucosa gastrointestinal (aspirina, antiinflamatórios), neoplasias gástricas ou de cólon, diverticulite, colites, algumas parasitoses, hemorragias de boca ou trato respiratório superior deglutido. É utilizada também no diagnóstico de anemias ferroprivas, resistente ao tratamento, especialmente em crianças. Para um resultado fidedigno, o exame deverá ser realizado de forma seriada em dias diferentes, tanto para certificar a negatividade, um falso-positivo ou o caráter crônico do sangramento. Casos de falso-positivos podem ocorrer pela presença de mioglobina e/ou hemoglobina de origem da carne animal, assim como também do uso de alimentos ricos em peroxidase. Falsonegativos podem acontecer no uso de vitamina C e agentes antioxidantes. em torno de 2,0 a 2,5 mL/dia. Os métodos de investigação têm sensibilidade para identificar apenas valores acima de 5 mL. Para realizar adequadamente o exame, o paciente deverá manter a dieta por três dias consecutivos. A dieta deve ser isenta de carne e derivados que possam conter hemoglobina. Deve-se evitar o excesso de clorofila (vegetais verdes) e suspender o uso de medicamentos que contenham ferro, bismuto ou cobre, assim como aspirina e antiinflamatórios.

Deve-se espalhar pequena quantidade de fezes sobre o papel de filtro limpo e colocar duas gotas de água oxigenada sobre o esfregaço. Adicionar duas gotas de solução de benzidinar. Observar imediatamente a cor.

Leitura: A reação de benzidina é sensível, mas as gorduras podem torná-la positiva.

Nenhuma mudança de cor: Negativo Cor esverdeada: Traços Cor verde claro: + Cor verde escuro: ++ Cor verde azulado: +++

Azul intenso: ++++ 3.5 Pesquisa de Trofozóides:

Os trofozoítos são formas vegetativas dos protozoários. Pesquisá-los é importante em fezes diarréicas, com o objetivo de identificar Giardia intestinalis, Entamoeba histolytica, Dientamoeba fragilis e outros protozoários intestinais, os quais muitas vezes não são evidenciados pelos exames parasitológicos de rotina, que realizam a pesquisa de formas de resistência (cistos). Devem ser coletadas fezes diarréicas, recém-emitidas, em recipiente com líquido conservante.

4. Alguns Parasitos de Importância Médica:

4.1 Giardia lamblia

A infecção por protozoários atinge, principalmente, a porção superior do intestino delgado. A infecção sintomática pode apresentar-se através de diarréia, acompanhada de dor abdominal. Esse quadro pode ser de natureza crônica, caracterizado por dejeções amolecidas, com aspecto gorduroso, acompanhadas de fadiga, anorexia, flatulência e distensão abdominal. Anorexia, associada com má absorção, pode ocasionar perda de peso e anemia.

Trofozoítos de Giardia lamblia Microscopia eletrônica de varredura Fonte: Arturo Gonzalez, CINVESTAV, México.

5 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

É doença de distribuição universal. Epidemias podem ocorrer, principalmente, em instituições fechadas que atendam crianças, sendo os grupos etários mais acometidos menores de 5 anos e adultos entre 25 e 39 anos.

A giardíase tem como agente etiológico a Giardia lamblia, protozoário flagelado que existe sob as formas de cisto e trofozoíto. A primeira é a forma infectante.

Existem duas formas de transmissão: Direta e Indireta. A transmissão direta se faz pela contaminação das mãos e conseqüente ingestão de cistos existentes em dejetos de pessoas infectadas; já a transmissão indireta ocorre através de ingestão de água ou alimento contaminado.

O diagnóstico laboratorial se faz pela identificação de cistos ou trofozoítos no exame direto de fezes ou identificação de trofozoítos no fluido duodenal, obtido através de aspiração.

Trofozoíto de Giardia lamblia Material: Fezes Exame Direto Fonte: Renê Arriero Shinma

Cisto de Giardia lamblia Material: Fezes Exame Direto Fonte: Renê Arriero Shinma

4.2 Ascaris lumbricoides

56 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

Habitualmente, não causa sintomatologia, mas pode manifestar-se por dor abdominal, diarréia, náuseas e anorexia. Quando há grande número de vermes, pode ocorrer quadro de obstrução intestinal. Em virtude do ciclo pulmonar da larva, alguns pacientes apresentam manifestações pulmonares com broncoespasmo, hemoptise e pneumonite, caracterizando a síndrome de Löefler, que cursa com eosinofilia importante.

Vermes Adultos de Ascaris lumbricoides Fonte: aapredbook. aappublications.org

O Ascaris lumbricoides está entre os helmintos intestinais mais prevalentes em seres humanos. Estima-se que cerca de 2% da população mundial (mais de 1 bilhão de pessoas) estejam infectadas e 10% do total de indivíduos parasitados encontrem-se na América Latina. Alta prevalência de ascaridíase é considerada indicativa de saneamento básico inadequado, comumente observado em comunidades rurais. Entretanto, são freqüentes os relatos de prevalência de ascaridíase em áreas urbanas, semelhante ou mesmo superior à de áreas rurais adjacentes. As más condições de higiene e saneamento básico e a utilização de fezes como fertilizantes contribuem para a prevalência desta helmintose nos países do Terceiro Mundo.

A ascaridíase é causada pelo helminto Ascaris lumbricoides ou comumente chamado de lombriga. É transmitida pela ingestão dos ovos infectantes do parasita, procedentes do solo, água ou alimentos contaminados com fezes humanas. O quadro clínico apenas não a distingue de outras verminoses, havendo, portanto, necessidade de confirmação do achado de ovos nos exames parasitológicos de fezes.

57 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

Verme adulto de Ascaris lumbricoides Ovo com larva de Ascaris lumbricoides

Fonte: w.fcfrp.usp.br/

Ovo embrionado de Ascaris lumbricoides

Fonte: w.fcfrp.usp.br/ Ovo infértil de Ascaris lumbricoides

Fonte: w.fcfrp.usp.br/

58 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

4.3 Entamoeba hystolytica

Pode ou não ocorrer períodos de remissão

É um protozoário que se apresenta em duas formas: cisto e trofozoíto. Esse parasito pode atuar como comensal ou provocar invasão de tecidos, originando, assim, as formas intestinal e extra-intestinal da doença. O quadro clínico varia de uma diarréia aguda e fulminante, de caráter sanguinolento ou mucóide, acompanhada de febre e calafrios, até uma forma branda, caracterizada por desconforto abdominal leve ou moderada, com sangue ou muco nas dejeções. Cisto de Entamoeba hystolytica

Fonte: w.ufrgs.br

Em casos graves, as formas trofozoíticas se disseminam através da corrente sangüínea, provocando abscesso no fígado (com maior freqüência), nos pulmões ou no cérebro. Quando não diagnosticadas a tempo, podem levar o paciente ao óbito.

Esse protozoário, habitante do intestino grosso humano, pertence ao subfilo

Sarcodina, tendo forma amebóide e locomovendo-se através de pseudópodos. Caracterizase por apresentar uma fase de vida comensal, por isso 90% dos casos de amebíase são assintomáticos, entretanto o parasito pode se tornar patogênico, provocando quadros disentéricos de gravidade variável. A amebíase assintomática costuma ocorrer mais no centro-sul do país, enquanto a sintomática ocorre com mais freqüência na região amazônica.

Estima-se que mais de 10% da população mundial está infectada por E. histolytica, espécie patogênica. Em países em desenvolvimento, a prevalência da infecção é alta, sendo que 90% dos infectados podem eliminar o parasito durante 12 meses. Infecções são transmitidas por cistos através da via fecal-oral. Os cistos, no interior do hospedeiro humano, se transformam em trofozoítos. A transmissão é mantida pela eliminação de cistos no ambiente, que podem contaminar a água e alimentos. Sua ocorrência está associada com condições inadequadas de saneamento básico.

59 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

O diagnóstico laboratorial é feito pela visualização de trofozoítos com hemácias fagocitadas, presentes com maior freqüência em fezes diarréicas. Os cistos do parasito são encontrados nas fezes mais formadas e é bastante semelhante aos cistos de espécies comensais de Entamoeba sp., e a identificação, feita através da morfologia e do número de núcleos, torna o diagnóstico complexo. Atualmente, a detecção de anticorpos ou antígenos é uma importante ferramenta para o diagnóstico e pode ser associado ao diagnóstico de imagem e histopatológico, em aspirados ou raspados, obtidos através de endoscopia ou proctoscopia; aspirados de abscessos ou cortes de tecido. A ultra-sonografia e tomografia axial computadorizada são úteis no diagnóstico de abscessos amebianos.

Trofozoítos de Entamoeba hystolytica Fonte: w.ufgrs.br

Trofozoítos de Entamoeba hystolytica Fonte: w.ufgrs.br

A estrongiloidíase é uma

4.4 Strongyloides stercoralis doença parasitária intestinal, freqüentemente assintomática. As formas sintomáticas apresentam inicialmente alterações cutâneas, secundárias à penetração das larvas na pele e caracterizadas por lesões urticariformes ou maculopapulares, lesão serpiginosa ou linear

60 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores pruriginosa migratória (larva currens). Larva rabditóide de Strongyloides stercoralis Fonte: w.fcfrp.usp.br

A migração da larva pode causar manifestações pulmonares, como tosse seca, dispnéia ou broncoespasmo e edema pulmonar (Síndrome de Löeffer). As manifestações intestinais podem ser de média ou grande intensidade, com diarréia, dor abdominal e flatulência, acompanhadas ou não de anorexia, náusea, vômitos e dor epigástrica, que pode simular quadro de úlcera péptica. Os quadros de estrongiloidíase grave (hiperinfecção) se caracterizam por: febre, dor abdominal, anorexia, náuseas, vômitos, diarréias profusas, manifestações pulmonares (tosse, dispnéia e broncoespasmos e, raramente, hemoptise e angústia respiratória).

As larvas infectantes

(filarióides), presentes no meio externo, penetram através da pele, no homem, chegando aos pulmões, traquéia, epiglote, atingindo o trato digestivo, via descendente, onde se desenvolve o verme adulto. Nesse local, são liberadas larvas rabditóides (não infectantes), que saem através das fezes e podem evoluir, no meio externo, para a forma infectante ou para adultos de vida livre que, ao se acasalarem, geram novas formas evolutivas. Pode ocorrer, também, autoendoinfecção, quando as larvas passam a ser filarióides no interior do próprio hospedeiro, sem passar por fase evolutiva no meio externo. Auto-exoinfecção ocorre quando as larvas filarióides são transformadas na região anal ou perianal, onde novamente penetram

Larva filarióide de Strongyloides stercoralis Fonte: w.fcfrp.usp.br

Parasita adulto – fêmea na mucosa intestinal Fonte: w.fcfrp.usp.br

61 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores no organismo do hospedeiro.

A doença ocorre mais em regiões tropicais e subtropicais. No Brasil, há variação regional em função da idade, diferenças geográficas e sócio-econômicas. Os estados que mais freqüentemente diagnosticam são Minas Gerais, Amapá, Goiás e Rondônia.

O diagnóstico é feito pelo exame parasitológico de fezes, escarro ou lavado gástrico através da técnica de Baerman-Morais. Em casos graves, podem ser utilizados testes imunológicos, como ELISA, hemaglutinação indireta, imunofluorescência indireta. O estudo radiológico do intestino delgado auxilia o diagnóstico.

O Schistosoma mansoni é um
A maioria das pessoas

4.5 Schistosoma mansoni parasita que tem no homem seu hospedeiro definitivo, mas que necessita como hospedeiros intermediários para desenvolver seu ciclo evolutivo, os caramujos de água doce do gênero Biomphalaria, popularmente conhecidos como planorbídeos. infectadas pode permanecer assintomática dependendo da intensidade da infecção; a sintomatologia clínica corresponde ao estágio de desenvolvimento do parasito no hospedeiro, podendo ser dividida em:

Vermes adultos de Schistosoma mansoni. Fêmea no canal ginecóforo do macho. Fonte: Renê Arriero Shinma

62 Este material deve ser utilizado apenas como parâmetro de estudo deste Programa. Os créditos deste conteúdo são dados a seus respectivos autores

4.5.1 Dermatite Cercariana:

Corresponde à fase de penetração das larvas (cercárias) através da pele. Varia desde quadro assintomático até a apresentação de quadro clínico de dermatite urticariforme, com erupção papular, eritema, edema e prurido, podendo durar até 05 dias após a infecção.

Caramujos do gênero Biomphalaria Fonte: Renê Arriero Shinma

4.5.2 Esquistossomose Aguda ou Febre de Katayama: Após 3 a 7 semanas de exposição pode aparecer quadro caracterizado por febre, anorexia, dor abdominal e cefaléia. Ao exame físico pode ser encontrado hepatoesplenomegalia. Laboratorialmente, o achado da eosinofilia elevada é bastante sugestivo quando associado os dados epidemiológicos.

4.5.3 Esquistossomose Crônica: Esta fase inicia-se a partir dos seis meses após a infecção, podendo durar vários anos. Nela, podem surgir os sinais de progressão da doença para diversos órgãos, podendo atingir graus extremos de severidade como: hipertensão pulmonar e portal, ascite, ruptura de varizes do esôfago. Apresenta-se por qualquer das seguintes formas:

4.5.3.1 Tipo I ou Forma Intestinal: caracteriza-se por diarréias repetidas que podem ser muco-sangüinolentas, com dor ou desconforto abdominal. Porém, pode apresentar-se assintomática.

4.5.3.2 Tipo I ou Forma Hepatointestinal: caracterizada pela presença de diarréias e epigastralgia. Ao exame físico, o paciente apresenta hepatomegalia, podendo-se notar, à palpação, nodulações que correspondem a áreas de fibrose decorrentes de

(Parte 3 de 4)

Comentários