5º semestre.part01 - artigo5

5º semestre.part01 - artigo5

(Parte 1 de 2)

Revisão da literatura

Ácidos graxos ômega 3 e tratamento da esquizofrenia Omega 3 fatty acid and schizophrenia treatment juLiane coSta SiLVa zeMdeGS1, GuStaVo duarte PiMenteL1, MarGaretH roSe PrieL2Programa de Pós-Graduação em Nutrição da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp).Pós-Graduação e Pesquisa do Centro Universitário São Camilo. Recebido: 15/4/2009 – Aceito: 9/6/2009

Resumo

Contexto: A esquizofrenia é uma desordem psiquiátrica complexa e debilitante cujo tratamento de base é realizado com medicamentos antipsicóticos. No entanto, evidências sugerem que a suplementação dietética com ácidos graxos ômega 3 (n-3) pode ser benéfica em diversas desordens psiquiátricas. Objetivo: Revisar a eficácia do n-3 como coadjuvante no tratamento farmacológico da esquizofrenia. Métodos: Realizou-se uma pesquisa nas bases de dados eletrônicas Medline, Lilacs e SciELO. A estratégia de busca também incluiu a busca em árvore. Todos os estudos randomizados e controlados relevantes foram incluídos nesta revisão, independentemente do ano de publicação. Resultados: Até o momento, foram divulgados seis estudos randomizados, duplo-cegos placebo controlados; cinco deles apresentaram resultados positivos na melhora dos sintomas da esquizofrenia, assinalando, ainda, superioridade do ácido graxo eicosapentaenoico (EPA) em relação ao ácido graxo docosaexaenoico. Em geral, o consumo de 2 g/dia de EPA conjuntamente com a medicação antipsicótica usual parece reduzir a sintomatologia da esquizofrenia, particularmente os sintomas positivos. Conclusão: A terapia nutricional com EPA mostrou-se útil como coadjuvante no tratamento da esquizofrenia. Por conseguinte, sugere-se que os pacientes esquizofrênicos sejam encorajados a consumir refeições balanceadas e saudáveis ricas em EPA e, caso a quantidade ideal não seja atingida pela dieta, a suplementação pode ser benéfica.

Zemdegs JCS, et al. / Rev Psiq Clín. 2010;37(5):223-7 Palavras-chave: Esquizofrenia, nutrição, ácido eicosapentaenoico, ácido graxo ômega 3, tratamento.

Abstract

Background: Schizophrenia is a complex and debilitating psychiatric disorder, whose primary pharmacological intervention is the use of antipsychotics. There is, however, growing evidence that dietary supplementation with omega 3 fatty acids (n-3) may be beneficial in several psychiatric conditions. Objective: To review the efficacy of n-3 as a treatment for schizophrenia. Methods: Electronic searches of the following databases were performed: Medline, Lilacs e SciELO. The search strategy also included cited reference searching. All relevant randomized controlled trials were included in the review. Results: To date, five out of six randomized, double-blind, and placebo controlled studies obtained improvement in the symptoms of the psychosis. Besides, an advantage in the intake of eicosapentaenoic fatty acid (EPA) in relation to docosahexaenoic fatty acid was designated. Essentially, the intake of 2 g/day of EPA in addition to the standard medication was effective in decreasing the symptoms of schizophrenia. Discussion: The nutritional therapy with EPA revealed to be useful as coadjutant in the treatment of schizophrenia. Therefore, we suggest that the schizophrenic patients should be encouraged to consume balanced and healthy meals rich in EPA and, if the ideal amount is not reached by the diet, the supplementation is likely to be beneficial.

Zemdegs JCS, et al. / Rev Psiq Clín. 2010;37(5):223-7 Keywords: Schizophrenia, nutrition, eicosapentaeinoic acid, omega 3 fatty acid, treatment.

Endereço para correspondência: Juliane C. S. Zemdegs. Edifício de Ciências Biomédicas. Rua Botucatu, 862, 2º andar – 04023-062 – São Paulo, SP. E-mail: jzemdegs@unifesp.br

Introdução

Depois do tecido adiposo, o sistema nervoso central possui o maior conteúdo de lipídios do corpo humano, e 35% dos lipídios de um encéfalo adulto são ácidos graxos poli-insaturados1-3.

Os ácidos graxos poli-insaturados atuam na sinalização celular, regulação enzimática, síntese de eicosanoides, regulação da migração neuronal, determinação da plasticidade sináptica e modulação de citocinas que possuem atividade neuromodulatória e neurotransmissora4-10, de maneira que possivelmente estejam envolvidos na fisiopatologia de alguns transtornos psiquiátricos como a esquizofrenia e a depressão11-13.

Apesar da etiologia incerta da esquizofrenia, evidências apontam para um metabolismo anormal dos fosfolipídios, particularmente na composição dos ácidos graxos das membranas celulares14-19. Nesse contexto, estudos revelaram que pacientes esquizofrênicos apresentam níveis reduzidos de ácidos graxos de cadeia longa nas membranas dos eritrócitos, provavelmente por causa de atividade excessiva de uma fosfolipase A220,21. É possível que alterações dietéticas agravem ou aliviem os sin- tomas da esquizofrenia. Nesse sentido, Christensen e Christensen22 encontraram correlação positiva entre a melhora do prognóstico da esquizofrenia e o baixo consumo de gorduras totais e de gorduras de fontes animais – compostas principalmente por ácidos graxos saturados. Adicionalmente, observaram tendência de relação positiva entre o alto consumo de gorduras provenientes de vegetais, peixes e animais marinhos (ricos em ácidos graxos insaturados) e melhor desfecho da psicose em questão. Corroborando esse estudo, associação positiva entre o consumo de carne vermelha, laticínios e açúcar e pior prognóstico da esquizofrenia foi demonstrada e a baixa ingestão do ácido graxo ômega 3 (n-3) eicosapentaenoico (EPA) foi associada à presença de sintomas mais severos da esquizofrenia14.

Estudos preliminares relataram uma melhora dos sintomas da esquizofrenia após a suplementação de n-3 como terapia coadjuvante aos antipsicóticos23-26. Com base nessa perspectiva e tendo em vista que, apesar do avanço farmacológico ocorrido nas últimas décadas, o alcance da remissão completa desses pacientes ainda constitui um grande desafio27, o presente trabalho teve por objetivo revisar os estudos randomizados, duplo-cegos e placebo-controlados que avaliaram os efeitos da suplementação de n-3 como tratamento da esquizofrenia.

224Zemdegs JCS, et al. / Rev Psiq Clín. 2010;37(5):223-7

Métodos

A busca bibliográfica consistiu na pesquisa de artigos publicados nas seguintes bases de dados eletrônicas: Medline (National Library of Medicine), Lilacs (Literatura Latino-americana e do Caribe em Ciências da Saúde) e SciELO (Scientific Electronic Library Online). A estratégia de busca foi a lógica booleana “e” para os seguintes descritores de saúde: dieta, nutrição, ácido graxo ômega 3 e o sistema nervoso central, combinados com o termo esquizofrenia. Idioma e período de publicação não foram restringidos. Todos os ensaios clínicos randomizados, duplo-cegos e placebo-controlados que utilizaram ácido graxo ômega 3 para o tratamento de pacientes esquizofrênicos foram incluídos na presente análise, independentemente do gênero, idade e raça dos participantes. Os estudos nos quais mais de 30% dos participantes não deram continuidade ao tratamento foram excluídos desta revisão. Para os artigos não disponíveis em território nacional, os respectivos autores foram contatados por e-mail a fim de se solicitar o envio dos artigos na íntegra.

Resultados

Descrição dos estudos selecionados

A busca eletrônica retornou 13 ensaios clínicos que avaliaram os efeitos da suplementação de n-3 sobre os sintomas de pacientes esquizofrênicos. Desses 13 artigos, 7 foram excluídos por não serem randomizados, duplo-cegos ou placebo-controlados.

Excluindo os pacientes que não seguiram o tratamento, os seis artigos incluídos nesta revisão randomizaram no total 381 pacientes. Em todos os estudos, o DSM-IV (Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders) foi o critério para o diagnóstico da esquizofrenia e diversos escores foram utilizados para monitorar a gravidade da doença.

Tabela 1. Características dos estudos randomizados, duplo-cegos que avaliaram os efeitos da suplementação de n-3 no tratamento de pacientes esquizofrênicos

Estudo Participantes Intervenção Resultados

Peet, 2001aDg: Esquizofrenia; N = 5

Gênero: 30 ♂ e 15 ♀; Idade: 30-56 anos; Perdas: 10

Óleo enriquecido com EPA (2 g/dia de EPA) Óleo enriquecido com DHA Placebo (óleo de milho) Duração: 12 semanas

EPA > DHA = placebo para o estado mental (PANSS)

Peet, 2001bDg: Esquizofrenia; N = 30; Gênero: 18 ♂ e 12 ♀; Idade: 25-45 anos; Perdas: 4

Monoterapia com óleo enriquecido com EPA (2 g/dia de EPA); Óleo enriquecido com DHA; Placebo (óleo de milho); Duração: 12 semanas

EPA > placebo para o estado mental (PANSS). Todos os pacientes do grupo placebo (n = 12) e 8 do grupo EPA (n = 14) necessitaram de antipsicótico e o grupo mantido somente com EPA apresentou melhora na PANSS

Fenton, 2001Dg: Esquizofrenia (70%) ou transtorno esquizoafetivo (30%) N = 90; Gênero: 70 ♂ e 20 ♀; Idade: 18-65 anos; Perdas: 3

3 g/dia de etil-EPA; Placebo; Duração: 16 semanas

EPA = placebo para o estado mental (PANSS, MADRS), estado global (CGI-S), efeitos adversos (AIMS, SAS)

Emsley, 2002 Dg: Esquizofrenia; N = 40; Gênero: não mencionado; Idade: 18-5 anos; Perdas: 1 3 g/dia de etil-EPA; Placebo (parafina líquida); Duração: 12 semanas

EPA > placebo na escala PANSS e EPRS

Peet e Horrobin, 2002Dg: Esquizofrenia; N = 122; Gênero: 6 ♂ e

39 ♀; Idade: 25-45 anos; Perdas: 7 Etil-EPA: 1 g/dia; 2 g/dia; 4 g/dia; PlaceboDuração: 12 semanas

EPA = placebo (análise primária) para o estado mental (PANSS, MADRS) EPA (2 g) > placebo no subgrupo clozapina para o estado mental (PANSS, MADRS) Efeitos adversos AINS, SAS

Berger et al., 2007Dg: 1º episódio de psicose; N = 80; Gênero:

53 ♂ e 16 ♀; Idade: 15-29 anos; Perdas: 1 2 g/dia de etil-EPA vs. placeboDuração: 12 semanas

EPA > placebo para escalas CDSS, CGI-S, GAF, SANS, SAS, SOFAS, BPRS e o grupo EPA reduziu em 20% o uso de antipsicóticos, apresentou menos efeitos colaterais extrapiramidais, menos constipação e menos efeitos colaterais sexuais

Brief Psychiatric Rating Scale (BPRS); Positive and Negative Syndrome Scale (PANSS); Abnormal Involuntary Movement Scale (AIMS); Henrich’s Quality of Life (QOL) Scale; Montgomery-Asberg Depression Rating Scale (MADRS); Calgary Depression Scale for Schizophrenia (CDSS); Clinical Global Impressions-Severity of Illness Scale (CGI-S); Extrapyramidal Symptom Rating Scale (EPRS); Global Assessment of Functioning scale (GAF); Scale for the Assessment of Negative Symptoms (SANS); Simpson-Angus Scale (SAS); Social and Occupational Functioning Assessment Scale (SOFAS); Eicosapentaenoic acid (EPA); Docosahesaenoic acid (DHA), Diagnóstico (Dg); Unidade Internacional (UI).

Fenton et al.28 também incluíram pacientes com desordens esquizoafetivas. Emsley et al.29 não referiram o gênero dos participantes, enquanto os outros estudos incluíram ambos os gêneros (feminino e masculino) nas análises. A idade dos pacientes analisados variou entre 15 e 65 anos, e o tamanho da amostra variou entre 30 e 122 participantes. Todos os estudos suplementaram n-3 e o compararam com a suplementação de placebo. O estudo de Peet et al.30 foi o único no qual os participantes interromperam a medicação antipsicótica durante a suplementação de n-3 ou placebo. Fenton et al.28 compararam diferentes doses de etil-EPA com o placebo.

Suplementação de n-3 em pacientes esquizofrênicos: ensaios clínicos

As características dos estudos randomizados, duplo-cegos e placebocontrolados realizados até o momento que avaliaram os efeitos da suplementação de n-3 em pacientes esquizofrênicos estão apresentadas na tabela 1, enquanto as características dos estudos excluídos estão na tabela 2.

Em 2001, Peet et al.30 realizaram um estudo clínico duplo-cego randomizado com 45 pacientes que receberam diariamente óleo rico em ácido graxo eicosapentaenoico (EPA) – 2 g/dia – ou óleo rico em ácido graxo docosaexaenoico (DHA) – 2 g/dia – ou placebo por três meses. Os autores relataram melhora no escore PANSS (Positive and Negative Syndrome Scale) no grupo EPA, enquanto a resposta terapêutica no grupo tratado com DHA não diferiu do placebo. O efeito do EPA sobre os sintomas positivos da doença foi superior ao DHA tanto pela análise de variância para medidas repetidas como pela porcentagem de melhora dos sintomas.

Peet e Horrobin31 averiguaram os efeitos da suplementação de diferentes doses de etil-EPA (1, 2 ou 4 g/dia) ou placebo por 12 semanas em 115 pacientes esquizofrênicos sob medicação antipsi-

225Zemdegs JCS, et al. / Rev Psiq Clín. 2010;37(5):223-7

Tabela 2. Estudos que avaliaram os efeitos da suplementação de ácidos graxos ômega 3 no tratamento da esquizofrenia e que foram excluídos da revisão da literatura

ReferênciaCaracterísticas e resultados do estudo

Rudin, 1981Relato de cinco casos de pacientes esquizofrênicos crônicos que receberam óleo de semente de linho (50% ácido graxo alfa-linolênico) a uma dose de 0,2 – 1,0 g/kg/dia. Melhoras nos sintomas da doença foram observadas pelos pesquisadores e relatadas pelos pacientes

Mellor et al., 1995* Peet et al., 1996* Laugharne et al., 1996* Mellor et al., 1996*

Vinte pacientes esquizofrênicos receberam diariamente 10 g de óleo de peixe por seis semanas e apresentaram melhora significativa nas escalas PANSS (p < 0,002) e AIMS (p < 0,002)

Puri et al., 2000Relato de caso de um paciente esquizofrênico, 31 anos de idade, sem medicação prévia. O tratamento com emulsão rica em EPA (30 mL/dia) por seis meses melhorou os sintomas positivos e negativos da doença

Su et al., 2001Relato de caso de uma paciente esquizofrênica que apresentou um episódio agudo de exacerbação da psicose durante a gravidez. A monoterapia com n-3 (4 g EPA/ 2 g DHA) por seis meses melhorou os sintomas positivos e negativos da doença e não apresentou efeitos colaterais

Ômega 3 (n-3); Ácido eicosapentaenoico (EPA); Ácido docosaexaenoico (DHA); Positive and Negative Syndrome Scale (PANSS); Abnormal Involuntary Movement Scale (AIMS); Brief Psychiatric Rating Scale (BPRS); Henrich’s Quality of Life (QOL) Scale; Unidade Internacional (UI); * Apresentam as mesmas características e resultados.

cótica. Os pacientes que receberam 2 g/dia de etil-EPA associado ao tratamento com clozapina apresentaram melhora de 25% na escala PANSS. No entanto, um efeito placebo foi observado em pacientes sob medicação antipsicótica típica e atípica.

Fenton et al.28 randomizaram 87 pacientes portadores de esquizofrenia ou desordens esquizoafetivas sob medicação antipsicótica para receber 3 g/dia de etil-EPA ou placebo por 16 semanas. Segundo os autores, os grupos eram homogêneos, inclusive para o consumo diário de n-3. Não foram observadas diferenças significativas nos escores da PANSS em nenhum dos momentos analisados (1, 2, 4, 8, 12 ou 16 semanas) e dois efeitos adversos foram relatados no grupo EPA: infecção do trato respiratório superior e diarreia. Uma análise secundária dos dados revelou que os pacientes tratados com clozapina e etil-EPA apresentaram melhoras significativas dos sintomas.

(Parte 1 de 2)

Comentários