TELECURSO 2000 Mecânica - 02. o ambiente ? tudo

TELECURSO 2000 Mecânica - 02. o ambiente ? tudo

(Parte 1 de 2)

2 AULA

O conjunto de elementos que temos à nossa volta, tais como as edificaçıes, os equipamentos, os móveis, as condiçıes de temperatura, de pressªo, a umidade do ar, a iluminaçªo, a ordem, a limpeza e as próprias pessoas, constituem o nosso ambiente. Nos locais de trabalho, a combinaçªo de alguns desses elementos gera produtos e serviços. A todo esse conjunto de elementos e açıes denominamos condiçıes ambientais.

É possível imaginar que, num futuro próximo, os trabalhadores fiquem livres de desenvolver atividades em ambientes que coloquem em risco sua integridade física e saœde.

JÆ estamos chegando quase lÆ. Hoje, existem robôs que, manipulados por controle remoto, descem ao fundo das crateras vulcânicas para colher amostras de solo e registrar informaçıes que permitirªo prever a ocorrŒncia de futuras erupçıes. Os cientistas fazem a sua parte em locais mais seguros.

Entretanto, apesar de todo o avanço científico e tecnológico, ainda hÆ situaçıes em que o homem Ø obrigado a enfrentar condiçıes desfavorÆveis em seu ambiente de trabalho, expondo-se ao risco de contrair doenças ou sofrer lesıes.

E o que Ø pior: hÆ casos em que o homem desenvolve seu trabalho em condiçıes ambientais aparentemente inofensivas, sem ter consciŒncia dos riscos invisíveis que estÆ enfrentando.

Nesta aula, estudaremos as condiçıes ambientais e o impacto que elas provocam no homem, em seu trabalho. Estaremos preocupados em identificar as condiçıes ambientais que representam riscos à saœde do trabalhador. Essas atividades sªo tambØm chamadas de Higiene do trabalho, que Ø a ciŒncia que se dedica à prevençªo e ao controle das causas das doenças profissionais e do trabalho. DÆ para avaliar a importância desse assunto, tomando como base o fato de que o homem passa, em mØdia, pelo menos um terço de sua vida adulta no trabalho. Portanto, nªo se descuide!

O inimigo invisível

Qualquer um de nós jÆ se submeteu a um exame de raio X por indicaçªo mØdica. Nada sentimos ou vemos sair do aparelho de raio X ao fazermos esse exame.

O ambiente Ø tudo Introduçªo

Nossa aula

A U L A 2

AULAPorØm, para executar a radiografia, o equipamento libera uma grande carga de energia eletromagnØtica nªo percebida por nós. Essa radiaçªo, em

dosagens elevadas, Ø prejudicial ao organismo humano, pois provoca alteraçıes no sistema de reproduçªo das cØlulas, ocasionando doenças e, em alguns casos, a morte.

Essa Ø uma das razıes pelas quais consideramos certos riscos ambientais como inimigos invisíveis: alguns deles nªo sªo captados pelos órgªos dos sentidos (audiçªo, visªo, olfato, paladar e tato), fazendo com que o trabalhador nªo se sinta ameaçado. Inconsciente do perigo, a tendŒncia Ø ele nªo dar importância à prevençªo.

Relatórios mØdicos falam de pessoas que adquiriram doença pulmonar depois de trabalhar anos a fio, sem nenhuma proteçªo, com algum tipo de produto químico. Esse tipo de doença avança vagarosamente, tornando difícil seu diagnóstico no início. Quando a pessoa se dÆ conta, a doença jÆ estÆ em fase adiantada e a cura fica difícil, ou o dano Ø irreversível. Essa Ø outra razªo que torna os riscos ambientais traiçoeiros.

Em resumo, o desconhecimento de como os fatores ambientais geram riscos à saœde Ø um dos mais sØrios problemas enfrentados pelo trabalhador.

Os riscos que nos rodeiam

HÆ vÆrios fatores de risco que afetam o trabalhador no desenvolvimento de suas tarefas diÆrias. Alguns atingem grupos específicos de profissionais. É o caso, por exemplo, dos mergulhadores, que trabalham submetidos a altas pressıes e a baixas temperaturas. Por isso, sªo obrigados a usar roupas especiais, para conservar a temperatura do corpo, e passam por cabines de compressªo e descompressªo, cada vez que mergulham ou sobem à superfície.

Outros fatores de risco nªo escolhem profissªo: agridem trabalhadores de diferentes Æreas e níveis ocupacionais, de maneira sutil, praticamente imperceptível. Esses œltimos sªo os mais perigosos, porque sªo os mais ignorados.

Nesta aula, vocŒ ficarÆ conhecendo os principais tipos de riscos ambientais que afetam os trabalhadores de um modo geral: os agentes físicos, químicos e biológicos, sobre os quais fala a Norma Regulamentadora - NR 9, do MinistØrio do Trabalho, e as conseqüŒncias para o organismo humano quando hÆ uma exposiçªo exagerada a um ou mais desses elementos. FicarÆ sabendo tambØm, o que sªo riscos ergonômicos e quais os principais fatores de riscos ocupacionais, previstos no Anexo IV da Norma Regulamentadora - NR 5.

Serªo abordados apenas os riscos mais comuns, que podem estar presentes em qualquer tipo de ambiente de trabalho ou, predominantemente, na Ærea da Mecânica. Se vocŒ quiser se aprofundar neste assunto, conhecendo outros fatores de risco, consulte as normas regulamentadoras citadas e as obras indicadas na bibliografia deste módulo.

Começando pelos riscos físicos

Todos nós, ao desenvolvermos nossos trabalhos, gastamos uma certa quantidade de energia para produzir um determinado resultado.

Quando as condiçıes físicas do ambiente, como, por exemplo, o nível de ruído e a temperatura, sªo agradÆveis, produzimos mais com menor esforço. Mas, quando essas condiçıes fogem muito dos limites de tolerância, vem o cansaço, a queda de produçªo, a falta de motivaçªo para o trabalho, as doenças profissionais e os acidentes do trabalho.

AULAEm outras palavras, os fatores físicos do ambiente de trabalho interferem diretamente no desempenho do trabalhador e na produçªo e, por isso, merecem ser analisados com o maior cuidado.

Ao estudar cada um dos fatores apresentados a seguir, pense em seu próprio local de trabalho. Identifique os problemas, comunique-os aos setores ou pessoas responsÆveis, procure as soluçıes e coloque em prÆtica, sem demora, as medidas que estiverem ao seu alcance.

Muito barulho por nada

Quando vocŒ se encontra em um ambiente de trabalho e nªo consegue ouvir perfeitamente a fala das pessoas, isso Ø uma indicaçªo de que o local Ø barulhento ou ruidoso.

Os especialistas no assunto definem o ruído como todo som que causa sensaçªo desagradÆvel ao homem.

Mede-se o ruído utilizando um instrumento denominado medidor de pressªo sonora, conhecido por decibelímetro. A unidade usada como medida Ø o decibel ou abreviadamente dB.

VocΠsabia?

Para 8 horas diÆrias de trabalho, o limite mÆximo de ruído estabelecido pela norma regulamentadora do MinistØrio do Trabalho Ø de 85 decibØis. O ruído emitido por uma britadeira Ø equivalente a 100 decibØis. Pela mesma norma, o limite mÆximo de exposiçªo contínua do trabalhador a esse ruído, sem protetor auditivo, Ø de 1 hora.

O som e o ruído, penetrando pelos ouvidos, atingem o cØrebro. Se medidas de controle nªo forem tomadas, graves conseqüŒncias podem ocorrer. Agindo no aparelho auditivo, o ruído pode causar surdez profissional cuja cura Ø impossível, deixando o trabalhador com dificuldades para ouvir rÆdio, televisªo e para manter um bom papo com os amigos.

Entre o forno e o freezer

Frio ou calor em excesso, ou a brusca mudança de um ambiente quente para um ambiente frio ou vice-versa, tambØm sªo prejudiciais à saœde.

Nos ambientes onde hÆ a necessidade do uso de fornos, maçaricos etc., ou pelo tipo de material utilizado e características das construçıes (insuficiŒncia de janelas, portas ou outras aberturas necessÆrias a uma boa ventilaçªo), toda essa combinaçªo pode gerar alta temperatura prejudicial à saœde do trabalhador.

Para conhecer outras conseqüências da exposição constante a ruídos excessivos, consulte o Quadro de riscos e possíveis conseqüências , incluído no final desta aula.

AULAA sensaçªo de calor que sentimos Ø proveniente da temperatura resultante existente no local e do esforço físico que fazemos para executar um trabalho. A

temperatura resultante Ø funçªo dos seguintes fatores: umidade relativa do ar, velocidade e temperatura do ar e calor radiante, isto Ø, produzido por fontes de calor do ambiente, como fornos e maçaricos.

A unidade de medida da temperatura adotada no Brasil Ø o grau Celsius, abreviadamente ”C. De modo geral, a temperatura ideal situa-se entre 21”C e 26 ”C; a umidade relativa do ar deve estar entre 5% a 65%, e a velocidade do ar deve ser adequada, em torno de 0,12 m/s.

Para saber mais!

Consulte o anexo 3 da Norma Regulamentadora 15 do MinistØrio do Trabalho, que trata das tabelas de temperaturas mÆximas para diferentes tipos de trabalho.

JÆ nos ambientes destinados a armazenagem de peixes, sorvetes e matadouros, chamados de câmaras frigoríficas, a temperatura pode chegar a alguns graus abaixo de zero (graus negativos).

Radiaçıes perigosas

Por que serÆ que o rÆdio e a televisªo, quando anunciam a ocorrŒncia de um eclipse total do Sol, orientam para observÆ-lo atravØs de lentes escuras especiais? Por que nªo podemos ver o eclipse com os olhos desprotegidos?

A explicaçªo nªo Ø tªo simples, mas nesta aula estudaremos algumas noçıes sobre radiaçªo e seus efeitos sobre o homem.

As radiaçıes sªo uma forma de energia que se transmite da fonte ao receptor atravØs do espaço, em ondas eletromagnØticas.

As radiaçıes se movimentam no espaço em forma de ondas. É dessa forma, em ondas, que o som chega atØ o seu radinho de pilhas.

Um dos elementos da onda Ø o seu comprimento, identificado pela letra grega l (lambda). O comprimento de onda l tem grandes variaçıes, de acordo com o tipo de energia.

Existem diferentes tipos de radiaçıes que se propagam no espaço em diferentes comprimentos de onda. As radiaçıes sªo tanto mais perigosas quanto menor for o comprimento de onda l. Veja, a seguir, quais os tipos de radiaçªo que mais atingem o trabalhador.

Veja, no

Quadro de riscos e possíveis conseqüências , incluído no final desta aula, os efeitos associados a exposição constante às temperaturas excessivas.

AULARaios infravermelhos

Trabalhos com solda elØtrica, com solda oxiacetilŒnica, trabalhos com metais e vidros incandescentes, isto Ø, que ficam da cor laranja e emitem luz quando superaquecidos, e tambØm nos fornos, fornalhas e processos de secagem de tinta e material œmido sªo atividades que produzem raios infravermelhos. Em trabalhos a cØu aberto, o trabalhador fica exposto ao Sol, que Ø uma fonte natural emissora de raios infravermelhos.

Em doses bem controladas, os raios infravermelhos sªo usados para fins medicinais. Mas, quando a intensidade dessa radiaçªo ultrapassa os limites de tolerância, atingindo o trabalhador sem nenhuma proteçªo adequada, os raios infravermelhos podem causar sØrios danos à saœde.

Raios ultravioleta

Atividades com solda elØtrica, processos de foto-reproduçªo, esterilizaçªo do ar e da Ægua, produçªo de luz fluorescente, trabalhos com arco-voltaico, dispositivos usados pelos dentistas, processos de aluminotermia (atividade química com o emprego de alumínio em pó), lâmpadas especiais e o Sol emitem raios ultravioleta.

Em pequenas doses (mais ou menos 15 minutos diÆrios de exposiçªo ao Sol), o ultravioleta Ø necessÆrio ao homem porque Ø o responsÆvel pela produçªo da vitamina D no organismo humano. Mas, em quantidades excessivas, pode causar graves prejuízos à saœde.

Tanto os raios infravermelhos como os ultravioleta normalmente nªo sªo medidos nos ambientes de trabalho, mas quando ocorrem atividades que emitam esses raios, como as citadas nesta aula, medidas de proteçªo devem ser tomadas para garantir a saœde dos trabalhadores.

Microondas

As microondas sªo encontradas em formas domØsticas ou industriais: fornos de microondas, aparelhos de radar em aeroportos, aparelhos de radiocomunicaçªo, equipamentos de diatermia para obter calor e processos de aquecimento em produçªo de plÆsticos e cerâmica. A mediçªo ou avaliaçªo das microondas pode ser por sistema elØtrico ou tØrmico, mas nªo Ø costumeira e nªo existem limites nacionais de tolerância definidos.

Laser

Esta sigla, em inglŒs, vem de Light Amplification by Stimulated Emission of Radiation , que em PortuguŒs pode ser traduzido por: amplificaçªo da luz por emissªo estimulada de radiaçªo.

O laser Ø um feixe de luz direcional convergente, isto Ø, que se concentra em um só ponto. É muito utilizado em indœstrias metalœrgicas para cortar metais, para soldar e tambØm em equipamentos para mediçıes a grandes distâncias. Tem tambØm aplicaçıes em medicina, para modernos processos cirœrgicos.

AULAOs perigos que podem representar os raios laser tŒm sido motivo de estudos e experiŒncias, atØ agora nªo conclusivos. Daí as recomendaçıes se limitarem

mais aos aspectos preventivos. O seu maior efeito no homem Ø sobre os olhos, podendo causar grandes estragos na retina, que Ø a membrana sensível do olho, em alguns casos irreversíveis, podendo provocar cegueira.

Todas essas radiaçıes estudadas: o infravermelho, o ultravioleta, a microonda e o laser sªo classificadas como radiaçıes nªo ionizantes. PorØm, as mais perigosas sªo as ionizantes, cuja energia Ø tªo grande que, atingindo o corpo humano, produzem alteraçıes das cØlulas, provocando o câncer.

Radiaçıes ionizantes

Do ponto de vista do estudo das condiçıes ambientais, as radiaçıes ionizantes de maior interesse de uso industrial sªo os raios X, gama e beta, e de uso nªo industrial sªo os raios alfa e nŒutrons, cada uma com uma faixa de comprimento de onda l.

Essas radiaçıes podem ser encontradas de forma natural nos elementos radioativos, tais como Urânio 238, PotÆssio 40 etc., alØm das radiaçıes cósmicas vindas do espaço celeste.

Artificialmente, sªo originadas pela tecnologia moderna, como o raio X, usado em metalurgia para detectar falhas em estruturas metÆlicas e verificar se hÆ soldas defeituosas. Outros tipos de radiaçıes sªo usados para determinar espessuras de lâminas metÆlicas, de vidro ou plÆsticos, bem como para indicar níveis de líquidos em reservatórios.

Os raios gama servem para analisar soldagem em tubos metÆlicos, cujo processo chama-se gamagrafia.

As radiaçıes sªo ainda usadas em tintas luminosas, nas usinas de produçªo de energia elØtrica (como a usina atômica de Angra dos Reis) e nos processos de verificaçªo de desgaste de cera para piso, desgaste de ferramentas de tornos e de anØis de motores de automóveis. Sªo tambØm usadas em laboratórios de pesquisa e na medicina, no combate ao câncer e em muitas outras aplicaçıes.

A absorçªo de radiaçªo no organismo humano Ø indiretamente avaliada pela unidade chamada REM, em inglŒs: Relative Efect Man que em portuguŒs quer dizer: efeito relativo no homem. A detecçªo das radiaçıes ionizantes Ø feita por vÆrios tipos de aparelhos, como detectores pessoais e de cintilaçªo, dosímetros etc.

Os limites mÆximos de exposiçªo sªo indicados pela Comissªo Nacional de Energia Nuclear e por norma do MinistØrio do Trabalho.

AULACuidado! Este símbolo indica material radioativo. Nªo se aproxime, nªo mexa. Vendo este símbolo em materiais aban-

donados ou mal acondicionados, informe aos órgªos especializados.

Um pouco sobre os agentes químicos

Certas substâncias químicas, utilizadas nos processos de produçªo industrial, sªo lançadas no ambiente de trabalho, intencional ou acidentalmente. Essas substâncias podem apresentar-se nos estados sólido, líquido e gasoso.

No estado sólido, temos poeiras de origem animal, mineral e vegetal, como a poeira mineral de sílica encontrada nas areias para moldes de fundiçªo. No estado gasoso, como exemplo, temos o GLP (gÆs liquefeito de petróleo), usado como combustível nos fogıes residenciais. No estado líquido, temos os Æcidos, os solventes, as tintas e os inseticidas domØsticos.

(Parte 1 de 2)

Comentários