TELECURSO 2000 Mecânica - 05. quem ajuda, amigo ?

TELECURSO 2000 Mecânica - 05. quem ajuda, amigo ?

(Parte 1 de 2)

5 AULA

Nas aulas anteriores deste módulo, um mesmo fator foi sempre enfatizado: a PREVEN˙ˆO!

Mas, e se apesar de todos os cuidados, um acidente acontecer na nossa frente? Ou se uma pessoa próxima sofrer um mal sœbito? O que devemos e o que podemos fazer?

Diante de casos como esses, estar preparado para enfrentar a situaçªo pode representar a diferença entre a preservaçªo da vida e uma perda irreparÆvel.

Muitas vidas jÆ foram perdidas por falta de auxílio imediato, prestado por uma pessoa leiga, no momento de um acidente ou mal sœbito, atØ o atendimento por socorro especializado. Outras vezes, a ajuda bem-intencionada, porØm malexecutada, resultou no agravamento do quadro clínico da vítima, o que poderia ter sido evitado com o conhecimento de procedimentos adequados.

Estudando os assuntos desta aula, vocŒ ficarÆ conhecendo os principais tipos de problemas que exigem prestaçªo de primeiros socorros e quais os procedimentos adequados em cada caso, para garantir ajuda elementar, porØm eficiente.

Mas, quando se trata de prestar primeiros socorros, nªo basta apenas saber o que fazer, na teoria. É necessÆrio, tambØm, ter calma para enfrentar a situaçªo sem entrar em pânico, de modo a transmitir segurança à vítima.

Finalmente, resta-nos desejar que vocŒ nunca tenha necessidade de usar o que vier a aprender nesta aula. Mas, se for preciso, que vocŒ esteja preparado e faça o melhor que puder!

AtØ onde vªo os primeiros socorros?

O que fazer quando acontece alguma emergŒncia e nªo hÆ um profissional da Ærea de saœde por perto? Aí Ø dever de quem estiver próximo da vítima, agir como socorrista, isto Ø, prestar-lhe os primeiros socorros.

Isto Ø importante!

Primeiros socorros sªo o conjunto de medidas prestadas por pessoa leiga a um acidentado ou alguØm acometido de mal sœbito (desmaio, infarto, crise epilØptica etc.) no local do acidente, antes que chegue a assistŒncia qualificada.

Quem ajuda, amigo Ø

5 A U L A

Introduçªo

Nossa aula

AULAObserve que os primeiros socorros sªo medidas emergenciais. Assim que possível, a vítima deve ser colocada sob cuidados de profissionais especializados!

Os princípios bÆsicos dos primeiros socorros sªo:

·salvar e manter a vida; ·evitar lesıes adicionais ou agravamento das jÆ existentes;

·providenciar socorro qualificado.

EmergŒncia! O que fazer?

A primeira coisa a ser feita, com o objetivo de organizar e simplificar o atendimento, Ø uma avaliaçªo: do local, do acidente e da vítima.

A avaliaçªo do local consiste em verificar se o local oferece perigo adicional à vítima e aos demais; isolar e proteger o local do acidente.

Para avaliar o acidente Ø preciso observar que tipo de acidente ocorreu e informar-se sobre como o acidente ocorreu (se possível, com a própria vítima ou entªo recorrendo a testemunhas).

A avaliaçªo da vítima depende de a vítima estar consciente ou inconsciente. Vale lembrar que a vítima inconsciente requer muito mais cuidado e atençªo pois nªo pode fornecer informaçıes sobre seu estado. Veja quais sªo os procedimentos gerais para exame da vítima:

AULAA posiçªo lateral de segurança, mostrada a seguir, evita que a vítima se asfixie, caso venha a vomitar.

Se forem constatadas lesıes na cabeça e se houver hemorragia por um ou ambos os ouvidos, ou pelo nariz, deve-se suspeitar de fratura do crânio. Nesse caso, a vítima deve ser removida imediatamente para o hospital mais próximo.

Uma dœvida que pode estar lhe ocorrendo Ø como fazer para saber se os sinais vitais e os sinais de apoio estªo normais ou nªo. Veja entªo algumas dicas para avaliar esses sinais.

Respiraçªo ----- a respiraçªo consiste em dois movimentos bÆsicos: inspiraçªo e expiraçªo, que tem por finalidade renovar a oxigenaçªo das cØlulas que constituem o organismo, de modo a mantŒ-las vivas. Um modo prÆtico para verificar se a vítima estÆ respirando consiste em colocar, próximo ao seu nariz, um espelho ou qualquer pedaço de metal polido, que deve ficar embaçado.

AULAVamos praticar?

Experimente localizar os sinais vitais e de apoio em vocŒ mesmo e em seus colegas. Tente, atØ conseguir!

Após a avaliaçªo geral da situaçªo, o próximo passo serÆ a triagem, isto Ø, a escolha das prioridades para prestaçªo dos primeiros socorros.

Se vocŒ presenciasse um acidente e deparasse com pessoas desmaiadas, queimadas, feridas, qual delas atenderia em primeiro lugar? Pense um pouco. Existe uma ordem de prioridade para prestaçªo de atendimento.

Os casos de desmaio devem ser atendidos em primeiro lugar, pois a primeira preocupaçªo, se a vítima nªo estiver respirando, serÆ restabelecer a respiraçªo. Em seguida, devem ser atendidos os casos de falta de circulaçªo (ausŒncia de pulso) e as hemorragias abundantes.

Os primeiros socorros sªo prestados no próprio local do acidente. Mas, hÆ uma outra providŒncia muito importante, que deve ser encaminhada ao mesmo tempo: a solicitaçªo do socorro especializado.

O primeiro recurso a ser acionado Ø a Polícia Militar, que se encarrega de requisitar apoio do Corpo de Bombeiros ou Pronto-socorro, quando necessÆrio.

Ao comunicar a ocorrŒncia, Ø muito importante dar informaçıes corretas ou pedir que alguØm o faça. As informaçıes essenciais sªo: tipo de acidente; local exato do acidente (use pontos de referŒncia para facilitar a localizaçªo); nœmero de vítimas e os seus estados.

É necessÆrio certificar-se que todas as informaçıes foram recebidas corretamente, para evitar demora no atendimento devido a enganos ou mal-entendidos.

Importante

O transporte da vítima em automóvel ou outro meio de transporte, só deve ser feito se nªo for possível aguardar a chegada de socorro de emergŒncia (casos de hemorragia abundante ou amputaçªo, por exemplo. Se tiver ocorrido amputaçªo, a parte cortada deve ser recolhida e envolvida em um pano limpo para ser entregue ao mØdico o mais rÆpido possível).

As ocorrŒncias mais comuns

Qualquer acidente, seja ele grave ou nªo, sempre requer a prestaçªo de primeiros socorros. Mesmo que nªo haja danos físicos, a vítima sofre, no mínimo, um forte impacto emocional. Um ombro amigo, uma palavra de solidariedade e conforto tambØm sªo formas de prestaçªo de primeiros socorros, que valem muito numa hora dessas.

Se o quadro for mais grave, Ø preciso estar preparado para enfrentÆ-lo. Para agir corretamente, Ø necessÆrio conhecer os procedimentos adequados para cada caso.

Pancadas, queimaduras, choques elØtricos, envenenamento e emergŒncias clínicas sªo os tipos mais freqüentes de acidentes.

Esses acidentes podem trazer como conseqüŒncias: parada cardíaca, perda de consciŒncia, hemorragias, fraturas etc. Mais adiante vocŒ ficarÆ sabendo o que fazer em cada uma dessas situaçıes.

Dica: o telefone da Polícia Militar, para todo o Brasil, é 190.

AULAEm todos esses casos, devem ser seguidas as orientaçıes gerais apresentadas anteriormente: avaliaçªo do ambiente, avaliaçªo do acidente, avaliaçªo da vítima, triagem e pedido de socorro.

Antes de aprender a lidar com as conseqüŒncias desses acidentes, Ø importante que vocŒ conheça os cuidados específicos que alguns casos requerem.

Queimadura

É toda lesªo causada por agentes tØrmicos (calor/frio), eletricidade, produtos químicos, irradiaçıes etc. As queimaduras classificam-se em graus, de acordo com a profundidade:

É de grande importância considerar tambØm a extensªo da queimadura.

Mesmo uma queimadura superficial (1º grau), porØm extensa, isto Ø, que atinja mais de 10% de Ærea queimada, serÆ considerada grave, pois pode causar desidrataçªo, dor intensa, estado de choque etc.

1º grau: a lesão é superficial, ocasionando vermelhidão da pele. 2º grau: a lesão é maisprofunda, formando bolhas. 3º grau: além da formação de bolhas, há destruição dos tecidos e até dos ossos.

Cabe•ae Pesco•o9% Troncoanterior 18%

Troncoposterior18%

Membros inferiores(em cada perna) 18%

Membros superiores(9% em cada bra•o) 18%

Genit‡lia 1%

AULAAlØm das recomendaçıes gerais jÆ apresentadas, acidentes com queimaduras requerem outros cuidados especiais:

·se a queimadura for grave, a vítima deve ser encaminhada imediatamente para socorro mØdico ·se a queimadura for superficial e de pequena extensªo, deve ser coberta com um pano limpo e macio, depois de lavada com Ægua ou soro fisiológico, com cuidado para nªo furar bolhas que tenham se formado. Deve-se dar bastante líquido para a vítima se ela estiver consciente (chÆ, Ægua, refrigerantes etc.)

Atençªo: Perigo!

·nªo passar substâncias oleosas ou graxas, bicarbonato de sódio, pasta de dente etc.; ·nªo dar bebidas alcoólicas à vítima;

·nªo tocar a Ærea queimada com as mªos, para evitar infecçıes.

Choque elØtrico

É uma descarga elØtrica que pode levar à morte, dependendo da intensidade da corrente elØtrica (amperagem). A descarga elØtrica causa, sobre o mœsculo cardíaco, uma alteraçªo nos batimentos, podendo levar à fibrilaçªo (movimento fraco e rÆpido sendo insuficiente para o bombeamento do sangue ao corpo todo), alØm de provocar, em alguns casos, queimaduras.

Atençªo: Perigo!

Para que o socorrista tambØm nªo venha a se tornar uma vítima, a primeiraprovidŒncia a tomar Ø identificar e desligar a fonte de energia elØtrica. Caso isso nªo seja possível, o socorrista deve afastar a vítima da fonte de energia elØtrica, utilizando para tanto um material isolante (madeira seca, borracha, louça, vidro temperado etc.).

Envenenamento

Venenos sªo todas as substâncias químicas ou naturais que postas em contato com o organismo causam perturbaçıes mais ou menos graves à saœde, podendo ocasionar a morte. Essas substâncias sªo chamadas tóxicas e penetram no organismo habitualmente pela boca, mas tambØm podem penetrar pelas vias respiratórias (nariz) e por via cutânea (pele).

Os venenos atuam a partir de uma determinada quantidade e sua açªo depende da natureza ou espØcie química.

AULA Atençªo!

Em casos de envenenamento, a primeira providŒncia deve ser identificar o agente causador do acidente e seguir as instruçıes indicadas na embalagem do produto.

Outra forma de envenenamento Ø por contato com animais peçonhentos.

Esses animais produzem venenos naturais, que utilizam para se defender de seus inimigos, na luta pela sobrevivŒncia. Acidentes causados por picadas de cobras, de escorpiªo, ou de outros animais, quando nªo tratados a tempo, podem causar a morte. Nesses casos, alØm das medidas gerais deve-se:

·manter a vítima em repouso absoluto, pois movimentos facilitam a absorçªo do veneno;

·dar líqüidos para a vítima nªo desidratar;

·nªo perder tempo com tratamentos caseiros ou crendices populares;

·se possível, levar o animal causador do acidente, para que possa ser identificado o tratamento mais adequado.

EmergŒncias clínicas

Aqui se enquadram os casos de desmaio, infarto, crise epilØptica etc. O desmaio consiste na perda momentânea de consciŒncia, devido a diminuiçªo de sangue e oxigŒnio no cØrebro.

O infarto Ø a morte de parte do mœsculo cardíaco por deficiŒncia de irrigaçªo sangüínea.

Crise epilØptica Ø um distœrbio do sistema nervoso central, sob a forma de contraçªo muscular. Em caso de crise, deve-se deixar a vítima se debater e proteger sua cabeça, para evitar traumas.

Lidando com as conseqüŒncias

Os acidentes que acabamos de analisar podem provocar vÆrias conseqüŒncias imediatas, que exigem atençªo especial do socorrista. As principais e mais freqüentes serªo apresentadas a seguir.

Parada cardiorrespiratória

É a ausŒncia de batimentos cardíacos e de movimentos respiratórios ao mesmo tempo. A principal conseqüŒncia do comprometimento desses sinais vitais Ø a falta de oxigenaçªo das cØlulas do cØrebro, o que pode provocar danos irreversíveis à vítima (perda de memória, perda da coordenaçªo motora, paralisaçªo de partes do corpo, e morte).

Quando ocorrer uma parada cardiorrespiratória, Ø necessÆrio aplicar imediatamente as manobras de reanimaçªo descritas a seguir.

Atençªo! ·Reanimaçªo por um socorrista: 2 insuflaçıes x 15 massagens

·Reanimaçªo feita por dois socorristas: 1 insuflaçªo x 5 massagens

Observaçıes importantes!

1.A massagem cardíaca em crianças ou adolescentes deverÆ ser feita com apenas uma das mªos. 2.A massagem cardíaca em bebŒs deve ser feita com dois dedos (mØdio e indicador), tomando cuidado com a pressªo exercida.

Hemorragia

É a saída de sangue dos vasos sangüíneos para o exterior do corpo ou para as cavidades naturais, que podem ser externas ou internas. A hemorragia Ø classificada como externa quando o sangue sai para o exterior do corpo e interna quando o sangue sai da veia ou artØria e se aloja em uma das cavidades naturais do corpo: abdome, tórax ou crânio.

A gravidade da hemorragia depende da quantidade de sangue perdido; da velocidade da perda de sangue e do local da hemorragia. Para estancar a hemorragia deve-se: ·manter a parte afetada do corpo em elevaçªo e comprimir o local com pano limpo ou gaze. ·caso nªo haja estancamento, cobrir com mais panos e encaminhar a vítima para socorro mØdico, imediatamente.

AULA Atençªo!

O torniquete só deve ser usado em casos extremos: amputaçªo e esmagamento. Deve ser afrouxado, a cada 10 minutos, rigorosamente controlados (se possível, deve-se marcar o horÆrio inicial na testa da vítima). Durante o transporte, o torniquete deve ser mantido no local, mesmo após haver cessado a hemorragia.

Em caso de hemorragia interna Ø importante observar os sinais vitais. A vítima pode apresentar os seguintes sintomas: pele fria, pulso fraco, sede intensa, palidez, arrepio e tontura. Nesse caso, a providŒncia a ser tomada pelo socorrista Ø transportar a vítima, de modo seguro e o mais rÆpido possível, para o hospital.

Estado de choque

É um desequilíbrio do organismo por mal funcionamento do coraçªo, dos vasos sangüíneos, que pode ser causado por traumatismo generalizado, esmagamento dos membros, choque elØtrico, queimaduras (por calor ou frio) ou grande emoçªo.

Geralmente Ø acompanhado de queda de pressªo, baixa irrigaçªo sangüínea e baixa oxigenaçªo cerebral, respiraçªo curta e rÆpida ou irregular, pele fria e pegajosa, suores, expressªo de ansiedade, tremores generalizados, nÆuseas, vômitos e outras perturbaçıes que podem levar à morte.

Quando o quadro da vítima for indicativo de estado de choque, devem ser seguidos os procedimentos gerais bÆsicos de primeiros socorros.

Fratura

É uma lesªo total ou parcial ocorrida na estrutura óssea, que pode ser: -fechada: quando nªo hÆ rompimento da pele; a quebra do osso causa dor intensa e deformidade no local; inchaço e perda de mobilidade das articulaçıes próximas à lesªo; -exposta: quando ocorre quebra de osso e rompimento de pele, formando ferimento.

Nesses casos, alguns cuidados específicos sªo necessÆrios, alØm dos procedimentos gerais:

·colocar a vítima em posiçªo confortÆvel; ·evitar movimento do membro lesionado;

·imobilizar a regiªo fraturada, colocando o membro fraturado na posiçªo mais próxima do normal, sem contudo deslocar as partes afetadas; ·se a fratura estiver exposta, deve-se fazer um curativo com pano limpo ou gaze para evitar contaminaçªo, removendo a vítima com maca; ·caso haja hemorragias, devem ser seguidos os procedimentos específicos jÆ vistos.

Quando há fratura, o socorrista nunca deve tentar colocar nenhum osso no lugar!

AULAFratura na coluna vertebral (espinha)

(Parte 1 de 2)

Comentários