ciclo de desenvolvimento de inovação

ciclo de desenvolvimento de inovação

(Parte 1 de 9)

INTRODUÇÃOCiclo de Desenvolvimento de Inovações

SuMárIO

APRESENTAÇÃO 04

1 | INTRODUÇÃO À GESTÃO DA INOVAÇÃO 08

2 | INTRODUÇÃO AO FINANCIAMENTO DA INOVAÇÃO 36

3 | INTRODUÇÃO À ANÁLISE DA VIABILIDADE DA INOVAÇÃO 52

4 | INTRODUÇÃO AO DESENVOLVIMENTO DA INOVAÇÃO 68

CONSIDERAÇÕES FINAIS 82

SOBRE OS PROFESSORES 83 REFERÊNCIAS 8

Dilma Rousseff Presidenta da República do Brasil

Aloizio Mercadante Ministro da Ciência e Tecnologia

Ronaldo Mota Secretário de Inovação

CNPq – CONSELHO NACIONAL DE DESENVOLVIMENTO CIENTÍFICO E TECNOLÓGICO

Glaucius Oliva Presidente

Álvaro Toubes Prata Reitor

Carlos Alberto Justo da Silva Vice-Reitor

Edison da Rosa Diretor do Centro Tecnológico

Gregório Jean Varvakis Rados Chefe de Departamento

Gertrudes Dandolini Sub-chefe de Departamento

Carlos Alberto Schineider Superintendente Geral

Fernando José Spanhol Gerente Executivo

Alexandre Peres de Pinho Gerente Técnico

Greicy K. S. Lenzi Gerente de Processos

Execução Associação Cultural Cabeça ao Vento Produção de Videoaulas

Silvio Smaniotto - Comunicação Audiovisual Produção de Teleconferência

Arrebol Soluções EaD Design Instrucional

Mais Acesso Ambiente Virtual de Aprendizagem Jogos Educativos

Coordenador do Projeto Neri dos Santos

Modelo Educacional Fernando José Spanhol Alexandre Peres de Pinho Greicy K. S. Lenzi

Coordenação Geral de Conteúdo Neri dos Santos

Produção do Conteúdo Específico Neri dos Santos Gregório Jean Varvakis Rados Fernando Antonio Forcellini André Luiz Meira de Oliveira Simone Monte-Mór Mussolin Gustavo Daniel Donatelli Paulo Cesar Leite Esteves Carlos Alberto Schneider

Equipe Técnica Greicy K. S. Lenzi Fernanda Pires Teixeira Carolina Borges de Andrade Gestão de Processos

Fernando José Spanhol Coordenação Pedagógica

Margarete Lazzaris Kleis Designer Instrucional

Sílvio Lovato Projeto Gráfico

Guto Sisson Direção Audiovisual

Alexandre Peres de Pinho Direção de Produção Audiovisual

Ricardo Sagaz Produção Audiovisual

Roberto Santana Assistente de Produção Audiovisual

André Ricardo Righetto Administrador de Sistemas

Sergio Genilson Pfleger Eduardo Martins Polmann Cristiana Pinho Tavares de Abreu Supervisão do Ambiente Virtual de Aprendizagem

Patrícia Battisti Supervisão de Tutoria

André Fontana Goulart Designer Gráfico Complementar

Patrícia Herkenhoff Supervisão de Edição Audiovisual

Milena Abreu Chiaranda Renan de Paula Binda Edição Audiovisual

Oni Freire Edição de Som

Guilherme Lopes Souza Vinhetas

Andy Paes Ilustração

Sandra Helena Spricigo Revisão Ortográfica

Realização: Execução: Colaboração:

AprESENTAÇãO

Bem-vindo(a)!

Você está iniciando suas atividades no Curso Gestão da Inovação da Universidade Federal de Santa Catarina – UFSC.

Este Curso se apresenta na modalidade a distância e está organizado em módulos e disciplinas no Ambiente Virtual de Aprendizagem – AVA.

Ele está divido em quatro (4) módulos com certificações intermediárias – isto é, certificações ao final de cada módulo. Há ainda uma certificação no Curso de Gestão da Inovação, que será conferida a quem completar todas as etapas do Curso.

Antes iniciar os módulos, você precisa passar pela parte introdutória do curso: Introdução ao Ciclo de Desenvolvimento de Inovações.

Depois de passar por esta etapa, você pode escolher um dos quatro módulos. Porém,para que você não perca as informações interessantes que este Curso apresenta, sugerimos que você nos acompanhe em todos os quatro!

Os módulos que você encontrará no AVA após terminar a Introdução ao Ciclo de Desenvolvimento de Inovações são:

l Módulo Gestão da Inovação Disciplina 1 – Gestão da Inovação Disciplina 2 – Gestão de Projetos da Inovação l Módulo Financiamento da Inovação Disciplina 1 – Políticas Públicas de CT&I Disciplina 2 – Fontes de Financiamento da Inovação l Módulo Viabilidade da Inovação Disciplina 1 – TIB – Mecanismos para a Competitividade das Inovações Disciplina 2 – Análise da Viabilidade de Inovações l Módulo Desenvolvimento da Inovação Disciplina 1 - Métodos e Ferramentas para o Desenvolvimento de Produtos Tecnológicos Inovadores Disciplina 2 – Métodos e Ferramentas para Apoio à Qualidade na Fabricação de Produtos Tecnológicos Inovadores

A Educação a Distância - EaD - é uma modalidade de ensino que lhe possibilita participar das disciplinas do seu curso sem estar presencialmente na Universidade, além de proporcionar maior flexibilidade quanto aos horários de estudo.

O conteúdo do Curso está formatado para facilitar o seu aprendizado, com tópicos importantes em destaque, complementações ao tema, sugestões de leituras e atividades. Estes tópicos estão apresentados de forma diferenciada no texto para que você possa identificá-los com facilidade durante a leitura. São eles:

Vocabulário: Este ícone identifica a explicação de um termo descrito durante as unidades de estudo. Pode ser uma sigla, uma palavra pouco comum ou de uso muito restrito ou específico.

Para Refletir: Sempre que você encontrar este ícone, será convidado a pensar sobre o assunto e relacionar o conteúdo ou tema abordado com a sua realidade.

Importante: Este ícone estará sempre destacando partes do conteúdo importantes para o seu aprendizado. Fique sempre de olho.

Saiba Mais: Sugestões de leituras, informações e textos complementares ao longo do texto e ao final das unidades estarão sinalizadas por este ícone.

A partir de agora, você começa os seus estudos com a introdução aos principais temas relacionados ao processo de inovação. Estes temas estarão distribuídos em quatro (4) disciplinas:

1 - Introdução à Gestão da Inovação 2 - Introdução ao Financiamento da Inovação 3 - Introdução à Análise da Viabilidade das Inovações 4 - Introdução ao Desenvolvimento da Inovação

ção o material didático, acesse constantemente o AVA no endereço:

Estas disciplinas trazem os principais conceitos que você deve ter em mente antes de optar pelos módulos do curso. Estude com atenhttp://enova-ava.egc.ufsc.br, assista aos vídeos disponíveis e não hesite em entrar em contato com os professores tutores sempre que sentir necessidade.

Apesar da distância, estaremos sempre com você. Bons Estudos!

Para finalizar, lembre-se que seu sucesso no curso a distância dependerá de sua organização pessoal e da sua autonomia para estudar.

Desejamos a você, em nome de todos que compõem esta Universidade, uma ótima trajetória no curso e esperamos que o entusiasmo na busca por conhecimento e inovação o acompanhe em toda a sua jornada pessoal e profissional.

Conte conosco para ajudá-lo sempre que precisar e bons estudos! Equipe do LED - UFSC

1 | INTrODuÇãO À GESTãO DA INOVAÇãO pArA COMEÇAr O ESTuDO

Vivemos em uma era de desconstrução acelerada de padrões e paradigmas. O que hoje é novo passa a ser obsoleto em uma velocidade que supera qualquer previsão. O ciclo de vida dos produtos é reduzido cada vez mais, e um dos motivos é que os clientes já se acostumaram e esperam novidades nos produtos que justifiquem o desejo de consumo.

Na sociedade do conhecimento, a melhor matéria-prima, a planta industrial mais eficiente e uma marca bem consolidada já não são suficientes para garantir a sustentabilidade de um negócio. Assim, a inovação é hoje o principal agente impulsionador da economia.

O termo INOVAÇÃO é comumente usado, muitas vezes “abusado”, mas nem sempre as empresas têm uma noção clara do que ele significa e das formas de atingir um padrão consistente de inovação nos seus produtos e processos. Não raro as declarações de missão corporativas e outras expressões das políticas e estratégias empresariais incluem o termo “inovar”, mesmo que na prática o que se observe é a empresa fazendo “mais do mesmo”, ou no máximo obtendo a inovação de forma quase acidental.

Nesta aula, você terá um primeiro contato com o tema inovação e com os aspectos referentes à gestão da inovação aplicados ao contexto empresarial para se familiarizar com os principais termos, definições e conceitos. Bem-vindo!

l Definir o que é Inovação. l Compreender o processo de gestão da inovação. l Conhecer metodologias e ferramentas aplicáveis na gestão da inovação.

Olá! A partir de agora, você começa a tomar contato com os principais tópicos e temas da gestão relacionados especificamente à inovação, como gestão de pessoas e de processos, modelos de gestão, razões para inovar, entre outros.

Além dos conceitos que você deverá ter em mente para prosseguir seus estudos nos módulos posteriores, ainda encontrará sugestões de leituras complementares que o ajudarão a contextualizar ainda mais os temas relacionados à inovação no contexto empresarial.

Vamos começar? Professor Gregório Varvakis

1.1 O CONCEITO DE INOVAÇãO

Inovar é ir além dos limites estabelecidos, seja no desenvolvimento de um novo produto ou processo, ou na introdução de uma característica diferenciadora em produto ou processo já existente, que gere ganho de qualidade, produtividade ou resulte em vantagem competitiva. Não há, portanto inovação sem que se gere algum ganho para a empresa ou para a sociedade em geral. Pode-se afirmar ainda que se não há incremento de valor para a organização e para a sociedade não há inovação.

Existem quatro tipos de inovação (OECD, 2007): de produto, de processo, organizacional e de marketing.

A inovação de produto é caracterizada pela alteração significativa em características funcionais dos produtos (bens e serviços). É aplicável tanto a produtos totalmente novos como aos casos de aperfeiçoamentos significativos nos já existentes.

A inovação de processo ocorre quando os métodos de produção e distribuição dos produtos passam por mudanças significativas, incorporando novas características.

A inovação organizacional é quando são implantados novos métodos organizacionais. Pode-se obter inovação organizacional em qualquer das áreas da gestão empresarial, tais como modelos de negócio, estrutura organizacional, gestão financeira, capacitação e gestão de desempenho do pessoal.

As inovações de marketing estão relacionadas com a adoção de novos métodos associados ao design de produtos, na análise do comportamento do mercado, nas técnicas de promoção do produto, na fidelização do cliente, nos métodos de formação do preço de venda, entre outros.

Vejamos alguns exemplos de cada tipo de inovação.

Inovações de produto - bens manufaturados: l o motor à combustão; l o transistor; l o telefone celular; l a fralda descartável.

Inovações de produto - serviços: l o atendimento a clientes de restaurantes fast-food por meio do drive-thru; l o sistema de logística reversa pré-pago pelo fabricante para coleta de produtos com defeito; l o atendimento bancário em terminais de autoatendimento.

Figura 1.1: Tipos de inovação Fonte: OECD (2007)

Inovações de processo: l a linha de montagem; l manufatura Auxiliada por Computador (CAD); l a manutenção produtiva total (TPM).

Inovações organizacionais: l o custeio baseado em atividades (ABC); l o sistema Balance Score Card (BSC); l parcerias entre empresas concorrentes para aquisição de insumos com desconto.

Inovações de marketing: l cartões de fidelidade das companhias aéreas; l gerenciamento da relação com o cliente (CRM); l veículos com para-choque na cor da pintura da carroceria.

Uma lista de exemplos de inovações de diferentes tipos pode ser encontrada no Manual de Oslo (OECD, 1997).

Fica claro pelos exemplos acima que inovação não é sinônimo de invenção. Uma invenção, que é uma criação original e diferenciada, enquanto não tiver aplicação comercial não é considerada uma inovação. Pode-se ainda dizer que inovação é uma invenção aceita pelo mercado, gerando valor para a organização.

l Qual foi a INOVAÇÃO que possibilitou o surgimento de sua empresa? l Qual foi o último exemplo de inovação em um produto de sua empresa? l Qual foi a resposta do mercado? l Como foi a repercussão na sua empresa? l Qual foi o último exemplo de inovação em um produto dos concorrentes de sua empresa? l Qual foi a resposta do mercado? l Como foi a repercussão na sua empresa? l Qual foi a reação da sua empresa?

1.2 pOr QuE INOVAr?

Se sua empresa decidiu investir neste curso é porque há a crença de que a inovação é necessária. Há uma necessidade de mudança motivada por um fator externo (pressão de concorrente, mudança no mercado, introdução de novas regulamentações, exaustão iminente de matéria-prima etc.) ou por algum elemento interno à organização (como, por exemplo, necessidade de reter talentos, demanda por redução de custos, alinhamento com a estratégia organizacional).

Dependendo da posição competitiva de sua empresa, a inovação pode ser questão de sobrevivência, e sem ela a existência da empresa está ameaçada. O negócio pode necessitar crescer para se tornar viável e usar a inovação como arma para conquistar mercado de concorrentes já estabelecidos. Ou, em situação inversa, sua empresa pode precisar se defender de concorrentes que “agitam” o ambiente com soluções inovadoras, nos produtos ou processos, criando uma demanda pela inovação como estratégia de defesa.

Figura 1.2: A inovação como arma de defesa e ataque nas batalhas empresariais Fonte: Projeto e-Nova / UFSC (2010)

A inovação não traz benefícios apenas para empresas de tecnologia. O processo de inovação tecnológica e organizacional pode gerar vantagem competitiva até mesmo para os setores mais conservadores, como os produtores de commodities e empresas prestadoras de serviços tradicionais como o setor postal, companhias de limpeza pública e instituições bancárias. Sempre é possível desenvolver formas inovadoras para prospectar e se relacionar com clientes, produzir mais com menos recursos, aperfeiçoar a logística de distribuição, reter talentos, manter a imagem institucional forte e tornar a cadeia de valor do produto mais eficiente.

Inovar é produzir riqueza, é transformar capital (financeiro, intelectual) em valor.

>> PARA REFLETIR Com a ajuda da tabela abaixo avalie quais as motivações para sua empresa inovar. Quanto maior o número da coluna, mais forte o fator age como motivador da inovação.

1.3 A INOVAÇãO NO BrASIL

Uma boa notícia é que o brasileiro é reconhecido por sua criatividade, ou seja, somos criativos por essência. Há exemplos de sobra de pessoas e organizações reconhecidas mundialmente, em diversas áreas, pela atuação destacada, em mercados competitivos. A EMBRAER se destaca no mercado da aviação. A EMBRAPA é referência em alguns campos da tecnologia agrícola. A PETROBRAS revolucionou a exploração de petróleo em águas profundas. A produção de etanol como combustível veicular vem sendo replicada em outros países. Nosso processo eleitoral é um dos mais sofisticados do mundo, e vem sendo aprimorado a cada eleição. O grupo financeiro GP vem conquistando destaque em nível mundial com sua ousadia e capacidade de inovação e consequente geração de valor nas empresas que gerencia. Hoje, a Inbev é um exemplo, com destaque mundial no ramos de bebidas.

A má notícia é que a lista de casos exemplares de inovação no Brasil não é tão extensa, e de forma geral não conseguiu tirar o país da incômoda posição de exportador de commodities e bens manufaturados de baixa tecnologia. O reflexo deste quadro é sentido no crescimento econômico que fica muito aquém do obtido nos últimos anos na China, Índia, Coréia e mesmo em outros países latino-americanos.

(Parte 1 de 9)

Comentários