Avaliação de tecnologias de saúde

Avaliação de tecnologias de saúde

(Parte 7 de 11)

Quadro 1 - Hospitais com Núcleo de Avaliação de Tecnologias em Saúde e outras instituições que compõem a Rede Paulista de Avaliação de Tecnologias de Saúde e seu respectivo número de profissionais participantes, 2012 volvimento de pessoal para a qualificação dos profissionais do SUS, consiste de uma série de oficinas para formar pareceristas de acordo com os métodos para a construção e apresentação de Pareceres Técnico-Científicos (PTC). A intenção destas oficinas foi apresentar e discutir as etapas metodológicas para a elaboração de um PTC no contexto do cotidiano de trabalho dos participantes, tendo como base as Diretrizes Metodológicas da Rede Brasileira de ATS (REBRATS).X

Em 2012 foram realizadas 5 oficinas sobre PTC, cada uma com duração de 20 horas. A primeira oficina, realizada em 29 de fevereiro, contou com as parcerias do Grupo de Trabalho de Avaliação de Tecnologia em Saúde (GT-ATS) do Departamento de Ciência e Tecnologias (DECIT) da Secretaria de Ciência e Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde (SCTIE/MS), da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FMUSP), do Hospital das Clínicas

Avaliação de Tecnologias de Saúde

Volume 14 I Nº 2 154

(HC-FMUSP), e da Escola de Educação Permanente (EEP-HC/FMUSP).

apresentação e discussão de propostas dos NATSO

O Instituto de Saúde (IS), por meio do Centro de Tecnologias de Saúde para o SUS-SP, partilhou com a CTIES o projeto Ampliação e Fortalecimento dos Núcleos de Avaliação de Tecnologias em Saúde no Estado de São Paulo, que tornou exequível a realização de oficinas para elaboração de PTC e reuniões mensais para IS também acolheu duas oficinas nos meses de maio e junho, e a EEP-HC/FMUSP outras duas, realizadas em agosto e setembro, sempre em parceria com os técnicos da CCTIES, FMUSP e IS. Cada uma delas foi conformada com apresentações teóricas sobre métodos para pesquisas científicas, bem como de trabalhos orientados de busca de provas científicas em bases de dados bibliográficos indexados, exercícios de avaliação crítica e classificação destas provas (Quadro 2). Em decorrência deste processo de estímulo surgiu a demanda para realizar oficina semelhante no Hospital de Clínicas da Universidade Estadual de Campinas (UNICAMP) em outubro de 2012, com envolvimento de técnicos da CCTIES, do IS e da FMUSP, além de professores da própria UNICAMP.

Esta estratégia contribuiu para a formação 220 profissionais paulistas quanto a elaboração de PTC, entre os quais médicos, engenheiros, tecnólogos, enfermeiros, farmacêuticos, nutricionistas, biólogos, biomédicos, filósofo, sociólogos, biblioteconomistas, psicólogos, fisioterapeutas e estatístico. A análise dos relatórios de avaliação das oficinas, elaborados pelo Instituto de Saúde, mostrou que a maioria deles tinha algum curso de especialidade, assim como mestrado ou doutorado. Embora atuando em setores com interface com avaliação de tecnologias de saúde, mais de 80% não havia feito um curso específico sobre o tema. A avaliação das oficinas pelos participantes, de maneira geral, foi positiva. No entanto, a carga horária nem sempre foi considerada satisfatória comprometendo o desenvolvimento dos conteúdos. As oficinas foram importantes para a formação das equipes sobre ATS e PTC, porém com base na avaliação desse processo, concluiu-se que a SES poderia desenvolver um sistema de tutoria para que os participantes consigam elaborar um PTC depois da oficina.

Uma Oficina de Farmacoeconomia também foi realizada em setembro de 2012, da qual participaram 17 profissionais, incluindo farmacêuticos, médicos, enfermeiros, odontólogos e engenheiros (Quadro 3). Isto permitiu aprender sobre as condições e requerimentos de proficiência que ainda precisa-se desenvolver para formar avaliadores de aspectos econômicos e modelagem de repercussão no orçamento das tecnologias propostas para incorporação ou desinvestimentos. Todo o material de curso e as apresentações feitas nas oficinas foram distribuídos aos participantes e estes foram fortemente encorajados a multiplicar a experiência em sua ambiência de trabalho e influência. Além disto, 6 visitas técnicas com preleções ao corpo clínico, diretores e profissionais interessados foram feitas em 5 hospitais, visando a divulgação e envolvimento destes no projeto da Rede Paulista de ATS.

Câmara de evidências científicas

Em paralelo a estas oficinas, desenvolveu-se um grupo técnico de apoio constituído por especialistas de informação em saúde (bibliotecários, enfermeiros e médicos). Este grupo denominado Câmara de Evidências Científicas realizou duas reuniões de consenso e treinamentos de métodos em três ocasiões, participou e ministrou formação em cada uma das oficinas, além de subsidiar os trabalhos dos demais profissionais dos NATS por meio de buscas sistemáticas de literatura científica e envio eletrônico de artigos solicitados.

Reuniões da Rede

Desde fevereiro de 2012, uma agenda de reuniões mensais da Rede Paulista de ATS se desenvolveu na SES-SP. Nestas, a SES-SP propicia o lócus para parceria e consenso sobre recursos necessários e meios para obtê-los, visando a efetiva execução dos projetos.

A cada reunião profissionais que atuam nos NATS são convidados a apresentar um tema gerador de debates e consensos, a partir dos quais poderão ser desenvolvidos PTC e ou projetos de pesquisa de colaboração entre as instituições participantes (Quadro 4).

Quatro grandes áreas temáticas já têm consenso para estudos multicêntricos: (1) Controle de infecção hospitalar; (2) Incorporação de produtos; (3) Impacto da Ministério da Saúde. Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos. Departamento de Ciência e Tecnologia. Diretrizes metodológicas: elaboração de pareceres técnico-científicos/ Ministério da Saúde, Secretaria de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos, Departamento de Ciência e Tecnologia. – 3.

ed., revisada e atualizada – Brasília: Ministério da Saúde, 2011. 80 p. – (Série A. Normas e Manuais Técnicos). [acesso em 23 de janeiro de 2012]. Disponível em http://portal.saude.gov.br/portal/arquivos/pdf/DiretrizesPTC.pdf

Avaliação de Tecnologias de Saúde

Volume 14 I Número 2 155

PRIMEIRO DIA 14:0-14:15 Recepção 14:15-14:45 Abertura 14:45-15:30 Apresentação dos participantes 15:30-17:0 Introdução a ATS e conceitos SEGUNDO DIA 08:0-10:30 Metodologia do PTC- formulação da pergunta e etapas da elaboração 10:30-1:30 Estratégia de busca de evidências em bases eletrônicas 1:30-12:0 Fontes de informações epidemiológicas 12:0-13:0 Almoço 13:0-18:0 Busca de evidências em bases eletrônicas primária e secundária (exercício) TERCEIRO DIA 08:0-10:0 Avaliação crítica de ensaios clínicos randomizados 10:0-12:0 Avaliação crítica de estudos não randomizados e revisões sistemáticas 12:0-13:0 Almoço 13:0-15:0 Apresentação dos resultados do PTC 15:0-16:30 Interpretação dos resultados das evidências e recomendação 16:30-17:00Orientação dos PTC a serem desenvolvidos pelos participantes

Quadro 2 - Programa das Oficinas de Pareceres Técnico-Científicos

Estudo de caso: Medicamentos biológicos para artrite reumatoide - Medindo e Estimando Efeitos

- Medindo e Estimando Custos

- Cálculo da relação de custo-efetividade

12:0-13:0 Almoço TERCEIRO DIA 08:30-10:30 Análise de Decisão, Teoria e Prática

Estudo de caso: Agentes de contraste - Medindo e Estimando Efeitos

- Medindo e Estimando Custos

- Cálculo da relação de custo-efetividade

12:0-13:0 Almoço QUARTO DIA 08:30-09:30Farmacoeconomia e medidas de estado de saúde

Quadro 3 - Programa da Oficina de Farmacoeconomia

Avaliação de Tecnologias de Saúde

Volume 14 I Nº 2 156

Tema tratadoInstituição demandante

Análise de custo-efetividade da angiotomografia vascular ou coronariana com múltiplas camadas de detectores

Instituto Dante Pazzanese; InCor – HC/FMUSP

Análise de custo-efetividade do uso de alteplase para trombólise precoce nos casos de AVC.HC de Botucatu; HCRP – FMUSP; SES/SP; IC – HC/FMUSP

Análise de impacto e relação de custo-efetividade da infusão de correção de NaCl nos suportes avançados de vida, pré-hospitalar, SAMU...

IPq – HC/FMUSP; Hospital de Base de São José do Rio Preto

Avaliação da efetividade de estratégias para a implantação de programas de pré-qualificação de materiais e insumos hospitalares.

HC de Botucatu; Santa Casa de Misericórdia de São Paulo; IOT-HC FMUSP; CAISM/UNICAMP

Avaliação de biológicos para oncologia – proposta de avaliação da efetividade de fármacos prioritários para o SUS em São Paulo

Núcleo de Assistência Farmacêutica CCTIES - SES/SP

Avaliação de impacto de abordagens para controle de infecção de sítio cirúrgicoHC de Botucatu; Hospital de Base de Marília

Comparação entre antibioticoprofilaxia para parto cesáreo antes da incisão ou após o clampeamento do cordão umbilical CAISM/UNICAMP

Custo-efetividade comparativa de novos medicamentos oncológicos, antivirais ou outros versus estratégias convencionais de medicamentos, cirurgia, quimioterapia e radioterapia

Núcleo de Assistência Farmacêutica CCTIES - SES/SP

Custo-efetividade de canetas com hormônio de crescimento em solução pronta para aplicaçãoIC – HC/FMUSP

Estudo comparativo de custo-efetividade de válvulas antissifão programáveis x válvulas comum para hidrocefalia. IPq – HC/FMUSP

Estudo comparativo de saneantes na desinfecção de aparelhos de endoscopia (glutaraldeído x ácido peracético x água ácida) Instituto Emílio Ribas

Estudo comparativo do impacto clínico e econômico do procedimento de hipodermóclise x punção periférica em pacientes sob cuidados paliativos. IC – HC/FMUSP

Estudo da abordagem e acompanhamento das gestantes com acretismo placentárioCAISM - UNICAMP Estudo de custo-efetividade de cânulas de traqueostomia e endopróteses traqueobrônquicas InCor – HC/FMUSP

Estudo de custo-efetividade de cirurgias endoscópicas para implante de válvulas para controle de hidrocefalia IPq – HC/FMUSP

Estudo de custo-efetividade de cirurgias endoscópicas de derivação ventricular para cura de hidrocefalia IPq – HC/FMUSP

Estudo de custo-efetividade do laser de baixa intensidade para aceleração da cicatrização de lesões cutâneas crônicas, cirúrgicas ou trauma extenso IPq – HC/FMUSP

Estudo de segurança e custo-efetividade na criação de Central de Misturas intravenosas - Farmácia Clínica IC – HC/FMUSP

Estudo prospectivo do impacto clínico e uso de recursos por estratos de risco dos pacientes adultos submetidos à cirurgias cardíacas no SUS/SP

Incor – HC/FMUSP; Hospital de Base de São José do Rio Preto; IDPC/FAJ-SES/SP; HC de Botucatu; HCRP –FMUSP; SES/SP

Estudos de custo-efetividade em curativos à vácuo – terapia de uso da pressão negativaSanta Casa de São Paulo; HC de Botucatu

Estudos de custo-efetividade na trombólise dirigida por cateter na trombose venosa periférica aguda e uso da alteplase em procedimentos endovasculares periféricos

Hospital de Base de São José do Rio Preto

Quadro 4 - Temas tratados pelos NATS das instituições de saúde participantes da Rede Paulista de ATS, em reuniões realizadas de março a novembro de 2012

09:30-10:30Qualidade de vida relacionada à saúde: medidas de utilidade versus medidas de estado de saúde 10:30-1:30Estudo de Caso 1:30-12:00Outras aplicações de análises farmacoeconômicas 12:0-12:30Modelos e etapas da modelagem, possibilidades e restrições 12:30-13:00Esclarecimento de dúvidas

Avaliação de Tecnologias de Saúde

Volume 14 I Número 2 157

Impacto clínico e orçamentário da cirurgia de mielomeningocele em pós-parto imediato ou screening fetal de mielomeningocele IPq – HC/FMUSP

Impacto clínico e orçamentário da vigilância e rastreabilidade de implantes ortopédicos: exemplo pela análise periódica das AIH e APAC faturadas ao SUS

IOT – HC/FMUSP; Hospital de Base de São José do Rio Preto

Impacto da implantação das Portarias (fluxo e estratégias programáticas na assistência a pacientes vítimas de AVC).

HC de Botucatu; HCRP – FMUSP; SES/SP; IC – HC/FMUSP

Impacto orçamentário da vigilância e rastreabilidade de implantes nos programas de pré- -qualificação

CAISM/UNICAMP; InCor – HC/ FMUSP; Hospital de Base de São José do Rio Preto

Levantamento epidemiológico da demanda de cuidados paliativos no Estado de São PauloHC de Botucatu; IC – HC/FMUSP;

ICESP – HC/FMUSP; HMCC/Tatuapé/SP; HCRP – FMUSP; SES/SP; HC - UNICAMP

OPME de alto custo para discussão de possíveis estudos: adesivos cirúrgicos biológicos, kit de drenagem biliar endoscópica, tela para cirurgia de incontinência urinária, medicamentos vasopressores e antifúngicos alternativos...

Hospital de Base de São José do Rio Preto

Programa de assistência ao portador de doenças raras – Projeto da Rede DORA – modelo de fluxograma de assistência SES/SP

Proposta de projetos de pesquisa para incorporação do suporte respiratório extracorpóreoHospital de Base de São José do

Rio Preto; IC – HC/FMUSP; ICR – HC/FMUSP

Radiologia digital – estudo comparativo de métodos de captura de imagens – placas transportáveis ou sistemas de captura integrados

SES-SP; Hospital de Base de São José do Rio Preto; Santa Casa de São Paulo; ICESP – HC/FMUSP; INRAD – HC/FMUSP

Relação de custo-efetividade do diagnóstico confirmatório com ressonância magnética e do tratamento pela embolização de artérias uterinas pré-histerectomia por percretismo de vilosidades coriônicas

Relação de custo-efetividade do implante de tela sintética x tela absorvível em cirurgias de prolapso genital CAISM - UNICAMP

Screening de acretismo placentário por ultrassonografia com Doppler de vilosidades coriônicasCAISM - UNICAMP

Screnning fetal de malformações cardíacas congênitas e estudo de fluxo e impacto de estratégias programáticas de referenciamento e contrarreferências na assistência a recém-nascidos com malformações congênitas no Estado de São Paulo.

incorporação de tecnologias de imagens médicas; e, (4) Pactuação no SUS-SP. Cada um destes grandes temas inclui uma série de prioridades de interesse de duas ou mais instituições com delineamentos específicos de estudos, cujos detalhes de operação se encontram sob consultas institucionais internas.

Sob a égide do novo contexto regulatório no SUS, os

NATS da Rede Paulista de ATS identificam tecnologias inovadoras para o SUS, em utilização e que ainda não constam na Tabela do SUS e buscam articular-se para estudos ou revisões multicêntricos, visando apresentar demandas para a Comissão Nacional de Incorporação Tecnologias no SUS (CONITEC).

Vários destes projetos já foram submetidos para fomento no âmbito de dois programas da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP): o Programa de Pesquisa para o SUS (PPSUS) e o de Políticas Públicas. No âmbito da SES-SP a promoção da integração des- tes projetos com suas diversas Coordenadorias pode intensificar os esforços de instituição de políticas públicas inovadoras e aprimoramento dos processos de assistência. A busca por informações da melhor qualidade disponível, interpretação e valorização de dados sobre assistência nas bases locais de produção e sua discussão, diante do contexto demográfico, clínico, econômico e social das Regiões de Saúde do Estado de São Paulo vem valorizando os esforços de pareceristas, integrando equipes técnicas e reconhecendo sua competência profissional. A capilaridade destas discussões e esforços, tanto internas nos próprios hospitais como com os órgãos centrais, regionais e dos municípios pode propiciar maiores desenvolvimentos para a rede de assistência do SUS do Estado de São Paulo.

(Parte 7 de 11)

Comentários