Maçonaria

Maçonaria

(Parte 1 de 2)

COLÉGIO HAMÔNIA - 2ª SERIE ENSINO MÉDIO

MAÇONARIA

EMANUEL FUSINATO

PAULA S. JOENK

ALANA GROSCH

RAFAELA SCURSEL

VALCIR JR.

IBIRAMA

2010

Índice:

Índice: 4

Introdução 5

Abstract 6

1.0 Características gerais 7

2.0 História da Maçonaria 8

3.0 Maçonaria em Santa Catarina 9

3.1 A Maçonaria e os movimentos abolicionistas e republicanos no estado 10

4.0 Integrantes Ilustres da Maçonaria 10

4.1 Integrantes Ilustres da Maçonaria Brasileiros 13

5.0 Importantes participações Maçons na historia. 14

5.1 Revolução Americana 14

5.2 Revolução Francesa 15

5.3 Libertação da América Espanhola 15

5.4 Unificação Italiana 15

5.5 Brasil 16

5.5.1 Inconfidência Mineira 16

5.5.2 Proclamação da Republica 16

6.0 As narrativas antimaçônicas 16

6.1 Narrativas antimaçônicass no século XVIII 17

6.2 Narrativas antimaçônicas no século XIX 17

7.0 Curiosidades da Maçonaria: 18

8.0 Pesquisa de Campo 19

Considerações Finais 21

Bibliografia 22

Introdução

Dos temas que foram propostos para os estudantes do ensino médio do colégio Hamônia, o nosso grupo escolheu o tema Maçonaria. Com este trabalho pretendemos esclarecer seu real significado e esclarecer certos pontos que permanecem obscuros aos leigos, desde as origens da maçonaria até o ultimo século, mostrando um pouco de sua historia, destacando varias personalidades que pertenceram a essa sociedade e mostrar certas características e curiosidades dessa sociedade semi-secreta difundida por todo o mundo, que adota os princípios de liberdade igualdade fraternidade e filantropia.

Abstract

From the themes that were suggested to Hamônia High School students, this group chose the Masonry theme. This work aims at clarifying its real meaning and clarifying certain points that remain obscure to laymen, since the origins of Freemasonry until the last century, showing some of its story, highlighting various personalities belonging to this society and showing certain characteristics and peculiarities of this semi-secret society spread throughout the world, which adopts the principles of freedom, equality, fraternity and philanthropy.

1.0 Características gerais

A Maçonaria trata-se de uma associação semi-secreta, difundida no mundo todo, que adota os princípios de fraternidade e da filantropia entre seus membros. Ela é considerada semi-secreta devido ao conhecimento mundial de sua existência, embora muitos aspectos permaneçam ocultos aos não membros de sua sociedade. No cotidiano os maçons se comunicam através de sinais secretos, senhas e cumprimentos especiais.

Ela é composta de homens que se iniciam através de rituais, incluindo juramentos de fidelidade e uma série de simbolismos, onde a moral, a fraternidade e a retidão são representadas pelo livro sagrado, pelo compasso e pelo quadrado.

Para ser um maçom, o indivíduo não precisa ser de uma específica religião, raça ou segmento social. Ele precisa apenas acreditar em um ser único e supremo, do qual os Maçons chamam de “Grande Arquiteto do Universo”. Além disso, é preciso ser de boa índole e caráter, adorador da ordem e da justiça, em outras palavras, ser um cidadão exemplar. Um Maçom indicará o possível integrante, para seu Mestre. Esse novo integrante será investigado minuciosamente para que não haja dúvida de que é um homem íntegro. O Mestre irá analisar o pedido de ingresso, juntamente com os outros Maçons da Loja, que farão uma votação para decidirem se o novo integrante será aceito na Ordem. Após ter ingressado na sociedade, qualquer deslize moral ou das regras impostas que o integrante venha a cometer, será extinguido e o Maçom que o indicou poderá ser punido. Todo Maçom deve seguir a doutrina histórica, também chamada de Landmarks.

O aprendizado maçom está dividido por etapas. Cada etapa é desenvolvida numa Câmara própria, com seus respectivos graus. A Maçonaria universal compreende basicamente os graus de Aprendiz, Companheiro e Mestre que são das Lojas Simbólicas (1º ao 3º grau). Além dela existem: Lojas de Perfeição (do 4º ao 14º grau), Capítulos (do 15º ao 18º grau), Conselhos de Kadosch (do 19º ao 30º grau), Consistórios (31º e 32º graus) e Supremo Conselho (33º grau).

Há séculos, a Maçonaria sofre um certo preconceito, principalmente de algumas religiões. Isso se deve à idéia de associação misteriosa e secreta que a Maçonaria passa para os leigos. Desse modo, já foi associada à seitas satânicas, práticas macabras e até mesmo à grandes conspirações.

Segundos os próprios maçons, o objetivo da Maçonaria é fazer com que seus adeptos, sejam homens que busquem a evolução espiritual e intelectual, contribuindo com a humanidade, e ajudando seus semelhantes a também evoluírem em suas vidas. Mas para muitos, a Maçonaria continua sendo uma incógnita, assim como seus verdadeiros intuitos; transformando-se deste modo, num alvo de grande curiosidade, que continuará alimentando a imaginação das pessoas através dos séculos.

2.0 História da Maçonaria

O nome vem do francês ‘Franc-maçonnerie’. ‘Maçon’, em francês, significa ‘Pedreiro’ e ‘Franc’ significa ‘Livre’ donde se deduz que ‘Franco Maçonaria’ quer dizer ‘Associação de Pedreiros Livres’. Em sentido amplo, a historia a maçonaria pode ser dividida em três períodos: o antigo ou lendário, o medieval ou operativo e o moderno ou especulativo. Segundo alguns historiadores do período antigo ou lendário, não se têm conhecimento sobre sua origem, alcança mais ou menos o século V antes de Cristo, com a construção do Templo de Salomão.

A Maçonaria só admitia em seu seio os que praticavam a arte da construção. Era a época das grandes catedrais, das pontes, das cidades modernas. A arquitetura, então, era considerada uma arte real, pois tinha a simpatia da nobreza, e uma arte sagrada porque a maioria dos seus obreiros se empenhava na construção de templos destinados ao culto de Deus. Mas para muitos a origem da maçonaria está vinculada a criação da Ordem dos templários, a mais importante ordem religiosa do período medieval. Sua função seria garantir a guarda dos lugares santos da palestina e proteger os cristãos peregrinos. Acusados de praticas demoníacas, feitiçaria e adoração de ídolos, cerca de 15 mil templários foram condenados a morte na fogueira da inquisição. Embora oficialmente extintos, os templários não deixaram de existir, então se uniram aos grupos maçons, mesclando seus conhecimentos e suas tradições, então nasceu a chamada maçonaria Operativa, que mais tarde vinha a se tornar a Maçonaria Moderna.

No final do século XVI a maçonaria abriu suas portas para qualquer homem de bem que nela desejasse ingressar. Surge assim a maçonaria moderna, nela ingressam artistas, filósofos... Enfim, livres-pensadores de todo o mundo, que passaram a ser conhecidos como maçons aceitos.

Em Londres, em 1717 que se forma a primeira Grande Loja maçom do mundo e em 1723 é promulgada a primeira Constituição Maçônica concedendo a seus integrantes a liberdade de culto, exigindo apenas a crença em um deus único: ‘o Grande Arquiteto do Universo’.

A reação da Igreja católica contra essa liberdade demorou quinze anos, até que o Papa Clemente XII acusa os maçons de heresia e ameaça os fiéis que se aproximassem da ordem com a excomunhão. Diante desse quadro os maçons não tiveram outra alternativa senão começar a agir secretamente. Seus encontros passaram a acontecer em desertos pátios de igrejas, altas horas da noite. E, mesmo assim, eles não deixaram de atuar na sociedade em que viviam mantendo em segredo sua condição de maçom.

3.0 Maçonaria em Santa Catarina

As primeiras referências sobre a presença da Maçonaria em Santa Catarina surgem associadas ao período imediatamente posterior à Independência do Brasil.

No Estado, o Rito Adonhiramita chegou em 20 de março de 1949, com a fundação da Loja “JANUÁRIO CÔRTE, com o objetivo de fundar o GRANDE ORIENTE DE SANTA CATARINA. A Constituição do GOB determinava para a fundação de um Grande Oriente Estadual, deveria ter sob sua jurisdição, três Lojas que trabalhassem com Ritos diferentes, em sua sede, na Capital do Estado. Como já existiam as Lojas “Regeneração Catarinense” e “Ordem e Trabalho” que trabalham, respectivamente, nos Ritos Escocês Antigo e Aceito e Rito Moderno ou Francês, precisavam de uma outra, com Rito praticado e reconhecido no Brasil. Assim, reuniram-se os Irmãos dessas duas Lojas e optaram em fundar uma Loja e adotar o Rito Adonhiramita para a nova Oficina. Foi eleito para Venerável Provisório o saudoso Irmão ELPÍDIO BARBOSA. A nova Loja reunia-se informalmente, vez ou outra, até a fundação do GOSC, em 12 de abril de 1950. Fundado o Grande Oriente, a Loja, por falta de orientação ritualística não vingou, permanecendo somente como célula inativa do GOSC, até que um grupo de Irmãos, liderados por JOSÉ GRUMICHÉ DE SOUZA e DUPUY CÔRTES procuraram e deram condições para a Instalação da Loja fundada em 1949, no dia 29 de junho de 1956, em sessão solene realizada no Templo da ARLS “REGENERAÇÃO CATARINENSE”, sob a Presidência do Grão Mestre Manoel Galdino Vieira.

 

3.1 A Maçonaria e os movimentos abolicionistas e republicanos no estado

A participação da Maçonaria no movimento abolicionista foi importante no Brasil. Segundo as movimentações nacionais, o movimento maçônico em prol da emancipação dos escravos, em Florianópolis teve os mesmo direcionamentos e vários destaques.

A loja “Regeneração Catarinense” foi importante, pois era uma das lojas maçônicas de Desterro, nesse período. A outra se chamava “Lealdade”. Apesar de o acesso aos arquivos da loja não ser permitido, a comprovação das movimentações da Maçonaria na campanha abolicionista pode ser verificada por meio de notícias publicadas no jornal “A Regeneração”.

Eram tendências das lojas Maçônicas, no período, patrocinarem a alforria de escravos, utilizando, para isso, os donativos depositados no “Tronco de Beneficência”, donativos esses que eram destinados não só para “compra de liberdade”, mas também para patrocínio de eventos visando angariar fundos para a alforria.

Os maçons também participavam das diretorias de clubes abolicionistas que estavam sendo formados no início da década de 1880. Embora essa ligação dos clubes abolicionistas de Desterro com as lojas não possa ser verificada documentalmente, percebe-se os mesmos nomes em anúncios das Lojas e compondo as diretorias desses clubes.

4.0 Integrantes Ilustres da Maçonaria

Muitas das personalidades nacionais e internacionais fizeram parte ou fazem parte da maçonaria, muitos deles fizeram parte de importantes momentos históricos como será mostrado posteriormente. Primeiramente serão listados os personagens maçons mais importantes internacionalmente:

Voltaire (1694-1778): foi um iluminista francês, conhecido pela sua perspicácia e espirituosidade na defesa das liberdades civis, inclusive liberdade religiosa e livre comércio. É uma dentre muitas figuras do Iluminismo cujas obras e idéias influenciaram pensadores importantes tanto da Revolução Francesa quanto da Americana.

Benjamin Franklin (1706-1790): Foi um dos líderes da Revolução Americana.

George Washington (1732-1799): foi o primeiro presidente dos EUA, e também foi comandante do Exército Continental na Guerra da Independência dos Estados Unidos. Seu papel na revolução e na independência e formação dos Estados Unidos, e é visto pelos americanos como o "Pai da Pátria".

J.W Goethe (1749-1832): O mais importante escritor alemão – criador da historia de Frankenstein – , foi aceito na maçonaria em 1780.

Amadeus Mozart (1756-1791): Austríaco, que entrou para maçonaria aos 28 anos.

Marquês de La Fayette (1757-1834): foi um aristocrata francês famoso por sua participação na Guerra da Independência dos Estados Unidos da América e nos primórdios da Revolução Francesa.

Napoleão Bonaparte (1769-1821): Foi o dirigente efetivo da França a partir de 1799 e, adotando o nome de Napoleão I, foi imperador da França. Além disso, conquistou e governou grande parte da Europa central e ocidental. Foi iniciado em 1798, três de seus oito irmãos também eram maçons.

Manuel Belgrano (1770-1820): Argentino que lutou pela independência. Criador da

bandeira nacional Argentina.

Simon Bolívar (1783-1830): foi um militar e líder político venezuelano. Junto a José de San Martín, foi uma das peças chaves nas guerras de independência da América Espanhola do Império Espanhol.

Bernardo O’Higgins (1778-1842): Militar chileno, “pai da pátria”. Foi uma das figuras militares fundamentais da independência do Chile.

San Martin (1778-1850): General argentino e o primeiro líder da parte sul da América do Sul que obteve sucesso no seu esforço para a independência da Argentina, do Chile e do Peru.

Solano Lopez (1827-1870): Ditador paraguaio morto durante a guerra do Paraguai.

Gustav Eiffel (1832-1923): Projetista da Torre Eiffel e da Estatua da Liberdade.

Mark Twain (1835-1910): Autor de “Aventuras de Tom Sawyer”.

José Julián Martí Pérez (1853-1895): Mártir da independência cubana, iniciado em Portugal em 1871.

Henry Ford (1863-1947): Fundador da Ford.

Winston Churchill (1874-1965): Primeiro ministro inglês durante a segunda guerra mundial.

André Gustave Citroën (1878-1935): Fundador da Citroën.

Oliver Hardy (1892-1957): O gordo da dupla “O Gordo e o Magro”.

Augusto César Sandino (1895-1934): Revolucionário nicaraguense.

Clark Gamble (1901-1960): Ator conhecido como rei de Hollywood.

John Wayne (1907-1979): Celebre autor de filmes de faroeste.

Salvador Allende (1908-1973): Presidente chileno deposto por Augusto Pinochet em um golpe militar em 1973.

Augusto Pinochet (1915-2006): Presidente chileno de 1973 a 1990, mandou fechar a loja em que Allende era mestre.

Giuseppe Garibaldi (1807-1882): Foi um general, denominado "herói de dois mundos" devido a sua participação em conflitos na Europa e na América do Sul. Uma das mais notáveis figuras da unificação italiana, ao lado de Giuseppe Mazzini e do Conde de Cavour, Garibaldi dedicou sua vida à luta contra a tirania.

Harry Truman (1874-1972): foi um político estadunidense, presidente dos Estados Unidos.

Gerald Ford (1913-2006): Foi vice-presidente, e presidente dos Estados Unidos.

Carlo Caimpri (1920-2006): Ex-presidente, banqueiro, e senador italiano.

Edwin Aldrin (1930): Segundo homem a pisar na Lua.

(Parte 1 de 2)

Comentários