Caderno dds janeiro

Caderno dds janeiro

(Parte 1 de 5)

DIALOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA TEMA 1

EPI (Equipamento de Proteção Individual)

Não é de hoje que empresas investem em saúde e segurança do trabalhador, seja com treinamentos, exames médicos, palestras, convivência entre família e empresa e outras diversas formas.

95% das empresas industriais investem na aquisição do EPI, o Equipamento de Proteção Individual, com ele deve ser ministrado orientação sobre o uso e conservação de forma correta.

No Brasil são movimentados cerca de 4 bilhões de reais com aquisição de EPIs entre as empresas, este de suma importância para a proteção do individuo em um acidente do trabalho.

O EPI não elimina um acidente, mas ele previne danos ao individuo, mas para isso deve se utilizar de forma correta, não vale utilizar um capacete frouxo, uma botina maior que sua numeração ou um óculos mal ajustado, se você não utilizar de maneira segura, o que te ajudaria acaba sendo o vilão da história.

Hoje em média, as empresas do ramo de manutenção mecânica investem em torno de 700 reais com EPI em uma admissão de um novo colaborador, com o tempo, observa que esse valor triplica, pois o gasto com luvas, creme, protetor, botina e outros se torna contínuo já que o EPI não é um bem durável.

Muitas das trocas de EPI, eram pra serem evitadas, diz uma pesquisa da revista CIPA de 2011, 40% dos EPIs que são trocados, são frutos de utilização incorreta e a perda e dolo do EPI, seja pela falta de local para guarda ou simplesmente o funcionário “Jogar” o EPI em qualquer lugar.

O funcionário deve saber que quando não utilizar o EPI, o mesmo deve ser guardado, já que muitos EPIs são idênticos, e não há nenhuma forma de identifica-los ou mesmo pelo fato de que não podem ser armazenados em qualquer lugar.

Utilize seu EPI de maneira correta e siga suas atividades com segurança, EPI é um equipamento que serve somente para o bem do trabalhador.

DIALOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA TEMA 2

O limão é verdadeiramente uma jóia da natureza. Pode ser considerado o rei dos frutos curativos, sendo impressionante a quantidade e variedade das suas aplicações. No entanto, tendemos a repudiá-lo, quando pensamos no seu gosto azedo, e a minimizar as suas virtudes, tanto na manutenção e recuperação da saúde, quanto ao seu valor nutricional e possibilidades múltiplas de utilização culinária. Esta atitude se instalou pela suposição de que ele é agressivo para o estômago, que pode acidificar o sangue, descalcificar e enfraquecer o organismo… Ora, nada mais falso e oposto à realidade. Vejamos:

Propriedades

Através de estudos prolongados, constatou-se que o uso do limão estimula a produção do carbonato de potássio no organismo, promovendo a neutralização de acidez do meio humoral. Efetivamente, apesar de no estado livre ter como princípio ativo o poderoso ácido cítrico, este, em contacto com o meio celular, no interior do nosso organismo, é transformado durante a digestão e comporta-se como um alcalinizante, ou seja, um neutralizante da acidez interna. Os seus diversos sais, por seu turno, convertem-se em carbonatos e bicarbonatos de cálcio, potássio, etc, os quais concorrem para acentuar positivamente a alcalinidade do sangue. Um dos efeitos notáveis do limão é, por exemplo, o de combater o ácido úrico – temível inimigo (tantas vezes letal) de muitos cidadãos quando chegam a uma idade mais “respeitável”. Tomado pela manhã, em jejum (10 a 20 minutos antes do desjejum), descongestiona e desintoxica o organismo e, se usado com regularidade, erradicará por completo todos os uratos. Deste modo, é evidente a sua grande valia nas diversas patologias reumáticas e artríticas. Com efeito, a ingestão da dieta de limões (ver abaixo), aumenta na urina a excreção de ácido úrico, uréia e ácido fosfórico. Seu uso Interno (como também externo) é muito útil na regeneração dos tecidos inflamados das mucosas, reconduzindo ao estado e funcionamento normal de todos os órgãos do aparelho digestivo. Nas afecções gastro intestinais, os ácidos do limão destroem os germes e as bactérias nocivas que se libertam e que contribuem para gerar as ulcerações. Ainda combate as fermentações e os gases. É um amigo do pâncreas e, malgrado certas apreensões quanto a supostas incompatibilidades com o sistema bilioso, revela-se um expurgador e um tonificante do fígado e da vesícula. Relativamente ao aparelho genito-urinário, bem como ao sistema cardiovascular, é igualmente um poderosíssimo eliminador de toxinas e um tônico privilegiado. Tem, assim, ação que impede e neutraliza a proliferação das tão temidas afecções arterioscleróticas. Gargarejos do seu suco fresco são benéficos para todos os tipos de afecções do trato nasofaríngeo, bem como para laringites e gengivites. Inalado (puro ou diluído), é um bom desinfetante nas rinites e sinusites.

Indicações de uso Interno . Asma; Enfisema (paralelamente com a terapia do limão, deve erradicar-se os regimes hiperprotéicos) . Infecções pulmonares, Tuberculose pulmonar e óssea, Bronquite crônica, Constipações e Gripes . Afecções Cardiovasculares, Varizes e Flebites . Fragilidade capilar; Dermatites várias, Prurido, Eczema e Despigmentação . Hiperviscosidade sanguínea (fluidificante sanguíneo) . Doenças infecciosas (coadjuvante no tratamento de mononucleoses, leucocitoses, blenorragias, sífilis, etc.) . Paludismo e Piorréia alvéolo dental . Febres (infusão de folhas de limoeiro e/ou cascas do fruto, podendo juntar-se o suco) . Gastrites, Dispepsias e Aerofagias (também se podem mastigar finas lascas da casca do citrino) . Úlceras de estômago e do duodeno, Esofagite de refluxo . Insuficiência hepática e pancreática; Icterícia e congestão hepática (utilização e quantidades adaptados a cada caso) . Desinteria, Diarréias, Febre tifóide e Hemorróidas . Colites, Meteorismo e Parasitas intestinais (ralar a casca do limão e fervê-la em água, com ou sem açúcar) . Fortalecedor da visão, Glaucoma e Hipertensão ocular . Hemorragias, Hemofilia e Escorbuto . Astenia, Anemias e Desmineralizações (aumenta a capacidade imunológica) . Amamentação, Obesidade e Disfunções metabólicas (reequilibrante) . Hipertensão arterial; hipotensão arterial (regulador da pressão) . Afecções do sistema nervoso (fortalece e equilibra. As flores do limoeiro são também muito benéficas) . Diabetes, Leucemia (preventivo), Cancro (preventivo), Enfarte (preventivo) e Tromboses; embolias (preventivo)

DIALOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA TEMA 3

Os pequenos e grandes acidentes geralmente acontecem da mesma maneira. Os eventos que acabam em acidentes são os mesmos, porém os resultados são bastante diferentes. Suponhamos, por exemplo, que um martelo esteja frouxo no cabo. Um dia um trabalhador tenta usá-lo, batendo em um objeto sobre a bancada. A cabeça do martelo salta longe, batendo em uma parede de concreto e caindo ao chão. Não ferindo ninguém e nem causando danos à propriedade. Porém, em uma outra ocasião a cabeça do martelo sai do cabo e vai de encontro a uma pessoa que estava por perto, ferindo-a seriamente.

As circunstâncias foram inicialmente as mesmas em ambos os casos, mas os resultados foram diferentes. O que é desagradável nessa história é que nunca sabemos quando a cabeça frouxa vai sair do cabo e ferir alguém. Assim, a inspeção de ferramentas e equipamentos se torna evidente. Uma inspeção regular significa que você verificou uma ferramenta ou um equipamento antes de usá-lo. A inspeção de ferramentas é uma parte programada de cada tarefa. E tão indispensável para o trabalho a ser feito quanto a sua habilidade e qualificação para executá-lo. A verificação se as ferramentas e equipamentos estão em ordem é o primeiro passo não apenas para uma operação segura, mas também para uma operação eficiente.

Quantas vezes você ouviu alguém dizer que um melhor trabalho poderia ter sido feito se ferramentas e equipamentos estivessem em melhores condições? Talvez um formão mais afiado tivesse facilitado o encaixe de uma trava numa porta, ou talvez uma gota de óleo num mancal pudesse ter evitado uma perda na produção, quando o maquinário teve que ser parado.

Talvez os produtos não tivessem sido danificados e o guindaste não tivesse apresentado falhas, se tivessem sido inspecionados e reparados antes. Naturalmente, todos esses exemplos estão relacionados em coisas materiais. Eles aumentam a falta de eficiência, diminuem os padrões de produção e aumentam o custo.

Um novo mancal, mais umas poucas outras peças de reposição colocarão o maquinário de volta ao trabalho. Os produtos danificados podem ser jogados fora e novos devem ser produzidos.

Mas quando falamos sobre uma pessoa que foi ferida por causa de uma destas falhas, o quadro muda rapidamente. Nada é mais importante em nossa operação do que evitar que alguém saia ferido. A perda de um olho, de um braço, de uma perna ou de uma vida é exatamente isto: uma perda. Não há peça de reposição que devolve a condição normal. Um homem forte e saudável passou anos de sua vida explicando como perdeu um olho devido a falta de cuidado. Não foi apenas porque não estava usando óculos de segurança.

Seu formão estava trincado e uma parte o atingiu ao bater. Seu acidente foi como a maioria dos acidentes, poderia ter sido evitado. Se apenas tivesse feito uma inspeção nas suas ferramentas e procurar o óculos de segurança. A eliminação do “se” é a chave da prevenção dos acidentes. A responsabilidade por isto cabe a cada indivíduo.

A manutenção de ferramentas e do equipamento pode até não ser sua responsabilidade pessoal, mas a responsabilidade por inspecioná-la e cobrar de quem é responsável, é sua. A inspeção é apenas o primeiro passo para evitar os acidentes e ferimentos causados por um equipamento e ferramentas defeituosos. A verificação deve tornar-se um hábito, deve ser rotineira como vestir uma camisa para o trabalho logo que acorda. É um hábito, é um hábito seguro.

DIALOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA TEMA 4

Coleta seletiva de lixo é um processo que consiste na separação e recolhimento dos resíduos descartados por empresas e pessoas. Desta forma, os materiais que podem ser reciclados são separados do lixo orgânico (restos de carne, frutas, verduras e outros alimentos). Este último tipo de lixo é descartado em aterros sanitários ou usado para a fabricação de adubos orgânicos.

No sistema de coleta seletiva, os materiais recicláveis são separados em: papéis, plásticos, metais e vidros. Existem indústrias que reutilizam estes materiais para a fabricação de matéria-prima ou até mesmo de outros produtos.

Descarte apropriado de alguns tipos de lixos:

Pilhas, baterias comuns e de celular também são separadas, pois quando descartadas no meio ambiente provocam contaminação do solo. Embora não possam ser reutilizados, estes materiais ganham um destino apropriado para não gerarem a poluição do meio ambiente.

Medicamentos não devem ser descartados junto com o lixo orgânico, pois possuem substâncias químicas que podem contaminar o solo e a água. Algumas redes de farmácias possuem pontos de coleta de medicamentos que não são mais usados.

Lâmpadas fluorescentes também necessitam de descarte especial. Em seu interior, uma lâmpada deste tipo possui vapor de mercúrio, gás tóxico, que contamina o ar quando quebrada. Algumas lojas de materiais elétricos e de construção possuem pontos de coletas destes materiais.

Os lixos hospitalares também merecem um tratamento especial, pois costumam estar infectados com grande quantidade de vírus e bactérias. Desta forma, são retirados dos hospitais de forma específica (com procedimentos seguros) e levados para a incineração em locais especiais.

A coleta seletiva de lixo é de extrema importância para a sociedade. Além de gerar renda para milhões de pessoas e economia para as empresa, também significa uma grande vantagem para o meio ambiente uma vez que diminui a poluição dos solos e rios. Este tipo de coleta é de extrema importância para o desenvolvimento sustentável do planeta.

DIALOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA TEMA 5

Um bom projeto de iluminação, além do dimensionamento correto do sistema de proteção do circuito deve, também levar em consideração o tipo de atividade desenvolvida no ambiente a ser iluminado para que se tenha no "campo de trabalho" os níveis de iluminância exigidos pela lei, utilizando o fator de depreciação em função dos processos industriais desenvolvidos no local, como por exemplo, materiais particulados em suspensão, fumaças, névoas, etc., os quais acarretam queda no rendimento do sistema de iluminação, em virtude da sujidade depositada nas calhas, lâmpadas, refletores, etc.

Um dos fatores determinantes para seleção do tipo de lâmpada adequada, é a altura do pé-direito, porém, é fundamental a observância do tipo de atividade desenvolvida no local, buscando-se atender as necessidades no aspecto fisiológico e funcional. O uso de lâmpadas fluorescentes deve se limitar a altura de 4,5m., e deverão ser montadas no mínimo duas por luminária, utilizando-se reatores duplos com alto fator de potência, evitando-se o efeito estroboscópico, que consiste em visualizar parados os objetos que estejam em movimento rotativo ou alternativo cuja frequência coincida com as pulsações da rede, podendo este fenômeno causar acidentes graves.

O projeto deve visar atender a maioria das atividades exercidas, porém, nos casos especiais, utilizar iluminação suplementar diretamente no ponto de operação do equipamento, atendendo a casos específicos.

O serviço de manutenção elétrica é responsável pela preservação dos níveis de iluminância, substituindo as lâmpadas queimadas, executando a limpeza das calhas, refletores e lâmpadas, e solicitando a limpeza das áreas envidraçadas, telhas translúcidas e paredes, que são elementos que auxiliam na manutenção dos níveis de aclaramento projetados.

Quando da repintura das instalações e dos equipamentos ou nas expansões da indústria, deve-se levar em consideração a possibilidade da utilização de cores mais funcionais, capazes de refletir a luz e contribuir para se ter ambientes melhor iluminados e mais agradáveis, (veja Refletância Recomendada e Fatores de Reflexão).

Quando as atividades exercidas no local e as condições operacionais o permitem, esta é uma maneira de melhorar a iluminação sem aumentar o consumo.

DIALOGO DIÁRIO DE SEGURANÇA TEMA 6

A Haver Serviços, tem preocupação com todos os seus funcionários, assim, temos que controla todos os riscos no ambiente de modo que eles não façam mal à saúde dos nossos colaboradores. Um exemplo é o ruído.

Durante a jornada de trabalho, às vezes o trabalhador é exposto a vários níveis de ruído, podendo essa exposição ser contínua e excessiva a ponto de provocar a perda permanente e irreversível da audição. Nesses casos, o uso de protetores auditivos, que devem ser fornecidos pela empresa, torna-se obrigatório como forma de proteção ao trabalhador.

Se o ruído obriga você a gritar para falar com alguém a um metro de distância, é sinal de que é excessivo. Você tem que se proteger.

Não adianta dizer que trabalha na empresa há tantos anos e que está ouvindo bem. A perda auditiva não é percebida porque é muito lenta.

O único jeito de avaliar a perda auditiva de forma correta é fazendo o exame audiométrico, que deve ser realizado por um profissional de fonoaudiologia periodicamente (feito depois de 14 horas sem exposição a qualquer ruído).

(Parte 1 de 5)

Comentários