(Parte 4 de 4)

Para rasgamento de contato entre dois furos, com s = 75 m, φRn= 12,5 x 16 = 200kN

Para rasgamento entre furo e borda com e = 50 m, φRn= 12,5 x 15 = 187,5 KN que é o menor dos dois valores, sendo o dimensionamento governado pelo valor anteriormente achado, φvRnv= 87,38 kN, que ainda é menor.

Verificação: A solicitação de cálculo no parafuso, 61,5 kN é menor que a resistência de cálculo, 87,38kN (OK).

- resistência ao deslizamento (NBR 80, 7.3.3.2): Como a ligação é por atrito, ela deverá ser verificada também ao efeito de deslizamento. Conforme visto anteriormente, como este é um estado limite de utilização, o esforço no parafuso a ser considerado é o nominal;

Admitindo que o coeficiente γ de ponderação das ações seja 1,4, a solicitação nominal do parafuso será:

A resistência ao deslizamento deverá ser: (NBR 80, 7.3.3.2) φvRnv= φvµξ(Tb– T), com φv= 1

Tb= 173 kN para parafuso com d = 7/8”, igual ao esforço de protensão na montagem do parafuso, conforme tabela 19 – NBR 80, também reproduzida neste trabalho (tabela 7). T = 0, força de tração no parafuso, inexistente no caso, pois o parafuso é submetido apenas ao cisalhamento; µ= 0,28, coeficiente de atrito para superfícies laminadas e limpas de óleo e graxa, conforme tabela 15 – NBR 80. ξ= 1, fator de redução para furo padrão. Então, φvRnv= 1,0 x 0,28 x 1(173) = 48,4 KN

Este valor pode ser achado diretamente na tabela 8, onde estão indicados os valores de φvRnvpara parafusos ASTM A-325 e A-490 submetidos apenas ao cisalhamento e com µ= 0,28 e ξ= 1.

Para ASTM A-325 e d = 7/8” o valor é 48,44kN, conforme anteriormente calculado.

Verificação: A solicitação nominal de cálculo, 43,9 kN, é menor que a resistência ao deslizamento e a conexão fica verificada a este efeito.

Tabelas utilizadas no exercício anterior: Tabela 4 - Resistência de cálculos dos parafusos em ligações por contato

Tabela 5 - Resistência de cálculo à pressão de contato na parede do furo (entre dois furos) Tabela 6 - Resistência de cálculo à pressão de contato na parede do furo (furo e borda)

Tabela 7 - Força de protensão mínima em parafusos de alta resistência Tabela 8 - Resistência de cálculo à força cortante em ligações por atrito

Bibliografia

JUVINALL, ROBERT C. Fundamentos do projeto de Comp. De Máquinas, 2008

SHIGLEY, JOSEPH E. Projeto de Eng Mecânica, 2005 http://pt.wikipedia.org/wiki/Parafuso#cite_note-gepb1-3 Acesso em 23 de Dezembro de 2013 as 15:00h http://pt.wikipedia.org/wiki/Parafuso_de_Arquimedes Acesso em 23 de Dezembro de 2013 as 15:30h http://www.soparafusos.com.br/curiosidades.htm Acesso em 23 de Dezembro de 2013 as 17:00h

Marcelo, André Luiz; Propriedades de Fadiga de Parafusos de Alta

Resistência Mecânica. Trabalho de dissertação de mestrado acadêmico apresentada à comissão de Pós Graduação da Faculdade de Engenharia Mecânica, – Universidade Estadual de Campinas, 2008.

http://www.metalica.com.br/artigos-tecnicos/parafusos Acesso em 09 de Janeiro de 2014 as 17:00h

(Parte 4 de 4)

Comentários