Construção de Edifícios

Construção de Edifícios

(Parte 1 de 4)

CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS

Apostila das disciplinas TECNOLOGIA I

Prof. Pedro Kopschitz Xavier Bastos

Esta apostila é material didático das disciplinas CONSTRUÇÃO DE EDIFÍCIOS e TECNOLOGIA I dos cursos de Engenharia Civil e de Arquitetura e Urbanismo da UFJF e contém um conjunto de informações retiradas, em parte, da bibliografia indicada. Pode ser reproduzida, desde que citado o autor.

Créditos do desenho da capa: Editora Rios Ltda

Autor do desenho:

Bibliografia indicada

1) “CADERNO DE ENCARGOS” - Milber F. Guedes - Ed. Pini. 2) “COMO EVITAR ERROS NA CONSTRUÇÃO” - E. Ripper - Ed. Pini. 3) "CONCRETO – ESTRUTURA, PROPRIEDADES E MATERIAIS" – P. Mehta e P. Monteiro – Ed. Pini. 4) “DIREITO DE CONSTRUIR” - Hely Lopes Meireles - Ed. Revista dos Tribunais. 5) “LICITAÇÃO E CONTRATO ADMINISTRATIVO” - Hely Lopes Meireles - Ed. Rev. dos Tribunais. 6) MANUAL PRÁTICO DE MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO – E. Ripper – Ed Pini 7) “MANUAL DE SOBREVIVÊNCIA DO ENG. E ARQ. RECÉM-FORMADOS” - M. Botelho - Ed. Pini. 8) “MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO” - Eládio Petrucci - Globo 9) “MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO” - L. A. Falcão Bauer - LTC S/A. 10) “MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO” - Moema R. Silva - Ed. Pini. 1) “ORÇAMENTO E CUSTOS NA CONSTRUÇÃO CIVIL” - Salvador E. Giamusso - Ed. Pini. 12) “PRINCÍPIOS DE ENGENHARIA DE AVALIAÇÕES” - Alberto Lélio Moreira - Ed. Pini. 13) “TABELAS PARA CANTEIROS DE OBRA” - E. Ripper - Ed. Pini. 14) “TAREFAS DO ENGENHEIRO NA OBRA” - E. Ripper - Ed. Pini. 15) "TECNOLOGIA, GERENCIAMENTO E QUALIDADE NA CONSTRUÇAO " – Ercio Thomaz – Ed.Pini 16) “TCPO - TABELAS DE COMPOSIÇÃO DE PREÇOS PARA ORÇAMENTOS” - Ed. Pini. 17) “TRINCAS EM EDIFÍCIOS” - Ercio Thomaz - Ed. Pini. INSTITUTOS, ASSOCIAÇÕES, NORMAS, ARTIGOS TÉCNICOS E SITES DE CONSTRUÇÃO:

ABCP - Associação Brasileira de Cimento Portland (w.abcp.org.br) ABNT - Associação Brasileirta de Normas Técnicas (w.abnt.org.br) ANTAC - Associação Nacional de Tecnologia do Ambiente Construído (w.antac.org.br) Capes - w.capes. gov.br (link "periódicos") Comunidade da Construção - w.comunidadedaconstrucao.com.br IBRACON - Instituto Brasileiro de Concreto (w.ibracon.org.br) IPT - Instituto de Pesquisas Tecnológicas do Estado de São Paulo (w.ipt.br) Revistas Ed. Pini (w.piniweb.com): A CONSTRUÇÃO, AU e TÉCHNE Bancos de dissertações e teses: w.capes. gov.br w.infohab.org.br w.habitare.org.br

1. NOÇÕES GERAIS1
1.1 - Indústria da construção1
1.2 - Tipos de construção de edificações segundo a natureza do sistema construtivo1
1.3 - Sistema, Método, Processo e Técnica Construtiva1
1.4 - Fases de um empreendimento de construção civil1
1.5 - Subsetor Edificações no Brasil3
1.5.1 - Aspectos gerais:3
1.5.2 - Racionalização da construção3
1.6 - Obra Pública e Obra Particular5
1.6.1 - Contratos7
2. ETAPAS DE OBRA DE EDIFICAÇÃO12
2.1 - Serviços técnicos e administrativos preliminares13
2.2 - Legalização da obra15
2.3 - Limpeza do terreno / Instalações provisórias / Locação da obra17
2.4 - Infra-estrutura25
2.4.1 - Sapatas isoladas25
2.4.2 - Sapata contínua28
2.5 - Supra-estrutura3
2.5.1 - Formas3
2.5.2 - Redes embutidas37
2.5.3 - Armaduras37
2.5.4 - Concretagem37
2.5.5 - Tópicos sobre preparo e aplicação do concreto41
2.6 - Alvenaria47
2.6.1 - Alvenaria de blocos cerâmicos49
2.7 - Cobertura5
2.9 - Instalações Elétricas61
2.10 - Marcenaria65
2.1 - Esquadrias67
2.12 - Revestimento de paredes70
2.12.1 - Argamassa70
2.12.2 - Azulejo76
2.13 - Revestimento de pisos79
2.13.1 - Lastro79
2.13.2 - Contrapiso e "Cimentado"80
2.13.3 - Piso cerâmico81
2.13.4 - Piso de madeira83
3. Pintura87
3.1.1 - Tintas87
3.1.2 - Principais defeitos em serviços de pintura90
4. PATOLOGIAS EM EDIFICAÇÕES92
4.1 - Introdução92
4.2 - Dados da cidade de Juiz de Fora93
4.3 - Exame do fenômeno patológico95
5. ADMINISTRAÇÃO DA OBRA96
5.1 - Formas de administração da obra96
5.2 - Procedimentos a serem adotados no canteiro98
5.3 - Organização do escritório da obra9
6. PERÍCIAS JUDICIAIS104
6.1 - Tipos de perícia104
6.2 - Laudo105

1. NOÇÕES GERAIS

1.1 - Indústria da construção

Conjunto de atividades que visa a realização de obras de construção de acordo com as necessidades de moradia, trabalho e desenvolvimento do homem, utlizando ou adaptando-se aos recursos naturais e tecnologia.

Classificação:

Obras de edificação, viárias, hidráulicas, sistemas industriais, urbanização, diversas (minas, contenções, etc.)

Edificação: habitacional, comercial, industrial, cultural e esportiva, estações e terminais, assistência médica e social, outras.

1.2 - Tipos de construção de edificações segundo a natureza do sistema construtivo

• ARTESANAL: utiliza métodos e processos empíricos e intuitivos. Comum nas construções rurais, com técnicas e arquitetura nativas.

• TRADICIONAL: impera nas áreas urbanas, utilizando métodos e processos da construção civil normalizada.

• TRADICIONAL EVOLUÍDA: aprimorada pela racionalização, padronização e modulação, com maior grau de normalização.

• INDUSTRIALIZADA: estágio mais avançado da Tradicional Evoluída, caracteriza-se pela montagem de componentes pré-fabricados.

1.3 - Sistema, Método, Processo e Técnica Construtiva

• SISTEMA CONSTRUTIVO: organização completa de execução de obra, mediante a conjugação de materiais, equipamentos e componentes construtivos.

Ex.: estrutura de concreto armado.

• MÉTODO CONSTRUTIVO: conjunto de preceitos que regula uma série de operações construtivas, efetuadas segundo determinadas normas.

Ex.: normas da ABNT para cálculo e execução de concreto armado.

• PROCESSO CONSTRUTIVO: seqüência de métodos, traduzida em ações no canteiro de obras para a execução de um sistema.

Ex.: operações básicas para obtenção do concreto – dosagem, mistura, transporte, lançamento, adensamento, cura.

• TÉCNICA CONSTRUTIVA: - operações e artifícios usados para possibilitar e facilitar o andamento dos processos construtivos, adaptando-os às condições particulares e locais de cada obra através da adoção de práticas, pequenas máquinas, equipamentos e ferramentas já conhecidas e outras improvisadas durante a construção.

Ex.: uso de padiolas de madeira no preparo do concreto, uso de um determinado sistema de formas.

1.4 - Fases de um empreendimento de construção civil

• PLANEJAMENTO: O QUE fazer , POR QUE fazer, COMO fazer. • PRODUÇÃO: QUANDO fazer, COM QUE fazer.

• FUNCIONAMENTO: OPERAÇÃO e USO do produto final.

− definição de objetivos.

− estudos de viabilidade e desenvolvimento de ANTE-PROJETO PRELIMINAR, ANTE-PROJETO DEFINITIVO, PROJETO DEFINITIVO e PROJETO DE EXECUÇÃO.

− estabelecimento das ATIVIDADES necessárias ao empreendimento, bem como sua seqüência e/ou simultaneidade e interdependência, com o auxílio de técnicas de planejamento.

Projeto Conceitual: coleta de informações para avaliação das chances de se alcançar o objetivo definido.

Ex.: pesquisa de mercado, estudo da legislação - código de obras e lei de uso do solo do município.

Projeto Básico:

− análise de alternativas para o projeto de TAMANHO, LOCALIZAÇÃO, CALENDÁRIO, SISTEMA e MÉTODOS CONSTRUTIVOS.

− orçamentos.

Projeto Definitivo ou Projeto de Arquitetura e Engenharia: escolha de uma alternativa e seu detalhamento para exame por órgão financiador e pela Administração Municipal.

Ex.: plantas (cortes, fachadas, etc.).

Projeto de Execução ou Projeto para Construção: projeto estrutural, projetos de instalações (elétrico, hidráulico, gás, etc.).

b) PRODUÇÃO: • Programação de Execução

• Execução Programação de Execução:

− datas dos eventos;

− previsão das necessidades e distribuição de recursos (financeiros, materiais, mão-de-obra, equipamentos) - cronograma físico/financeiro;

− plano financeiro (desembolso), plano de compras, plano de abastecimento;

− Layout do canteiro de obras - arranjo físico de postos de trabalho, máquinas e equipamentos, depósitos, alojamentos, escritório da obra;

− detalhamento dos PROCESSOS CONSTRUTIVOS, com projeto de construções auxiliares (técnica construtiva);

− elaboração de sistemas de CONTROLE.

Execução: construção propriamente dita; andamento dos processos com auxílio da técnica construtiva e apoio de um sistema de SUPRIMENTO.

c) FUNCIONAMENTO: uso e obtenção dos benefícios oferecidos pelo produto final pronto – o edifício.

d) MANUTENÇÃO: preventiva, com base no Manual do Usuário fornecido pela empresa construtora, e corretiva, em caso de patologias não esperadas.

1.5 - Subsetor Edificações no Brasil

1.5.1 - Aspectos gerais: − atraso tecnológico em relação a outros setores industriais;

− uso intensivo de mão-de-obra, não qualificada e mal remunerada nos canteiros;

− baixa produtividade na execução dos serviços (desperdício de tempo);

− alto desperdício de recursos materiais ao longo da produção;

− baixo nível de organização nos canteiros para condições de trabalho que requerem muita atenção - grandes alturas, cavas profundas, trabalhos em terra e rocha, uso de máquinas, materiais pesados, materiais tóxicos, etc.

− construções com problemas de funcionamento e falta de manutenção.

Ações para melhoria do subsetor: • MODERNIZAÇÃO TECNOLÓGICA, VIA RACIONALIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO;

1.5.2 - Racionalização da construção

Definições:

a) RACIONALIZAR - tornar mais eficientes os processos do trabalho industrial ou a organização de empreendimentos, planos, etc.

b) RACIONALIZAÇÃO é luta contra o desperdício. É o emprego de raciocínio analítico e lógico, sem sofrer o impacto emocional, para dispor os elementos necessários à produção de tal forma que se obtenha o mínimo desperdício de tempo, energia, material e oportunidade, a fim de atingir a maior eficiência.

c) RACIONALIZAÇÃO DA CONSTRUÇÃO é um processo dinâmico que se desenvolve e se aperfeiçoa tendo por objetivo a otimização dos recursos que intervêm na construção em todas as suas fases.

Buscar a RACIONALIZAÇÃO não é querer obter imediatamente a INDUSTRIALIZAÇÃO da construção; não é mudar de sistema construtivo. Racionalizar um sistema tradicional de construção compreende manter sua base produtiva.

A racionalização acontece, principalmente, nas etapas PLANEJAMENTO e PRODUÇÃO. Vantagens, no Brasil, da racionalização da construção:

− facilidade de implantação, independentemente do porte das obras e das empresas;

− adequação à grande disponibilidade de mão-de-obra;

− não requer grandes investimentos;

− adequação dos processos construtivos aos recursos disponíveis nos locais de cada obra.

Sugestões de procedimentos a serem adotados no canteiro de obras para aumentar a eficiência dos processos construtivos:

− definir claramente as ações necessárias para a produção e sua cronologia de execução;

− quando possível, aumentar o número de repetições de ações idênticas, produzindo o efeito rotina;

− treinar o operário ou equipe de operários e mantê-los na execução das mesmas tarefas durante o andamento de determinado processo em uma etapa da obra;

− melhorar a remuneração dos operários, incentivando a produção através de prêmios ou empreitadas;

− manter acompanhamento permanente dos serviços por engenheiro ou mestre-de- obras, conforme a necessidade;

− manter a conservação e o desimpedimento das vias internas do canteiro;

− posicionar as edificações provisórias (depósitos, alojamentos, etc) de maneira a reduzir ao mínimo ou mesmo evitar percursos inúteis dos operários;

− dimensionar o tamanho dos depósitos, alojamentos, escritórios, etc., de acordo com o porte da obra e número de operários;

− estocar os materiais, quando possível, próximos aos locais de utilização;

− manter sempre limpos o canteiro e instalações, com boas condições de higiene;

− garantir condições satisfatórias de segurança no trabalho;

− manter, reparar e fazer revisões gerais nos equipamentos, deixando-os sempre em condições de operação;

− situar os equipamentos de forma a atenderem à obra com o máximo de eficiência.

1.6 - Obra Pública e Obra Particular

Obra Pública:

Toda realização material da área de Engenharia e Arquitetura a cargo das administrações municipal, estadual ou federal, executada diretamente por seus órgãos ou indiretamente por seus contratados.

No ramo de edificações: EDIFÍCIO PÚBLICO - sedes de governo, repartições públicas, escolas, hospitais, etc.

LICITAÇÃO: procedimento seletivo prévio, do qual dependem os contratos da Administração Pública para realização de obras e serviços, compras e alienação de bens. É o procedimento pelo qual seleciona-se a proposta mais vantajosa para contrato de interesse da Administração. É o antecedente necessário ao contrato administrativo. As licitações são regidas pela Lei Federal nº 8666, de 21/06/1993.

Atos para a Administração e os licitantes: − edital;

− exame de documentação e propostas;

− habilitação dos licitantes; − julgamento das propostas;

− adjudicação ao vencedor;

− homologação;

− contratação.

Projeto Base

Orçamento detalhado Recursos orçamentários

Fase interna

Fase externa

Fase conclusiva

Elaboração: • Modalidade de licitação

• Requisitos dos participantes

• Datas e prazos

• Análise da aptidão • Abertura e julgamento das propostas

• Classificação dos proponentes

• Vencedor (obras: melhor preço)

Objetos de licitação: obras, serviços, compras, alienações, locações, concessões.

Modalidades de licitação: Concorrência, Tomada de Preços, Convite, Concurso, Leilão.

Obra Particular:

Realização material da área de engenharia e arquitetura, livremente tratada entre duas ou mais partes da iniciativa privada.

Partes constituintes de um contrato de construção OBJETO − Obra material certa e determinada

EXECUTOR − Pessoa física ou jurídica habilitada BENEFICIÁRIO − Proprietário do terreno, usuário ou outro interessado

PROJETO APROVADO − Plantas e especificações (obedecendo normas técnicas e legislação)

CONDIÇÕES PARTICULARES − Prazo, cronogramas

− Moeda (nacional) e datas de acordo com o tipo de contrato

Serviços profissionais como projeto, fiscalização e consultoria também podem ser objeto de licitação.

Especificações: conjunto de informações técnicas ligadas ao projeto, à execução e ao acabamento de obras, organizado e redigido na etapa de Planejamento do empreendimento.

− Forma: documento escrito (contratual).

− Tipos: para execução de serviços, para materiais e para equipamentos. O conjunto de informações pode ser reunido em um Caderno de Encargos, com nível de detalhes conforme o empreendimento e a natureza da obra.

− Destino: construtor e proprietário.

− Finalidades: guia para orçamentos e propostas em concorrências, documento contratual, diretriz para obras e serviços, fonte permanente de consultas para engenheiros e arquitetos (principalmente em locais de poucos recursos).

Contrato de construção é todo ajuste para execução de obra certa e determinada, sob direção e responsabilidade de um construtor, pessoa física ou jurídica legalmente habilitada para construir, que se incumbe dos trabalhos especificados no projeto, mediante condições combinadas com o proprietário.

Duas modalidades: EMPREITADA e ADMINISTRAÇÃO a) Contrato de Construção por Empreitada

O empreiteiro (CONSTRUTOR - pessoa física ou jurídica legalmente habilitada), com autonomia na condução dos trabalhos, calcula e assume todos os encargos econômicos do empreendimento, oferecendo ao contratante um produto de preço fixo(reajustável, em regimes inflacionários). Pode ser contratado somente pela mão-de-obra.

O proprietário (contratante) paga um preço fixo unitário ou global, previamente combinado entre as partes, para receber a obra pronta de acordo com as condições do contrato (especificações, prazo, condições de pagamento, etc.).

Formas de pagamento:

− por PREÇO GLOBAL, podendo o pagamento ser dividido em várias vezes

− por PREÇO UNITÁRIO - pagamento de acordo com medição do que foi executado.

− por SÉRIES - preço por partes em que for dividida a obra (fundação, estrutura, etc). Obrigações das partes:

− EMPREITEIRO - obrigado a cumprir o contrato e executar fielmente o projeto.

− PROPRIETÁRIO - obrigado a pagar ao empreiteiro o combinado e receber a obra concluída, quando estiver de acordo com o projeto e o contrato.

O construtor poderá subempreitar a obra ou parte dela, sem se isentar das responsabilidades contratuais e de encargos legais da profissão. O mesmo princípio vale para projetos estruturais e projetos de instalações mas não vale para projeto arquitetônico.

b) Contrato de Construção por Administração

É aquele em que o construtor se encarrega da execução de um projeto (obra) mediante remuneração fixa ou percentual sobre o custo da obra, correndo por conta do proprietário todos os encargos financeiros do empreendimento.

O administrador (construtor) é um executor dependente das deliberações do dono da obra no que se refere ao andamento dos serviços, ressalvada a parte técnica, que é sempre de responsabilidade exclusiva de profissionais habilitados.

Os custos são aqueles necessários para se atender ao projeto e suas especificações, sem um preço global inicial fixo. O administrador não se obriga a executar a obra por um preço certo e determinado. O custo deverá estar dentro de certos limites conhecidos e previsíveis no meio técnico e no mercado (custo/m² para determinado padrão de acabamento).

(Parte 1 de 4)

Comentários