atlas de histologia

atlas de histologia

(Parte 1 de 4)

Atlas Eletrônico de Histologia Fonte: http://www.danielbranco.com.br/atlasi/atlas.html

Departamento de Ciências Morfológicas Departamento de Informática Aplicada

Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Daniel de Moraes Branco &

Roberto Lodeiro Müller Medicina UFRGS - ATM 0/2

Orientadores Sônia Maria Lauer de Garcia - Ciências Morfológicas

José Valdeni de Lima - Informática Aplicada

Julho de 1995

INICIAÇÃO CIENTÍFICA - 1995", CONCEDIDO PELA UNIVERSIDADE FEDERAL DO RIO GRANDE DO SUL

Apresentação

Quando cursamos a cadeira de Histologia Humana I (BIO05566), em 95/1, observamos a dificuldade que tinham os alunos dessa cadeira no estudo extraclasse. Até esse semestre, eles tinham duas opções: ou ficavam estudando no laboratório, nos poucos horários em que estes estavam disponíveis, ou levavam as caixas de lâminas para casa, para estudar em seus próprios microscópios. Entretanto, a maioria não possuía acesso a nenhum outro microscópio que não os do laboratório.

Nesse mesmo semestre, o Departamento de Ciências Morfológicas adquiriu um aparelho que permitia a visualização das lâminas em TV. Tivemos então a idéia de utilizar esse aparelho para gravar as lâminas em fitas de vídeo VHS para que os alunos pudessem estudá-las em casa, utilizando videocassete. Preparamos então as fitas, que foram distribuídas aos colegas que estavam cursando a cadeira conosco. Embora a idéia fosse boa, os resultados não foram assim tão bons devido a vários problemas que tinha esse modo de apresentação, como a perda da qualidade ao se copiar as fitas e a dificuldade de se inserir legendas nas imagens.

Como recebemos todo o apoio do Departamento, e principalmente da professora Sônia Maria Lauer de Garcia, para continuar desenvolvendo nossa idéia, resolvemos investir em um projeto mais elaborado, que pudesse ser utilizado pelas próximas turmas a cursar a cadeira de Histologia Humana. Procuramos então a orientação do Instituto de Informática da UFRGS, onde o professor Ricardo Reis nos aconselhou a utilizar diretamente o computador para realização do trabalho, deixando de lado a idéia do vídeo. Passamos a contar então com a orientação do professor José Valdeni de Lima, também do Instituto de Informática, que começou a nos dar o suporte técnico para a realização deste programa. Este atlas é, portanto, fruto do esforço conjunto do Instituto de Biociências e do Instituto de Informática da UFRGS, e deve servir de estímulo a novos trabalhos que unam os diversos institutos e departamentos da Universidade.

No Atlas, estão contidas as imagens da maior parte das lâminas estudadas em aula, assim como textos explicativos sobre os elementos nelas evidenciados. Por ter sido elaborado com o objetivo de ajudar os alunos da cadeira de Histologia Humana I do Curso de Medicina, a apresentação das lâminas neste programa segue a mesma ordem das caixas de lâminas por eles utilizadas. Entretanto, o Atlas também pode ser muito útil aos alunos de outras cadeiras (e até de outros cursos) que abordem tópicos semelhantes. Além disso, é uma boa fonte de consulta para profissionais que desejem rever os conceitos básicos de Histologia.

O Atlas é um programa em hipertexto (HTML+), que permite ao usuário fácil acesso à informação. O hipertexto permite uma leitura interativa do conteúdo apresentado. Difere de um texto normal (que é seqüencial) por elementos (palavras ou expressões) que aparecem grifados e que, ao serem selecionados, remetem o leitor a um outro texto com informações mais detalhadas sobre o elemento selecionado. Esse sistema proporciona uma leitura dinâmica e ágil, orientando o leitor a achar a informação desejada. Além disso, esse modelo de apresentação é compatível com os leitores de W disponíveis na Internet, podendo assim ser consultado de qualquer parte do planeta que esteja ligada à Rede. Para os que possuem acesso à Internet (de preferência, gráfico, para a visualização das lâminas), o Atlas pode ser encontrado, via W, na URL http://tucano.inf.ufrgs.br/~branco/atlas.html do Instituto de Informática da UFRGS. Para melhor visualização do Atlas, recomendamos a utilização de um browser equivalente ou superior ao Netscape 1.1N.

O Atlas foi elaborado para ser visualizado em monitores de 16 milhões de cores. Para isso é necessário um monitor SVGA-color e uma placa de vídeo de no mínimo 1 Mbyte e que trabalhe com 16 milhões de cores. Como muitos ainda não possuem tais equipamentos, foi elaborada uma versão com fotos de 256 cores (com qualidade inferior às de 16 milhões de cores) para ser vista em monitores VGA. Nesse caso, para se obter uma qualidade um pouco melhor, existe a possibilidade de utilizar um viewer externo de telas GIF chamado Lview, o qual é acessado automaticamente clicando-se com mouse sobre a foto. Esse procedimeto, entretanto, não é necessário quando a versão utilizada é para equipamentos de 16 milhões de cores.

As lâminas utilizadas na elaboração do Atlas foram confeccionadas no Laboratório de Histologia do Instituto de Biociências da UFRGS.

A digitalização das lâminas foi feita na Unidade de Citologia do Hospital de

Clínicas de Porto Alegre, chefiada pelo Dr. João Carlos Prolla. Para tanto, utilizamos uma placa digitalizadora acoplada a uma câmera de vídeo, que por sua vez, é ligada ao microscópio. Com isso, obtivemos as imagens diretamente do microscópio, sem ter precisado recorrer ao processo de tirar fotos e digitalizar posteriormente, o que reduz a perda de qualidade inerente aos processos analógicos.

Esperamos, com nosso trabalho, colaborar para a melhoria da qualidade de ensino, utilizando recursos já disponíveis na própria UFRGS e que precisam apenas ser conhecidos e divulgados para que, cada vez mais, os diversos setores da Universidade possam trabalhar em conjunto, em benefício de todos. Sugestões e colaborações serão muito bem-vindas. Você pode enviar seus comentários a qualquer um dos autores, ou, se você acessa a Internet, também pode nos mandar um mail.

Ainda gostaríamos de salientar que o Atlas visa apenas facilitar o acesso ao conhecimento básico de Histologia, sendo os textos bastante superficiais, pois foram elaborados por nós logo após termos terminado da cadeira de Histologia Humana I. Além disso, procuramos apresentar aqui apenas o conhecimento transmitido a nós por nossos professores, Galba de Moraes e Augusto Regius Coelho Timm, sem fazer consultas muito aprofundadas em livros, protegendo, assim, os direitos autorais dos autores. Portanto, o Atlas não substitui de forma alguma os livros, que trazem o assunto de modo muito mais aprofundado. Para um estudo mais aprofundado, aconselhamos os livros listados na bibliografia.

Embora também possa ser utilizado em sala de aula, o Atlas jamais deve ser utilizado pelos alunos como forma de substituir os professores, pois estes possuem o conhecimento atualizado e a didática necessária ao bom aprendizado.

Para obter uma cópia do Atlas, contatar o Departamento de Ciências Morfológicas, da UFRGS, ou procurar diretamente por:

Daniel de Moraes BrancoRoberto Lodeiro Müller

Porto Alegre - RSPorto Alegre - RS

Internet: Internet: branco@vortex.ufrgs.br rlmuller@vortex.ufrgs.br

Porto Alegre, julho de 1995.

Daniel Branco Roberto Lodeiro Müller

Créditos

Este atlas foi elaborado por Daniel de Moraes Branco e Roberto Lodeiro

Müller, acadêmicos da Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Como orientadora e supervisora do conteúdo teórico do trabalho, participou a professora Sônia Maria Lauer de Garcia, chefe do Departamento de Ciências

Morfológicas do Instituto de Biociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul.

Como orientador e supervisor técnico para programação de hipertexto em HTML, participou o professor José Valdeni de Lima, do Departamento de Informática Aplicada do Instituto de Informática da Universidade Federal do Rio Grande Sul.

Agradecimentos

•Ao professor Ricardo Reis, do Grupo de Microeletrônica do Instituto de

Informática da Universidade Federal do Rio Grande do Sul e presidente da Sociedade Brasileira de Computação, por todo o apoio que nos deu desde o início do desenvolvimento deste atlas.

•Ao Dr. João Carlos Prolla, chefe da Unidade de Citologia do Hospital de

Clínicas de Porto Alegre, por permitir que as lâminas fossem digitalizadas neste laboratório.

•Ao Carlos Augusto Borba Meyer Normann, pela ajuda na seleção das melhores lâminas.

•Ao Luís Fernando Kern, que nos ajudou com os equipamentos de vídeo do Departamento de Ciências Morfológicas.

•À Dona Marina, do Departamento de Ciências Morfológicas do Instituto de

Biociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul, que nos ajudou sempre que foi preciso, quebrando os galhos que apareciam.

Bibliografia

AIRES, MARGARIDA M. - Fisiologia. Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1991. 795 p. il.

GENESER, FINN - Atlas de Histologia. Trad. Manuel de J. Simõeset al., São Paulo,

Editorial Médica Panamericana, 1987. 224 p. il.

GUYTON, ARTHUR C. - Tratado de Fisiologia Médica. 7 ed., Trad. C. A. Esbérard et al, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1989. 830 p. il.

HAM, Arthur W. - Histologia. 8 ed., Trad. Antonio B. O. Filho et al, Rio de Janeiro, Guanabara Koogan, 1983, 907 p. il.

MOORE, KEITH L. - Embriologia Básica. Rio de Janeiro, Interamericana, 1976. 235 p. il.

JUNQUEIRA, L. C. & CARNEIRO, J. - Histologia Básica. 7 ed., Rio de Janeiro, Guanabara, 1990. 388 p. il.

SNELL, R. S. - Histologia Clínica. Trad. B. A. Lobo, Rio de Janeiro, Interamericana, 1985. 686 p. il.

Relação de Lâminas

•Lâmina 01 - MITOSE (raiz de cebola) H. Férrica •Lâmina 02 - MITOCÔNDRIA (rim) Altmann

•Lâmina 03 - ZONA DE GOLGI (epidídimo) Ayoma

•Lâmina 04 - ERGASTOPLASMA (pâncreas) HE

•Lâmina 07 - RIM E FÍGADO PAS

•Lâmina 08 - ESTÔMAGO PAS c/ Hematoxilina

•Lâmina 10 - MASTÓCITOS Fucsina-Resorcina

•Lâmina 1 - HISTIÓCITOS (pele injetada) HE

•Lâmina 12 - CARTILAGEM ELÁSTICA HE

•Lâmina 13 - CARTILAGEM ELÁSTICA Orceína

•Lâmina 14 - CARTILAGEM HIALINA HE

•Lâmina 15 - CARTILAGEM FIBROSA HE

•Lâmina 16 - OSSO COMPACTO DESGASTADO

•Lâmina 17 - OSSO CHATO DESCALCIFICADO

•Lâmina 18 - EPÍFISE ÓSSEA HE

•Lâmina 2 - TEC. MUSC. LISO, ESTRIADO ESQUELÉTICO E CARDÍACO

•Lâmina 23 - GÂNGLIO LINFÁTICO DRH

•Lâmina 25 - BAÇO DRH

•Lâmina 30 - LÍNGUA HE

•Lâmina 31 - LÍNGUA MALLORY

•Lâmina 32 - ESÔFAGO E PILORO HE

•Lâmina 34 - ESTÔMAGO HE

•Lâmina 35 - DUODENO HE

•Lâmina 36 - JEJUNO-ÍLEO HE

•Lâmina 37 - INTESTINO GROSSO HE

•Lâmina 38 - INTESTINO GROSSO Goldner •Lâmina 41 - SUBLINGUAL HE

•Lâmina 42 - SUBMANDIBULAR HE

•Lâmina 43 - SUBMANDIBULAR Mallory

•Lâmina 4 - PARÓTIDA HE

•Lâmina 45 - FÍGADO DE PORCO HE

•Lâmina 46 - FÍGADO DE COELHO inj. vasc. HE

•Lâmina 48 - VESÍCULA BILIAR HE

•Lâmina 50 - TRAQUÉIA HE

•Lâmina 54 - RIM HE

•Lâmina 5 - URETER HE

•Lâmina 56 - BEXIGA HE

•Lâmina 65 - EPIDÍDIMO HE

•Lâmina 72 - HIPÓFISE HUMANA Mallory-Azan

•Lâmina 73 - TIREÓIDE E PARATIREÓIDE

•Lâmina 76 - ASTRÓCITO (Cérebro) Golgi

•Lâmina 7 - CEREBELO HE

•Lâmina 78 - CEREBELO H. Fosfotúngstica

•Lâmina 80 - CEREBELO (impregnação - DRH)

•Lâmina 81 - MEDULA ESPINHAL HE

•Lâmina 82 - MEDULA ESPINHAL - Impregnação

•Lâmina 83 - GÂNGLIO RAQUIDIANO HE

•Lâmina 85 - NERVO CIÁTICO (cão) HE

•Lâmina 86 - CORAÇÃO HE

•Lâmina 89 - ARTÉRIA E VEIA HE

•Lâmina 90 - ARTÉRIA ELÁSTICA Orceína

•Lâmina 92 - PELE FINA HE

•Lâmina 93 - PELE GROSSA HE •Lâmina 94 - COURO CABELUDO HE

•Lâmina 95 - TENDÃO HE

•Lâmina 96 - DENTE HE

•Lâmina 9 - CORDÃO UMBILICAL

•Lâmina 100 - EMBRIÃO DE GALINHA HE

Observação: a numeração das lâminas não é contínua pois algumas delas não foram incluídas neste atlas.

Atlas Eletrônico de Histologia Lâmina 01

Lâmina 01 - MITOSE (raiz de cebola) H. Férrica

Nessa lâmina podemos observar diversas figuras mitóticas. Na imagem estão evidenciadas uma anáfase, uma telófase e outros núcleos em interfase.

Atlas Eletrônico de Histologia Lâmina 02

Lâmina 02 - MITOCÔNDRIA (rim) Altmann

A coloração Altmann permite a visualização de aglomerados de mitocôndrias, uma vez que, em microscopia óptica, não é possível a visualização de mitocôndrias isoladas. Estas mitocôndrias aparecem coradas em púrpura na forma de pequenos grãos ou de bastonetes. Encontram-se principalmente nos túbulos contorcidos do rim, onde atuam fornecendo energia para a bomba de sódio-potássio, que tem papel fundamental no equilíbrio ácido-básico do organismo. Consulte a lâmina 54 - RIM HE - para obter mais informações sobre a estrutura histológica do rim.

Relação de Lâminas

Atlas Eletrônico de Histologia Lâmina 03

Lâmina 03 - ZONA DE GOLGI (epidídimo) Ayoama

O complexo de Golgi, evidenciado pela coloração de Ayoama pode ser facilmente visualizado no pólo apical das células, onde aparece como granulações de tonalidade marrom intesamente coradas. Consulte a Lâmina 65 - EPIDÍDIMO HE - para obter maiores informações sobre a estrutura histológica do epidídimo.

Relação de Lâminas

Atlas Eletrônico de Histologia Lâmina 04

Lâmina 04 - ERGASTOPLASMA (pâncreas) HE

A maior parte do pâncreas á constituído de ácinos, que são as unidades secretoras exócrinas do pâncreas, classificadas como epitélio glandular exócrino acinar seroso. Os ácinos do pâncreas são formados por células que são parte basófilas e parte acidófilas. A porção apical da célula é acidófila e contém grânulos de zimogêneo, que serão posteriormente secretados pela célula. A parte basal é basófila devido à grande quantidade de ribossomos ligados ao retículo endoplasmático (ergastoplasma), que fazem a produção protéica da célula, que será depois secretada. Os ácinos do pâncreas ainda se caracterizam por serem os únicos que podem possuir uma célula centro-acinosa (primeira foto). O núcleo das células acinares encontram-se na porção basal da células e possuem núcléolos bastante evidentes.

A parte endócrina do pâncreas é constituída pelas Ilhotas de Langerhans, que são classificadas como epitélio glandular endócrino cordonal. As ilhotas aparecem isoladas e espalhadas pela porção exócrina do pâncreas e caracterizam-se por uma tonalidade alaranjada quando coradas pela técnica HE (segunda foto).

Texto - As Glândulas: Tecido Epitelial Glandular Relação de Lâminas

Atlas Eletrônico de Histologia Lâmina 07

Lâmina 07 - RIM E FÍGADO PAS

Nesta lâmina, onde estão presentes dois órgãos distintos (rim e fígado), a técnica de PAS evidencia as inclusões chamadas PAS+, pois se coram por esta técnica. No f'ígado, pode-se observar as inclusões citoplasmáticas do hepatócito sob a forma de grânulos vermelho-púrpura, contendo glicogêneo. O núcleo dos hepatócitos permanece em negativo, ou seja, não se cora.

No rim, pode-se observar a membrana basal que reveste os túbulos renais e os glomérulos. Essa membrana é formada pela associação da lâmina basal e sua camada subjacente, composta por fibras reticulares, proteínas e glicoproteínas. A lâmina basal é formada por colágeno tipo IV, uma glicoproteína chamada laminina e proteoglicanas, cuja síntese ocorre nas células epiteliais.

Para maiores informações sobre aspectos morfo-funcionais do rim e do fígado, consultar as respectivas lâminas coradas pela técnica da Hematoxilina- Eosina (HE) (Lâmina 54 - RIM HE , Lâmina 45 - FÍGADO DE PORCO HE e Lâmina 46 - FÍGADO DE COELHO inj. vasc. HE).

(Parte 1 de 4)

Comentários