Climatologia da precipitação na cidade de olivedos–pb nos anos de 1933 a 2013

Climatologia da precipitação na cidade de olivedos–pb nos anos de 1933 a 2013

Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia CONTECC 2014 Centro de Convenções Atlantic City - Teresina - PI

12 a 15 de agosto de 2014

CLIMATOLOGIA DA PRECIPITAÇÃO NA CIDADE DE OLIVEDOS–PB NOS ANOS DE 1933 A 2013

FRANCISCO DE ASSIS DA COSTA NETO¹; RAIMUNDO MAINAR DE MEDEIROS2 ; ROSIANE

OLIVEIRA DA COSTA3 ROSEANE CRISTINA SILVA OLIVEIRA4 ;

¹Especialista em Engenharia Civil, UFCG, Campina Grande, PB, francisco.costa@ufcg.edu.br

2 Doutorando em Meteorologia, UFCG, Campina Grande-PB; Fone:(83)2101-1054, mainarmedeiros@gmail.com

3 Graduanda, UEPB, Campina Grande-PB; Fone:(83)3-5, rosiane_oliverah@hotmail.com

4 Mestranda, Campina Grande-PB; crystina40@hotmail.com

Apresentado no

Congresso Técnico Científico da Engenharia e da Agronomia – CONTECC 2014 12 a 15 de agosto de 2014 - Teresina-PI, Brasil

RESUMO: A variabilidade da precipitação no município de Olivedos pode contribuir com o planejamento da captação das águas pluviais para os setores rural e urbano. Os dados pluviométricos mensais entre 1933 a 2013 foram fornecidos pela Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (AESA). No diagnóstico, utilizaram-se totais mensais e anuais, as médias e os valores máximos e mínimos absolutos da série histórica. A análise da variabilidade espacial e temporal das chuvas dá informações de como o homem deverá estabelecer medidas para a captura de águas de chuvas e seu armazenamento, usando o período mais chuvoso. Durante os 80 anos estudados, os totais anuais extremos de precipitação pluvial foram registrados nos anos de 1964 onde choveu 1.361,8 m e o ano de 1998, com 69,3 m. Esses extremos são decorrentes dos fenômenos de larga escala atuantes durante o período estudado. No quadrimestre chuvoso, ocorrem 64% dos índices pluviométricos, e no período seco ocorrem 5% dos índices pluviométricos esperados. PALAVRAS-CHAVES: Eventos extremos, variabilidade, máxima e mínima precipitação.

CLIMATOLOGY OF PRECIPITATION OF OLIVEDOS CITY – PB, IN THE YEARS OF 1933 TO 2013

ABSTRACT: The variability of precipitation at Olivedos City - PB, can contribute to the planning of the capture of rainwater for rural and urban sectors. The data of monthly precipitation from 1933 to 2013 are provided by the Executive Agency of Water Management in the State of Paraíba (AESA) and the Northeast Development Superintendency (SUDENE). In the diagnosis, it was used monthly and annual totals, averages, maximum and minimum absolute values of the time series. The spatial and temporal variability of rainfall gives information of how man should establish measures to capture rain water and its storage using the wettest period. During the 80 years studied, the annual extreme rainfall totals were recorded in the year 1964, where it rained 1,361.8 and 1998 m, with 69.3 m. These extremes are due to phenomena of large scale active during the study period. In the rainy quarter, 64% occur in rainfall, and the dry period occurring 5% of expected rainfall. KEYWORDS: Extreme events, variability, maximum and minimum rainfall

INTRODUÇÃO: A pluviometria representa o atributo fundamental na análise dos climas tropicais, refletindo a atuação das principais correntes da circulação atmosférica. No município de Olivedos, especificamente, as chuvas são fundamentais para o bom desenvolvimento do regime dos rios, córregos, riachos, níveis dos lagos e lagoas, bem como para a ocupação do solo, sendo imprescindível ao planejamento de qualquer atividade o conhecimento da sua dinâmica e uma aplicabilidade deste elemento ao setor agrícola. Segundo a classificação de Thorthwaite (1948), a região apresenta clima do tipo Bsh. O bioma é a Caatinga hiperxerófila, decorrente do tipo climático que envolve a região, semiárido quente com chuvas de verão (Araújo, 2006). O período chuvoso se inicia em janeiro/fevereiro e termina em junho AESA (2011). Os fatores provocadores de chuva no município são formações de linhas de instabilidade na costa e transportada para o interior pelos ventos alísios de sudeste/nordeste, desenvolvimento de aglomerados convectivos, proveniente do calor armazenado na superfície e transferido para atmosfera, orografia, contribuições de formação de vórtices ciclônicos, e tendo como principal sistema o posicionamento da Zona de Convergência Intertropical (ZCIT). Olivedos possui uma distribuição pluviométrica anual irregular (446,4 m). A variabilidade climática de uma região exerce importante influência nas diversas atividades socioeconômicas, especialmente na produção agrícola. Sendo o clima constituído de um conjunto de elementos integrados, determinante para a vida, este adquire relevância, visto que sua configuração pode facilitar ou dificultar a fixação do homem e o desenvolvimento de suas atividades nas diversas regiões do planeta. Dentre os elementos climáticos, a precipitação tem papel preponderante no desenvolvimento das atividades humanas, produzindo resultados na economia (Sleiman, 2008). Dos elementos do clima, a precipitação é o que mais influencia na produtividade agrícola (Ortolani & Camargo, 1987), especialmente nas regiões tropicais onde o regime de chuvas é caracterizado por eventos de curta duração e alta intensidade (Santana et al., 2007). Por ser um elemento essencial na classificação climática de regiões tropicais, a precipitação e sua variabilidade, associadas a outros elementos do clima, provocam uma flutuação no comportamento geral dos climas locais. O monitoramento do regime pluviométrico da região nos últimos anos tem mostrado que a escassez de recursos hídricos acentua os problemas socioeconômicos, em particular ao final de cada ano, com os totais pluviométricos em torno ou abaixo da média da região (Marengo & Silva Dias, 2006). Dessa forma, o objetivo deste trabalho é realizar uma análise climatológica da precipitação do Município de Olivedos - PB, utilizando-se a série histórica de 1933 a 2013, que possivelmente contribuirá nas decisões de setores como a economia e a agropecuária do município.

MATERIAIS E MÉTODOS: Os dados de precipitações mensais utilizados nesta pesquisa foram obtidos de uma série histórica de 80 anos (1933 a 2013), fornecido pela Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba (AESA). A sede do município localiza-se sob a latitude 06º59’ S e longitude 36º15’ W, com uma altitude de 545 metros. Foram utilizados os seguintes dados de precipitação pluviométrica: totais mensais médios anuais de pluviometria; valores máximos e mínimos no período de 1933 a 2013 (80 anos). Foram desconsiderados como valores mínimos os totais mensais iguais a zero, considerando-se apenas aqueles que se encontravam no intervalo de 5 a 10 m. Para a análise dos dados foi utilizado o programa em planilhas eletrônicas. Destaca-se que não foram realizadas observações pluviométricas em alguns meses e para dois anos da série pluviométrica onde se realiza preenchimento de falhas através de programas eletrônicos desenvolvido por Medeiros (2013).

RESULTADOS E DISCUSSÕES: Na Figura 1, observa-se o comportamento da precipitação em termos de médias mensais históricas e os valores máximos e mínimos absolutos registrados em Olivedos – PB, no período de 1933 a 2013. A média dos totais mensais de chuva variou entre 4,6 m em novembro a 89,9 m no mês de abril. O quadrimestre mais chuvoso são os meses de fevereiro (53,9 m), março (89,4 m), abril (89,9 m) e maio (59,6 m). Os valores mínimos absolutos de chuvas ocorridos e registrados foram os anos de 1942, 1990, 1993 e 1998 com 156,4 m, 154,2 m, 9,6 m e 69,3 m, respectivamente. Os valores máximos absolutos de ocorrências de chuvas registrados na área de estudo foi a dos anos de 1963, 1964, 1974 e 1977. O período chuvoso inicia-se no mês de janeiro/fevereiro com chuva de pré-estação e prolonga-se até o mês de junho. O que se destaca é a frequência de irregularidade nas distribuições dos índices pluviométricos entre meses e anos.

Figura 1. Precipitação pluviométrica histórica mensal e os máximos e mínimos valores ocorridos em Olivedos – PB, no período de 1933 a 2013.

Na Figura 2, observa-se a variação dos totais anuais das chuvas históricas para o período de 1933 a 2013, onde se pode constatar que a média anual histórica é de 446,4 m, com 80 anos de observações. Durante o período analisado, ocorreu grande variabilidade dos totais anuais de chuva, podendo esta variabilidade ser observada nos anos de 1964, 1974, 1985 e 2008, onde os índices pluviométricos oscilaram entre 891,1 a 1361,8 m. Já os anos de 1954, 1983, 1993 e 1998 com precipitações flutuando entre 69,0 a 201,0 m. O município de Olivedos apresenta uma série de 43 anos com precipitações abaixo da média histórica e 30 anos com índices pluviométricos acima da média, além de 05 anos com precipitações em torno da normalidade.

Figura 2. Precipitação pluviométrica anual em Olivedos – PB, no período de 1933 a 2013.

CONCLUSÕES: Olivedos tem uma precipitação pluvial mensal bastante variável na sua distribuição espaço-temporal ao longo dos anos. O quadrimestre mais chuvoso são os meses de fevereiro a maio com totais mensais médios oscilando entre 53,9 a 89,9 m representando 64% das chuvas ocorridas. Os meses mais secos ocorrem entre setembro e dezembro, e sua representação dos índices pluviométricos é 5% dos valores esperados. Observa-se que, durante os 80 anos estudados, os totais anuais extremos de precipitação pluviométrica foram registrados nos anos de 1964 no qual choveu 1.361,8 m e no ano de 1998 quando o total anual registrado foi de apenas 69,3 m. Estes extremos são decorrentes dos fenômenos sinóticos de larga escala atuantes na região. A análise da variabilidade espacial e temporal das chuvas proporciona informações de como o homem (rural e urbano) deverá estabelecer medidas para captura de águas de chuvas e seu armazenamento usando o período mais chuvoso.

AESA - Agência Executiva de Gestão das Águas do Estado da Paraíba. João Pessoa, 2011. Disponível em <http://geo.aesa.pb.gov.br>. Acesso: 20 de outubro de 2011.

Araújo, K. D. Caracterização geral da Estação Experimental Bacia Escola, 2006. Produzido pelo Centro de Ciências Agrárias da UFPB. Disponível em < http://www.cca.ufpb.br/lavouraxerofila/pdf/sjc.pdf>> Acessado em: 18 jun. 2013.

Marengo, J.; Silva Dias, P. Mudanças climáticas globais e seus impactos nos recursos hídricos. Capitulo 3 em Águas Doces do Brasil: Capital Ecológico, Uso e Conservação, 2006, p.63-109, Eds. A. Rebouças, B., Braga e J. Tundisi. Editoras Escrituras, SP.

Medeiros, R. M. Elaboração de programa de consistência de dados pluviométricos diários para a área da bacia do rio Uruçuí Preto-PI. P.17. 2012.

Ortolani, A. A.; Camargo, M. B. P. Influência dos fatores climáticos na produção. Ecofisiologia da Produção Agrícola. Piracicaba: Potafos, 249 p. 1987.

AnaisBelém do Pará, PA. 2010, CD Rom.

Paula, R. K. de; Brito, J. I. B. de; Braga, C. C. Utilização da análise de componentes principais para verificação da variabilidade de chuvas em Pernambuco. XVI Congresso Brasileiro de Meteorologia.

Santana, M. O.; Sediyama, G. C.; Ribeiro, A.; Silva, D. D. da. Caracterização da estação chuvosa para o estado de Minas Gerais. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v.15, n.1, p.114-120, 2007.

Sleiman, J.; Silva, M. E. S. A Climatologia de Precipitação e a Ocorrência de Veranicos na Porção Noroeste do Estado do Rio Grande do Sul. SIMPGEO/SP, Rio Claro, 2008.

Sobrinho, J. E.; Pereira, V. C.; Oliveira, A D.; Santos, W. O.; Silva, N. K. C.; Maniçoba, R. M. Climatologia da precipitação no município de Mossoró-RN. Período: 1900-2010. XVII Congresso Brasileiro de Agrometeorologia-18 a 21 de julho de 2011. CD-ROM.

Comentários