O Nãotecido e a Tecnologia dos Nãotecidos (TNT)

O Nãotecido e a Tecnologia dos Nãotecidos (TNT)

(Parte 1 de 2)

O Nãotecido e a Tecnologia dos Nãotecidos (TNT) I. Definição

Conforme a norma NBR-13370, Nãotecido é uma estrutura plana, flexível e porosa, constituída de véu ou manta de fibras ou filamentos, orientados direcionalmente ou ao acaso, consolidados por processo mecânico (fricção) e/ou químico (adesão) e/ou térmico (coesão) e combinações destes.

O Nãotecido também é conhecido como Nonwoven (inglês), Notejido (espanhol)Tessuto

Nontessuto (italiano), Nontissé (francês) e Vliesstoffe (alemão).

I. Origem da Produção Os Nãotecidos surgiram sob pressões e circustâncias externas tais como:

A necessidade de simplificar o processo têxtil; A necessidade de desenvolver novos tipos de produtos têxteis;

A necessidade crescente da reciclagem de resíduos e fibras; A possibilidade de aplicação e desenvolvimento de outras áreas industriais.

Estas circunstâncias persistem. Porém, é difícil estabelecer uma data para a real invenção ou aparecimento dos Nãotecidos.

Quando citamos a indústria papeleira, o primeiro produto a apresentar uma textura parecida com o Nãotecido surgiu no Egito, no ano de 2.400 a.C. No século XV, iniciou-se o desenvolvimento da indústria papeleira e, em 1.799, o francês Louis Robert inventou o primeiro equipamento para a fabricação de papel descontínuo.

Em 1.860, nos EUA, produziu-se a primeira roupa de papel, Henry e Sealy Fourdrinier desenvolveram a máquina de fabricação de papel, que passou a ser contínua; o equipamento é conhecido atualmente como Fourdrinier.

Em 1.930 iniciaram-se nos EUA as primeiras experiências para fabricação de Nãotecido de celulose consolidado com látex. Por volta de 1957, observou-se uma estrutura semelhante ao Nãotecido, fabricado em equipamentos da indústria de papel, usando-se polpa de celulose, bambu, asbestos, algodão, raiom viscose, poliamida, vidro, poliéster e outras fibras químicas.

Do lado têxtil, a invenção para obtenção do Nãotecido pode ser conferida à Carta Britânica n° 114, concedida em 1.853 à Bellford, que revelou o uso de cardas, esteiras de transporte, impregnação, secagem para a fabricação de mantas ou almofadas de algodão para a indústria de estofados, colchões de mola, etc.

Por obtenção de multicamadas, estes produtos podem ser fabricados em qualquer espessura.

O processo de consolidação por agulhagem data do final do século XVIII, quando a primeira agulhadeira foi produzida por William Bywater, na cidade de Leeds, Inglaterra, tornando-se conhecida somente a partir de 1.920.

Na década de 50, começaram a ser instaladas as primeiras grandes fábricas de Nãotecidos da América do Norte, México e Europa. A técnica de costura desenvolvida no início de 1.945 ficou mais conhecida a partir de 1.959, quando surgiu o equipamento fabricado na Alemanha Oriental, denominado Maliwatt.

A década de 60 marca o lançamento do Nãotecido no mercado como matéria-prima industrial e como produto de consumo. Em 1.960, apareceram as primeiras patentes para a fabricação do Nãotecido de filamento contínuo através da fiação por fusão.

No início ainda de 1.960, surgiu o Nãotecido através da tecnologia de fabricação de papel. Como este equipamento não era apropriado, dsenvolveu-se um especialmente para a fabricação de Nãotecidos por via úmida.

A década de 70 encontra a Indústria de Nãotecidos em pela ascensão, com grandes desenvolvimentos e novas tecnologias de processos e matérias-primas.

I. Matérias-Primas Utilizadas

Na maioria dos casos, as fibras/filamentos representam a principal matéria-prima dos Nãotecidos. Sua proporção nos produtos finais varia de 30% a 100%.

As propriedades das fibras/filamentos somadas às fornecidas pelo processo de fabricação definem as características finais dos Nãotecidos.

i. Tipos de Fibras/Filamentos

Artificiais Viscose, vidro, silicone, acetato;

Naturais Lã, algodão, coco, sisal, cashmere, asbesto, metálicas (níquel-cromo, césio-cromo) e cerâmicas;

Sintéticas Poliéster, polipropileno, poliamida, polietileno, policarbonato, acrílica.

Tabela 5: Fonte: ABINT - Associação Brasileira das Indústrias de Nãotecidos e Tecidos Técnicos.

IV. Processo de Fabricação dos Nãotecidos

A produção de Nãotecidos aplica e combina tecnolgia de diversas indústrias, como a têxtil, a papeleira, de couro, de plástico, podendo a qualquer momento, surgir novas tecnologias.

A produção pode ser descrita como abaixo:

i. Formação da Manta (Web Forming)

A manta, estrutura ainda não consolidada, é formada por uma ou mais camadas de véus de fibras ou filamentos obtidos por três processos distintos:

Via Seca (Dry Laid), que inclui os Nãotecidos fabricados: via carda/cardagem (carded);

Ilustração 85: Processo de Formação da Manta Via Carda. Fonte: EDANA (2003).

via aérea/fluxo de ar (air laid).

Ilustração 86: Processo de Formação da Manta Via Aérea. Fonte: EDANA (2003).

Via Úmida (Wet Laid).

Ilustração 87: Processo de Formação da Manta Via Úmida. Fonte: EDANA (2003).

Via Fundida (Molten Laid), que inclui os Nãotecidos fabricados: por fiação contínua/extrusão (spunbonded/spunweb);

via sopro (meltblow).

A estrutura da manta pode ter as fibras orientadas em uma única direção (Nãotecidos orientados), ou dispostas em forma cruzada, ou ao acaso (Nãotecidos desorientados).

i. Consolidação da Manta

Após a formação do véu ou da manta é necessário realizar a consolidação (união das fibras ou filamentos) que consiste de três métodos básicos:

Mecânico (Fricção), que pode ser por:

Agulhagem (Needlepunched); Hidroentrelaçamento (spunlaced ou hydroentanglement);

Costura (Stitchbonded);

Químico (Adesão), por resinagem (Resin Bonded); Térmico (Coesão), que é por termoligado (Thermobonded).

Em grande parte dos Nãotecidos os tipos de consolidação acima citados também consistem no acabamento necessário ao produto final.

Os métodos de consolidação química e térmica envolvem a adesão entre as fibras, portanto, podemos defini-los como consolidação adesiva. O termo consolidação mecânica é dado para expressar a consolidação por forças friccionais e o entrelaçamento das fibras através de agulhagem, hidroentrelaçamento e consolidação coser-tricotar.

A técnica de agulhagem é definida como o entrelaçamento mecânico de fibras com a utilização de agulhas com farpas. Estes nãotecidos agulhados são obtidos pelo entrelaçamento mecânico dos véus de fibras provenientes de uma carda, ou aerodinamicamente depositados, ou ainda véus de filamentos contínuos.

O processo de consolidação por agulhagem pode se apresentar basicamente da seguinte forma:

Ilustração 8 Processo de Consolidação por Agulhagem. Fonte: EDANA (2003).

O conceito básico da agulhagem é aparentemente simples: o véu fica estendido entre duas esteiras estacionárias, a mesa inferior e o extrator. O véu é então perfurado por um grande número de agulhas (cerca de 4000 agulhas/m) em toda a agulhadeira. As agulhas possuem geralmente um formato triangular e possuem saliências (farpas) nas pontas.

Quando as agulhas penetram o véu, as farpas capturam algumas fibras e as puxa através de outras fibras. Quando a agulha sobe, o entrelaçamento formado pelas fibras se mantém consolidando assim o véu.

A tábua de agulhas: a tábua de agulhas é a base na qual as agulhas são fixadas. A tábua de agulhas é então acoplada à mesa superior que desce impulsionada por um excêntrico; Cilindros de entrada e cilindros de saída: são tipicamente os cilindros transportadores que facilitam a movimentação do véu através da agulhadeira; Mesa inferior e extrator (stripper): o véu passa através de duas mesas, a mesa inferior (embaixo) e o extrator (em cima). Nessas mesas existem orifícios por onde as agulhas atravessam o véu. A mesa inferior serve como suporte para a agulhagem e o extrator desprende as fibras das agulhas para que o véu avance.

Ilustração 89: Agulhadeira. Fonte: Neumag.

O processo de hidroentrelaçamento foi inventado como um meio de produzir um entrelaçamento similar ao da agulhadeira, porém, utilizando um véu mais leve.

Como o próprio nome já diz o processo de consolidação se dá com a aplicação de jatos d'água a pressões altíssimas (40 a 250 bar) através de orifícios de diâmetros muito pequenos.

Um jato finíssimo desse gênero é responsável pela consolidação do não tecido imitando a lâmina das agulhas. O véu passa continuamente sob estes jatos e sobre uma esteira perfurada por onde a água é removida. Não se sabe exatamente o que acontece com o véu sob a ação dos jatos, mas sabe- se que as fibras sofrem uma torção ou entrelaçamento por causa da turbulência da água após atingir o véu.

A técnica do hidroentrelaçamento pode ser aplicada nas mantas formadas pelos métodos via seca, via úmida e via fundida.

Após o entrelaçamento a manta consolidada é transportada para um cilindro secador, sendo o responsável de eliminar o excesso de umidade.

Apesar de estas máquinas possuírem alta precisão em comparação com outros sistemas, e particularmente se comparada com as agulhadeiras, elas são muito custosas e utilizam muita energia que também possui um alto custo.

Outro problema considerável é o suprimento de água limpa aos jatos, com o pH correto e a temperatura correta. Grande quantidade de água é necessária, então se precisa de um sistema de reciclagem.

Esta tecnologia confere um grau de pureza único, grande suavidade, resistência, baixíssimo desprendimento de partículas e alto poder de absorção. O Nãotecido consolidado hidromecanicamente apresenta grande porosidade, conseqüência dos orifícios presentes na esteira ou tambor, conferindo o seu alto poder de absorção.

Os Nãotecidos consolidados hidromecanicamente são adequados para limpeza em geral de equipamentos e lugares onde é necessário um ambiente limpo e sem contaminantes, como a indústria alimentícia, farmacêutica e de cosméticos.

Porém, a maior aceitação destes não tecidos encontra-se nos produtos médico-hospitalar descartáveis, base para forros sintéticos, entretelas e palmilhas para calçados.

A idéia da consolidação coser-tricotar foi desenvolvida quase que exclusivamente na Checoslováquia e na antiga Alemanha Oriental.

O nome da consolidação por costura e tricotagem foi dado devido Mauersberger basear sua invenção no processo de costura e devido aos estágios mais importantes serem muito similares àqueles da máquina de tricotar por urdume.

orientação cruzadaO Nãotecido é consolidado em uma máquina de malharia de urdume

A consolidação coser-tricotar utiliza principalmente, véus de formação aerodinâmica e véus de modificada para Nãotecidos. Este Nãotecido passa entre a barra de agulhas e uma ou mais barras de passetas.

As agulhas são reforçadas e especialmente desenvolvidas para penetrar o Nãotecido a cada ciclo de formação. Estas agulhas são do tipo compostas e possuem uma lingüeta controlada separadamente por uma barra. Depois que as agulhas atravessam o Nãotecido, o gancho da agulha se abre e a barra de passetas enlaça a agulha para formar a malha. Quando as agulhas recuam, o gancho é fechado pela lingüeta e as malhas antigas são descarregadas para formar as novas laçadas.

Nesse processo de consolidação a tricotagem por urdume forma a malha de um lado do Nãotecido e as entremalhas do outro lado. Geralmente, como na maioria das malhas de urdume, utilizam-se fios de filamentos contínuos para evitar rupturas de fios e paradas na máquina.

A consolidação química compreende os métodos de aplicação de um agente ligante (adesivo) ao Nãotecido através de processos de: impregnação, aplicação por método de espuma, aplicação de sólidos.

A consolidação química envolve tanto os processos de imersão completa quanto os de imersão parcial em determinadas porções do Nãotecido com a utilização de um agente ligante no intuito de aderir as fibras umas com as outras.

Estes agentes ligantes são polímeros e apresentam-se sob três formas:

• Sólidos (pós, pastas e fibras ligantes); • Solução Polímera (à base de solventes orgânicos);

• Dispersão Polímera (à base de água).

Sólidos: Encontramos na prática os pós e pastas, a maioria a partir de produtos termoplásticos tais como: copoliamidas, polietileno, copolímeros de acetato de vinil-etileno (EVA), policloreto de vinila e produtos termofixos, como resina fenólica por exemplo. As fibras ligantes são usualmente produzidas a partir de polímeros termoplásticos. As mais importantes destas são: álcool polivinílico, copoliamida, poliolefinas e cloreto de polivinila.

Soluções Polímeras: Os polímeros utilizados como ligantes não se dissolvem em água, mas sim, em solvente orgânico. Os solventes são custosos e pegajosos. A utilização dos solventes complica o material de produção, pois devemos proteger os operários das intoxicações e prevenir incêndios. A fábrica deve ser dotada de um perfeito sistema de exaustão e recuperação para evitar a poluição e reciclar o solvente. As soluções polímeras são poliuretano e borracha silicônica.

Dispersões Polímeras: As dispersões polímeras são as mais utilizadas para a ligação de um não- tecido, e a razão para isto é que elas podem ser aplicadas por inúmeros meios, e uma vez que o agente dispersante seja a água, o procedimento tecnológico é simples, não existindo problemas ecológicos.

A consolidação química mais utilizada na indústria de Nãotecido é feita com a utilização de dispersões polímeras. Como os agentes ligantes poliméricos não são solúveis em meio aquoso utiliza-se um surfactante que auxilia a dispersão das partículas.

A maioria dos agentes ligante já contém o surfactante para dispersar as partículas do polímero, mas em alguns casos a adição de um surfactante pode ser necessária para auxiliar na umidificação.

A próxima etapa é a secagem do ligante pela evaporação da água deixando as partículas do polímero e os produtos auxiliares sobre e entre as fibras. Durante esta etapa, a aplicação de pressão retira a água e faz com que as partículas do ligante formem uma fina camada sobre as fibras. O estágio final é a polimerização e é neste estágio que o não tecido é submetido à altas temperaturas para a secagem.

Ilustração 90: Processo de Polimerização.

O propósito da polimerização é a formação de ligações cruzadas entre as partículas do polímero e assim desenvolver uma consolidação firme e coesa.

A polimerização é realizada geralmente com temperaturas entre 120 a 140º C por aproximadamente 2 – 4 minutos.

Ilustração 91: Processo de Consolidação Química por Spray. Fonte: EDANA (2003).

Ilustração 92: Processo de Consolidação Química por Impregnação. Fonte: EDANA (2003).

A consolidação térmica está sendo cada vez mais utilizada no lugar das caras consolidações químicas devido a um grande número de razões. A consolidação térmica pode ser feita com grandes velocidades, enquanto que na consolidação química a velocidade é limitada pela secagem e pelo estágio da polimerização.

A consolidação térmica ocupa menos espaço em comparação com o processo de consolidação química que necessita de calor para evaporar a água do ligante. A consolidação térmica pode ser utilizada sobre três tipos de materiais, dos quais alguns são próprios para algumas aplicações, mas não em outras.

Fibras Ligantes:

Fibras termoplásticas e fibras bicomponentes são largamente utilizadas na consolidação térmica dos não tecidos. As fibras termoplásticas são mais sofisticadas e muito mais econômicas, o tipo de ligação formada depende de vários fatores incluindo as propriedades químicas da fibra, morfologia, densidade linear, etc. A maior desvantagem na utilização de fibras termoplásticas é o cuidado necessário na consolidação. Se a temperatura for muito baixa para o ponto de fusão da fibra, haverá uma consolidação fraca. E se por outro lado, a temperatura for muito alta para o ponto de fusão, o véu se fundirá excessivamente e perderá suas características de não tecido.

(Parte 1 de 2)

Comentários