Português AFRFB 2011 - Aula 00

Português AFRFB 2011 - Aula 00

(Parte 1 de 2)

1 w.pontodosconcursos.com.br

Bem-vindos à aula demonstrativa de Língua Portuguesa para Concursos.

Para quem ainda não me conhece, muito prazer! Sou a professora Claudia Kozlowski, leciono Português para concursos públicos, além de ser Auditora Fiscal da Receita Federal desde 2000. Meu intuito é ajudá-lo em sua árdua, porém factível, jornada em busca do tão almejado cargo público.

Tenho uma enorme vantagem em relação aos colegas de outras disciplinas. Como praticamente TODOS os concursos exigem Língua Portuguesa (a exceção fica por conta de alguns certames jurídicos), temos uma vasta gama de material de concursos públicos anteriores. Por se tratar de uma turma teórica, nosso estudo não será dirigido a uma única banca, mas a maior parte delas, de modo que o aluno esteja preparado para prestar qualquer prova e obter um ótimo desempenho. Claro que isso vai depender, principalmente, de sua dedicação, acompanhando as aulas, resolvendo os exercícios de fixação e participando ativamente do fórum.

Estaremos sempre à disposição para qualquer esclarecimento. Não tenha inibição em expor suas dúvidas, pois só as tem quem estuda, não é mesmo?

Nos exercícios de fixação, o aluno será apresentado às questões de prova das principais bancas examinadoras do país (Cespe/UnB, ESAF, Fundação Carlos Chagas, Vunesp etc.) e terá a oportunidade de conhecer a forma como elas costumam explorar os conceitos da disciplina.

Neste curso teórico também trataremos das novas regras ortográficas, e, em relação a isso, cabe o seguinte aviso. O Acordo já está em vigor e, por isso, nada impede que alguma banca examinadora exija do candidato conhecimento sobre o assunto. Além disso, as bancas já adaptaram suas provas à nova grafia. Assim, mais do que nunca, você que deseja a aprovação em um concurso público precisa estar atualizado.

Para uma melhor fixação das regras, ao lado da forma “antiga”, será apresentada a nova ortografia. Há, também, na área aberta do sítio, alguns artigos que tratam dessas mudanças – vale a pena conferir. A adaptação será feita aos poucos – teremos até 2012 para adequar nosso jeito de escrever (só mudou a grafia – a pronúncia continua a mesma!) e até lá valem as duas (nova e antiga). Somente a partir de 2013, a “velha ortografia” deixará de existir e restará apenas uma vaga lembrança dela (...rs...).

As questões apresentadas têm apenas a função de fixar o conceito ensinado. Por isso, decidimos manter a grafia original da prova (se aplicada antes de 2009, não sofrerá as alterações provenientes do Acordo Ortográfico). No comentário, citaremos o que porventura tenha sido alterado.

Quem acha que estudar Português é “besteira”, que dá pra fazer a prova só com o que já sabe, se esquece que, além do conhecimento, o que a banca busca no candidato é agilidade em resolver a prova.

Recebo muitas mensagens com dúvidas sobre como se preparar para um concurso público, especialmente os da área fiscal. Minha resposta costuma ser a mesma. São dois os elementos fundamentais para a preparação de qualquer candidato a concursos públicos: DEDICAÇÃO e HUMILDADE.

Normalmente, aquele que chega de “salto alto”, achando que não é preciso estudar a disciplina X ou Y, certamente terá dificuldades exatamente nessa matéria.

2 w.pontodosconcursos.com.br

Quem já está nessa estrada sabe que não são poucos os exemplos de candidato que, na hora da prova, não consegue tempo suficiente para resolver todas as questões e acaba tendo de contar com a sorte. Ou, então, erra questões fáceis simplesmente porque perdeu tempo tentando resolver uma questão mais complicada.

Quando se trata de prova de Língua Portuguesa, então, textos longos e questões de interpretação complexas são suficientes para arruinar qualquer cronograma de prova e aniquilar a estabilidade emocional do sujeito. A ESAF, por exemplo, procura eliminar o candidato pelo cansaço, com textos longos e complexos. Já a Fundação Carlos Chagas até há pouco tempo, seguia um padrão de prova constante, apresentando, como principal dificuldade, a falta de indicação de linhas dos longos textos, o que acabava fazendo com que o candidato perdesse muito tempo brincando de “caça-palavras”, ao procurar a passagem ou palavra mencionada na questão. Recentemente, vem mostrando que também sabe inovar. Vem apresentando questões que, de certa forma, seguem o “padrão-ESAF”, inclusive com indicação de linhas no texto.

Saber o conteúdo é fundamental, sem dúvida. Mas também o é saber fazer prova. Candidato bem preparado é o que conhece a banca que irá realizar a prova.

Assim, a preparação divide-se em três fases: (1) “reconhecimento do terreno”, em que o aluno é apresentado às matérias e recolhe o material necessário ao estudo; (2) “fixação do conhecimento”, quando é fundamental fazer muitos exercícios, ler comentários de provas e identificar a metodologia da banca examinadora; (3) e, finalmente, “identificação das necessidades”, em que o candidato, a partir de seu desempenho na etapa anterior, percebe quais as disciplinas ou pontos do programa que necessitam de maior atenção. Nessa última fase, fazer simulados com questões inéditas vai ajudá-lo na fixação do conhecimento e na administração do tempo, fator esse decisivo para sua aprovação

Se o seu interesse for específico, ou seja, se estiver se preparando para um determinado concurso, é importantíssimo que faça provas anteriores da instituição responsável por esse certame.

vagabundo porque não trabalha...rs

Tudo isso, como se nota, envolve dedicação. Não são poucos os obstáculos. Quem, além de estudar, ainda “perde tempo” trabalhando, enfrenta o cansaço e o parco tempo de que dispõe para a família. O “concurseiro (ou concursando, como preferem alguns) profissional”, ou seja, o que se dedica exclusivamente aos estudos, enfrenta o desafio de se organizar, de não perder tempo estudando o que não interessa e, principalmente, de não cair na tentação da internet, da “Sessão da Tarde”, do telefone. Isso sem falar naquela vizinha fofoqueira que fica falando por aí que o sujeito é um

Nadar contra a maré não é fácil. Por isso, estudar em momentos como esses é tarefa árdua aos que se preparam para ocupar um cargo público, e é exatamente nesse momento que se define um(a) vencedor(a).

Tudo tem o seu tempo – há tempo de descansar (ninguém é de ferro e o repouso ajuda no aproveitamento do estudo, sem dúvida!), mas também deve haver o tempo de estudar – sem ele, não há material, curso ou professor que dê jeito. O diferencial, sem dúvida, é a dedicação do candidato em casa mesmo.

E onde entra a tal da humildade? Em saber identificar seus pontos fracos (faz parte da “fase de identificação das necessidades”) e ter a humildade de começar do zero.

Nosso objetivo é auxiliar os que aqui chegam na busca de um melhor desempenho em Língua Portuguesa. Se alguns pontos iniciais do programa de Português parecerem “básicos demais”, lembre-se do que falei sobre humildade. Leia, estude, resolva os exercícios de fixação, ou seja, DEDIQUE-SE, mesmo que você ache que já sabe tudo.

3 w.pontodosconcursos.com.br

Pode ter certeza de que alguma coisinha você sempre acaba aproveitando. Mais adiante, esse conhecimento pode ser fundamental para aprender outro assunto.

Por fim, vire um chato – corrija (mentalmente, se não quiser acumular inimigos) o que escuta e lê por aí, traga para o seu cotidiano as lições que veremos aqui, procure incorporar os conhecimentos de Português ao seu dia a dia. Afinal, não é assim que se faz quando se aprende uma língua estrangeira?

Desarme-se, livre-se dos traumas que carrega até hoje e receba as lições de coração aberto.

Em nosso encontro de hoje, daremos uma demonstração do que teremos a partir da primeira aula – apresentação de conceitos e resolução de questões de prova para fixação do conteúdo.

Como sempre, começamos com ORTOGRAFIA, assunto que será abordado já na próxima aula.

Ortografia é a parte da gramática que estabelece normas para a correta grafia das palavras.

Nas palavras de Pasquale Cipro Neto, “não há quem, vez ou outra, não depare com uma dúvida de grafia. É bem verdade que precisamos, em boa parte dos casos, conhecer a etimologia das palavras, mas existe um número considerável de situações em que há sistematização”. O professor afirma também que “quanto mais se lê e quanto mais se escreve, mais se obtém familiaridade com as palavras e sua grafia”.

É preciso, também, aceitar de peito aberto que não é demérito desconhecer a grafia de vocábulos pouco usados. Nessas horas, basta consultar um dicionário.

Como primeira regra, devemos ter em mente que uma palavra derivada mantém a grafia da palavra primitiva, como acontece com a palavra moçada, derivada de moço, e princesinha, derivada de princesa.

Parece simples, não é? Então, por que tanta gente tem dificuldade em escrever o nome do profissional que cuida do cabelo das pessoas? Alguém arrisca um palpite aí? Vamos seguir o raciocínio de PALAVRA ORIGINÁRIA / PALAVRA DERIVADA. A partir da palavra originária cabelo, formam-se as demais.

Por exemplo: o conjunto de cabelos da cabeça é chamado de cabeleira (CABEL + - EIRA, sufixo latino que indica, dentre outras coisas, o conjunto ou acúmulo de elementos).

Assim, o profissional que cuida da cabeleira de alguém é cabeleireiro (CABELEIR + o mesmo sufixo “EIRO”, desta vez indicando o praticante de certo ofício, profissão ou atividade). Agora, dê uma volta no seu bairro e perceba a quantidade de “cabelereiro” ou “cabeleleiro” que há por aí. Um profissional zeloso, na dúvida, escreve “salão de beleza”. Só não deve cometer o deslize de colocar na porta de seu estabelecimento uma placa com os seguintes dizeres (como já vi, eu juro!!!...rs...): “Corto cabelo e pinto”. Esse texto possui uma ambiguidade capaz de afastar eventuais clientes.

Algumas regras ajudam a entender o processo de formação de algumas palavras, mas o que ajuda mesmo a fixar a grafia é a memória visual. Quem tem filho pequeno já percebeu como faz uma criança que acabou de ser alfabetizada: ela tem sede de ler tudo o que passa na sua frente, de out-door a embalagem de biscoito. Vai juntando sílaba por sílaba até identificar a palavra e a ela liga o significado. Com o tempo, nos

4 w.pontodosconcursos.com.br acostumamos a ler “o conjunto”, a “figura” que a palavra forma. Identificamos a grafia de uma palavra em seu todo, não lemos mais letra por letra, sílaba por sílaba, a não ser que a palavra seja totalmente desconhecida para nós.

Você é capaz de ler rapidamente as palavras que já conhece, ao passo que, as demais, precisa ler com mais cuidado. Agora, com as novas regras de ortografia, a dificuldade se tornou ainda maior, já que temos uma forte tendência a não reconhecer a palavra escrita de forma “diferente”. Para mim, a “pior” de todas é ideia. Sem o acento, parece que fica faltando alguma coisa. Em breve, saberemos o que mudou, calma!

aos poucos pra não errare você, ao ler, pronunciou ou não o u do dígrafo gui ? Viu

Mais um desafio: leia INEXPUGNABILIDADE. Confesse: você leu “de primeira” ou teve de juntar as letrinhas? Mais outra: INEXTINGUIBILIDADE (essa tive de digitar algum trema ali? Quando falarmos sobre TREMA, veremos se você leu certinho...).

Por que esse “blá-blá-blá” todo? Para que você não caia nas “pegadinhas” tradicionais de algumas bancas. Elas omitem acentos (especialmente na letra “i”), trocam as letras, colocam uma palavra parecida ou até inventada, desde que com o mesmo som (“subexistir”, no lugar de “subsistir”, em uma questão da ESAF). Ao ler com pressa, o cérebro identifica a palavra correta e seu significado, sem que perceba a alteração feita pelo examinador. Por isso, nas questões em que a banca pede para marcar o número de erros de ortografia, é necessário ler diversas vezes o texto até identificar TODOS os erros.

Veja agora uma questão de prova que abordou esse assunto:

(ESAF/AFC SFC/2002) No texto abaixo, foram introduzidos erros. Para saná-los, foram propostas algumas substituições. Julgue as substituições e depois assinale a opção que contém a seqüência das alterações necessárias para adequar o texto ao padrão culto formal do idioma.

previsão de ter riqueza.”

“O conceito de tributo, face sua interpretação nos conformes à Constituição, tem essa peculiaridade: deve obedecer ao princípio da legalidade estrita. Cumpre ressaltar mais uma vez: não há possibilidade de discricionariedade na definição legislativa do tributo, mas só teremos tributo se o dever de pagar uma importância ao Estado for vinculado à

(Nina T. D. Rodrigues, com adaptações) IV. substituir “discricionariedade”(l .5 e 6) por “discricionaridade”

Item ERRADO. Comentário.

Se houvesse dúvida com relação à grafia, o candidato poderia buscar uma outra palavra parecida (ou seja, um paradigma) que tivesse passado pelo mesmo processo:

Como é bem maior a quantidade de vocábulos terminados por IO, em comparação com os de terminação EO, pode ocorrer a “contaminação” e, por conseguinte, erro na

5 w.pontodosconcursos.com.br grafia de vocábulos como HOMOGÊNEO (confira como foi a questão 17 da prova para AFRF 2003, mais adiante). Então, para dissipar dúvidas, vamos buscar um paradigma. O que acontece com essa palavra é o mesmo que ocorre com:

Essa dica do paradigma vai também ajudar – e muito – em relação a conjugação verbal.

Mais um exemplo de como essa regra do paradigma nos ajuda a resolver questões de ortografia.

(FCC/ISS-SP/Janeiro 2007) Está correta a grafia de todas as palavras na frase:

(A) Não constitui uma primasia dos animais a satisfação dos impulsos instintivos: também o homem regozija-se em atender a muitos deles.

(B) As situações de impunidade infligem sérios danos à organização das sociedades que tenham a pretenção da exemplaridade.

(C) É difícil atingir uma relação de complementaridade entre a premênsia dos instintos naturais e a força da razão.

(D) Se é impossível chegarmos à abstensão completa da satisfação dos instintos, devemos, ao menos, procurar constringir seu poder sobre nós.

(E) A dissuasão dos contraventores se faz pela exemplaridade das sanções, de modo que a cada delito corresponda uma justa punição.

Gabarito: E Comentário.

A partir da regra do paradigma, a grafia de muitas das palavras “duvidosas” da questão poderia ser identificada.

Na opção B, consta a palavra “pretenção”.

Ora, vamos nos lembrar de uma palavra parecida com essa: COMPREENSÃO (ato de COMPREENDER), que se escreve com “S”.

Se: COMPREENDERÎ COMPREENSÃO Então: PRETENDER Î PRETENSÃO (com “s” e não “ç”)

Em (D), o candidato deparou-se com “abstensão”, que é o ato de ABSTER-SE. Na dúvida, deveria buscar um paradigma. Uma palavra mais comum em nosso vocabulário é DETENÇÃO (ato de DETER).

Se: DETERÎ DETENÇÃO

6 w.pontodosconcursos.com.br

Então: ABSTERÎ ABSTENÇÃO (com “ç” e não “s”)

Na opção C, também poderíamos empregar novamente a regra do paradigma, ao analisarmos a grafia de “premênsia”.

Essa palavra tem relação com PREMENTE (adjetivo). Podemos usar, para comparação, a palavra URGENTE (seu sinônimo mais popular).

Se: URGENTEÎ URGÊNCIA Então, PREMENTE Î PREMÊNCIA (com “c” e não “s”)

Finalmente, os substantivos correspondentes ao que é PRIMAZ (“o que ocupa o primeiro lugar”, escrito com a letra Z) apresentam duas formas: uma mantém a grafia da palavra primitiva: PRIMAZIA, também com Z; a outra, mais comum, sofre alteração – PRIMACIA (com “C” e sílaba tônica “CI”). Podemos compará-la com outras palavras:

(Parte 1 de 2)

Comentários