LIDERANÇA EM ENFERMAGEM.

LIDERANÇA EM ENFERMAGEM.

(Parte 2 de 2)

A chave para a utilização de liderança situacional consiste em avaliar o nível de maturidade do liderado e o líder adotar o estilo de liderança preconizado de acordo com o modelo proposto.

A liderança é um recurso importante no processo de cuidar do ser humano e de gerenciar pessoas. Portanto, precisa ser mais bem desenvolvida pela enfermagem.

Para isso, o conhecimento sobre liderança é um requisito imprescindível; porem, a assunção dessas habilidades exige ousadia, muita disposição, coragem e liberdade criativa.

O sucesso da atuação da equipe de enfermagem e a obtenção da qualidade da assistência estão pautados na busca por objetivos concisos e por uma liderança que permita o crescimento de todos aqueles envolvidos no processo.

É a prática da liderança que deve transformar e realmente construir o ideal ao assumir os desafios, remover os entraves, contornar e superar as barreiras assumidas como intransponíveis, considerando que a liderança inscreve-se em todas as atividades do trabalho do enfermeiro.

A liderança na enfermagem deve ser resultado da luta diária dos indivíduos que a compõem, deve ser resultado do trabalho coletivo. Deve ser, fundamentalmente, resultado da valorização e do reconhecimento de todos os atores envolvidos no processo de construção diária do futuro. E a construção do futuro só pode ser obtida através de um cotidiano reflexivo, partilhado, democrático, em que todos são sujeitos de sua prática e de sua história, são construtores desse futuro. Para tanto, faz se necessário romper com determinadas práticas autoritárias.

1.Hunter JC. O monge e o executivo: uma história sobre a essência da liderança. Rio de Janeiro (RJ): Sextante; 2004.

2.Silva LWS, Francione F, Sena ELS, Carraro

TE, Randünz V. O cuidado na perspectiva de

Leonardo Boff, uma personalidade a ser

(re)descoberta na enfermagem. Rev Bras Enferm 2005 jul/ago; 58(4): 471-75.

3.Castanha ML, Zagonel IPS. A prática de cuidar do ser humano sob o olhar da equipe de saúde. Rev Bras Enferm 2005 set/out; 58(5):

(Parte 2 de 2)

Comentários