Caminho para a salvação - Spurgeon

Caminho para a salvação - Spurgeon

(Parte 1 de 2)

C. H. Spurgeon C. H. Spurgeon w w w.pr oje t ospur g e on.c om.br

O Caminho da Salvação

Nº 209

Sermão pregado na manhã de Domingo, 15 de agosto de 1858,

Pelo Rev. C.H.Spurgeon No Music Hall, em Surrey Garden, Londres

“Não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” Atos 4.12

É uma circunstância muito feliz quando os servos de Deus estão preparados para transformar tudo por conta de seus ministérios. Neste momento o Apóstolo Pedro foi chamado, perante os sacerdotes e Saduceus – os chefes dessa nação – para das contas de ter curado um homem que era coxo de nascença. Enquanto considerava esse caso de cura, ou se eu posso usar a expressão, esse caso de salvação temporal, o apóstolo Pedro teve esse pensamento sugerido a ele. “Enquanto eu estou levando em consideração a salvação desse homem da condição de coxo, eu tenho uma ótima oportunidade para mostrar a essas pessoas o caminho de w w w.pr oje t ospur g e on.c om.br salvação da alma, que de outra forma elas não nos ouviriam”. Então ele prosseguiu do menor para o maior, da cura do membro do homem para a cura da alma do homem. E tendo lhes informado uma vez que foi pelo nome de Jesus Cristo que aquele homem impotente foi feito homem inteiro, ele agora anuncia aquela salvação – a grande salvação - que deve ser trabalhada do mesmo modo: “não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos”.

Que grande palavra é essa, a palavra salvação. Ela inclui a limpeza da nossa consciência de toda culpa do passado e a libertação da nossa alma de toda aquela propensão ao mal que tão fortemente predominava em nós. Ela se estende, na verdade, para a destruição de tudo o que Adão fez. Salvação é a total restauração do homem de seu estado caído. E ainda é algo a mais que isso, pois a salvação de Deus determina uma condição mais segura do que nós sentíamos antes; ela nos encontra quebrados em pedaços pelos pecados do nosso primeiro pai, contaminados, sujos e amaldiçoados. Ela primeiro cura nossas feridas, ela remove nossas doenças, ela leva embora nossa maldição; ela coloca nossos pés sobre a Rocha, Jesus Cristo, e tendo feito isso, levanta nossa cabeça sobre todos os principados e potestades para sermos coroados para sempre com Cristo, o Rei dos Céus! w w w.pr oje t ospur g e on.c om.br

Algumas pessoas, quando usam a palavra, “salvação” não entendem nada mais que livramento do Inferno e admissão no Céu. Porem, isso não é salvação – essas duas coisas são efeitos da salvação! Nós fomos redimidos do inferno porque fomos salvos e entramos no céu porque antecipadamente fomos salvos. Nosso estado eterno é o efeito da salvação em nossas vidas. Salvação, é verdade, inclui tudo isso porque a salvação na verdade é a mãe dessas coisas e as carrega no interior do seu coração, mas ainda assim é errado para nós pensar que essas coisas são todo o significado da palavra ‘salvação’. A Salvação começa com as pessoas vagueando como ovelhas. Ela nos acompanha nesse caminho complexo. Ela coloca-nos sobre os ombros do pastor. Ela leva-nos para o aprisco. Ela reúne os amigos e vizinhos. Ela se regozija conosco. Ela preserva-nos no aprisco por meio da vida! E então, por último, ela nos traz para os pastos verdejantes do Paraíso, ao lado das águas tranquilas da felicidade, onde descansamos para sempre na presença do Pastor Chefe, nunca mais seremos perturbados.

Nosso texto nos fala que só há um único caminho de salvação. “Não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos” (Atos 4.12). Antes de tudo, eu introduzirei a Verdade negativa que Deus ensina aqui, em outras palavras, que não há salvação fora de Cristo. E en- w w w.pr oje t ospur g e on.c om.br tão, em segundo lugar, a verdade positiva que Deus infere, em outras palavras, que há salvação em Jesus Cristo pelo qual importa que sejamos salvos.

I. Primeiro, então, O FATO NEGATIVO, “Não há salvação em nenhum outro”. Você já percebeu a intolerância da Religião de Deus? Em tempos antigos o gentio, que tinha deuses diferentes, respeitava os deuses do seus vizinhos. Por exemplo, o rei do Egito confessaria que os deuses de Nínive eram deuses verdadeiros e reais e o príncipe da Babilônia reconheceria que os deuses dos filisteus eram reais e verdadeiros. Mas Jeová, o Deus de Israel, colocou como um de seus primeiros Mandamentos: “Não terás outros deuses diante de mim” (Êxodo 20.3). E ele não permitiria aos judeus prestarem o mais leve respeito aos deuses de outras nações. “Mas derribareis os seus altares, quebrareis as suas colunas e cortareis os seus postes-ídolos” (Êxodo 34.13). Todas as outras nações eram tolerantes – umas com as outras – mas os judeus não o poderiam ser. Uma parte de sua religião era: “Ouve, Israel, O Senhor, nosso Deus, é o único Senhor” (Deuteronômio 6.4). E a consequência dessa crença, de que havia só um Deus, e que esse Deus único é Jeová e que eles tinham a obrigação de chamar todos os outros deuses por alcunhas, cuspirem em cima deles, tratá-los com ofensa e desprezo.

Se você inquirir a um Bramam sobre o conheci- w w w.pr oje t ospur g e on.c om.br mento de um caminho para a salvação, ele provavelmente lhe dirá que uma vez que as pessoas seguirem suas religiões com convicções sinceras, serão indubitavelmente salvas. “Há”, ele diz, “os Muçulmanos, se eles obedecerem Maomé e sinceramente acreditarem no que ele ensinou, sem dúvidas Alá ira glorificá-los no final”. Então, o Bramam volta-se para o missionário Cristão e diz “Qual sua finalidade ao trazer seu cristianismo aqui para nos perturbar? Eu digo que nossa religião é totalmente capaz de nos levar para o paraíso se formos fiéis a ela”. Agora, ouçam novamente o texto – que intolerante é a religião Cristã – “Não há salvação em nenhum outro”. O Bramam pode admitir que haja salvação em 50 religiões com a sua, mas nós não admitimos coisa semelhante! Não há salvação verdadeira fora de Jesus Cristo! Os deuses dos gentios podem se aproximar com falsa caridade e disser-nos que todo homem pode seguir as convicções da própria consciência e ser salvo. Nós respondemos – “Nada disso! Não há salvação em nenhum outro – porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos.”

Agora, o que vocês supõem ser a causa para essa intolerância, se eu posso usar essa palavra novamente? Eu acredito que é porque só existe a verdade de Deus tanto para o judeu como para o cristão. Uns mil erros podem viver em paz uns com outros, mas a verdade de Deus é o martelo que quebra todos es- w w w.pr oje t ospur g e on.c om.br ses erros em pedaços! Milhares de religiões mentirosas podem dormir pacificamente em uma cama, mas em todo lugar a religião cristã chega como a verdade de Deus. É como um tição e não tolera nada que é substancialmente a madeira, o feno e a palha do erro carnal. Todos os deuses dos gentios e das outras religiões são nascidos no inferno e, então, são filhos do mesmo pai, logo aparentemente seria errado que elas caíssem, se reprovassem e lutassem entre si! Mas a religião de Cristo é criação de Deus, seu pedigree vem do alto, e uma vez que ela é forçada em meio dessa geração incrédula e rebelde, não há nenhuma paz, discussão ou acordo com ela, pois essa religião é a Verdade de Deus que não se pode permitir ser emparelhada com erro, e ela ergue-se sobre seus próprios direitos e declara ao erro que nele não há salvação, mas sim na verdade de Deus, e na verdade de Deus somente que a salvação pode ser encontrada.

Essa afirmação toda é porque nós temos a sanção de Deus para ela. Seria impróprio para qualquer homem que tivesse declarado um credo de si próprio declarar que todos os outros que não acreditam nele fossem ser condenados. Seria uma impressionante disposição a condenação e inveja fanática que nos faria rir. Mas desde que a religião de Cristo é revelada dos próprios céus, Deus, que é o autor da própria Verdade, tem o direito de anexar à essa verdade a terrível condição que qualquer um que a rejeite perece- w w w.pr oje t ospur g e on.c om.br rá sem misericórdia! Ele pode proclamar que separado de Cristo nenhum homem pode ser salvo. Nós realmente não somos intolerantes porque afirmamos isso, mas ecoamos as palavras Daquele que fala dos Céus e que declara que maldito é o homem que rejeita essa religião de Cristo, visto que não há salvação fora dEle. “Não há salvação em nenhum outro; porque abaixo do céu não existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos”

Agora, eu ouço uma ou duas pessoas dizendo: “você imagina então, que ninguém pode ser salvo separado de Cristo?” Eu respondo, eu não imagino, mas eu tenho aqui em meu texto isso claramente ensinado! “Bem, mas,” diz um, “em relação a morte de crianças? Não morrem as crianças sem um pecado real? Elas são salvas? E se são, como são?” Eu respondo, elas são salvas, sem dúvidas; todas as crianças morrendo na infância são levadas para o Terceiro Céu de glória eternamente! Mas recorde isso; nenhuma criança foi salva separada da morte de Cristo. Jesus Cristo comprou com Seu sangue todos os que morreram na infância. Elas são todas regeneradas, não em pequena quantia, mas provavelmente no momento de suas mortes uma maravilhosa mudança passa em suas vidas pelo fôlego do Espírito Santo. O sangue de Jesus é aplicado, e essas crianças são lavadas de toda corrupção original que herdaram dos seus pais, e dessa forma, lavadas e purificadas, entram no reino dos w w w.pr oje t ospur g e on.c om.br

Céus. De outra forma, amados, as crianças não estariam aptas a participar da canção eterna: “Àquele que nos ama, e, pelo seu sangue, nos libertou dos nossos pecados” (Ap 1.5c) Se as crianças não são lavadas no sangue de Cristo, elas não podem participar da canção universal que perpetuamente circunda o Trono de Deus! Nós acreditamos que todas são salvas – cada uma delas sem exceção – mas não separadas do grande Sacrifício do Senhor Jesus Cristo.

Outros dizem: “e os pagãos? Eles não conhecem

Cristo; alguns dos gentios são salvos?” Vejam, as Santas Escrituras dizem alguma coisa concernente à salvação dos gentios, mas muito pouco. Há muitos textos nas Escrituras que nos levam a inferir que todos os gentios perecerão. Mas há alguns outros textos que, de outro modo, levam-nos a acreditar que alguns dos gentios, conduzidos pelo Espírito secreto de Deus, estão procurando Deus no escuro. Pelo Seu Espírito eles se esforçam em descobrir uma coisa que eles não poderiam descobrir na natureza. E pode ser que o Deus de infinita Misericórdia que ama suas criaturas esteja contente em fazer essas revelações em seus próprios corações. Revelações misteriosas e secretas em relação às coisas do Céu, do modo que, mesmo eles podem ser feitos participantes do sangue de Jesus Cristo sem ter uma visão tão aberta como a que nós recebemos – sem contemplar a Cruz visivelmente elevada e Cristo exposto entre eles.

w w w.pr oje t ospur g e on.c om.br

Foi observado que em muitas ilhas pagãs antes dos missionários estarem lá, havia um forte desejo pela religião de Cristo. Nas Ilhas Sandwich, antes de nossos missionários irem para lá, havia uma estranha comoção na mente daqueles pobres bárbaros. Eles não sabiam o que era isso, mas eles tiveram um súbito descontentamento com a sua idolatria e depois tiveram um profundo desejo de algo maior, melhor e mais puro do que qualquer coisa que eles tinham descoberto até então. E tão logo quando Jesus foi pregado, eles, com vontade, largaram toda sua idolatria e se submeteram sob Ele, para Ele ser sua força e a salvação deles! Nós acreditamos que isso foi o trabalho do Espírito de Deus secretamente inclinando essas pobres criaturas a buscá-Lo. E nós não podemos dizer que em alguns locais isolados onde nós pensamos que o evangelho nunca foi pregado, não pode haver algum panfleto isolado, algum capítulo da Bíblia, algum verso solitário do Escrito Sagrado memorizado que não pode ser suficiente para abrir olhos cegos e guiar esses pobres corações ignorantes aos pés da cruz de Cristo! Porém, uma coisa é certa, nenhum gentio, de qualquer forma moral, seja na velha filosofia ou no tempo presente de seu barbarismo, nenhum, jamais, entrou ou poderia entrar no Reino dos Céus separado do nome de Jesus Cristo “Não há salvação em nenhum outro” Um homem pode procurá-lo e trabalhar nessa busca à sua própria maneira, mas não é possível encontrá-lo, “porque abaixo do céu não w w w.pr oje t ospur g e on.c om.br existe nenhum outro nome, dado entre os homens, pelo qual importa que sejamos salvos.” Mas, depois de tudo, meus queridos amigos, é muito melhor, quando estamos lidando com esses assuntos, não falar de maneira especulativa, mas falar pessoalmente a nós mesmos.

Deixe-me agora lhe perguntar essa questão. Você mesmo já provou por experiência a verdade desse grande fato negativo, que não há salvação em nenhum outro além de Cristo? Eu posso falar o que sei e testificar o que tenho visto quando declaro solenemente na presença dessa congregação que é assim mesmo! Uma vez eu pensei que havia salvação em boas obras e trabalhei duro e diligentemente para preservar um caráter de integridade e sinceridade. Mas quando o espírito de Deus veio ao meu coração “reviveu o pecado, e eu morri.” (Romanos 7.9c) O que eu pensava ser bom, provou ser mal. Da maneira que eu pensava ser santo, me descobri como imundo. Descobri que minhas melhores ações eram ações pecaminosas. Que minhas lágrimas a serem choradas e minhas muitas orações precisavam do perdão de Deus! Descobri que eu estava buscando salvação pelas obras da lei, que eu estava fazendo todas as minhas boas obras por um motivo egoísta; em outras palavras, tentava salvar a mim mesmo e, então, essas obras não poderiam ser aceitáveis a Deus. Descobri que não poderia ser salvo por boas obras por duas razões muito boas. Pri- w w w.pr oje t ospur g e on.c om.br meiro, eu não tinha nenhuma, e segundo, se eu tivesse alguma, elas não poderiam me salvar!

Depois disso, eu entendi que a salvação poderia ser obtida de certa forma por reformar-me e de certa forma por confiar em Cristo. Então eu trabalhei duro novamente e pensei que se eu adicionasse umas poucas orações aqui e ali, algumas lágrimas de penitência e algumas promessas de melhora, tudo estaria bem. Mas depois de trabalhar por muitos dias enfadados, como um cavalo cego trabalhando em um moinho, eu descobri que não tinha ido longe, pois ainda estava lá, a maldição de Deus, pairando sobre mim. “Maldito todo aquele que não permanece em todas as coisas escritas no Livro da lei, para praticá-las.” (Gl 3.10b). E ainda havia um vazio doloroso em meu coração, que o mundo não poderia preencher, um vazio de agonia e preocupação em mim que estava dolorosamente perturbando-me porque eu não conseguia alcançar o descanso que minha alma desejava! Você já tentou desses dois modos chegar ao Céu? Se você tentou, eu confio no Senhor que o Espírito Santo fez seu coração ficar fartos deles, porque você nunca entraria no Reino do Céu pela porta correta até primeiramente ser levado a confessar que todas as outras portas estão lacradas! Nenhum homem irá a Deus pelo caminho estreito e apertado até que ele tenha tentado todos os outros caminhos, e quando nós nos descobrimos gastos, frustrados e derrotados, pressionados w w w.pr oje t ospur g e on.c om.br por uma necessidade dolorosa, nós nos entregamos à fonte aberta, nos lavamos e nos tornamos limpos.

(Parte 1 de 2)

Comentários