Criando os filhos no caminho de Deus

Criando os filhos no caminho de Deus

(Parte 10 de 11)

Que maravilha! Cada verso das Escrituras vem de Deus e lhe ajudará a praticar o que acabamos de discutir: ensino, disciplina e treino de seu filho! Com sua Bíblia, cada sei ou serva de Deus está "totalmente equipado" para a vida. Ela é o maior livro já escrito sobre paternidade. Nela encontramos princípios tão verdadeiros hoje quanto há dois mil anos, os quais lhe tornarão um homem bem-sucedido Vamos usá-los!

Observe como Jesus treinou seus discípulos, isto é, seu "filhos". Ele agiu de forma muito parecida com a que devemos treinar nossos filhos — ensinando, dando exemplo, encorajando, orando e disciplinando. Os quatro evangelhos são o maior campo de treinamento e a melhor maneira de treiná-los à semelhança de Cristo. Como precisamos usar este precioso recurso dado por Deus!

Não é o discípulo mais do que o mestrebasta ao discípulo ser c seu mestre... (Mt

Nunca seremos Deus, mas deveríamos treinar em santidade para nos assemelharmos mais a Cristo — chegar tão perto quanto nossas limitações humanas nos permitirem para sermos como Cristo, pois Ele é o padrão de perfeição e sucesso!

Quer perceba ou não, você já começou. Bem ou mal, ter treinado seu filho desde que se tornou pai ou mãe. Ele tem assistido e imitado cada movimento seu, ouvindo suas palavras, observando como você lida com os problemas e adquirindo suas prioridades.

E o treinamento nunca termina, mesmo quando nossos filhos deixam o lar, continuam observando como vivemos e enfrentamos as situações traumáticas: morte do cônjuge, doença, desmoronamento do lar, e assim por diante. Eles notarão se buscamos ou não ao Senhor nestes momentos; anotarão nossa atitude e obediência. E, da mesma forma, seguirão nosso exemplo, quando adultos enfrentarem desafios similares. Ao educarem seus filhos, eles imitarão até mesmo o nosso modelo de paternidade.

Este é o momento de iniciar um treinamento consciente à maneira do Senhor.

Nunca é muito cedo para iniciar — tampouco muito tarde para esforçar-se.

O treinamento tem início no primeiro dia em que seu filho nasce. Na verdade, a oração começa antes; você pode orar por ele ou ela antes de ser concebido! Treinar um filho não é tarefa simples, porém este processo será mais fácil se iniciado desde a infância. Desenvolvendo bons hábitos, atitudes e obediência desde o início é mais fácil que tentar re-treinar um adolescente com hábitos indesejáveis. Mesmo que este seja um grande trabalho de re-treinamento, o esforço ainda é valioso; um desafio maior que requer mais paciência!

A quem, pois, se ensinaria a ciência? E a quem se daria a entender o que se ouviu? Ao desmamado e ao arrancado dos seios? Porque é mandamento sobre mandamento, mandamento e mais mandamento, regra sobre regra, regra e mais regra: um pouco aqui, um pouco ali. (Is 28.9,10)

Uma vez que o treinamento é sempre constante, ou seja, um processo vitalício, crianças mais velhas podem compreender melhor que as mais novas. Quanto mais velha for a criança, mais gradual será o processo de treinamento.

Certa vez, uma professora explicou-me como ensina os alunos do jardim de infância, bem conhecidos por seus curtos períodos de atenção. Ela pediu que eu imaginasse um quadro com aproximadamente sete pregos. Cada um representava algo que tentava ensinar às crianças (ou talvez, seu caso, um traço no caráter de seu filho que esteja tentai do implantar). Cada dia dava uma pequena batida em cada prego, ensinando-os um pouco mais em cada área. Fina mente, ao final do ano, todos os pregos estavam completa mente nivelados com o quadro. E um longo processo, me o objetivo foi atingido com uma batidinha por vez!

Assim é o treinamento com nossos filhos. Enquanto crianças mais velhas podem dar batidas mais fortes a cada vez, a batida em cada prego será ainda um lento processes O treinamento ganha lugar com o tempo — trabalhando um pouquinho a fé aqui, um pouquinho de obediência ali e um outro tanto de autoconfiança para completar. Vivemos em uma sociedade descartável onde esperamos resultados rápidos e ação imediata. O treinamento não acontece desta forma, ele requer paciência, perseverança e compromisso. Mas ele realmente funciona, e o esforço é sempre bem recompensado! O treinamento fará de sua família um sucesso!

Uma vez que o treinamento ocorre gradativamente, tempo é de vital importância. Mas que tipo de tempo?

Como já mencionamos, um estudo de 2.400 formandos revelou que a maior preocupação destes era não terem passado tempo suficiente com seus pais.

Pelo fato de vivermos em um mundo onde ambos precisamos trabalhar para sustentar a família, muitos psicólogos populares lhes asseguram que a quantidade de tempo com seus filhos não é importante, mas apenas a qualidade.

Certamente, há circunstâncias inviáveis que impossibilitam os pais de passar com a família o tempo que gostariam. E, em tais casos, é essencial que a primeira pessoa a tomar conta deles seja alguém respeitado por seus responsáveis e digno de modelo (pois isto acontecerá) — alguém que possua os mesmos valores dos pais e os treine da mesma forma que estes o fariam. Normalmente, um avô ou avó, ou outro parente cristão seria ideal, caso possível. Uma creche cristã é também uma opção. Mas não existe substituto para os bons momentos com seu filho — tanto quanto você puder — e fazendo deste um tempo de qualidade.

Lembre-se, a chave para que uma criança seja religiosa é o treinamento. E o maior elemento para o treinamento é o exemplo. Exemplo é um processo de estilo de vida, não algo que possa ser encaixado em 15 minutos de boa qualidade por dia. Nossos filhos necessitam nos ver em várias situações e ambientes.

Se você não passa tanto tempo quanto gostaria com seu filho, certamente a questão da qualidade torna-se seu foco. Mas, aos pais que estão em casa com os filhos a maior parte do tempo, precisam lembrar que a quantidade também não é suficiente! Treinar nossos filhos envolve dar exemplo, ensinar e disciplinar, incluindo todas experiências de qualidade.

Assim, o que significa qualidade de tempo? Tempo voltado à criança, de atividade integrada e compartilhamento. Alguns dos momentos de maior qualidade são quando você lê para ou com seu filho, conversando (especialmente ouvindo), perguntando-lhe sobre sua vida e respondendo suas perguntas sobre a vida em geral.

Embora as intermináveis questões das crianças possam ser irritantes em certos momentos, a pesquisa é a primeira forma de ela aprender sobre a vida. Estas questões são uma grande oportunidade para o treinamento! Você não prefere responder às questões com uma base cristã, ao invés de permitir que seu filho busque respostas na televisão com inimigos ou com um professor não-cristão?

Estas três ferramentas — diálogo, perguntas e leitura são de vital importância para o aprendizado acadêmico, social e espiritual da criança. O tempo que passamos converse do, perguntando, respondendo questões e lendo para elas pode ser o momento mais valioso que passamos como pais. A qualidade do aprendizado do meu filho em casa e sucesso no aprendizado escolar dependem basicamente de minha atitude como pai ou mãe.

Ao escrever este capítulo, posso ouvir alguns de meus leitores perguntando:

"Mas, e sobre a liberdade do meu filho? Não é um treinamento que reprimirá sua individualidade? O treinamento não é apenas outra definição para doutrinamento"?

Certamente, muitos dentre os psicólogos populares modernos responderiam desta forma. Em primeiro lugar lembremo-nos de que este não é um conselho meu, e sim um mandamento de Deus! Por toda a Bíblia, a responsabilidade pelo desenvolvimento moral da criança é colocado inteiramente sobre os ombros dos pais. Somos instruídos a treinar nossos filhos nos caminhos do Senhor.

Segundo, consideremos qual seria a outra alternativa. Caso eu não "doutrine" meu próprio filho, alguma outra pessoa o fará. Todas as crianças são treinadas por alguem de alguma forma (por exemplo, um professor) ou por alguma coisa (por exemplo, a televisão). E tal treinamento ser feito nos moldes do mundo, ao invés de no caminho do Senhor — algo que não podemos aceitar, uma vez que o Senhor coloca esta responsabilidade sobre nós. Adoro a história sobre Samuel Taylor Coleridge, um grande poeta do Romantismo, pois ela ilustra claramente a ridícula natureza da "violação" dos argumentos nos dias modernos:

Certo dia, Samuel Coleridge conversava com um homem que lhe contou não acreditar em dar qualquer tipo de instrução religiosa à criança, ou qualquer coisa do gênero. Sua teoria era que a mente da criança não deveria ser prejudicada de forma alguma. Já mais velha, a criança não seria livre para ter suas próprias opiniões religiosas. Coleridge não pronunciou palavra, mas após alguns minutos perguntou a seu visitante se este gostaria de ver seu jardim. Apenas ervas-daninhas cresciam em seu jardim. O homem olhou para Coleridge e disse surpreso: "Ei, isto não é um jardim! Não há coisa alguma além de erva-daninha aqui!" Coleridge respondeu: "Bem, eu não quis infringir a liberdade do jardim de forma alguma. Eu estava apenas dando ao jardim a chance de ele se expressar e escolher sua própria produção".

Esta história ilustra claramente as falhas da filosofia de hoje. Certamente que a opção da liberdade é importante no desenvolvimento da criança. Mas ela precisa ser direcionada dentro de limitações e padrões estabelecidos pelos pais. Os filhos não são adultos em miniatura; suas habilidades de raciocínio e decisões ainda não estão desenvolvidas. As crianças precisam e desejam direção. Pesquisa após pesquisa têm demonstrado que os filhos desejam que seus pais sejam pais, não apenas seus amigos, eles querem direção e disciplina.

A direção paternal é de vital importância tanto no desenvolvimento espiritual, como em outras áreas. A ênfase que damos ou não às atividades e interesses moldarão o crescimento de nossos filhos. Podemos dar-lhes as vantagens de expandirem seus horizontes ou causar-lhes o prejuízo de limitar seu crescimento.

Ouvimos muito sobre a importância de receber uma "boa formação". Mas, o que isto significa realmente? E como podemos educar nossos filhos para terem interesses equilibrados?

Um indivíduo de boa formação possui algum conhecimento básico em uma ampla variedade de interesses e vive de maneira equilibrada. Esta posição cria um sentimento de conforto para uma futura exploração de tais áreas.

Por exemplo, fui criada em uma família onde viajar era comum e importante em nossas vidas. Sinto-me muito vontade para explorar novos lugares. Quando tinha 18 anos fui à Europa em uma excursão de uma semana com um grupo de estudantes, apreciando-a muito. Ao viajar com meus pais, freqüentemente parávamos em museus e exibições culturais. Alguns dos estudantes com quem fiz aquela viagem não tinham tais experiências anteriores, perdendo assim uma grande oportunidade de aprendizado, pois preferiam passar seu tempo fazendo compras ou em atividades de lazer. Estes meus amigos nunca foram a museus, por isso sentiam-se pouco à vontade e perdiam uma grande chance de conhecimento extra.

Por outro lado, não cresci freqüentando shows de rock. Por não ter tido esta experiência, nunca comprei entradas quando um grupo famoso apresentava-se em nossa cidade! Embora morasse há um quilômetro e meio do anfiteatro Pacific, não possuía os hábitos dos meus amigos. Apenas nunca me senti confortável nesse ambiente. Não sabia come comportar-me ou o que vestir; e, para ser mais franca, tal atmosfera me incomodava e amedrontava. E assim acontece até hoje; portanto, eu provavelmente não levarei meu filhos a um concerto de rock. Já estive em dois concertos de música pop evangélica com meu marido, e estes são muito diferentes; mas quando são realizados em um grande auditório, ainda sinto-me desconfortável. Prefiro ouvir uma sinfonia ou uma boa pregação em um ambiente menor (como uma igreja).

Indivíduos que não possuem uma boa formação poder tornar-se obsessivos em uma ou duas áreas da vida. Todos nós conhecemos ao menos uma pessoa viciada no trabalho: Por ser tão voltada para os objetivos do seu trabalho ele oi ela negligencia completamente sua família, seus amigos e suas responsabilidades pessoais. Seu desequilíbrio pode causar eventualmente a perda de sua esposa e da família. E, se por acaso ele perder seu emprego por qualquer motivo? A devastação será inevitável, pois ele colocou todos os seus ovos em uma única cesta, e esta caiu.

Como pais, queremos proteger nossos filhos desta poderosa destruição. À medida que crescem, podemos ajudá-los a cultivar uma variedade de interesses. Isto os ajudará a manter sua vida e qualquer atividade ou trauma em uma perspectiva eterna.

Podemos ajudar nossos filhos a serem bem-sucedidos em todas as áreas de suas vidas, assegurando este sucesso ao ensiná-los como planejar cuidadosamente seu futuro.

É sábio fazer planos para o futuro, uma vez que você passará o resto de sua vida nele! A Bíblia Viva diz em Pv 24.3,4:

A verdadeira riqueza se consegue com sabedoria e bom senso; conhecer e entender a vida é a melhor maneira de acumular muitas riquezas e dar a sua família tudo de que ela necessita.

O sucesso ocorre com planejamento e compromisso, não por acidente. Objetivos são alcançados apenas se forem traçados. Você pode ajudar seus filhos a aprender e planejar, a fim de que suas vidas sejam repletas de alegria e experiências de qualidade. Que rico presente podemos dar a eles!

É importante estabelecer objetivos em harmonia com o plano de Deus. Quando as pessoas deixam-se levar, os problemas inevitavelmente as encontram! Satanás adora passar pela fresta que deixamos aberta por falta de conhecimento e direção.

Até o final deste livro, falaremos mais sobre como você pode ajudar seu filho a estabelecer e alcançar objetivos. Cada filho desejará traçar seus próprios objetivos em determinada área. Porém, será de grande ajuda estabelecer alguns. objetivos familiares. Se vamos iniciar o treinamento, precisamos de algumas áreas para treinar. Sempre ouço este ditado: "Se você não possui um destino em mente, nunca chegará lá". Assim, escolhamos alguns destinos específica — áreas precisas nas quais gostaríamos que nossa família fosse bem-sucedida. O sucesso é nosso objetivo definitivo e se concretiza quando nos tornarmos santos e obedientes ao Senhor. Mas, termos práticos, como embarcarmos nesta jornada? Há dez áreas principais na vida que cabem aos pais ajudarem si família a desenvolver:

Espiritual e igreja. Ética, moral, qualidades de caráter e modos. Lar e família (valores e proximidade). Social e cidadania (dar aos outros, responsabilidade). , Auto-educação (aprendizado, sabendo como aprender)| Escola e sucesso acadêmico. Administração financeira e planejamento. Passatempos (hobbies e interesses fora do trabalho). Aptidão física, saúde e recreação. Vocação (carreira).

Ainda que a criança vá para uma escola pública, particular ou doméstica, definitivamente o desenvolvimento de sua boa formação é responsabilidade e privilégio dados aos pais. Eles devem modelar a vida de seus preciosos filhos.

Você pode estar pensando: "Estas áreas são tão amplas!; Por onde devo começar?" Eis algumas sugestões para ajudá-lo. • Não tente traçar objetivos para as dez áreas inicialmente.

(Parte 10 de 11)

Comentários