Diagnóstico Ambiental e Expectativas de utilização do Fundo de Vale da Nascente do Córrego Tucanos no Município de Ibiporã PR

Diagnóstico Ambiental e Expectativas de utilização do Fundo de Vale da Nascente do...

(Parte 1 de 4)

Viviane Sousa Vieira

Diagnóstico ambiental e expectativas de utilização do fundo de vale da nascente do córrego Tucanos no município de Ibiporã – PR

Viviane Sousa Vieira

Diagnóstico ambiental e expectativas de utilização do fundo de vale da nascente do córrego Tucanos no município de Ibiporã – PR

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental, do Centro Universitário Filadélfia como requisito parcial à obtenção do título Tecnólogo em Gestão Ambiental.

Orientadora: Prof.ª Msc. Cássia Valéria H. Yoshi

Viviane Sousa Vieira

Diagnóstico ambiental e expectativas de utilização do fundo de vale da nascente do córrego Tucanos no município de Ibiporã – PR

Trabalho de Conclusão de Curso apresentado ao

Curso Superior de Tecnologia em Gestão Ambiental, do Centro Universitário Filadélfia como requisito parcial à obtenção do titulo de Tecnólogo em Gestão Ambiental.

Orientadora: Prof.ª Msc. Cássia Valéria H. Yoshi

Aprovado em:/ _ / _

Prof. Msc. Cássia Valéria Húngaro Yoshi Orientadora - UNIFIL

Prof. Dr. Tiago Pellini UNIFIL

Prof. Msc. Andrea C. Fontes Silva UNIFIL

fundamental em todo o período de estudo e sempre foi atencioso e paciente

Agradeço primeiramente a Deus que é a base de tudo e nos permitiu estarmos aqui. A minha família, por seu apoio incondicional, incentivo e ajuda em todas as horas. Ao meu noivo Douglas, que teve compreensão nas horas em que foi “deixado de lado” e parte essencial na elaboração deste trabalho. Aos meus amigos, que foram presentes em todos os momentos. A todos os professores do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental que sempre foram totalmente disponíveis e tiveram a paciência necessária para repassar os seus conhecimentos, especialmente a professora Cássia que foi minha orientadora neste trabalho e sempre se prontificou com vontade em todas as situações, se tornando uma amiga especial. Ao coordenador do Curso de Tecnologia em Gestão Ambiental, Tiago Pellini, que foi Aos membros da Secretaria de Agricultura e Meio Ambiente de Ibiporã por seu total apoio e suporte. A todos que de alguma maneira contribuíram para a elaboração do trabalho.

Seja você a mudança que quer ver no mundo. Mahatma Ghandi

VIEIRA, Viviane Sousa, Diagnóstico ambiental e expectativas de utilização do fundo de vale da nascente do Córrego dos Tucanos no município de Ibiporã – PR. 2012, 61 p. Trabalho de Conclusão de Curso (Tecnologia em Gestão Ambiental) – Centro Universitário Filadélfia, Londrina, 2012.

Os principais impactos ambientais no fundo de vale do Córrego dos Tucanos são comuns na maioria dos fundos de vale urbanos, como a poluição visual causada pela falta de manutenção dos equipamentos ali presentes e pela disposição irregular de resíduos sólidos. A erosão e o assoreamento também estão presentes, juntamente com a possível contaminação do curso hídrico e do lençol freático. O objetivo deste trabalho é realizar um estudo ambiental de toda a área do fundo de vale, com o intuito de se obter as expectativas da população ao seu redor quanto a sua utilização futura. A metodologia se deu através de pesquisa bibliográfica, de projetos, pesquisa documental e pesquisa de campo no objeto de estudo, com a população e com o poder público. Verificou-se que os impactos são reversíveis, porém, exigem tratamento e investimento do poder público e comprometimento da população em adotar o espaço e reusá-lo como outrora, uma área de lazer e atividade física, em consonância com os aspectos sociais e aspectos ambientais preservacionistas atendendo as expectativas de seus usuários, se explorada toda a sua potencialidade.

Palavras-Chave: área de preservação permanente; impactos; área de lazer; levantamento.

VIEIRA, Viviane Sousa, Environmental diagnostic and the using expectations of the bottom of the valley of Córrego dos Tucanos in municipality of Ibiporã – PR. 2012, 61 p. End of Curse Work (Technology in Environmental Management) - Centro Universitário Filadélfia, Londrina, 2012.

The main environmental impacts on the bottom of the valley of Córrego dos

Tucanos are common in most of the urban bottoms of valleys, like the visual pollution caused by the lack of support from equipment present there and by the irregular disposal of solid leavings. Erosion and the accumulation of sand are also presents, together with the possible contamination of the hydrous path and of the groundwater. The objective of this work is to perform an environmental study of the whole area of the bottom of the valley, aiming to obtain the people expectations around it as its future use. The methodology occurred through the bibliographic research, projects, documental research and the field research in the object studied, with the people and with the government. It was found that the impacts are reversible, however, it is required treatment and the government investment and people commitment to adopt the space and reuse it as once, an area of recreation and physical activities, in consonance with the social aspects and environmental preservationists aspects meeting the expectations of its users, if exploited all of its potentiality.

Keywords: permanent preservation area; impacts; recreation area; survey.

Figura 1: Tipos de fontes da pesquisa bibliográfica16
Figura 2: O Munícipio de Ibiporã em destaque no Paraná26
em amarelo o núcleo central, a Praça Pio XII e a Igreja Matriz27
Figura 4: Em vermelho, o fundo de vale, em azul o Parque Estadual de Ibiporã28

Figura 3: Em vermelho, o fundo de vale, em azul a prefeitura municipal de Ibiporã e

fundo29

Figura 5: Em destaque área sem cobertura arbórea e com atividade agrícola ao

recém-plantadas ainda em processo de crescimento29

Figura 6: Regeneração das espécies arbóreas ainda em estágio inicial, as árvores

Centro Poliesportivo30

Figura 7: Em vermelho, o fundo de vale, em laranja as principais instituições de ensino e em verde, a principal área de lazer na região central Centro Social urbano e

sofre de especulação imobiliária31
Figura 9: Equipamentos de recreação sucateados3
Figura 10: Churrasqueira em desuso3
Figura 1: Resíduos domésticos e recicláveis35
Figura 12: Entulhos de construção civil36
Figura 13: Nascente transbordada após uma chuva de média intensidade37
Figura 14: Curso d’água sofrendo erosão38
Figura 15: Curso d’água sofrendo assoreamento39

Figura 8: Em destaque vermelho, a área do fundo de vale no zoneamento urbano do município, em verde escuro a APP, em tom mais claro a área de proteção ambiental (APA) do fundo de vale. Em lilás, área comercial que não é totalmente ocupada, pois

doméstico40
Figura 17: Em destaque a área de Influência direta43

Figura 16: Final da galeria pluvial com indícios de lançamento de esgoto

Figura 18: Exemplo de alteração do zoneamento para ampliação do parque linear com as ruas que serão possivelmente abertas..........................................................52

Gráfico 1: Proporção entre os sexos dos entrevistados4
Gráfico 2: Proporção entre as faixas etárias4
Gráfico 3: Porcentagem das pessoas que conhecem o fundo de vale45
Gráfico 5: Volume de frequência do fundo de vale46
Gráfico 6: Interesse no fundo de vale após revitalização47
Gráfico 7: Pontos mais importantes na reforma na opinião da população48
Gráfico 8: Sugestões livres dos possíveis usuários49

LISTA DE GRÁFICOS Gráfico 9: Opinião sobre a escassez de áreas de lazer no município......................50

ABNT – Associação Brasileira de Normas Técnicas APA – Área de Proteção Ambiental APP – Área de Proteção Permanente CONAMA – Conselho Nacional de Meio Ambiente IAP – Instituto Ambiental do Paraná IBGE – Instituto Brasileiro de Geografia e estatística IPARDES – Instituto Paranaense de Desenvolvimento Econômico e Social POLIS – Instituto de Estudos, Formação e Assessoria em Políticas Sociais de São Paulo

1 INTRODUÇÃO12
2 OBJETIVOS14
2.1 GERAL14
2.2 ESPECÍFICOS14
3 METODOLOGIA15
3.1 PESQUISA BIBLIOGRÁFICA15
3.2 PESQUISA DE CAMPO16
3.2.1 Entrevista17
3.2.2 Amostragem17
3.2.3 Formulário18
4 REFERENCIAL TEÓRICO19
4.1 ASPECTOS LEGAIS19
4.2 FUNDOS DE VALE21
4.3 A CIDADE DE IBIPORÃ24
4.3.1 Breve Histórico24
4.3.2 Dados Geográficos do Município de Ibiporã25
5 FUNDO DE VALE DA NASCENTE DO CÓRREGO DOS TUCANOS27
5.1 PRINCIPAIS ASPECTOS E IMPACTOS32
5.1.1 Poluição Visual32
5.1.2 Poluição por Resíduos Sólidos3
5.1.3 Problemas na Rede de Drenagem e Excesso de Águas Pluviais36
5.1.4 Erosão37
5.1.5 Assoreamento38
5.1.6 Possível Contaminação dos Recursos Hídricos39
5.2 ANÁLISE DA ENTREVISTA40
5.3 ANÁLISE DOS FORMULÁRIOS42
5.4 PROJETOS DE REVITALIZAÇÃO50
6 CONCLUSÃO53
REFERÊNCIAS5
ANEXOS57
Reportagens sobre o fundo de vale57
APÊNDICES61

SUMÁRIO APÊNDICE A – Questionário para a população lindeira ao fundo de vale ............. 61

1 INTRODUÇÃO

A falta de áreas de lazer e recreação em localidades urbanizadas é um problema em escala global. Concomitantemente, a falta de planejamento urbano e o crescimento exacerbado dos municípios principalmente, causam o fenômeno da tensão ambiental urbana, que se caracteriza quando “o fluxo de migração de fundos de vale que são exatamente as áreas que constituem os vazios urbanos tentam avançar para as Áreas de Proteção Permanente” (Corrêa, 2005).

Os cursos d’água e suas margens pertencentes às áreas urbanas dos munícipios são os que mais sofrem esta tensão. Os terrenos popularmente chamados de “fundo de vale” foram através das décadas ocupados pela população de classe econômica baixa ou foram urbanizados, sendo transformados em parques ou em outros tipos de áreas de lazer.

O “fundo de vale” localizado na Rua Wanderlim Figueira, na área central do município de Ibiporã – PR é um exemplo de Área de Preservação Permanente (APP) que foi urbanizada para ser utilizada como área de lazer. Infelizmente, com o passar do tempo foi sendo degradado e depredado e mesmo com o local em questão não sendo ocupado permanentemente, a urbanização em seu entorno está o afetando.

Porém, existe a possibilidade de aproveitar o lugar para o lazer, bem como, para o contato da população das proximidades com o verde , já que áreas como esta, que permitem esta aproximação com a população no interior do perímetro urbano do município, com a exceção do Parque Estadual de Ibiporã, não existem.

O problema de pesquisa deste trabalho surgiu através da questão “quais os impactos ambientais observados na região de um fundo de vale no município de Ibiporã e quais são as possibilidades de aproveitamento do ponto?” A localidade foi escolhida devido à sua influência na qualidade de vida da população local e fundamental agente preservador da nascente do córrego conhecido como “Tucanos”, afluente do Ribeirão Ibiporã. Além de se situar em uma área residencial na região central do município. Município este, que é localizado na região metropolitana da cidade de Londrina do qual recebe grande influência, seja nos aspectos comerciais, industriais e financeiros, seja no modo como é administrada e no seu tratamento com os aspectos ambientais a sociais.

Para tanto, o presente trabalho se estruturou em 5 capítulos. No primeiro capítulo, foram abordados os objetivos do trabalho, sendo que foram subdivididos em geral e específicos. No segundo, a metodologia é evidenciada de forma a explicar de forma clara, como o projeto se desenvolveu. O terceiro capítulo explorou os principais aspectos legais pertinentes ao assunto, bem como o que dizem os principais autores sobre fundos de vale e projetos de revitalização, e também procurou apresentar o município de Ibiporã através de sua história e suas principais caraterísticas.

O quarto capítulo abordou os aspectos do fundo de vale, a análise dos formulários e das entrevistas, em seguida, o último capítulo as conclusões, finalizando assim o trabalho de conclusão do curso.

2 OBJETIVOS

2.1 GERAL

Realizar um estudo ambiental no fundo de vale da Nascente do Córrego dos

população residente da área quanto a sua utilização futura

Tucanos no município de Ibiporã/PR e conhecer as expectativas da 2.2 ESPECÍFICOS

Diagnosticar os impactos decorrentes do excesso de corrente pluvial e da ação de abandono e depredatória antrópica.

Conhecer os aspectos legais da área junto ao poder público.

Estudar o potencial da utilização do local para realização de atividades de lazer e conscientização ambiental da população com o objetivo da preservação do local.

3 METODOLOGIA

A metodologia de pesquisa consistiu inicialmente em uma pesquisa bibliográfica sobre a literatura existente sobre o tema, assim como projetos de outros municípios e pesquisa documental. Foi também realizada uma pesquisa de campo, qualitativa e quantitativa sobre a opinião da população do bairro com relação ao espaço em questão, bem como a posição do setor público sobre o estado de conservação do local, que no momento está abandonado.

3.1 PESQUISA BIBLIOGRÁFICA

De acordo com Marconi e Lakatos (2011, p. 57), a pesquisa bibliográfica:

Abrange toda bibliografia já tornada pública em relação ao tema de estudo, desde publicações avulsas boletins, jornais, revistas, livros, pesquisas, monografias, teses, material cartográfico, etc., até meios de comunicação

orais: rádio, gravações em fita magnética e audiovisuais: filmes e televisão

Ainda segundo Marconi e Lakatos (2011, p. 48), a pesquisa documental é a que se refere a todos os tipos de documentos podendo ser dividos em escrtitos ou não, primários, secundários, contemporâneos ou retrospectivos. Variáveis estas, possiveis de serem observadas no quadro a seguir:

Figura 1: Tipos de fontes da pesquisa bibliográfica. Fonte: MARCONI E LAKATOS, 2011 p. 49.

Dentre os documentos escritos, os utilizados nesta análise foram os escritos do tipo contemporâneos primários e secundários, ou seja, documentos públicos, estatísticas bem como os outros contemporâneos, como por exemplo, fotografias, gráficos, mapas, material cartográfico e publicações.

3.2 PESQUISA DE CAMPO

Caracterizando uma pesquisa prática, a observação do local de estudo e seu entorno foi o primórdio para a elaboração do problema de pesquisa. Tal observação pode ser descrita por Marconi e Lakatos (2011) como “pesquisa de campo”, levantando dados no “local onde os fenômenos ocorrem”, a pesquisa de campo tem o objetivo:

...de conseguir informações e/ou conhecimentos acerca de um problema para o qual se procura uma resposta, ou de uma hipótese que se queira comprovar, ou ainda, descobrir novos fenômenos ou as relações entre eles (MARCONI E LAKATOS, 2011 p. 69).

A observação foi feita de maneira exploratória a fim de levantar os impactos mais significativos, a descrição detalhada da situação atual, bem como formular hipóteses das possíveis causas da degradação levantada.

população da área de influencia direta

Dentre os métodos utilizados na referente pesquisa, a entrevista se fez de modo a buscar informações a respeito do local estudado e do manejo que será implantado. O objetivo da entrevista, segundo Marconi e Lakatos (2011) é a “obtenção de informações do entrevistado, sobre determinado assunto ou problema”. Assim, durante a mesma com o diretor de Agricultura da Secretaria de Agricultura, Abastecimento e Meio Ambiente de Ibiporã, senhor Tomás Falkowski e com a bióloga Andressa das Graças, a entrevistadora procurou a “averiguação de fatos (Marconi e Lakatos, 2011, p. 81)” para a compreensão melhor da situação do local. Bem como a “descoberta de planos de ação”, ou seja, os projetos previstos para a área, a fim de verificar se estão de acordo com a opinião da população a respeito do problema, levantada por meio de formulário aplicado por amostragem. Para que a proposta de revitalização se desenvolva de maneira satisfatória, a entrevista é uma ferramenta fundamental, assim como o levantamento para com a

3.2.2 Amostragem

Devido a quantidade da população da área de influência direta não ser conhecida antes deste estudo, nem mesmo o seu perfil, o método de amostragem designado foi a “probabilística por área”. Por meio de imagens aéreas e mapas, a área que foi considerada a mais influenciada pelo “fundo de vale” foi demarcada. A seguir, o procedimento foi a escolha aleatória das pessoas na área para pesquisa com formulário, sendo combinados os procedimentos por área com aleatória simples (Marconi e Lakatos, 2011, p. 28).

foram abordados procurando o equilíbrio entre as faixas

Foram determinadas 120 pessoas para a entrevista com o formulário, que foram dividas pelas ruas na área de influencia direta. A grande maioria foi interceptada em casa ou próxima dela, sendo que 70 pessoas eram do sexo feminino e 42 do masculino e a faixa etária buscada foi de pessoas acima de 15 anos, divida em três grupos, até 30 anos, de 31 a 50 e acima de 50 anos, que(?)

No total, foram entrevistadas 12 pessoas nos dias 04, 05 e 1 de agosto do referente ano no período vespertino.

Segundo Marconi e Lakatos (2011, p. 100), formulário é caracterizado pelo “contato face a face entre pesquisador e informante e ser o roteiro de perguntas preenchido pelo entrevistador, no momento da entrevista”. Dentre as vantagens elencadas por Marconi e Lakatos (2011), pode se destacar a abrangência em todos os segmentos da população, pois quem preenche é o entrevistador, a explicação de perguntas que não ficaram claras na presença do pesquisador, bem como a flexibilidade de adaptação e facilidade na aquisição de um número considerável de informantes.

Entretanto, as principais desvantagens são a menor liberdade de resposta devido à presença do pesquisador, seguida da insegurança do entrevistado, o risco de distorções e um tempo maior para a aplicação do que o questionário, por exemplo, que é feito sem a presença do entrevistador.

(Parte 1 de 4)

Comentários