(Parte 1 de 2)

SGAN Quadra 601, Módulo K Ed. Antônio Ernesto de Salvo - 1º andar Brasília-DF - CEP: 70830-903 Fone: + 5 61 2109.1300 - Fax: + 5 61 2109.1325 canaldoprodutor@cna.org.br / w.senar.org.br w.canaldoprodutor.com.br

Acesse também o portal de educação à distância do SENAR: w.canaldoprodutor.com.br/eadsenar

Coleção SENAR134

Ordenha manual de bovinos

Coleção SENAR

TRABALHADOR NA BOviNOCuLTuRA DE LEiTE ordenha manual de bovinos iMPRESSO NO BRASiL

© 2009, SENAR – Serviço Nacional de Aprendizagem Rural

Coleção SENAR - 134

LEitE Ordenha manual de bovinos

FOtOGRAFiA

Hermínio Oliveira Rodrigo Farhat iLUStRAÇÃO André tunes

AGRADECiMENtOS

Janete Lacerda de Almeida pela produção fotográfica

Lauro Lucio Viana e Rodrigo tillmann Viana (Estância tropical); Walter Jose da Cunha (Fazenda Sta. Edwiges); Paulo Roberto Lucas Viana Filho (Fazenda

Serrinha); Honório Sales da Cunha (Estância Cristiane) por terem disponibilizado suas propriedades, como cenário para parte da produção fotográfica.

SENAR - Serviço Nacional de Aprendizagem Rural.

Leite: ordenha manual de Bovinos / Serviço Nacional de Aprendizagem Rural. 2. ed. -- Brasília : SENAR, 2010.

1. Gado Leiteiro2. Ordenha Manual. i. Título. i. Série.

68 p. il. ; 21 cm -- (Coleção SENAR; 134) iSBN 978-85-7664-043-1 CDu 637.124

Sumário Apresentação 5

Introdução 7 ordenha manual de bovinos 8

I - Conhecer a glândula mamária 9 1 - Conheça a estrutura da glândula mamária 9 2 - Conheça o funcionamento da glândula mamária 1

I - observar a qualidade do leite 13 1 - Cuide da saúde do animal 13 2 - Cuide da saúde do ordenhador 14 3 - Conheça os aspectos gerais do leite e a instrução Normativa 51 (iN51) 14

I - Conhecer a mastite 17 1 - identifique a mastite clínica 18 2 - identifique a mastite subclínica 20

IV - ordenhar manualmente 3 1 - Reúna o material 34 2 - Sanitize balde e coador 35 3 - Prepare a solução desinfetante para pré e pós-dipping 37 4 - Conduza os animais à sala de ordenha 37 5 - Separe a vaca a ser ordenhada 38 6 - Contenha a vaca 38 7 - Contenha o bezerro junto à vaca 39 8 - Lave as mãos 39 9 - Faça o teste da caneca telada ou de fundo preto 40 10 - Faça a imersão dos tetos na solução desinfetante (pré-dipping) 41 1 - Seque os tetos com papel toalha 41 12 - Ordenhe a vaca 42 13 - Solte o bezerro 42 14 - Solte a vaca 43

15 - Despeje o leite no tanque de refrigeração 43 16 - Higienize os utensílios 4 17 - Faça a limpeza geral da sala de ordenha 47

V - Conhecer o tanque de refrigeração 48 1 - Verifique o volume de leite no tanque 49

2 - Colete amostra de leite para análise de contagem bacteriana total (Cbt) e contagem de células somáticas (CCS) 51

3 - Faça a higienização do tanque de refrigeração 56

Coleção | SEN AR

Apresentação

Os produtores rurais brasileiros já mostraram sua competência na produção de alimentos. Atingimos altos índices de produtividade e o setor, hoje, representa um terço do Produto interno bruto (Pib), emprega um terço da força de trabalho e gera um terço das receitas das nossas exportações.

Certamente, os cursos de capacitação do SENAR (Serviço Nacional de Aprendizagem Rural) contribuíram para que chegássemos a resultados tão satisfatórios. Milhares de produtores e trabalhadores rurais se valeram dos treinamentos promovidos pelo SENAR para obter melhor desempenho em suas atividades.

Precisamos nos habilitar a aproveitar as necessidades do mercado e alcançar maior rentabilidade para o nosso negócio. Um dos instrumentos que utilizamos nestas ações de capacitação são cartilhas como essa, que compõe a coleção SENAR. trata-se de um recurso instrucional de grande importância para a fixação de aprendizagem, que poderá se tornar fonte permanente de consulta e referência.

Desde que foi criado, o SENAR vem reunindo experiências, mobilizando esforços e agregando novos valores que se fundem aos conteúdos disseminados nos cursos e treinamentos. Nossas cartilhas consolidam esse aprendizado e representam o compromisso da instituição com a qualidade do serviço educacional oferecido aos cidadãos do campo.

Levamos muito a sério a nossa missão de capacitar os produtores e trabalhadores rurais a serem cada vez mais eficientes. Queremos que o campo se modernize, seja capaz de produzir mais e melhor, usando tecnologia adequada e gerenciando com competência suas atividades. Participe desse esforço e aproveite, com habilidade e disposição, todos os conteúdos que o SENAR oferece, nesta produtiva cartilha.

bom trabalho!

Senadora Kátia Abreu

Presidente da Confederação da Agricultura e Pecuária do brasil - CNA e do Conselho Deliberativo do SENAR

Coleção | SEN AR

Introdução

Esta cartilha de ordenha manual abrange as operações necessárias para a obtenção de um leite de qualidade discutindo desde o conhecimento da glândula mamária, as novas exigências propostas pela instrução Normativa 51, os problemas relacionados à mastite até a conservação adequada do leite na propriedade.

A cartilha aborda ainda, de maneira simples, as principais tarefas a serem realizadas em uma propriedade leiteira, relacionando o cuidado com a higiene pessoal, a segurança alimentar, a saúde e a segurança do trabalhador, além de sua interação com o meio ambiente e bem-estar dos animais.

Coleção | SEN AR ordenha manual de bovinos

A cadeia produtiva do leite no brasil vem enfrentando um período de grandes modificações. Nota-se que os consumidores estão tornando-se mais exigentes com os produtos que consomem e o interesse em aumentar as exportações de lácteos vem requerendo investimentos nas diversas áreas e setores com o objetivo de melhorar a produção e a qualidade dos produtos.

A responsabilidade de aprimorar a qualidade do leite brasileiro é de toda a cadeia produtiva, englobando desde os produtores rurais, associações, cooperativas, fornecedores de insumos, indústrias, agroindústrias, distribuidores até os exportadores dos produtos.

Diante dessa nova realidade, a instrução Normativa 51 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA) regulamenta a produção, identidade, qualidade, coleta e transporte do leite.

Conhecer a glândula mamária

A glândula mamária é uma estrutura capaz de produzir e armazenar grandes volumes de leite. Para que essa produção ocorra, a glândula mamária utiliza nutrientes consumidos pelo animal ou de suas reservas corporais.

1 - Conheça a estrutura da glândula mamária

O úbere da vaca é uma glândula secretora composta por quatro quartos mamários funcionalmente separados, já que não ocorre a comunicação entre eles.

Para a sustentação do úbere existe um sistema de suporte composto pela pele e por um conjunto de ligamentos. torna-se importante observar se os ligamentos o sustentam adequadamente, pois se estiverem fracos podem favorecer a ocorrência de úbere pendular, dificultar a ordenha, aumentar o risco de ocorrência de infecções intramamárias, além de acidentes com o úbere e teto.

Coleção | SEN AR

Coleção | SEN AR

Os tetos devem ser avaliados quanto à forma e posição para facilitar a ordenha.

Ligamentos relaxadosLigamentos firmes

2 - Conheça o funcionamento da glândula mamária

A glândula mamária é composta por tecidos que sintetizam e armazenam o leite. Ao receber estímulos externos, como mamada ou presença do bezerro, estímulo manual do teto, ruído da ordenhadeira e outros, é realizado o processo de expulsão do leite para fora do alvéolo que poderá ser extraído pelo bezerro ou pela ordenha manual ou mecânica. Esse processo, também conhecido como “descida do leite”, se dá pela liberação do hormônio ocitocina na corrente sanguínea.

Como a ocitocina permanece na circulação por pouco tempo é importante iniciar a ordenha em aproximadamente um minuto após o início da estimulação dos tetos.

O manejo durante a ordenha deve ser calmo, silencioso e sem agressividade para não ocorrer inibição na descida do leite, evitando, ainda, o leite residual.

Coleção | SEN AR

Algumas raças de origem européia, como Holandesa, Jersey e Pardo-

-Suíço, em conseqüência de seleção genética, apresentam facilidade de ordenha e de “descida do leite”. Entretanto, vacas leiteiras de raças zebuínas podem apresentar dificuldades de ordenha manual e mecânica, em função do reflexo da expulsão do leite incompleto, na maioria das vezes necessitam da presença ou estímulo da mamada do bezerro antes da ordenha.

observar a qualidade do leite

O leite é o produto derivado da ordenha completa, ininterrupta e em condições de higiene, de vacas sadias, bem alimentadas e descansadas.

Para se obter um produto de qualidade, devem ser observados alguns requisitos, como condições de saúde do animal e do ordenhador, e exigências legais.

Os critérios devem seguir a instrução Normativa 51 do Ministério da

Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA), que regulamenta a produção, identidade, qualidade, coleta e transporte do leite.

1 - Cuide da saúde do animal

Espera-se que os animais tenham alimentação adequada, estejam em ambiente confortável com instalações apropriadas e recebam um controle sanitário preventivo com foco na saúde animal e humana (controle de zoonoses), respeitando as exigências dos órgãos legais.

Coleção | SEN AR

2 - Cuide da saúde do ordenhador

O ordenhador deve adotar hábitos higiênicos, como não fumar, cuspir, comer ou assoar o nariz durante a ordenha, além de manter as unhas cortadas e limpas e usar roupas adequadas para a atividade.

Recomenda-se que o ordenhador realize periodicamente exames médicos e esteja qualificado para a execução da tarefa.

3 - Conheça os aspectos gerais do leite e a Instrução Normativa 51 (IN 51)

O leite fresco deve ser um líquido branco, isento de sabores e odores estranhos, apresentar uma composição química adequada, ausência de microrganismos patogênicos (causadores de doença), pesticidas ou antibióticos, além de estar livre de agentes inibidores do crescimento microbiano.

Entre os principais aspectos a serem observados pela iN 51 estão a contagem bacteriana total (Cbt), a contagem de células somáticas (CCS) e a composição do leite.

Coleção | SEN AR

Tabela 1: Contagem bacteriana total (Cbt) e contagem de células somáticas (CCS) máximas admitidas no leite cru refrigerado, conforme iN 51, nas regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul.

* UFC/ml – Unidade Formadora de Colônias por mililitros ** CS/ml – Células Somáticas por mililitros

Tabela 2: Contagem bacteriana total (Cbt) e contagem de células somáticas (CCS) máximas admitidas no leite cru refrigerado, conforme iN 51, nas regiões Norte e Nordeste.

* UFC/ml – Unidade Formadora de Colônias por mililitros ** CS/ml – Células Somáticas por mililitros

A partir de 01/07/2005 A partir de 01/07/2008

A partir de 01/07/2011

CBT1.0.0 uFC/ml*750.0 uFC/ml*100.0 uFC/ml*

CCS1.0.0 CS/ml**750.0 CS/ml**400.0 CS/ml**

A partir de 01/07/2007 A partir de 01/07/2010

A partir de 01/07/2012

CBT1.0.0 uFC/ml*750.0 uFC/ml*100.0 uFC/ml*

CCS1.0.0 CS/ml**750.0 CS/ml**400.0 CS/ml**

Coleção | SEN AR

Tabela 3: Composição mínima exigida no leite cru refrigerado, para gordura e proteína, conforme iN 51.

Atenção:

O leite deverá ser refrigerado na propriedade rural imediatamente após a ordenha.

Componentes do leite%

Gordura 3,0 Proteína 2,9

Conhecer a mastite

Mastite ou mamite é a inflamação da glândula mamária causada principalmente por microrganismos como bactérias, fungos, leveduras e algas. Ocorre quando microrganismos invadem a glândula mamária, atravessando o canal do teto e multiplicando-se no interior dos tecidos. A contaminação, na maioria das vezes, vem do meio externo através das mãos do ordenhador e do ambiente contaminado. Para combater os microrganismos causadores da infecção, neutralizar toxinas e regenerar os tecidos danificados, a glândula mamária apresenta uma resposta inflamatória, aumentando o número de células de defesa e resultando em aumento da contagem de células somáticas.

A mastite é considerada a doença que mais afeta os rebanhos leiteiros.

Os principais prejuízos são causados pela redução da produção e descarte de leite, aumento de gastos com medicamentos para tratamento da doença, descarte involuntário de animais e baixo rendimento industrial.

A mastite pode ser classificada como mastite clínica e subclínica.

Coleção | SEN AR

1 - Identifique a mastite clínica

A mastite clínica apresenta sinais visíveis como aparecimento de grumos, pus ou qualquer alteração das características do leite e pode ser identificada através da avaliação do úbere juntamente com o teste da caneca telada ou de fundo preto.

1.1 - Faça a avaliação do úbere

A avaliação do úbere é realizada pela observação e identificação de edema, aumento de temperatura, endurecimento e dor na glândula mamária.

1.2 - Faça o teste da caneca telada ou de fundo preto

Atenção:

O momento adequado para realizar esse procedimento é após a ordenha com o úbere vazio.

Atenção: O teste deve ser realizado antes da ordenha.

Coleção | SEN AR

1.2.1 - Retire os três primeiros jatos de leite de cada teto na caneca telada ou de fundo preto

1.2.2 - Observe se há presença de grumos, pus ou alteração do leite teste da caneca telada - leite com mastite clínica

Coleção | SEN AR

1.3 - Faça o tratamento da mastite clínica

Os casos clínicos que ocorrerem durante a lactação devem ser tratados. A escolha do tratamento deverá ser feita juntamente com o médico veterinário responsável, considerando-se tanto o histórico do rebanho quanto as informações sobre os agentes causadores.

2 - Identifique a mastite subclínica

A mastite subclínica não apresenta sinais visíveis no leite e no úbere, sendo identificada por testes auxiliares, como o california mastitis test (CMt) e contagem de células somáticas (CCS).

2.1 - Faça o teste CMT

O teste CMt é um método prático que pode ser realizado no local de ordenha e fornece resultado imediato.

Atenção:

1 - A vaca com mastite clínica deve ser separada e ordenhada por último.

2 - Deve-se identificar a vaca e realizar o tratamento imediato da mastite clínica registrando o procedimento.

Coleção | SEN AR

2.1.1 - Posicione a bandeja de acordo com os tetos

2.1.2 - Ordenhe cerca de 2 mililitros de leite de cada quarto

2.1.3 - Elimine o excesso de leite utilizando a marca da bandeja

Coleção | SEN AR

2.1.4 - Adicione 2 mililitros de reagente CMT orientandose pela segunda marca da bandeja

2.1.5 - Misture o leite e reagente com movimentos circulares

Coleção | SEN AR

2.1.6 - Avalie o resultado pela viscosidade

A leitura do resultado da viscosidade é obtida conforme instruções que acompanham o teste CMt.

Mastite subclínica positiva nos quatro tetos

2.1.7 - Anote os resultados do teste CMT

2.2 - Faça a CCS

Células somáticas são células de origem sanguínea (células de defesa) e células de descamação do epitélio da glândula mamária. Apesar de as células somáticas serem importantes para a defesa da glândula mamária, suas presenças em alta quantidade no leite são indicativo de processo inflamatório.

Coleção | SEN AR

A contagem de células somáticas é um teste realizado em laboratórios de referência, sendo usado como parâmetro de qualidade. Para realizar a CCS é necessário coletar o leite adequadamente, enviando-o ao laboratório.

2.2.1 - Ordenhe a vaca individualmente

2.2.2 - Pegue o frasco com conservante

Coleção | SEN AR

2.2.3 - Colete a amostra de leite

(Parte 1 de 2)

Comentários